Banca de DEFESA: THIAGO CÉSAR DE SOUSA BORGES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : THIAGO CÉSAR DE SOUSA BORGES
DATA : 30/01/2019
HORA: 16:00
LOCAL: Sala 319 (CFI/UFOPA), Unidade Amazônia
TÍTULO:

A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS NO PARÁ: UMA ANÁLISE DO USO MÚLTIPLO DA ÁGUA NA REGIÃO de santarém e suas implicações


PALAVRAS-CHAVES:

recursos hídricos; santarém; gestão


PÁGINAS: 78
RESUMO:

Atualmente os ecossistemas aquáticos estão cada vez mais vulneráveis as ações humanas e aos grandes impactos resultantes das mesmas, e isso pode ser observado em escala global, principalmente pelo fortalecimento das grandes indústrias e o aumento na diversificação dos meios/modos de produção, onde praticamente todos utilizam da água como matéria principal para a sua realização. O aumento da população mundial e junto com ele o aumento do consumo de água, também pode ser visto como uma das problemáticas envolvendo a água na atualidade. O aumento acelerado da demanda de recursos hídricos cria, inicialmente, o problema da escassez quantitativa do recurso, sendo que, concomitantemente, diminui a qualidade das águas pelo aumento da população. Este aumento produz um incremento na industrialização, no uso de agrotóxicos na agricultura e no uso inadequado do solo e da água. As águas poluídas pelas atividades antropogênicas retornam com qualidade inferior aos corpos d’água1 de que foram retirados. (BICUDO, TUNDISI, SCHEUENSTUHL, 2010, pág. 16). Na Amazônia são inúmeros os problemas envolvendo a água, dentre eles podemos citar, a criação de novas hidrelétricas, o lixo que é jogado nos rios, o desrespeito ao período de reprodução dos peixes, a grande exploração dos recursos naturais, a falta de manejo tanto na agricultura quanto na pesca, o assoreamento dos rios que acabam por ocasionar grandes enchentes, e até mesmo o despejo dos esgotos de algumas cidades, como exemplo o munícipio de Santarém, situado na região oeste do Estado do Pará. Em Santarém, o aumento populacional levou a construção de núcleos habitacionais desordenados e sem saneamento básico. Esgotos sem nenhuma espécie de tratamento são lançados indiscriminadamente no rio e comprometem a saúde da população que utiliza a água para diversos fins. (MIRANDA, PEREIRA, OLIVEIRA, 2009, pág. 77) Atualmente a região do Oeste do Pará está sendo palco de grandes investimentos privados e governamentais, e o principal deles é o projeto de construção das hidrelétricas do Tapajós, projeto esse que afetará várias localidades da região e que demanda um grande estudo dos impactos ambientais e sociais. As construções de Estações de Transbordo de Cargas também fazem parte desses projetos voltados para a região e que futuramente serão instalados. Quando se trata do uso e a exploração do recurso água, o poder público é quem deve ser o principal mediador nessa questão, e isso deve ser feito por meio da criação de políticas públicas e dos comitês de bacias hidrográficas, tendo a população usuária da água um forte papel decisivo e crítico nessas construções. No entanto, a questão social também deve ser levada em consideração, pois são inúmeras as famílias afetadas pela exploração da água, e a maioria delas são ribeirinhas, os impactos causados pelos novos empreendimentos que estão acontecendo e ainda acontecerão na região amazônica são incontáveis. Uma série de fatores também devem ser levados em consideração, por exemplo de que forma vem sendo feita a utilização da água na região, seja para acumulação de riquezas, pra agricultura ou até mesmo para o meio urbano ou ribeirinho.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1963407 - RUBENS ELIAS DA SILVA
Interno - 2142681 - BRUNO APOLO MIRANDA FIGUEIRA
Externo ao Programa - 1795814 - IZAURA CRISTINA NUNES PEREIRA COSTA
Externo à Instituição - FABIO FONSECA FIGUEIREDO - UFRN
Notícia cadastrada em: 22/01/2019 14:32
SIGAA | Centro de Tecnologia da Informação e Comunicação - (00) 0000-0000 | Copyright © 2006-2020 - UFRN - srvapp1.ufopa.edu.br.srv1inst2