Banca de DEFESA: CLÁUDIA NEVES NASCIMENTO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: CLÁUDIA NEVES NASCIMENTO
DATA: 17/09/2018
HORA: 14:30
LOCAL: Unidade Tapajós - Auditório NTB
TÍTULO: CULTURAS E MEMÓRIAS DAS COMUNIDADES DE QUILOMBO DA AMAZÔNIA: UM PASSADO REVISTO A PARTIR DO PRESENTE
PALAVRAS-CHAVES: Cultura, Memória, Amazônia, Africanidade, Diáspora.
PÁGINAS: 11
GRANDE ÁREA: Ciências Humanas
ÁREA: História
SUBÁREA: História do Brasil
ESPECIALIDADE: História Regional do Brasil
RESUMO: A presente dissertação debruça-se sobre a contribuição dos povos de matriz africana na cultura e formação da sociedade amazônica. Destacando-se hoje a existência de comunidades remanescentes de quilombolas no Baixo Amazonas, também conhecida pelos locais de mocambos. A região é caracterizada pela diversidade, complexidades socioculturais, geográficas e por um rico patrimônio histórico cultural. Tudo isso, resultante da interação das diversas populações em um longo fluxo de tráfegos e tráficos pela região amazônida. A convivência entre diferentes povos favoreceu a construção de saberes e práticas que são próprios da região do Baixo Amazonas e ao mesmo tempo representam a singularidade desse território. Mas toda essa construção é resultante de resistências ou de acomodações à lógica do colonizador? Essa questão incômoda gerou a questão científica desta pesquisa, que é em que medida as manifestações culturais, os registros da memória coletiva e a afirmação da identidade afro de comunitários remanescentes de quilombo na região do Baixo Amazonas no tempo presente serve de fundamento para pensar o passado? Dito isto, a pesquisa, com abordagem qualitativa, focou em duas comunidades de remanescentes de quilombos com registros de reconhecimento territorial no INCRA, Silêncio (Óbidos-PA) e Pacoval (Alenquer-PA). Os resultados se mostraram válidos por conta de registros de memória coletiva sobre os patrimônios históricos, culturais e memórias das duas comunidades, gerando dela a discussão sobre a afirmação identitária afro, relacionando o presente ao passado e o passado ao presente, duas vias que permitem ligar a África à Amazônia, dois universos distantes, que por conta da grande Diáspora, acabaram se unindo pela viva resistência de pretos de mocambos e quilombos.
MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ANA CLARA MAGALHÃES DE MEDEIROS - UFAL
Externo ao Programa - 1216516 - EDIVALDO DA SILVA BERNARDO
Presidente - 1794508 - ITAMAR RODRIGUES PAULINO
Externo ao Programa - 1182093 - TEREZINHA DE JESUS DIAS PACHECO
Notícia cadastrada em: 12/09/2018 17:06
SIGAA | Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação - (00) 0000-0000 | Copyright © 2006-2020 - UFRN - srvapp2.ufopa.edu.br.srv2inst1