Banca de QUALIFICAÇÃO: JOÃO PAULO PANTOJA BRAGA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: JOÃO PAULO PANTOJA BRAGA
DATA: 06/06/2018
HORA: 08:00
LOCAL: Sala 319, Unidade Amazônia
TÍTULO: Bem-estar Subjetivo Infantil: Dimensões que compõem a Felicidade para Crianças de uma Escola Pública no Município de Santarém, Pará.
PALAVRAS-CHAVES: Crianças Amazônidas, Infâncias, Felicidade.
PÁGINAS: 50
GRANDE ÁREA: Outra
ÁREA: Multidisciplinar
RESUMO: O bem-estar subjetivo é um conceito que tem atraído a atenção de pesquisadores de várias áreas do conhecimento, pela compreensão de sua influência na saúde e no desenvolvimento humano. Para esse estudo, o bem-estar subjetivo é entendido como a avaliação que cada pessoa faz de sua própria vida e isso inclui os domínios que a compõem. Várias pesquisas realizadas tem buscado compreender, além dos domínios que fazem parte do construto, as variáveis que interferem no BES, tanto para adultos quanto para crianças. Em se tratando dessas, o direito ao bem-estar é uma dimensão estruturante da infância (SILVA, 2015), portanto, é preciso ouvir suas vivências, práticas e conceituações, para que se possa conhece-las e às suas necessidades, de maneira a garantir o necessário para propiciar e manter o bem-estar infantil. As pesquisas de BES com crianças tem avançado em outros lugares do mundo, como nos Estados Unidos e Espanha. No Brasil, o número de estudos é reduzido e tem sido conduzidos nas regiões sul e sudeste do país. Nesse sentido, não se sabe sobre o bem-estar subjetivo de crianças nortistas, cujas formas de vida possuem peculiaridades que as distinguem de crianças de outras regiões do país. Essa pesquisa, que faz parte de um projeto mais amplo, que tem como objetivo compreender como está o BES das crianças da Amazônia Brasileira, tem como foco as dimensões do bem-estar subjetivo para crianças de 8 a 12 anos em uma escola municipal pública em Santarém, Pará. Como objetivos específicos pretende-se: descobrir como está o bem-estar subjetivo das crianças participantes, identificar os domínios que compõe o BES delas, a partir de suas falas e quais desses domínios possuem maior relevância na concepção das mesmas. Os dados serão coletados mediante múltiplos instrumentos, de acordo com os objetivos traçados: para mensurar o BES será utilizada a técnica do Desenho da Figura Humana e a escala multidimensional de satisfação com a vida, validada por Giacomoni e Hutz (2008). Para averiguar as dimensões do BES para os participantes será conduzido grupo focal, com roteiro prévio e aplicado o questionário de BES infantil proposto por Casa e Bello (2012). Para caracterizar a amostra será preenchida uma folha de dados sociodemográficos. Os dados sociodemográficos, das escalas de satisfação com a vida e da escala de BES infantil serão analisados mediante estatística descritiva e inferencial. Os dados do grupo focal serão analisados mediante a técnica do Discurso do Sujeito Coletivo. O DFH será analisado mediante os critérios propostos por Viapiana, Bandeira e Giacomoni (2016). A pesquisa se dará em 2 etapas. A primeira etapa, de natureza quantitativa, abarcará crianças de 8 a 12 anos, que preencherão as escalas. Na segunda etapa, de caráter qualitativo, serão realizados grupos focais de até 5 crianças, da faixa etária representada, com o objetivo de compreender melhor os domínios que fazem parte do BES. Espera-se que os resultados desta pesquisa contribuam para o entendimento do Bem-Estar Subjetivo das crianças amazônidas, de maneira a fornecer subsídios que propiciem e mantenham as condições necessárias para o desenvolvimento saudável das mesmas.
MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1552900 - IANI DIAS LAUER LEITE
Externo ao Programa - 3045967 - IRANI LAUER LELLIS
Interno - 115.081.242-72 - MARIA DE FATIMA MATOS DE SOUZA - UFPA
Interno - 1776327 - THIAGO ALMEIDA VIEIRA
Notícia cadastrada em: 30/05/2018 17:28
SIGAA | Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação - (00) 0000-0000 | Copyright © 2006-2020 - UFRN - srvapp2.ufopa.edu.br.srv2inst1