Banca de DEFESA: JAX MARA DE JESUS QUEIROZ

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JAX MARA DE JESUS QUEIROZ
DATA: 05/12/2018
HORA: 08:15
LOCAL: Sala R8 - ICED
TÍTULO: ENSINO DE LÍNGUA EM USO: DISCUTINDO VARIAÇÃO LINGUÍSTICA
PALAVRAS-CHAVES: Língua, variação, ensino
PÁGINAS: 116
GRANDE ÁREA: Lingüística, Letras e Artes
ÁREA: Lingüística
SUBÁREA: Sociolingüística e Dialetologia
RESUMO: Esta dissertação, que discute a língua em uso, faz parte de um trabalho realizado com alunos do 9ª ano, da escola Marechal Rondon, incluída na rede municipal de ensino do Município de Itaituba-PA. Como suporte da pesquisa aplicou-se projeto interventivo, elaborado pela pesquisadora Marinho (2017). O objetivo central da nossa pesquisa é verificar em que medida a aplicação de uma proposta interventiva que considere o aluno como agente de seu conhecimento e a variação como fenômeno natural nas línguas sem viés normatizador, contribui para o ensino mais produtivo de língua. Nossa pesquisa se organiza em duas etapas: teórica e prática. Na etapa teórica, os alunos, pesquisadores iniciantes, participaram de quatro encontros temáticos, a saber: De onde vem a língua que falamos?, Ser brasileiro é falar português?, A variação linguística, A linguagem paraense. Na etapa prática, os alunos pesquisadores foram a campo, sob minha mediação, realizaram visitas à feira, a um espaço destinado para atividades dos idosos, à Associação dos Garimpeiros, a Museu e à Câmara Municipal dos Vereadores de Itaituba. Os alunos pesquisadores realizaram entrevistas com os informantes, as quais foram gravadas para que se realizassem as transcrições. O resultado da pesquisa de campo foi discutido com os alunos no decorrer das rodas de conversas e registrado nos diários de bordo de cada aluno, assim como em nosso caderno de atividades (produto-didático). As observações, tanto dos alunos quanto minhas, deram suporte às análises presentes nesta dissertação. No momento final da nossa intervenção constatamos mudanças no “comportamento linguístico” dos alunos, consequência do que vivenciaram durante as etapas da pesquisa. Os registros, nos diários de bordo, diagnosticaram não somente o reconhecimento do fenômeno da variação como constituinte da língua, mas também respeito diante das formas linguísticas estigmatizadas pela classe privilegiada. Esse novo olhar dos alunos pesquisadores equivale a um passo relevante que ratifica a necessidade de mudança para que se tenha um ensino mais produtivo de língua.
MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1260786 - EDIENE PENA FERREIRA
Interno - 1776813 - LUIZ PERCIVAL LEME BRITTO
Interno - 1292601 - ZAIR HENRIQUE SANTOS
Externo à Instituição - IACI DE NAZARÉ SILVA ABDON - UFPA
Notícia cadastrada em: 19/11/2018 10:45
SIGAA | Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação - (00) 0000-0000 | Copyright © 2006-2020 - UFRN - srvapp2.ufopa.edu.br.srv2inst1