Banca de DEFESA: FRANCILEIDE COSTA RODRIGUES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : FRANCILEIDE COSTA RODRIGUES
DATA : 06/11/2020
HORA: 10:00
LOCAL: Sistema remoto RNP
TÍTULO:

LEITURA DE CONTOS DA LITERATURA BRASILEIRA DE EXPRESSÃO AMAZÔNICA: FRUIÇÃO E (RE)CONHECIMENTO  DE PRÁTICAS CULTURAIS


PALAVRAS-CHAVES:

Literatura Brasileira de Expressão Amazônica; leitura literária; contos amazônicos; escritores paraenses; cultura amazônica


PÁGINAS: 155
RESUMO:

A presente dissertação intitulada Leitura de contos da Literatura de Expressão Amazônica: fruição e (re)conhecimento de práticas culturais nasceu da inquietação da professora-pesquisadora ao constatar a ausência de atividades de leitura com textos de literatura de Expressão Amazônica no fundamental maior (6º ao 9º ano) e como esses textos seriam trabalhados a fim de que os alunos lessem mais, percebessem a leitura como um meio de aquisição de conhecimentos e valorizassem as práticas culturais. Como afirma Candido, a literatura é fator de humanização e direito humano, portanto, deve estar ao alcance de todos. Com essas atividades, o aluno, além de ter contato com textos pouco acessíveis, tem a oportunidade de vivenciar experiências e aprendizados que só o texto literário proporciona. Como atividade de intervenção na sala de aula, foi desenvolvido um projeto de leitura denominado Contos para acordar e encantar composto de oito oficinas, focado na leitura de contos de literatura de Expressão Amazônica, aplicado em uma turma de 9º ano, na cidade de Monte Alegre. A proposta de intervenção foi transformada em um caderno de atividades que servirá de apoio a outros professores que sintam a necessidade de trabalhar com esse tipo de leitura e será mais uma contribuição para o acesso a textos desses autores que não são encontrados em livros didáticos. Assim, esta pesquisa qualitativa participante tem por objetivo estimular a leitura em alunos do ensino fundamental, usando para isso textos literários de três escritores paraenses, que são: José veríssimo, Inglês de Sousa e Benedicto Monteiro, os quais ressaltam os elementos da cultura amazônica, promovendo, dessa forma, maior identidade dos alunos com os textos lidos. A pesquisa se baseou nos estudos de autores que versam sobre leitura literária , principalmente Bértolo( 2014), Britto (2012/2015), Candido (2011), Colomer(2007), Kleiman (1989/1995), Lajolo (1997/2001) e Solé (1999) e em algumas pesquisas já realizadas no âmbito do Profletras-Ufopa/UFPA sobre o tema. A experiência revelou que as aulas de Língua Portuguesa devem ser o momento e o lugar em que a leitura de textos literários, inclusive o de Expressão Amazônica, deve ter a primazia e servir como ponto de partida para as demais atividades como oralidade, análise linguística e produção textual e que o professor deve mediar essas atividades em todas as etapas.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1190534 - ANA MARIA VIEIRA SILVA
Interno - 1776813 - LUIZ PERCIVAL LEME BRITTO
Externo ao Programa - 1794508 - ITAMAR RODRIGUES PAULINO
Notícia cadastrada em: 19/10/2020 14:40
SIGAA | Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação - (00) 0000-0000 | Copyright © 2006-2020 - UFRN - srvapp2.ufopa.edu.br.srv2inst1