Dissertações/Teses

Clique aqui para acessar os arquivos diretamente da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFOPA

2020
Dissertações
1
  • LUCIANA AIRES ROSA DE LIMA
  • Programa Bolsa Família: contribuições na trajetória escolar de crianças do ensino fundamenental em Santarém-PA

  • Orientador : MARIA DE FATIMA MATOS DE SOUZA
  • Data: 07/02/2020
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa problematizou a trajetória dos estudantes do Ensino Fundamental II beneficiários do Programa Bolsa Família na perspectiva de compreender possíveis as contribuições do programa na vida de crianças e adolescentes. O estudo tem como base norteadora: Quais contribuições o Programa Bolsa Família trouxe para crianças e adolescentes beneficiárias em uma década de implantação do programa? Considerando este questionamento, a pesquisa tem por objetivo analisar as contribuições do PBF na trajetória escolar dos alunos beneficiários cursando o Ensino Fundamental II. Os instrumentos metodológicos utilizados foram a pesquisa quali-quantitativa e Análise de Conteúdo de Bardin (2016), como instrumentos de coleta de dados utilizou-se fontes documentais do rendimento de 13 estudantes beneficiários do programa no período de 2011 à 2014, legislações e publicações. Usou-se indicadores de rendimento escolar para análise no Brasil, Região Norte, Estado do Pará, Santarém, e da escola pesquisada, a fim de compreender como tem se dado o rendimento escolar e as possíveis contribuições deste programa social no cenário educacional. Além dos indicadores, as entrevistas estruturadas abertas foram realizadas com a 1ª técnica responsável pela implantação do PBF da SEASTER, com o 1º e atual coordenador do PBF da SEMED em Santarém e com a direção da escola pesquisada. Como resultado da pesquisa foi possível constatar que os participantes do programa sentem-se responsabilizados pela permanência escolar, os indicadores de abandono escolar têm sido a principal contribuição do programa, a parceria família-escola que tem sido estimulada diariamente e fortalecida, a escola tem sido estimulada a elaborar mecanismos de monitoramento ao estudante na perspectiva do incentivo ao êxito escolar, os efeitos do PBF na vida dos beneficiários contribuem, ainda que insuficientemente, no alívio das necessidades materiais.

2
  • LUCIANA AIRES ROSA DE LIMA
  • Programa Bolsa Família: contribuições na trajetória escolar de crianças do ensino fundamenental em Santarém-PA

  • Orientador : MARIA DE FATIMA MATOS DE SOUZA
  • Data: 07/02/2020
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa problematizou a trajetória dos estudantes do Ensino Fundamental II beneficiários do Programa Bolsa Família na perspectiva de compreender possíveis as contribuições do programa na vida de crianças e adolescentes. O estudo tem como base norteadora: Quais contribuições o Programa Bolsa Família trouxe para crianças e adolescentes beneficiárias em uma década de implantação do programa? Considerando este questionamento, a pesquisa tem por objetivo analisar as contribuições do PBF na trajetória escolar dos alunos beneficiários cursando o Ensino Fundamental II. Os instrumentos metodológicos utilizados foram a pesquisa quali-quantitativa e Análise de Conteúdo de Bardin (2016), como instrumentos de coleta de dados utilizou-se fontes documentais do rendimento de 13 estudantes beneficiários do programa no período de 2011 à 2014, legislações e publicações. Usou-se indicadores de rendimento escolar para análise no Brasil, Região Norte, Estado do Pará, Santarém, e da escola pesquisada, a fim de compreender como tem se dado o rendimento escolar e as possíveis contribuições deste programa social no cenário educacional. Além dos indicadores, as entrevistas estruturadas abertas foram realizadas com a 1ª técnica responsável pela implantação do PBF da SEASTER, com o 1º e atual coordenador do PBF da SEMED em Santarém e com a direção da escola pesquisada. Como resultado da pesquisa foi possível constatar que os participantes do programa sentem-se responsabilizados pela permanência escolar, os indicadores de abandono escolar têm sido a principal contribuição do programa, a parceria família-escola que tem sido estimulada diariamente e fortalecida, a escola tem sido estimulada a elaborar mecanismos de monitoramento ao estudante na perspectiva do incentivo ao êxito escolar, os efeitos do PBF na vida dos beneficiários contribuem, ainda que insuficientemente, no alívio das necessidades materiais.

3
  • ANA HILGUEN MARINHO PEREIRA
  • É GOL, QUE FELICIDADE? – EDUCAÇÃO, FUTEBOL PROFISSIONAL E A CORPOREIDADE NO CONTEXTO AMAZÔNICO

  • Orientador : HERGOS RITOR FROES DE COUTO
  • Data: 20/02/2020
  • Mostrar Resumo
  • O estudo em questão objetivou compreender a concepção de corpo dos jogadores profissionais de futebol identificando pontos de convergência e divergência com a perspectiva teórica da Corporeidade. Esta pesquisa teve a participação de sessenta e quatro jogadores profissionais que compuseram o elenco de três clubes do município de Santarém que disputaram o campeonato paraense de futebol profissional de 2019. Como suporte teórico, adotou-se o diálogo com autores como Merleau-Ponty (1994; 1999), Nóbrega (2010); Morin (2002; 2012), Sérgio (1994; 1999), Bento (2009; 2013), Damo (2005) e Couto (2012; 2014) entre outros, que discutem acerca da corporeidade, do corpo e do esporte/futebol profissional. A metodologia adotada envolveu revisão bibliográfica da produção científica sobre a temática corpo/corporeidade nos Cursos e Programas de Pós-Graduação em Educação da Região Norte, e uma pesquisa de campo constituída de entrevista semiestruturada e entrevista em profundidade. Para a análise, utilizou-se a Técnica de Elaboração e Análise de Unidades de Significados elaborada por Moreira, Simões e Porto (2005). Os resultados do estudo indicaram que há uma pluralidade de significados de corpo apresentados pelos jogadores, a maioria deles resultantes de causalidades das atividades vivenciadas na vida profissional baseadas em ideais dualistas e cartesianos, dando ao corpo a conotação de instrumento de trabalho (corpo-máquina) que necessita de cuidados diários para ser corpo-eficiente. No entanto, os relatos dos participantes também indicam o entendimento de corpo na perspectiva da corporeidade no sentido de expressar um ímpeto de transformação, demonstrando superação do discurso hegemônico que polariza corpo e mente e não admite o reconhecimento do ser humano em sua integralidade. Em relação a experiência de vivenciar o corpo no futebol profissional na realidade santarena, os jogadores reclamam acerca da necessidade de melhores condições de trabalho e de um olhar humanizado e acolhedor sobre sua existência, pois o ser humano que está dentro das quatro linhas é o mesmo fora delas, possuidor de uma dinâmica existencial que o impulsiona a buscar o melhor de si, e que em hipótese alguma podem ser comparados a máquinas.

4
  • FRANCISCO EGON DA CONCEIÇÃO PACHECO
  • NUM TEMPO DO ERA... FOI O PRINCIPEZINHO (DES)ENCANTADO:

    CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS. IMAGINAÇÃO. EDUCAÇÃO INFANTIL.

  • Orientador : SINARA ALMEIDA DA COSTA
  • Data: 20/02/2020
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho apresenta uma pesquisa teórico-conceitual acerca da Contação de Histórias; mira o problema da banalização e do esvaziamento crítico em torno desta atividade e pergunta: o que significa contar histórias na Educação Infantil? Objetivando conhecer seus antecedentes históricos, sua identidade conceitual, o modo como é sistematizada pela Teoria Histórico-Cultural, além dos princípios básicos que regem a presença da Contação de Histórias na primeira etapa da Educação Básica. A partir de um método global-analítico, a pesquisa concentrou-se nas contradições que formam e entornam o objeto em sua dinâmica social, tomando como procedimentos: levantamento bibliográfico, análise crítica das concepções de Contação de Histórias, Educação e Imaginação; contribuições da experiência do autor e produção do argumento de síntese. Os resultados foram organizados em 4 Movimentos Temáticos e 2 Apêndices abordando, respectivamente: Contação de Histórias e sua Unidade Social; Imaginação, Fantasia e Fabulação; Educação Infantil enquanto convite à Fabulação; Narrar, Fabular, Viver (des)encantos em uma Totalidade; Pesquisas Educacionais acerca da Contação de Histórias na Educação Infantil; Num tempo do era... Fabulário de Contar, o qual propõe um modelo organizativo de repertório base para planejamento de projetos e currículos. A importância da pesquisa consiste em firmar um referencial de conhecimento para os fundamentos teórico-metodológicos da Contação de Histórias em contextos educacionais; compreender seu papel de enriquecedora da Imaginação infantil pelo contato com a cultura narrativa desenvolvida pelas sociedades humanas e que formam o fabulário universal; expor a teia de afinidades, atravessamentos e especificidades do objeto de estudo com a literatura, o teatro e a brincadeira de faz-de-conta; apresentar os fundamentos iniciais do conceito narração dialógica com projeção epistêmica para uma abordagem pedagógica coerente da Contação de Histórias; fortalecer a consciência pedagógica, no sentido de superar as concepções de apelo subjetivista e as práticas escolares comuns, pela fundamentação da Contação de Histórias como atividade de valor cultural e estético, tendo em vista a formação humana, considerando ainda os desafios da Educação Infantil na Amazônia.

5
  • JÉSSICA MAYARA ALVES TAPAJÓS
  • ARTES VISUAIS À LUZ DA TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL: OS DESAFIOS DO TRABALHO PEDAGÓGICO EM UM CENTRO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL DE SANTARÉM- PA

  • Orientador : SINARA ALMEIDA DA COSTA
  • Data: 20/02/2020
  • Mostrar Resumo
  • Tendo por base epistemológica a Teoria histórico-cultural, esta investigação compreende que o sujeito se humaniza ao se apropriar dos bens produzidos historicamente a partir do processo educativo. Neste sentido, a arte é concebida como atividade humana extremamente complexa e se produzem da necessidade do sujeito em expressar e conhecer seus sentimentos e emoções, assim como, possibilitar o desenvolvimento de capacidades superiores, tais como, a imaginação e a criação. Porém, o que se tem visto nas rotinas das instituições de educação infantil em relação às artes visuais, são atividades prontas de mera reprodução, com padrões estéticos pré-definidos por outrem, que muitas vezes buscam trabalhar somente o desenvolvimento motor da criança, transparecendo uma concepção compartimentalizada do ser humano. Ao considerar tal realidade esta investigação objetivou compreender os desafios na prática pedagógica das professoras para a efetivação do trabalho com artes visuais na educação infantil a partir da Teoria histórico-cultural e, como objetivos específicos, elencar aspectos significativos da práxis pedagógica das professoras com artes visuais; analisar de que forma utilizam a infraestrutura da instituição com vistas ao trabalho com artes visuais; caracterizar mudanças ocorridas na práxis docente com artes visuais, a partir de um trabalho inspirado na Teoria histórico-cultural. Para isso, utilizou-se de uma pesquisa formação (BRANDÃO; BORGES, 2007; LONGAREZI; SILVA, 2013; MIRANDA; RESENDE, 2006), na qual foi realizada uma intervenção com cinco encontros de formação continuada com 12 professoras de um Centro Municipal de Educação Infantil no município de Santarém-PA. Paralelo às formações, ocorreu o acompanhamento do trabalho docente com artes visuais. Nesta etapa da investigação, os desafios observados para a efetivação de práxis com as artes visuais foram: experiências  proporcionadas a partir de cunho biológico, que em sua maioria enfatizam as habilidades físico motoras; a concepção de criança; a preocupação das professoras com o que consideram “bagunça” durante as atividades de artes visuais;  desenhos que enfatizam a homogeneização; a pouca disponibilidade de materiais e uma rotina empobrecida. Além disso, o currículo da instituição se baseia por datas comemorativas, o que reforça a busca por resultados. Durante as formações, ficou evidente que algumas professoras tiveram poucas vivências artísticas, uma vez que uma dessas afirmou não ter tais oportunidades em sua infância e nem nas formações a qual tiveram acesso. Tais pressupostos podem repercutir nas propostas pedagógicas com artes visuais possibilitadas às crianças. Contudo, espera-se que esta pesquisa instigue reflexões e apontamentos acerca do trabalho com artes visuais na educação infantil a fim de promover o desenvolvimento integral da criança.

6
  • NIZIANNE ANDRADE PICANÇO
  • ALÔ MUNDO, ME AJUDE A SER GENTE: interações sociais no futebol para o desenvolvimento de habilidades sociais

  • Orientador : HERGOS RITOR FROES DE COUTO
  • Data: 20/02/2020
  • Mostrar Resumo
  • Os estudos relacionados à aprendizagem de valores sociais por meio do esporte são amplamente realizados na literatura brasileira, entretanto, pesquisas voltadas para as habilidades sociais desenvolvidas por meio da interação social nos ambientes esportivos, especificamente no futebol, ainda são tímidas. Este esporte bretão faz parte da construção social e cultural dos brasileiros, e muitos, desde a infância e adolescência, movidos pelo sonho de se tornarem grandes jogadores e alcançarem o status de ídolos passam a integrar equipes das categorias de base de diversos clubes visando desenvolver uma carreira que alcance o profissionalismo. Assim, boa parte deste período de vida de tais jovens é vivida no contexto esportivo, logo as experiências advindas das relações sociais estabelecidas neste ambiente interferem de maneira significativa no desenvolvimento humano desses indivíduos direcionando a aprendizagem de comportamentos sociais pelos jovens atletas. Neste sentido, compreendem-se as habilidades sociais como conjunto de atitudes que possibilitam melhores resultados nas trocas interpessoais e atuam como fatores de proteção para o desenvolvimento humano, uma vez que são essenciais para a qualidade de vida e bem-estar das pessoas. Diante disso, o presente estudo objetivou averiguar a relação entre as interações sociais no contexto futebolístico e suas implicações para o desenvolvimento de habilidades sociais em jovens jogadores. Trata-se de uma pesquisa de campo de abordagem qualitativa com (8) adolescentes na faixa etária de 16 e 17 anos que atuam em uma equipe de futebol em Santarém-Pará. Os instrumentos metodológicos selecionados para este estudo foram: questionário sociodemográfico, roteiro de entrevista e observação não-participante, e o Inventário de Habilidades Sociais para Adolescentes (IHSA-DEL PRETTE, 2009). Para analisar os dados da observação utilizou-se de análise descritiva, no IHSA foi empregada a análise informatizada do próprio instrumento e nas entrevistas aplicou-se a Técnica de Elaboração e Análise de Significado (MOREIRA; SIMÕES; PORTO, 2005). Os resultados evidenciaram que nas interações sociais no ambiente investigado ocorre mais emissão de comportamentos com ausência de HS. Portando, HS como assertividade, autocontrole e expressividade emocional e empatia com o adversário são menos desenvolvidas nestas relações. Entretanto, constatou-se o favorecimento de habilidades sociais como: fazer amizade, empatia entre a equipe, civilidade e etc. Ressalta-se que a relevância desta pesquisa se direciona a ampliação de discussões dos estudos científicos sobre o desenvolvimento de habilidades sociais no contexto esportivo, contribuindo para o conhecimento das interações sociais que fazem parte dos processos educativos do ambiente futebolístico/esportivos na região Amazônica.

7
  • LÍLIA TRAVASSOS DE SOUSA
  • POLÍTICAS EDUCACIONAIS: ações indutoras de educação integral na rede municipal de Belterra/PA (2012-2018)

  • Orientador : MARIA LILIA IMBIRIBA SOUSA COLARES
  • Data: 21/02/2020
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa, aborda as políticas educacionais indutoras de Educação Integral a partir da análise das ações implementadas pela Secretaria Municipal de Belterra/PA, no período de 2012 a 2018. O recorte temporal deve-se ao período em que foram implementadas as primeiras ações indutoras de Educação Integral no município. O aporte teórico apoia-se nas concepções sobre Educação Integral e em Tempo Integral de autores como Arroyo (2012), Cavalieri (2007), Coelho (2009), Gadotti (2009), Gomes (2017), Lima e Almada (2013), assim como, nas reflexões acerca da implementação de Políticas Públicas Educacionais de Goch, Colares e Gomes (2017), Perez (2010), Santos (2016), Secchi (2012) e as legislações vigentes. A metodologia empregada pauta-se na pesquisa bibliográfica e na documental, tendo como instrumento de coletas de dados a análise documental. A Educação Integral vem sendo incorporada no processo educacional desde a Grécia Antiga, e verificamos que dependendo do tipo de corrente filosófica que a embase adquire diferentes enfoques. O amparo legal brasileiro iniciou a partir da Constituição Federal de 1988, no qual em seu Art. 205 determina como direito de todo cidadão o seu pleno desenvolvimento, e na LDB nº 9.394/96 esse tipo de Educação fica associado a ampliação da Jornada Escolar, tendo como principais modelos educacionais  de aumento do tempo escolar o Centro Educacional Carneiro Ribeiro (CECR) e Centros Integrados de Educação Popular (CIEPs), experiências desenvolvidas no Brasil na década de 1950 e 1980, respectivamente. Em relação aos resultados obtidos por meio da Secretaria Municipal de Educação e Desporto (SEMED) do município de Belterra, evidenciamos que esta não desenvolveu ações locais de Educação Integral, mas, implementou políticas educacionais do governo federal que impulsionam a promoção desta, através do Programa Mais Educação (PME) em 2012 e a partir do ano de 2016 do Programa Novo Mais Educação (PNME). Percebeu-se ainda a importância das escolas constituírem conselho escolar, transformando-o em uma Unidade Executora (UEx), a fim de receber os recursos transferidos pelo Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE) para os programas indutores de Educação Integral, e que a continuidade dos recursos destinados as escolas está intrinsecamente ligada a adimplência nas prestações de contas anuais. Outro fator identificado foi o atraso no repasse das verbas para a execução do PME e PNME, ocasionando paralização, mesmo que temporária, das atividades cujo objetivo principal é melhorar a aprendizagem dos estudantes com baixo desempenho escolar e com vulnerabilidade social, mediante a ampliação do currículo escolar e do tempo de permanência na escola. Apesar da Educação Integral não estar intrinsecamente ligada a extensão do tempo escolar, evidenciamos que para melhor efetivá-la devemos pensar em uma ampliação de tempos e espaços de formação, considerando o tripé formador da Educação Integral: Currículo, tempo e espaço.

     

      

8
  • ADRIANE LIMA DA SILVA OLIVEIRA
  • COGNIÇÕES E REPERTÓRIO DE HABILIDADES SOCIAIS DOS PROFESSORES: CARACTERIZAÇÃO E RELAÇÕES

  • Orientador : IRANI LAUER LELLIS
  • Data: 27/02/2020
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa intitulada, “cognições e repertório de habilidades sociais dos professores: caracterização e relações” teve como objetivo geral, conhecer as cognições e o repertório de habilidades sociais de professores do Ensino Fundamental I. Para alcança-lo, constituiu-se os seguintes objetivos específicos: a) levantar o perfil sociodemográfico dos professores; b) Identificar o repertório de habilidades sociais dos professores; c) Verificar as cognições dos professores sobre as habilidades sociais. A pesquisa caracterizou-se como bibliográfica e de campo, exploratória, descritiva, de abordagem qualitativa. Na coleta dos dados bibliográficos foram utilizadas as bases de dados: Biblioteca Digital de Teses e Dissertações - BDTD, Google acadêmico, Capes, Scielo e Lilacs. Posteriormente, foi realizada a pesquisa de campo, que teve como instrumentos técnicos um Questionário sociodemográfico, contendo questões referentes aos dados pessoais, profissionais e socioeconômicos; um roteiro de entrevistas semiestruturada, contendo dez questões-situações em que os participantes pudessem expressar livremente a sua cognição sobre a classe de HS requerida da situação proposta, e o Inventário de Habilidades Sociais 2 (IHS-2) contendo 38 questões objetivas. O processo de análise dos dados obtidos no Questionário sociodemográfico foram realizados e apresentados através da estatística descritiva. Para os dados alcançados no Inventário de Habilidades Sociais - 2, foram realizados a apuração dos escores total e fatorial de forma online através da plataforma web do instrumento. Para os dados obtidos através do roteiro de entrevista semiestruturada, utilizou-se a técnica do discurso do sujeito coletivo (DSC). Obteve-se como resultados quanto ao perfil sociodemográfico dos professores, 7 participantes feminino, 2 masculinos, todos com nível superior, porém, com discrepância entre os anos de atuação, sobrepondo-se aos anos de formação; todos concursados, com idade em média 41 a 66 anos, com o nível socioeconômico entre 3 a 5 salários mínimos. Quanto ao repertório de habilidades sociais dos professores, foi verificado que a maioria apresentou um bom repertório de habilidades sociais, com resultados dentro da média para a maior parte dos itens. Em contrapartida, 3 dos participantes apresentaram como resultado um repertório inferior de habilidades sociais. Quanto as cognições dos professores sobre as habilidades sociais, os participantes apontaram de forma geral, um conhecimento sobre HS, porém, não embasados na teoria, evidenciando a necessidade de expansão do conhecimento teórico das HS.

9
  • LUANNA CARDOSO OLIVEIRA
  • LEITURA E FORMAÇÃO: AS POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES DA BIBLIOTECA NO RIO ARAPIUNS

  • Orientador : ZAIR HENRIQUE SANTOS
  • Data: 27/02/2020
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho está vinculado ao Grupo de Estudos Leitura e Intervenção em Literatura Infantil e juvenil na Escola – Lelit, da Universidade Federal do Oeste do Pará – Ufopa, e tem o objetivo de investigar como a circulação de leitura se manifesta, e se ocorre de modo participativo ou não, entre os cidadãos de uma comunidade indígena. A presente pesquisa é continuação de um trabalho iniciado no ano de 2016 que objetivava investigar os desafios e as possibilidades de instituir uma biblioteca na aldeia Nova Vista. Com a implantação e funcionamento da biblioteca, tornou-se necessário compreender quais os possíveis efeitos e transformações sociais produzidos por meio das novas dimensões culturais inseridas através deste espaço na aldeia. Para que fosse efetivada uma circulação e movimentação do material que a biblioteca dispõe, foi proposto um plano de intervenção elaborado pela pesquisadora, professores e algumas lideranças, com a duração de um ano. A proposta consistiu nas seguintes atividades de leitura: rodas de leitura, leitura pública, mostra literária, exposição de vídeos de literatura, palestras e oficinas para professores, intercâmbio entre aldeias, entre outras. Para compreender toda essa relação da leitura com as pessoas da aldeia, utiliza-se como método investigativo a pesquisa-ação com base em Franco (2005;2010;2016), a qual através da coletividade busca transformar uma determinada realidade escolar e social utilizando as espirais cíclicas: planejamento; ação; reflexão, que possibilitam uma reformulação das ações sempre que necessário, analisando o objeto e o processo da pesquisa continuamente. Como base teórica estão sendo utilizados: Adorno (2005); Britto (2003, 2015a, 2015b); Candido (2011); Mészáros (2008); Saviani e Duarte (2010). Os resultados apontados nesta pesquisa demonstram que há uma significativa circulação de leitura e livros na aldeia desde a organização da biblioteca; as ações de leitura contribuem para aperfeiçoamento da leitura dos estudantes. Entretanto, a adesão dos professores ainda é parcial quanto ações para além das previstas; a participação da comunidade também é tímida e indireta, em suma, as pessoas da comunidade ainda não assumem a biblioteca na sua totalidade.

     

10
  • NUBIA DOS SANTOS OLIVEIRA
  • Diálogos entre Alfabetização Econômica e Habilidades Sociais Educativas: um estudo das crenças e práticas docentes no contexto da educação infantil

  • Orientador : IRANI LAUER LELLIS
  • Data: 27/02/2020
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo teve como objetivo geral caracterizar as crenças e práticas de docentes que atuam na educação infantil sobre alfabetização econômica. Especificamente, buscou-se investigar as crenças e práticas docentes sobre a alfabetização econômica (AE), identificar o repertório de habilidades sociais educativas (HSE) e, por fim, averiguar a existência de relações entre o repertório de habilidades sociais educativas consoantes às crenças e práticas de alfabetização econômica. A pesquisa foi realizada com duas docentes que atuam nos níveis Pré-I e Pré-II, que atendem crianças de 4 a 5 anos de um Centro Municipal de Educação Infantil – CEMEI, localizado em Santarém-Pará. Como instrumentos para produção de dados foram utilizados: a) questionário sociodemográfico; b) roteiro de entrevista semiestruturada; c) roteiro de entrevista de habilidades sociais educativas de professores – RE-HSE-Pr (Bolsoni-Silva et al. 2018); d) roteiro de observação direta; A análise dos dados da entrevista semiestruturada foi realizada por meio da técnica do Discurso do Sujeito Coletivo – DSC, de Lefèvre e Lefèvre (2003; 2005). Os dados do RE-HSE-Pr foram analisados mediante as instruções de codificação e interpretação próprias do referido instrumento. Os resultados mostraram, a princípio, que: ainda é bastante incipiente o conhecimento sobre AE, sendo que as crenças manifestadas à respeito da temática limitavam-se a aproximações advindas do sendo comum; evidenciaram-se práticas que se limitam ao diálogo entre as professoras e as crianças sobre alguns temas que se aproximam dos conceitos de AE, mas sem ações intencionais, efetivas e sistematizadas no contexto da pré-escola; as crenças dos professores sobre AE se circunscrevem a concepções rasas e desprovidas de embasamento teórico, demonstrando que estes não possuem clareza sobre os conceitos relacionados ao tema, dessa forma, não foi possível estabelecer uma rede ampla de relações entre os construtos, pois não existe uma compreensão mais acurada quanto aos preceitos da AE. Logo, as HSE destes professores são direcionadas à outras práticas peculiares ao espaço físico e social da educação infantil; os resultados indicam que é possível estabelecer vínculos entre as HSE dos professores e a AE, desde que nestes estejam presentes crenças a respeito do tema que sejam condizentes com seus preceitos conceituais, de modo que as HSE estejam voltadas, de fato, para o ensino dos temas relacionados à AE. Diante disso pode-se concluir que: i) a AE apresenta-se como uma realidade distante no que tange à presença sistemática, planejada e efetiva no contexto da Educação Infantil; ii) a inserção da temática se apresenta como urgente e necessária no currículo escolar; iii) é preciso investir na formação, tanto inicial quanto continuada dos professores, de modo que possam construir suas crenças de modo que a tarefa de alfabetizá-las economicamente não seja delegada somente aos pais e/ou à família, mas que também as creches e pré-escolas do munícipio chamem para si a responsabilidade de trabalhar de forma integrada ao currículo temáticas como essa sejam pautadas na aquisição de conhecimentos, habilidades e atitudes que contribuam para o desenvolvimento integral das crianças em todas as suas dimensões, sejam elas intelectual, social, emocional, ética e moral.

11
  • ADRIANE GOMES BARROSO
  • O ENSINO DE GRAMÁTICA NA PERSPECTIVA DA NOVA GRAMÁTICA DO PORTUGUÊS BRASILEIRO DE ATALIBA TEIXEIRA DE CASTILHO.

  • Orientador : EDIENE PENA FERREIRA
  • Data: 28/02/2020
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa, denominada “O ensino de gramática na perspectiva da Nova Gramática do Português Brasileiro do autor Ataliba Teixeira de Castilho”, faz parte do subprojeto Análise das Gramáticas Brasileiras Escritas por Linguistas, desenvolvido desde 2017 pelo Grupo de Estudos Linguísticos do Oeste do Pará (Gelopa) da Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa), que objetiva fazer uma análise das gramáticas brasileiras escritas por linguistas-gramáticos. Como parte desse subprojeto, este trabalho visa analisar que concepção de gramática e de ensino de gramática emerge da obra A Nova Gramática do Português Brasileiro do Ataliba Teixeira de Castilho, além de identificar, na obra de análise, o que é ensinar gramática; pra que ensinar gramática e como ensinar gramática. Para esta pesquisa, fizemos leituras de autores que tratam desta temática, fichamento, resenha, reflexões e análise do objeto de estudo. Como resultado podemos dizer que, para Castilho, gramática é um sistema linguístico constituído de estruturas cristalizadas, dispostas em três subsistemas: fonologia, morfologia e sintaxe. O autor propõe um ensino voltado para a reflexão da língua e de seus fenômenos, desvelando o conhecimento linguístico armazenado na mente do falante, promovendo, por meio da pesquisa, um ensino contextualizado e vinculado à vivência e à realidade dos alunos. A proposta de ensino, defendida por Castilho, visa contribuir para o protagonismo do aluno no ambiente escolar, tornando-o centro do ensino.

12
  • BÁRBARA ALMEIDA DA CUNHA
  • A SURDEZ NA ALDEIA: ANÁLISE DE UMA REALIDADE À LUZ DA TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL

  • Orientador : ELENY BRANDAO CAVALCANTE
  • Data: 06/03/2020
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho faz parte do Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação de Surdos (GEPES) da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA) e conta com o fomento da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). A presente pesquisa, em andamento, tem como objetivo analisar o processo de ensino-aprendizagem de criança indígena surda do ensino fundamental de escola também indígena localizada no município de Santarém-PA. Posto isto, trago os seguintes objetivos específicos: a) analisar o meio escolar no qual o estudante surdo está inserido; b) analisar as modificações realizadas no contexto da escola indígena para inserir o aluno surdo e c) identificar as práticas pedagógicas utilizadas pelos professores do aluno para interagir com ele. Utilizo o conceito de ser genérico de Newton Duarte (2013) e as ideias de meio, pensamento e linguagem de Vygotski (2000; 2001; 2010). Na metodologia utilizo o materialismo histórico-dialético, que trabalha com a totalidade, contradição e mediação, tomando como base o livro de José Paulo Netto (2011). Como ferramentas metodológicas lanço mão da observação em sala de aula, diário de campo e entrevistas semiestruturadas. Por fim, a relevância deste estudo justifica-se pela possibilidade de avançar na reflexão sobre os processos de inclusão da pessoa surda.

13
  • PATRICIA SIQUEIRA DOS SANTOS
  • A interação da criança surda no espaço da educação infantil

  • Orientador : ELENY BRANDAO CAVALCANTE
  • Data: 06/03/2020
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa tem como objetivo principal compreender, no espaço da educação infantil, como acontecem as interações entre a criança surda e o meio social em que está inserida e da qual é partícipe, na Unidade Municipal de Educação Infantil (UMEI), situada na área urbana do município de Santarém/Pará. Fundamenta-se nos pressupostos da Teoria Histórico-Cultural (THC), que compreende o desenvolvimento humano a partir das relações sociais e culturais. Para discorrer sobre a THC, a história da educação de surdos e a educação infantil, os autores são, respectivamente: Vigotski (1997, 2000, 2003, 2008, 2010), Martins (2006), Duarte (2013) e Costa et al (2017); Soares (1999) e Bueno (2011) e; Pasqualini (2010), Civilletti (1991), Kulhumann Junior (2015), além de documentos e legislações sobre as temáticas. Como instrumentos de coleta de dados, destacam-se as observações anotadas em diário de campo e entrevistas semiestruturadas, com os professores que trabalhavam diretamente com a criança surda. Os sujeitos envolvidos foram 4 professores (3 ouvintes e um surdo) e uma criança surda. As descrições dos dados foram produzidas, a partir das observações e das entrevistas realizadas, nos anos 2018 e 2019. Para análise dos dados, foram formuladas três categorias: interação entre a criança surda e seus professores; interação da criança surda nas atividades desenvolvidas; interação da criança surda com as demais crianças e o professor como organizador desse espaço. Essas análises recaíram sobre o “olhar cuidadoso” de compreender a prática pedagógica do professor para/com a criança surda no que tange às interações que eram estabelecidas. Na primeira categoria, os dados descritos revelaram que, mesmo os professores tendo conhecimento da forma de comunicação da criança surda, a falta de sensibilidade era recorrente e isso refletia em suas práticas pedagógicas de não promover o acesso ao conhecimento de forma compreensível. Na segunda categoria, chegou-se a compreensão de que o problema não estava na criança surda, em desenvolver as atividades ou se interessar por elas, mas centrava-se em como os professores procuravam envolver essa criança, para que pudesse interagir e delas participar. Na terceira categoria, o professor, como elemento organizador do meio educativo, não se fazia presente, quando aparecia, era para repreender as crianças por suas condutas consideradas “erradas”. Dessa maneira, a pesquisa apontou que as interações da criança surda, na educação infantil, por ser uma etapa importante no desenvolvimento da criança, não aconteciam de forma que levasse essa criança a explorar, conhecer, e a constituir a sua subjetividade. Assim, o caminho percorrido por este estudo instiga que outras pesquisas sejam realizadas, para que a educação da criança surda seja de fato, desde a educação infantil, um processo que priorize seu desenvolvimento em vez de sua deficiência.

14
  • PAULA CRISTINA GALDINO GUIMARÃES
  • A RELAÇÃO UNIVERSIDADE-ESCOLA NO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID: UM ESTUDO A PARTIR DO CATÁLOGO DE TESES E DISSERTAÇÕES DA CAPES (2012-2018)

  • Orientador : SOLANGE HELENA XIMENES ROCHA
  • Data: 29/07/2020
  • Mostrar Resumo
  • A universidade e a escola constituem espaços imprescindíveis na formação docente, mas sua integração tem sido marcada historicamente por uma relação verticalizada. Todavia, no Brasil, desde a década de 1990, por meio de estudos, pesquisas e políticas de formação de professores, tem se advogado uma relação colaborativa. Por sua vez, o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência-PIBID, instituído em 2007, pela Portaria Normativa nº 38 do Ministério da Educação, constitui uma das principais políticas neste sentido, visto fomentar a valorização do magistério e a iniciação à docência por meio da parceria entre as Instituições de Ensino Superior - IES e as escolas da rede pública de educação básica. Tendo em vista a relevância desse Programa e o fato de já haver um número significativo de pesquisas sobre ele, este estudo objetivou compreender a relação universidade-escola a partir das dissertações e teses da CAPES que a tomaram como objeto de estudo, considerando os aspectos mais apontados e o que desvelam sobre as possibilidades de construir uma relação menos hierárquica e colaborativa. Neste escopo, a presente pesquisa constitui-se bibliográfica, trilhando percursos do “estado do conhecimento” no mapeamento e caracterização das pesquisas, consoante Romanowski e Ens (2006), e percursos da Análise Textual Discursiva-ATD, de Roque Moraes (2003), para responder a pergunta: o que apontam e desvelam as dissertações e teses da CAPES sobre a relação universidade-escola no contexto do PIBID? O levantamento no Catálogo de Teses e Dissertações da CAPES (2012-2018), conduziu-nos a 822 pesquisas, dentre as quais foram identificadas 117 investigações relacionadas ao objeto de estudo. Porém, submetidas a um roteiro de análise do nível de relação com o objeto investigado, foram identificadas apenas doze investigações de “total relação”, que contemplavam a questão em seu objetivo geral, constituindo estas as principais fontes de estudo desta pesquisa.  O resultado do processo analítico sobre as dissertações e teses de total relação possibilitou identificar como aspectos mais apontados: motivações para integrar/participar do Pibid; construção de interesses/objetivos comuns; espaços-tempos formativos; ações/atividades desenvolvidas; a atuação dos professores das escolas; interações universidade-escola; conflitos/tensões; vislumbres da construção da relação colaborativa; limitações, desafios, críticas e incertezas; impactos e contribuições do PIBID; PIBID como política pública; apontamentos sobre a relação universidade-escola e modelo de formação de docente. A análise desses aspectos expôs-nos muitos desafios nessa parceria, como: as condições precárias de trabalho do professor da escola pública, que o impedem de participar plenamente das ações propostas no PIBID; a incipiente formação científica na graduação para realizar pesquisa sobre a própria prática; a predominância do paradigma tecnicista na formação de professores; o pouco envolvimento do coletivo de ambas instituições, entre outros entraves. Os desvelamentos dos aspectos indicados nos permitiram compreender que a relação universidade-escola no PIBID é complexa e apresenta construções que vão desde uma relação verticalizada (mais comum) a uma relação horizontal cooperativa e até colaborativa (estas mais raras e levam tempo para serem construídas). Na realidade, trata-se de relações universidade-escola, em que, apesar da tendência a serem hierarquizadas, é possível construí-las horizontais, inclusive colaborativas, por meio da ressignificação de motivações, do diálogo aberto, da negociação de expectativas e necessidades, das ações construídas coletivamente e por meio da liderança compartilhada, entre outras condições.

15
  • IRLEY MONTEIRO ARAÚJO
  • TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO COM INTERAÇÃO HUMANO COMPUTACIONAL EM AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGENS. APLICAÇÕES COM METODOLOGIAS ATIVAS NO PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

  • Orientador : DORIEDSON ALVES DE ALMEIDA
  • Data: 30/07/2020
  • Mostrar Resumo
  • RESUMO

     

    Este trabalho tem como propósito apresentar um estudo sobre as Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) com Interação Humano Computacional (IHC) em Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVA) como elemento de apoio à educação com aplicações de metodologias ativas no processo ensino-aprendizagem. A problemática deste estudo aplica-se na intenção de investigar se os recursos das TIC, como esses ambientes virtuais, por meio de uso de computadores e dispositivos móveis combinados ao uso da Internet, podem servir de instrumento de apoio no processo de ensino-aprendizagem, considerando que as TIC evoluíram muito nas últimas décadas além de alcançar as mais diversas áreas do conhecimento não sendo diferente na área da educação. A pesquisa tem um viés da análise das metodologias ativas como dimensões informais da educação assistida pelos recursos da tecnologia da informação e comunicação, a partir do uso de Ambientes Virtuais de Aprendizagens (AVA). O estudo fundamenta-se em apreciação de métodos ativos com apoio de plataformas tecnológicas aplicadas como instrumento de recurso no campo da educação em ambientes acadêmicos.

     

     
     
     
     
     
     
16
  • MAURO MARINHO DA SILVA
  • ANÁLISE INTERPRETATIVA DE PERCEPÇÕES SOBRE O USO DA LESSON STUDY NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTÍNUA DE PROFESSORES DE INGLÊS NA AMAZÔNIA

  • Orientador : NILTON VARELA HITOTUZI
  • Data: 07/08/2020
  • Mostrar Resumo
  • Pesquisas com a Lesson Study têm revelado resultados positivos em escala mundial no desenvolvimento profissional inicial e contínuo do docente. Desenvolvidas em sua maioria na área de matemática, há poucos estudos investigando as benesses dessa metodologia de desenvolvimento profissional docente em outras áreas, como o ensino de línguas. Contudo, duas pesquisas recentes trataram dos impactos da utilização da Lesson Study por professores de inglês em formação e em serviço na Amazônia. O objetivo geral deste estudo de caso fenomenológico foi analisar as percepções de dois pesquisadores e demais participantes em suas experiências na condução dessas duas pesquisas. Como objetivos específicos, esta dissertação procurou: a) identificar possíveis fatores contextuais que possam haver interferido positiva ou negativamente na realização das pesquisas; b) captar as percepções dos participantes das duas pesquisas durante as oficinas de treinamento da ferramenta; e c) analisar as suas percepções durante os ciclos de implementação da ferramenta. Os dados são provenientes de entrevistas semiestruturadas aplicadas aos dois pesquisadores, elaboradas com base nas dissertações de mestrado: Lesson Study na formação inicial de professores: uma experiência com licenciandos de Letras/Inglês da Universidade Federal do Oeste do Pará (SCHWADE, 2018) e Lesson Study: uma experiência com três professores de inglês da rede pública estadual de Santarém-PA (OLIVEIRA, 2018) e análise interpretativa das duas dissertações. As entrevistas foram analisadas através da análise temática de conteúdo (GUEST; MACQUENN; NAMEY, 2012). Para fundamentar teoricamente este estudo, foi feito um levantamento de relatos, na literatura, que trazem conceitos, impactos culturais e potenciais lacunas mitigadas com a utilização da Lesson Study como ferramenta de aprimoramento docente. Os resultados revelaram seis temas incluídos em quatro categorias convergentes com os objetivos específicos desta pesquisa, sendo a primeira, fatores contextuais positivos, com o tema crença no futuro da Lesson Study no Brasil, a segunda categoria, fatores contextuais negativos, com os temas consequências da falta de assiduidade dos participantes e ausência de uma postura investigativa, a categoria percepções dos participantes nas oficinas preparatórias, com o tema equívocos dos knowledgeable others, e a última categoria, percepção dos participantes durante a execução da pesquisa, cujos temas são impacto cultural e postura indiferente dos gestores.

17
  • MARIA DANIELA GUZMAN BARILLAS
  • HABILIDADES SOCIAIS: O QUE PENSAM OS PROFESSORES DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA NO ENSINO REGULAR

  • Orientador : IRANI LAUER LELLIS
  • Data: 26/08/2020
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa, intitulada “Habilidades Sociais: O que pensam os professores de alunos com deficiência no ensino regular”, foi desenvolvida em uma Escola Municipal de ensino fundamental do município de Santarém-PA, a qual possui em seu quadro alunos com deficiência incluídos. O objetivo foi compreender as cognições dos professores do ensino fundamental que atuam em aulas regulares com alunos com deficiência sobre as habilidades sociais. De forma específica, objetivou-se: I – Caracterizar os dados sociodemográficos dos professores; II - Identificar as habilidades sociais que os docentes consideram importantes para serem desenvolvidas nos alunos com deficiência; III - Compreender as cognições docentes sobre o papel do professor no desenvolvimento das habilidades sociais dos alunos com deficiência. A pesquisa caracteriza-se como qualitativa, de campo, exploratória e descritiva. Os instrumentos para coleta de dados utilizados foram: questionário sociodemográfico e entrevista semiestruturada. Os dados foram analisados mediante estatística descritiva e técnica do Discurso do Sujeito Coletivo (DSC) respectivamente.  Os resultados apontaram que os professores possuem conhecimento do senso comum sobre as Habilidades Sociais, atribuindo conceito por vezes fora do conhecimento teórico, mostrando que existem muitos desafios para a atuação dentro da escola, principalmente com relação ao desenvolvimento das habilidades sociais. Por outro lado, os participantes compreendem que tais habilidades contribuem para o desenvolvimento das crianças e podem proporcionar um aprendizado melhor, mostrando interesse em participar de curso de formação continuada voltado para o desenvolvimento das habilidades sociais dentro do contexto escolar, com ênfase nos alunos com deficiência, pois acreditam que esse público pode se desenvolver melhor com a aprendizagem de tais habilidades sociais. 

18
  • DIOMARK PEREIRA DE ARAUJO
  • A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO NO MUNICÍPIO DE ITAITUBA-PA

  • Orientador : EDILAN DE SANT ANA QUARESMA
  • Data: 28/08/2020
  • Mostrar Resumo
  • A pesquisa faz uma apresentação da política indutora de Educação Integral no Município de
    Itaituba, no período de 2009 a 2015, a partir da implantação do Programa Mais Educação
    (PME). Objetivou-se analisar o processo de implantação do PME em duas escolas do
    município, buscando compreender a sua materialização no contexto escolar. Para o alcance
    do objetivo aqui proposto, realizou-se uma pesquisa qualitativa, recorrendo à literatura e à
    pesquisa de campo, realizada em duas escolas, do município de Itaituba, onde o Programa
    Mais Educação foi implantado no ano 2009, e executado até o ano 2015. Utilizou-se como
    instrumento para coleta de dados o questionário, que foi aplicado aos dezessete sujeitos da
    pesquisa, contemplando:
    duas diretoras, duas técnicas educacionais, duas coordenadoras do
    PME e onze professores. As informações contribuíram para analisar e interpretar as
    contradições existentes durante a implantação do Programa Mais Educação no contexto
    escolar,
    e, assim, fomentar discussões sobre a educação integral como possibilidade para
    qualidade da educação no contexto brasileiro, com especificidades no contexto da Amazônia
    brasileira. A pesquisa foi de fundamental importância porque além de contribuir com o
    referencial já existente, possibilita ao leitor uma reflexão de como o PME foi implantado em
    escolas que não ofereciam espaço adequado para execução das oficinas, suas linguagens e
    atividades propostas. A implantação do PME nessas duas escolas foi desafiadora e marcada
    pela deficiente adesão ao Programa por parte dos sujeitos envolvidos, bem como pela falta
    de conhecimento por parte destes, acerca da funcionalidade do projeto no âmbito escolar.
    Adicionalmente, o estudo permitiu inferir sobre a necessidade de uma política de educação
    integral no município de Itaituba, como elemento importante para melhoria da qualidade da
    educação básica.


19
  • SÉRGIO AUGUSTO SANTOS DE PALMA
  • Leitura e formação: um estudo sobre o impacto na formação de jovens a partir da participação na coordenação de um clube de leitura de Santarém

  • Orientador : ZAIR HENRIQUE SANTOS
  • Data: 28/08/2020
  • Mostrar Resumo
  • Tendo em vista o discurso comum e pouco refletido sobre a leitura como um bem em si, que promove a ideia de que a leitura de todo e qualquer livro é bem-vinda, o espaço no qual realizaremos a pesquisa, o clube de leitura LIV: ler viver e interagir, pertencente ao grupo de estudos Lelit/UFOPA, por apresentar uma proposta divergente a essa concepção e que na contra mão da ideia de leitura como ato essencialmente solitário, cria um espaço em que são discutidas obras literárias de maneira frequente e compartilhada. A presente pesquisa busca investigar se, e como, as atividades desenvolvidas nesse clube de leitura contribuem na formação integral de sua equipe coordenadora. Assim, ao assumir o papel de investigador e, ao mesmo tempo, de participante da equipe coordenadora, busco através do levantamento bibliográfico sobre clube de leitura, formação e leitura juvenil, juntamente com entrevistas semiestruturadas e observação das ações realizadas pela equipe coordenadora, ter elementos para perceber como e se o trabalho desenvolvido pela equipe contribui na sua formação integral.

20
  • ANTONIA LEMOS BRAGA DE MORAES
  • OS DILEMAS E OS DESAFIOS DA ESCOLARIZAÇÃO DO POVO INDÍGENA AWAETE PARAKANA

  • Orientador : SOLANGE HELENA XIMENES ROCHA
  • Data: 24/09/2020
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa tem por finalidade analisar a história da institucionalização da educação escolar indígena do povo AwaeteParakanã desvelando e examinando dilemas e desafios enfrentados nessa trajetória. O problema de investigação contextualiza as consequências do complexo e violento processo de colonização contra a população indígena que culminaram com várias práticas excludentes da organização política, econômica, social e cultural desta população na sociedade brasileira. As indagações giram em torno de uma mola mestra: Quais os processos históricos, culturais, pedagógicos e legais que norteiam a Educação Escolar do Povo Indígena AwaeteParakanã? Quais dilemas e desafios são percebidos durante a investigação? Nesse sentido, utilizamos os aportes teóricos como Grupioni (2008), Fontan (2017), Rodrigues (2016), com destaque para os estudiosos sobre os povos indígenas Parakanã, a exemplo de Fausto (2001), Magalhães (1982-1994), Gosso (2004) e Emídio-Silva (2017).Este estudo é do tipo teórico-qualitativo, bibliográfico de base histórica e investigativatendo como objeto principal a institucionalização da educação escolar indígena no município de Novo Repartimento. Os procedimentos de coleta de dados giraram em torno de levantamento bibliográfico sobre a temática e análise documental da realidade em questão. A educação escolar indígena, historicamente, tem entraves de várias ordens por conta do processo de colonização, desde uma espécie de “domesticação” até a negação da sua identidade. Entretanto, os rumos dados pela transformação do campo jurídico e normativo brasileiro, aliado às políticas afirmativas, vêm proporcionando um processo de (re)significação e (re)conhecimento das disputas travadas, seus limites e a visibilização das suas próprias representações da sociedade. Desse modo, o objetivo geral deste estudo é compreender os processos realizados durante para a institucionalização da Educação Escolar Indígena do AwaeteParakanã, pela Secretaria Municipal de Educação (SEMED). Verifica-se que o principal dilema percebido nesse processo está pautado na concepção de educação eurocêntrica, colonial e domesticadora enquanto se efetiva tanto em aspectos legais, burocráticos, formativos e culturais, na prática, em detrimento de uma educação decolonial com princípios e matriz curricular especifica, bilíngue, diferenciada e intercultural almejada pelo povo Awaete.

2019
Dissertações
1
  • RODINEI BENTES DA SILVA
  • PROTEÇÃO JURÍDICA DO DIREITO À EDUCAÇÃO BÁSICA NO ESTADO DO PARÁ.

  • Data: 04/02/2019
  • Mostrar Resumo
  • Trata-se de uma pesquisa interdisciplinar na área de Educação, Direito e Políticas Públicas, cujo objetivo geral é analisar como o Poder Judicial tem atuado diante do controle de políticas públicas educacionais para a efetivação do direito à educação no estado do Pará. A principal justificativa é que a educação na Constituição Federal de 1988 transformou-se num grande ganho para as conquistas dos direitos sociais devido ao respaldo legal, uma vez que antes não tinha instrumentos de exigibilidade. Assim sendo, o Poder Judiciário passa a ter uma nova relação com a educação, podendo por meio das decisões judiciais intervir significativamente nas questões educacionais visando a sua garantia e efetividade. Para atingir os objetivos da pesquisa, far-se-á uso da análise de políticas públicas como mediador do diálogo interdisciplinar da pesquisa ao mesmo tempo que será feito o levantamento bibliográfico para fundamentação teórica do estudo, consolidando o diálogo entre as ciências, bem como, análise documental. Utilizar-se-á a hermenêutica jurídica com a interpretação zetética dos textos legais em contraposição à interpretação dogmática. A coleta de dados será baseada na consulta do diário eletrônico judicial do Tribunal de Justiça do Estado do Pará – DEJ/TJPA e no Sistema de Acompanhamento Processual-LIBRA do TJ/PA. Para a análise dos dados e sistematização das ações judiciais selecionadas, serão agrupadas nas seguintes categorias: acesso, permanência e qualidade à educação básica; responsabilidade estatal; poder de regulação estatal; decisões administrativas e políticas; gestão de recursos públicos; deveres dos pais.

2
  • RODINEI BENTES DA SILVA
  • PROTEÇÃO JURÍDICA DO DIREITO À EDUCAÇÃO BÁSICA NO ESTADO DO PARÁ.

  • Data: 04/02/2019
  • Mostrar Resumo
  • Trata-se de uma pesquisa interdisciplinar na área de Educação, Direito e Políticas Públicas, cujo objetivo geral é analisar como o Poder Judicial tem atuado diante do controle de políticas públicas educacionais para a efetivação do direito à educação no estado do Pará. A principal justificativa é que a educação na Constituição Federal de 1988 transformou-se num grande ganho para as conquistas dos direitos sociais devido ao respaldo legal, uma vez que antes não tinha instrumentos de exigibilidade. Assim sendo, o Poder Judiciário passa a ter uma nova relação com a educação, podendo por meio das decisões judiciais intervir significativamente nas questões educacionais visando a sua garantia e efetividade. Para atingir os objetivos da pesquisa, far-se-á uso da análise de políticas públicas como mediador do diálogo interdisciplinar da pesquisa ao mesmo tempo que será feito o levantamento bibliográfico para fundamentação teórica do estudo, consolidando o diálogo entre as ciências, bem como, análise documental. Utilizar-se-á a hermenêutica jurídica com a interpretação zetética dos textos legais em contraposição à interpretação dogmática. A coleta de dados será baseada na consulta do diário eletrônico judicial do Tribunal de Justiça do Estado do Pará – DEJ/TJPA e no Sistema de Acompanhamento Processual-LIBRA do TJ/PA. Para a análise dos dados e sistematização das ações judiciais selecionadas, serão agrupadas nas seguintes categorias: acesso, permanência e qualidade à educação básica; responsabilidade estatal; poder de regulação estatal; decisões administrativas e políticas; gestão de recursos públicos; deveres dos pais.

3
  • MARLISON SOARES GOMES
  •  A GRAMÁTICA PEDAGÓGICA DO PORTUGUÊS BRASILEIRO (BAGNO, 2012) E O ENSINO DE GRAMÁTICA

  • Orientador : EDIENE PENA FERREIRA
  • Data: 25/02/2019
  • Mostrar Resumo
  • O ensino de LP (língua portuguesa) e, como consequência deste, o ensino de gramática precisa de atualizações. Com o advento da ciência linguística no Brasil, inúmeros pesquisadores se dedicaram ao estudo dos fatos/fenômenos de usos autênticos da língua. Contudo, os resultados das pesquisas linguísticas não conseguiram (não conseguem) adentrar o ambiente da educação básica como deveriam, e, portanto, há barreiras que precisam ser ultrapassadas. Este trabalho, de caráter conceitual analítico, tem como meta investigar a concepção de ensino de gramática na GPPB (Gramática Pedagógica do Português Brasileiro, Bagno, 2012). A pesquisa elegeu como questões norteadoras quatro perguntas: o que é gramática? que é ensinar gramática? para que ensinar gramática? como se poderia ensinar gramática?, que mantém conexões entre si, porque o ensino de gramática (o que é/para que/como) depende de uma clara e sólida definição do termo “gramática”. As respostas encontradas podem possibilitar a articulação entre a gramática produzida por um linguista brasileiro contemporâneo e o ensino de LP, contribuindo com a incorporação de resultados da pesquisa linguística à prática pedagógica dos profissionais que atuam como professores de português, seja enquanto língua materna ou língua estrangeira. Com a pesquisa foi possível perceber a polissemia do termo “gramática” e a provisoriedade da “gramática de uma língua”, por estar em ininterrupto processo de produção, e também por manter regularidades que permitem apreendê-la e analisá-la. O ensino de gramática não pode querer repassar aos alunos aquilo que não existe (ou deixou de existir) na língua, mas deve ser honesto ao ponto de tornar possível o contato com uma diversificada variedade de textos orais e escritos de sua língua. Ensina-se gramática (ou língua) para que o aprendiz tenha condições de se manifestar eficientemente em todos os contextos sociais, utilizando todos os recursos possíveis que a língua oferece à interação. Como se vai ensinar é uma questão delicada e o que se encontra ainda é pouco. Neste trabalho encontra-se muito mais “o que ensinar” do que “como ensinar”, mas alguma sugestão aparece. Ressalta-se que não é interesse da presente pesquisa propor metodologias, mas fazer uma reflexão sobre as propostas de ensino de gramática encontradas na GPPB.


4
  • MARLISON SOARES GOMES
  •  A GRAMÁTICA PEDAGÓGICA DO PORTUGUÊS BRASILEIRO (BAGNO, 2012) E O ENSINO DE GRAMÁTICA

  • Orientador : EDIENE PENA FERREIRA
  • Data: 25/02/2019
  • Mostrar Resumo
  • O ensino de LP (língua portuguesa) e, como consequência deste, o ensino de gramática precisa de atualizações. Com o advento da ciência linguística no Brasil, inúmeros pesquisadores se dedicaram ao estudo dos fatos/fenômenos de usos autênticos da língua. Contudo, os resultados das pesquisas linguísticas não conseguiram (não conseguem) adentrar o ambiente da educação básica como deveriam, e, portanto, há barreiras que precisam ser ultrapassadas. Este trabalho, de caráter conceitual analítico, tem como meta investigar a concepção de ensino de gramática na GPPB (Gramática Pedagógica do Português Brasileiro, Bagno, 2012). A pesquisa elegeu como questões norteadoras quatro perguntas: o que é gramática? que é ensinar gramática? para que ensinar gramática? como se poderia ensinar gramática?, que mantém conexões entre si, porque o ensino de gramática (o que é/para que/como) depende de uma clara e sólida definição do termo “gramática”. As respostas encontradas podem possibilitar a articulação entre a gramática produzida por um linguista brasileiro contemporâneo e o ensino de LP, contribuindo com a incorporação de resultados da pesquisa linguística à prática pedagógica dos profissionais que atuam como professores de português, seja enquanto língua materna ou língua estrangeira. Com a pesquisa foi possível perceber a polissemia do termo “gramática” e a provisoriedade da “gramática de uma língua”, por estar em ininterrupto processo de produção, e também por manter regularidades que permitem apreendê-la e analisá-la. O ensino de gramática não pode querer repassar aos alunos aquilo que não existe (ou deixou de existir) na língua, mas deve ser honesto ao ponto de tornar possível o contato com uma diversificada variedade de textos orais e escritos de sua língua. Ensina-se gramática (ou língua) para que o aprendiz tenha condições de se manifestar eficientemente em todos os contextos sociais, utilizando todos os recursos possíveis que a língua oferece à interação. Como se vai ensinar é uma questão delicada e o que se encontra ainda é pouco. Neste trabalho encontra-se muito mais “o que ensinar” do que “como ensinar”, mas alguma sugestão aparece. Ressalta-se que não é interesse da presente pesquisa propor metodologias, mas fazer uma reflexão sobre as propostas de ensino de gramática encontradas na GPPB.


5
  • ANTHYMIO WANZELLER FIGUEIRA NETO
  • MÚSICA POPULAR E CURRÍCULO: REFLEXÕES SOBRE AS MENSAGENS OUVIDAS PELOS ALUNOS E SUAS POSSÍVEIS IMPLICAÇÕES EM RELAÇÃO AO CURRÍCULO OFICIAL

  • Orientador : DORIEDSON ALVES DE ALMEIDA
  • Data: 07/03/2019
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa visa refletir sobre as mensagens veiculadas pelas canções populares de consumo ofertadas pela Indústria cultural enquanto possível voz de um currículo oculto que surge a partir da sua inserção dentro do espaço escolar através dos alunos. A partir dessa ideia de cena musical, buscou-se entender como essas situações musicais podem contribuir ou não para formação e/ou deformação sociocultural dos alunos tendo como ponto de partida a formação cidadã defendida pelo o currículo oficial escolar. Para tal abordagem, tomam-se como referência: Teoria Crítica (ADORNO 1995; 2005), Teoria da comunicação (BESSA 2006; SILVA 2011; JANOTTI JR e Sá 2013); e sobre as relações musicais no cotidiano (BRÉCIA 2003; LOUREIRO 2010; BOZZANO, FRENDA e GUSMÃO 2013). Têm como questões centrais: O que os adolescentes ouvem nas cenas musicais dentro da escola? Qual a mensagem mais ouvida nessa cena? Como essa mensagem pode estar sustentado um currículo oculto no que se refere à formação cidadã defendida pela escola? Basicamente o que interessa são as mensagens ouvidas e disseminadas pelas letras das canções aos adolescentes que participaram deste estudo e que chegam através dos meios de comunicação midiáticos aos mesmos. Perceber a cena musical mais presente dentro da escola com os quais os adolescentes se identificam. As situações de aprendizagem que essas cenas musicais podem proporcionar frente à programação das mensagens da canção ouvida. O estudo tende a contribuir para uma visão diferenciada sobre o papel da música popular de consumo de cunho midiático no cotidiano da escola e os processos de apropriação sociocultural sistematizado pelo currículo oculto a partir das mensagens ouvidas nas cenas musicais existente no contexto escolar.

6
  • ANTHYMIO WANZELLER FIGUEIRA NETO
  • MÚSICA POPULAR E CURRÍCULO: REFLEXÕES SOBRE AS MENSAGENS OUVIDAS PELOS ALUNOS E SUAS POSSÍVEIS IMPLICAÇÕES EM RELAÇÃO AO CURRÍCULO OFICIAL

  • Orientador : DORIEDSON ALVES DE ALMEIDA
  • Data: 07/03/2019
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa visa refletir sobre as mensagens veiculadas pelas canções populares de consumo ofertadas pela Indústria cultural enquanto possível voz de um currículo oculto que surge a partir da sua inserção dentro do espaço escolar através dos alunos. A partir dessa ideia de cena musical, buscou-se entender como essas situações musicais podem contribuir ou não para formação e/ou deformação sociocultural dos alunos tendo como ponto de partida a formação cidadã defendida pelo o currículo oficial escolar. Para tal abordagem, tomam-se como referência: Teoria Crítica (ADORNO 1995; 2005), Teoria da comunicação (BESSA 2006; SILVA 2011; JANOTTI JR e Sá 2013); e sobre as relações musicais no cotidiano (BRÉCIA 2003; LOUREIRO 2010; BOZZANO, FRENDA e GUSMÃO 2013). Têm como questões centrais: O que os adolescentes ouvem nas cenas musicais dentro da escola? Qual a mensagem mais ouvida nessa cena? Como essa mensagem pode estar sustentado um currículo oculto no que se refere à formação cidadã defendida pela escola? Basicamente o que interessa são as mensagens ouvidas e disseminadas pelas letras das canções aos adolescentes que participaram deste estudo e que chegam através dos meios de comunicação midiáticos aos mesmos. Perceber a cena musical mais presente dentro da escola com os quais os adolescentes se identificam. As situações de aprendizagem que essas cenas musicais podem proporcionar frente à programação das mensagens da canção ouvida. O estudo tende a contribuir para uma visão diferenciada sobre o papel da música popular de consumo de cunho midiático no cotidiano da escola e os processos de apropriação sociocultural sistematizado pelo currículo oculto a partir das mensagens ouvidas nas cenas musicais existente no contexto escolar.

7
  • ANIELE DOMINGAS PIMENTEL SILVA
  • MODELAGEM MATEMÁTICA E TECNOLOGIAS DIGITAIS PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS

  • Orientador : JOSE RICARDO E SOUZA MAFRA
  • Data: 25/03/2019
  • Mostrar Resumo
  • A pesquisa aborda a inserção do uso de Tecnologias Digitais (TD) articuladas aos pressupostos da Modelagem Matemática (MM) no ensino. Tem como principio vetor a mobilização pedagógica de conhecimentos por parte do professor, em relação a mecanismos de ensino, possíveis de serem operacionalizados em sala de aula. Tem como objetivo investigar possíveis relações da MM com as TD na educação escolar, para subsidiar os processos de ensino no 5 o ano do ensino fundamental. Os objetivos específicos estão relacionados com o desenvolvimento de meios para o uso de TD com a matemática por atividades escolares, via MM e estratégias de ensino de base tecnológica. A questão norteadora estabelece o seguinte parâmetro de inquérito: “Como relacionar a MM com as TD, tendo em vista o ensino de conceitos matemáticos?”. Para respondê-la e alcançar os objetivos, a metodologia foi baseada em estudo sistemático de referenciais teóricos tais como Bassanezi (2011), Biembengut e Hein (2016), Valente (1998), Borba, Silva e Gadanidis (2016), Mazzoti (1998) e outros. Levantamento de literatura relacionada ao tema, agregando as pesquisas de Menezes (2016), Schütz (2015), Furtado (2014), Mastrela (2014), Borssoi (2013), Ferreira (2013), Diniz (2007), Barbosa (2001). Além de instrumentos e técnicas auxiliares de recolha de informações adicionais que versam sobre a formação de grupos de discussão (grupos focais), observação participante e entrevistas. Essa investigação se pauta na organização e dimensionamento de experimentos de ensino, em que as atividades foram dimensionadas a partir de uma configuração de cenários educacionais e foram direcionadas para a produção de modelos temáticos com dois temas: I - Matemática e construção civil (construção de plantas baixas e maquetes) e II - Matemática e arte (Construção de elementos artísticos), a partir de TD disponíveis na escola como: geogebra, phet colorado, kahoot, tuxmath e elementos de MM no ensino, por meio da aplicação de um projeto de intervenção para 36 alunos do 5o ano em uma escola municipal na cidade de Santarém – PA. Esses recursos digitais auxiliaram o processo de ensino de matemática, projetando possibilidades de ensinar conceitos matemáticos através de uma linha de investigação educacional (STEFFE; THOMPSON, 2000). Os resultados iniciais projetam considerações sobre: encaminhamentos dialógicos proporcionados pelo docente, ao iniciar o desenvolvimento das atividades, fornece um fator de interesse inicial sobre as situações propostas e planejadas. Do ponto de vista tecnológico, houve um grau de interesse significativo, quando os discentes realizaram as primeiras manipulações e desenvolvimento do projeto temático I. Em cada etapa dessas atividades, a matemática ia surgindo e sistematizada de forma articulada com outros assuntos ou conhecimentos, sendo possível desenvolver um trabalho interdisciplinar, caracterizando elementos de discussão para se pensar em validar a implementação de novas metodologias para o ensino da matemática, a partir das relações entre a MM e as TD, objetivando as aprendizagens de conceitos e representações matemáticas.

8
  • ANIELE DOMINGAS PIMENTEL SILVA
  • MODELAGEM MATEMÁTICA E TECNOLOGIAS DIGITAIS PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE CONCEITOS MATEMÁTICOS

  • Orientador : JOSE RICARDO E SOUZA MAFRA
  • Data: 25/03/2019
  • Mostrar Resumo
  • A pesquisa aborda a inserção do uso de Tecnologias Digitais (TD) articuladas aos pressupostos da Modelagem Matemática (MM) no ensino. Tem como principio vetor a mobilização pedagógica de conhecimentos por parte do professor, em relação a mecanismos de ensino, possíveis de serem operacionalizados em sala de aula. Tem como objetivo investigar possíveis relações da MM com as TD na educação escolar, para subsidiar os processos de ensino no 5 o ano do ensino fundamental. Os objetivos específicos estão relacionados com o desenvolvimento de meios para o uso de TD com a matemática por atividades escolares, via MM e estratégias de ensino de base tecnológica. A questão norteadora estabelece o seguinte parâmetro de inquérito: “Como relacionar a MM com as TD, tendo em vista o ensino de conceitos matemáticos?”. Para respondê-la e alcançar os objetivos, a metodologia foi baseada em estudo sistemático de referenciais teóricos tais como Bassanezi (2011), Biembengut e Hein (2016), Valente (1998), Borba, Silva e Gadanidis (2016), Mazzoti (1998) e outros. Levantamento de literatura relacionada ao tema, agregando as pesquisas de Menezes (2016), Schütz (2015), Furtado (2014), Mastrela (2014), Borssoi (2013), Ferreira (2013), Diniz (2007), Barbosa (2001). Além de instrumentos e técnicas auxiliares de recolha de informações adicionais que versam sobre a formação de grupos de discussão (grupos focais), observação participante e entrevistas. Essa investigação se pauta na organização e dimensionamento de experimentos de ensino, em que as atividades foram dimensionadas a partir de uma configuração de cenários educacionais e foram direcionadas para a produção de modelos temáticos com dois temas: I - Matemática e construção civil (construção de plantas baixas e maquetes) e II - Matemática e arte (Construção de elementos artísticos), a partir de TD disponíveis na escola como: geogebra, phet colorado, kahoot, tuxmath e elementos de MM no ensino, por meio da aplicação de um projeto de intervenção para 36 alunos do 5o ano em uma escola municipal na cidade de Santarém – PA. Esses recursos digitais auxiliaram o processo de ensino de matemática, projetando possibilidades de ensinar conceitos matemáticos através de uma linha de investigação educacional (STEFFE; THOMPSON, 2000). Os resultados iniciais projetam considerações sobre: encaminhamentos dialógicos proporcionados pelo docente, ao iniciar o desenvolvimento das atividades, fornece um fator de interesse inicial sobre as situações propostas e planejadas. Do ponto de vista tecnológico, houve um grau de interesse significativo, quando os discentes realizaram as primeiras manipulações e desenvolvimento do projeto temático I. Em cada etapa dessas atividades, a matemática ia surgindo e sistematizada de forma articulada com outros assuntos ou conhecimentos, sendo possível desenvolver um trabalho interdisciplinar, caracterizando elementos de discussão para se pensar em validar a implementação de novas metodologias para o ensino da matemática, a partir das relações entre a MM e as TD, objetivando as aprendizagens de conceitos e representações matemáticas.

9
  • NELIANE MOTA RABELO
  • TIC NA FORMAÇÃO INICIAL: uma visão de futuros professores de dois cursos de licenciatura da UFOPA.

  • Orientador : JOSE RICARDO E SOUZA MAFRA
  • Data: 25/03/2019
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho apresenta considerações sobre o desenvolvimento, relacionada ao uso das
    tecnologias de informação e comunicação (TIC) na formação universitária. A sociedade passa
    por mudanças significativas, em suas diferentes dimensões, a qual projeta uma grande
    influência por parte das tecnologias de informação e comunicação (TIC) e, consequentemente,
    desencadeando processos de comunicação alternativos e inovadores. Em particular, a
    educação se moderniza, principalmente devido às mudanças e transformações tecnológicas
    extremamente rápidas e dinâmicas, exigindo assim processos de ensino alternativos e
    criativos, capazes de produzir uma aprendizagem satisfatória e significativa aos discentes.
    Nesse sentido, os objetivos deste trabalho estão voltados para a investigação de como os
    estudantes do curso de Licenciatura Integrada em Matemática e Física e Licenciatura em
    Informática Educacional da Universidade Federal do Oeste do Pará, Santarém/PA, utilizam (e
    se utilizam) e como percebem essa utilização demostrando sua importância através do uso das
    TIC objetivando sua formação acadêmica. Através dessa concepção, parte-se do princípio que
    é possível inferir sobre concepções e compreensões sobre a utilização, implementação e
    operacionalização de recursos tecnológicos, em turmas de graduação voltadas para a
    docência. Os procedimentos metodológicos estão pautados na extração de informações, junto
    a acadêmicos deste curso, através da aplicação de questionários padronizados, análise
    documental dos Projetos Pedagógicos de Cursos (PPC), que possuam repercussões de
    aplicações tecnológicas voltadas para os processos formativos, objeto do curso. As
    informações obtidas, através dos instrumentos citados, serão correlacionadas com a proposta
    de estudo baseada na análise de conteúdo de Bardin (2011). A amostra dos participantes foi
    composta por 15 aprendizes do curso de LIMF e 14 aprendizes do curso de LIE. Quanto à
    fundamentação teórica veiculada a esta pesquisa, elencamos considerações sobre o
    paradigma tecnológico emergente apontados por Valente (1999; 2018) e Moran (2007; 2015),
    além de pontuarmos ponderações pertinentes a concepções de formação do professor, para a
    era tecnológica, discutidos nos trabalhos de Kenski (2001; 2003; 2007; 2009; 2012 e 2017);
    Masetto (1998; 2010; 2013) e Zabalza (2007). Os resultados iniciais projetam diferentes
    percepções dos alunos. Tais depoimentos vislumbram práticas tecnológicas ainda distantes de
    sua realidade em sala de aula e que, ao professor, se tornam grandes desafios ainda na
    atualidade. Há uma esperança no sentido de que possam aprender conhecimentos de forma
    menos tradicionalista. Anseiam, que o docente, ao inserir nas suas aulas formas dinâmicas que
    facilitem o processo de ensino-aprendizagem, permitam promover condições para que os
    futuros professores em sua formação inicial construam conhecimentos sobre o uso dos
    recursos tecnológicos existentes, com base em suas compreensões e que sejam capazes de associá-los a sua prática docente utilizando os recursos disponíveis, tornando-se assim um profissional que atenda as novas exigências da sociedade.

10
  • NELIANE MOTA RABELO
  • TIC NA FORMAÇÃO INICIAL: uma visão de futuros professores de dois cursos de licenciatura da UFOPA.

  • Orientador : JOSE RICARDO E SOUZA MAFRA
  • Data: 25/03/2019
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho apresenta considerações sobre o desenvolvimento, relacionada ao uso das
    tecnologias de informação e comunicação (TIC) na formação universitária. A sociedade passa
    por mudanças significativas, em suas diferentes dimensões, a qual projeta uma grande
    influência por parte das tecnologias de informação e comunicação (TIC) e, consequentemente,
    desencadeando processos de comunicação alternativos e inovadores. Em particular, a
    educação se moderniza, principalmente devido às mudanças e transformações tecnológicas
    extremamente rápidas e dinâmicas, exigindo assim processos de ensino alternativos e
    criativos, capazes de produzir uma aprendizagem satisfatória e significativa aos discentes.
    Nesse sentido, os objetivos deste trabalho estão voltados para a investigação de como os
    estudantes do curso de Licenciatura Integrada em Matemática e Física e Licenciatura em
    Informática Educacional da Universidade Federal do Oeste do Pará, Santarém/PA, utilizam (e
    se utilizam) e como percebem essa utilização demostrando sua importância através do uso das
    TIC objetivando sua formação acadêmica. Através dessa concepção, parte-se do princípio que
    é possível inferir sobre concepções e compreensões sobre a utilização, implementação e
    operacionalização de recursos tecnológicos, em turmas de graduação voltadas para a
    docência. Os procedimentos metodológicos estão pautados na extração de informações, junto
    a acadêmicos deste curso, através da aplicação de questionários padronizados, análise
    documental dos Projetos Pedagógicos de Cursos (PPC), que possuam repercussões de
    aplicações tecnológicas voltadas para os processos formativos, objeto do curso. As
    informações obtidas, através dos instrumentos citados, serão correlacionadas com a proposta
    de estudo baseada na análise de conteúdo de Bardin (2011). A amostra dos participantes foi
    composta por 15 aprendizes do curso de LIMF e 14 aprendizes do curso de LIE. Quanto à
    fundamentação teórica veiculada a esta pesquisa, elencamos considerações sobre o
    paradigma tecnológico emergente apontados por Valente (1999; 2018) e Moran (2007; 2015),
    além de pontuarmos ponderações pertinentes a concepções de formação do professor, para a
    era tecnológica, discutidos nos trabalhos de Kenski (2001; 2003; 2007; 2009; 2012 e 2017);
    Masetto (1998; 2010; 2013) e Zabalza (2007). Os resultados iniciais projetam diferentes
    percepções dos alunos. Tais depoimentos vislumbram práticas tecnológicas ainda distantes de
    sua realidade em sala de aula e que, ao professor, se tornam grandes desafios ainda na
    atualidade. Há uma esperança no sentido de que possam aprender conhecimentos de forma
    menos tradicionalista. Anseiam, que o docente, ao inserir nas suas aulas formas dinâmicas que
    facilitem o processo de ensino-aprendizagem, permitam promover condições para que os
    futuros professores em sua formação inicial construam conhecimentos sobre o uso dos
    recursos tecnológicos existentes, com base em suas compreensões e que sejam capazes de associá-los a sua prática docente utilizando os recursos disponíveis, tornando-se assim um profissional que atenda as novas exigências da sociedade.

11
  • RIVANILDO MONTEIRO COUTINHO
  • O DOCENTE MASCULINO DE EDUCAÇÃO INFANTIL NA AMAZÔNIA: COMO SE PERCEBE E É PERCEBIDO NO ESPAÇO ESCOLAR DE ORIXIMINÁ/PA.

  • Orientador : SINARA ALMEIDA DA COSTA
  • Data: 29/03/2019
  • Mostrar Resumo
  • A presente dissertação objetiva analisar como o docente masculino de Educação Infantil
    se percebe e é percebido no espaço escolar no contexto da Amazônia paraense. Como
    objetivos específicos pretende-se traçar o perfil destes docentes com base nas suas
    trajetórias profissionais; identificar as condições objetivas de permanência como
    docentes de crianças pequenas; compreender seu processo de imersão nos contextos de
    trabalho a partir de si mesmo e da comunidade escolar e, verificar a existência de uma
    prática pedagógica particularizada em função do ser docente masculino, bem como seus
    possíveis desdobramentos nessa realidade. O referencial teórico baseia-se em Vigotski e
    estudiosos que abordam os temas em questão, tais como Sayão (2005), Sousa (2011) e
    Moreno (2017). A pesquisa é de abordagem qualitativa, do tipo estudo de casos
    múltiplos, tendo como sujeitos principais os três docentes que estão atuando na pré-
    escola com crianças de 04 anos em instituições públicas da zona urbana do município de
    Oriximiná/PA. A construção de dados deu-se pela técnica da entrevista semiestruturada,
    gravada em áudio, aplicada com os docentes investigados e com representantes dos
    demais segmentos da comunidade escolar. As entrevistas com as crianças foram
    diferenciadas e realizadas coletivamente. Para a análise dos dados foi utilizada a técnica
    de análise de conteúdo baseada nos estudos de Bardin. Em relação a auto percepção dos
    docentes masculinos pesquisados, os resultados evidenciam que todos eles percebem
    obstáculos no processo de imersão nas instituições, sendo recebidos nas primeiras
    escolas de Educação Infantil com olhares duvidosos, vivenciando situações de
    preconceito dentro do contexto escolar. Também enfrentaram desafios, sendo o
    principal deles o acompanhamento das crianças ao banheiro, atitude compreendida
    como inadequada até mesmo por eles e evitada por todos na escola. Além disso, o
    desenvolvimento de atividades que envolvem ações socialmente associadas ao
    feminino, como dançar, cantar e pular, também são alvo de questionamentos. Fatores
    como seriedade, respeito e “domínio de classe” foram apontados pelos professores
    como características próprias de um docente masculino para atuar em turmas de
    Educação Infantil, induzindo a uma visão conservadora de que o homem é mais
    impositivo, severo e dominador. No que se refere à percepção da comunidade escolar, a
    maioria dos sujeitos adultos entrevistados vê como natural a presença masculina na
    docência na escola da infância. Na categoria das professoras foi onde se percebeu a
    maior divergência de opiniões quanto a presença masculina na escola, com destaque
    para a afirmação de que as mulheres têm mais habilidades para atuar nas salas de
    atividades com crianças pequenas e que os colegas homens não têm aquele “jeitinho”
    que estas turmas necessitam para um trabalho de qualidade. Quanto a percepção dos
    familiares das crianças, todos afirmaram ver com naturalidade um homem ocupando a
    função de docente de seus filhos e filhas e que apesar do receio inicial, em função dos
    inúmeros casos de abusos contra menores divulgados pela mídia, após acompanharem o
    trabalho destes profissionais foram se tranquilizando. Entre as crianças, ficou evidente
    que o mais importante não é o sexo do professor, mas sua capacidade de interagir e
    desenvolver atividades que tornem as experiências de aprendizagem significativas. Foi
    nessa categoria onde se percebeu a maior aceitação dos docentes masculinos, o que leva
    a crer que as crianças ainda não estão carregadas com as marcas históricas construídas
    socialmente de que homens não devem ser professores na Educação Infantil. A partir
    dos resultados apresentados, acredita-se que a temática discutida neste estudo deve ser
    trabalhada transversalmente nos cursos de formação inicial e continuada, especialmente
    na licenciatura em pedagogia, uma vez que a discussão desses elementos influi
    diretamente no exercício profissional dos/as professores/as.

12
  • RIVANILDO MONTEIRO COUTINHO
  • O DOCENTE MASCULINO DE EDUCAÇÃO INFANTIL NA AMAZÔNIA: COMO SE PERCEBE E É PERCEBIDO NO ESPAÇO ESCOLAR DE ORIXIMINÁ/PA.

  • Orientador : SINARA ALMEIDA DA COSTA
  • Data: 29/03/2019
  • Mostrar Resumo
  • A presente dissertação objetiva analisar como o docente masculino de Educação Infantil
    se percebe e é percebido no espaço escolar no contexto da Amazônia paraense. Como
    objetivos específicos pretende-se traçar o perfil destes docentes com base nas suas
    trajetórias profissionais; identificar as condições objetivas de permanência como
    docentes de crianças pequenas; compreender seu processo de imersão nos contextos de
    trabalho a partir de si mesmo e da comunidade escolar e, verificar a existência de uma
    prática pedagógica particularizada em função do ser docente masculino, bem como seus
    possíveis desdobramentos nessa realidade. O referencial teórico baseia-se em Vigotski e
    estudiosos que abordam os temas em questão, tais como Sayão (2005), Sousa (2011) e
    Moreno (2017). A pesquisa é de abordagem qualitativa, do tipo estudo de casos
    múltiplos, tendo como sujeitos principais os três docentes que estão atuando na pré-
    escola com crianças de 04 anos em instituições públicas da zona urbana do município de
    Oriximiná/PA. A construção de dados deu-se pela técnica da entrevista semiestruturada,
    gravada em áudio, aplicada com os docentes investigados e com representantes dos
    demais segmentos da comunidade escolar. As entrevistas com as crianças foram
    diferenciadas e realizadas coletivamente. Para a análise dos dados foi utilizada a técnica
    de análise de conteúdo baseada nos estudos de Bardin. Em relação a auto percepção dos
    docentes masculinos pesquisados, os resultados evidenciam que todos eles percebem
    obstáculos no processo de imersão nas instituições, sendo recebidos nas primeiras
    escolas de Educação Infantil com olhares duvidosos, vivenciando situações de
    preconceito dentro do contexto escolar. Também enfrentaram desafios, sendo o
    principal deles o acompanhamento das crianças ao banheiro, atitude compreendida
    como inadequada até mesmo por eles e evitada por todos na escola. Além disso, o
    desenvolvimento de atividades que envolvem ações socialmente associadas ao
    feminino, como dançar, cantar e pular, também são alvo de questionamentos. Fatores
    como seriedade, respeito e “domínio de classe” foram apontados pelos professores
    como características próprias de um docente masculino para atuar em turmas de
    Educação Infantil, induzindo a uma visão conservadora de que o homem é mais
    impositivo, severo e dominador. No que se refere à percepção da comunidade escolar, a
    maioria dos sujeitos adultos entrevistados vê como natural a presença masculina na
    docência na escola da infância. Na categoria das professoras foi onde se percebeu a
    maior divergência de opiniões quanto a presença masculina na escola, com destaque
    para a afirmação de que as mulheres têm mais habilidades para atuar nas salas de
    atividades com crianças pequenas e que os colegas homens não têm aquele “jeitinho”
    que estas turmas necessitam para um trabalho de qualidade. Quanto a percepção dos
    familiares das crianças, todos afirmaram ver com naturalidade um homem ocupando a
    função de docente de seus filhos e filhas e que apesar do receio inicial, em função dos
    inúmeros casos de abusos contra menores divulgados pela mídia, após acompanharem o
    trabalho destes profissionais foram se tranquilizando. Entre as crianças, ficou evidente
    que o mais importante não é o sexo do professor, mas sua capacidade de interagir e
    desenvolver atividades que tornem as experiências de aprendizagem significativas. Foi
    nessa categoria onde se percebeu a maior aceitação dos docentes masculinos, o que leva
    a crer que as crianças ainda não estão carregadas com as marcas históricas construídas
    socialmente de que homens não devem ser professores na Educação Infantil. A partir
    dos resultados apresentados, acredita-se que a temática discutida neste estudo deve ser
    trabalhada transversalmente nos cursos de formação inicial e continuada, especialmente
    na licenciatura em pedagogia, uma vez que a discussão desses elementos influi
    diretamente no exercício profissional dos/as professores/as.

13
  • ELI CONCEIÇÃO DE VASCONCELOS TAPAJÓS SOUSA
  • Programa de Fomento à Educação Integral no Ensino Médio: ANÁLISE DA IMPLANTAÇÃO NA REDE ESTADUAL NO MUNICÍPIO DE SANTARÉM-PA

  • Orientador : MARIA LILIA IMBIRIBA SOUSA COLARES
  • Data: 04/04/2019
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo tem como objetivo analisar a implantação do Programa de Fomento à Educação Integral como Política Pública de Ensino Médio Integral (EMI) no contexto da Reforma do Ensino Médio a partir da Lei 13.415/2017 na rede pública estadual no munícipio de Santarém-PA. Para o desenvolvimento da pesquisa, utilizou-se como método a abordagem qualitativa. Os procedimentos metodológicos adotados foram revisão bibliográfica e análise documental, o primeiro teve como fundamentação teórica autores como: Arreteche (1995), Araújo (s/d), Cardozo (2009), Ciavatta e Ramos (2012), Colares e Ferreira (2015), Frigotto e Ciavatta (2003), Gomes e Colares (2017), Guará (2006), Gadotti (2009), Hofling (2001), Jacomeli (2011), Moll (2017), Romanelli (2010), Severino (2006) dentre outros; o segundo teve como fontes para estudo e pesquisa a Medida Provisória 746/2016, a Portaria de Ensino Médio Integral do Ministério de Educação nº 727, de 13 de junho de 2017 em que estabelece novas diretrizes, novos parâmetros e critérios para o Programa de Fomento às Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral – EMTI, em conformidade com a Lei 13.415 de 16 de fevereiro de 2017, LDB 9.394/96, o Plano Estadual de Educação, o Projeto Político Pedagógico das escolas pesquisadas e as Atas de implantação do programa na rede estadual. Discorre-se sobre a Política Educacional brasileira como parte de uma política pública de regulamentação social no contexto das transformações econômicas, políticas e sociais que configuraram o modelo de produção nacional, conforme as exigências do modo de produção capitalista; trata-se da Educação Integral como política pública educacional a partir da Lei da Reforma do Ensino Médio 13.415/2017, com o Programa de Fomento à Implantação do Ensino Médio Integral, sua implantação no atual cenário político, econômico e educacional na sociedade brasileira e, por fim, situa-se o estado do Pará e o munícipio de Santarém no contexto da Educação Integral, bem como a implantação do Programa de Fomento à Educação Integral no contexto da reforma do Ensino Médio nas escolas pesquisadas.

     

14
  • ELI CONCEIÇÃO DE VASCONCELOS TAPAJÓS SOUSA
  • Programa de Fomento à Educação Integral no Ensino Médio: ANÁLISE DA IMPLANTAÇÃO NA REDE ESTADUAL NO MUNICÍPIO DE SANTARÉM-PA

  • Orientador : MARIA LILIA IMBIRIBA SOUSA COLARES
  • Data: 04/04/2019
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo tem como objetivo analisar a implantação do Programa de Fomento à Educação Integral como Política Pública de Ensino Médio Integral (EMI) no contexto da Reforma do Ensino Médio a partir da Lei 13.415/2017 na rede pública estadual no munícipio de Santarém-PA. Para o desenvolvimento da pesquisa, utilizou-se como método a abordagem qualitativa. Os procedimentos metodológicos adotados foram revisão bibliográfica e análise documental, o primeiro teve como fundamentação teórica autores como: Arreteche (1995), Araújo (s/d), Cardozo (2009), Ciavatta e Ramos (2012), Colares e Ferreira (2015), Frigotto e Ciavatta (2003), Gomes e Colares (2017), Guará (2006), Gadotti (2009), Hofling (2001), Jacomeli (2011), Moll (2017), Romanelli (2010), Severino (2006) dentre outros; o segundo teve como fontes para estudo e pesquisa a Medida Provisória 746/2016, a Portaria de Ensino Médio Integral do Ministério de Educação nº 727, de 13 de junho de 2017 em que estabelece novas diretrizes, novos parâmetros e critérios para o Programa de Fomento às Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral – EMTI, em conformidade com a Lei 13.415 de 16 de fevereiro de 2017, LDB 9.394/96, o Plano Estadual de Educação, o Projeto Político Pedagógico das escolas pesquisadas e as Atas de implantação do programa na rede estadual. Discorre-se sobre a Política Educacional brasileira como parte de uma política pública de regulamentação social no contexto das transformações econômicas, políticas e sociais que configuraram o modelo de produção nacional, conforme as exigências do modo de produção capitalista; trata-se da Educação Integral como política pública educacional a partir da Lei da Reforma do Ensino Médio 13.415/2017, com o Programa de Fomento à Implantação do Ensino Médio Integral, sua implantação no atual cenário político, econômico e educacional na sociedade brasileira e, por fim, situa-se o estado do Pará e o munícipio de Santarém no contexto da Educação Integral, bem como a implantação do Programa de Fomento à Educação Integral no contexto da reforma do Ensino Médio nas escolas pesquisadas.

     

15
  • TIAGO AQUINO SILVA DE SANTANA
  • FORMAÇÃO E MANIFESTAÇÕES DE EXPECTATIVAS DE POSTULANTES E ESTUDANTES DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM EDUCAÇÃO DE UNIVERSIDADE PERIFÉRICA

  • Orientador : LUIZ PERCIVAL LEME BRITTO
  • Data: 11/04/2019
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho, intitulado "Formação e manifestações de expectativas de postulantes/estudantes de pós-graduação stricto sensu em educação de universidade periférica", teve por objetivo verificar a postura epistemológica dos postulantes e discentes do PPGE-Ufopa, especialmente no que concerne à postura aberta ou rígida / fechada diante do conhecimento. Mais precisamente, buscou-se verificar de que maneira os sujeitos de pesquisa estabelecem relação com os bens da cultura hegemônica e o modo como estudam e entendem o conhecimento. Para tanto, elaborou-se o perfil deste pós-graduando, aluno que até recentemente não tinha acesso a esse nível de escolaridade e verificaram-se as implicações objetivas e subjetivas em sua formação. Para melhor circunscrever a análise, o estudo investigou as motivações, os percalços e a aprendizagem dos sujeitos da pesquisa na experiência de mestrado. A pesquisa dialoga com estudos anteriores nesse campo para delinear alguns conceitos, como postura epistemológica, disponibilidades objetivas e subjetivas, constituição de coleções, novos alunos e universidade periférica, especialmente com os estudos de Britto (2004; 2009), Britto et al. (2008), Gomes (2010), Castilho e Britto (2009), Santana (2011) e Corrêa (2017) e estudo sobre mestrado em Britto et al. (1999). Para a produção dos dados, a pesquisa utilizou-se de dois questionários respondidos por meio do Google form®: um aplicado aos postulantes ao mestrado no momento da entrada, composto por 32 questões e outro aplicado aos alunos e postulantes do PPGE. - Ufopa, composto por 19 questões. Além das perguntas, realizou-se roda de conversa com um grupo de sete alunos do mestrado, a fim de esclarecer alguns dados. A análise contou com os dados produzidos com os questionários, a roda de conversa e a percepção pessoal do pesquisador, como sujeito da pesquisa. O perfil dos alunos é, em muitos aspectos, próximo ao "novo aluno" proposto por Britto et al. (2008). Além da postura epistemológica rígida / fechada, como observado pelo pesquisador em cursos de graduação em universidades periféricas, o aluno dos mestres da Ufopa diverge do aluno clássico nesse nível de ensino.

16
  • TIAGO AQUINO SILVA DE SANTANA
  • FORMAÇÃO E MANIFESTAÇÕES DE EXPECTATIVAS DE POSTULANTES E ESTUDANTES DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM EDUCAÇÃO DE UNIVERSIDADE PERIFÉRICA

  • Orientador : LUIZ PERCIVAL LEME BRITTO
  • Data: 11/04/2019
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho, intitulado "Formação e manifestações de expectativas de postulantes/estudantes de pós-graduação stricto sensu em educação de universidade periférica", teve por objetivo verificar a postura epistemológica dos postulantes e discentes do PPGE-Ufopa, especialmente no que concerne à postura aberta ou rígida / fechada diante do conhecimento. Mais precisamente, buscou-se verificar de que maneira os sujeitos de pesquisa estabelecem relação com os bens da cultura hegemônica e o modo como estudam e entendem o conhecimento. Para tanto, elaborou-se o perfil deste pós-graduando, aluno que até recentemente não tinha acesso a esse nível de escolaridade e verificaram-se as implicações objetivas e subjetivas em sua formação. Para melhor circunscrever a análise, o estudo investigou as motivações, os percalços e a aprendizagem dos sujeitos da pesquisa na experiência de mestrado. A pesquisa dialoga com estudos anteriores nesse campo para delinear alguns conceitos, como postura epistemológica, disponibilidades objetivas e subjetivas, constituição de coleções, novos alunos e universidade periférica, especialmente com os estudos de Britto (2004; 2009), Britto et al. (2008), Gomes (2010), Castilho e Britto (2009), Santana (2011) e Corrêa (2017) e estudo sobre mestrado em Britto et al. (1999). Para a produção dos dados, a pesquisa utilizou-se de dois questionários respondidos por meio do Google form®: um aplicado aos postulantes ao mestrado no momento da entrada, composto por 32 questões e outro aplicado aos alunos e postulantes do PPGE. - Ufopa, composto por 19 questões. Além das perguntas, realizou-se roda de conversa com um grupo de sete alunos do mestrado, a fim de esclarecer alguns dados. A análise contou com os dados produzidos com os questionários, a roda de conversa e a percepção pessoal do pesquisador, como sujeito da pesquisa. O perfil dos alunos é, em muitos aspectos, próximo ao "novo aluno" proposto por Britto et al. (2008). Além da postura epistemológica rígida / fechada, como observado pelo pesquisador em cursos de graduação em universidades periféricas, o aluno dos mestres da Ufopa diverge do aluno clássico nesse nível de ensino.

17
  • ANDREA IMBIRIBA DA SILVA
  • COGNIÇÕES DE EDUCADORES/CUIDADORES DE INSTITUIÇÃO DE ACOLHIMENTO SOBRE ATIVIDADES LÚDICAS E HABILIDADES SOCIAIS

  • Orientador : IRANI LAUER LELLIS
  • Data: 16/04/2019
  • Mostrar Resumo
  • A pesquisa intitulada “Cognições sobre habilidades sociais e atividades lúdicas: um estudo com educadores/cuidadores de crianças abrigadas em Santarém” tem como lócus o Centro de Acolhimento Reviver em Santarém. Seu objetivo é analisar as cognições da equipe de educadores/cuidadores sobre a influência das atividades lúdicas no desenvolvimento das habilidades sociais de crianças abrigadas. Especificamente, propõe: I) levantar o perfil sociodemográfico dos educadores/cuidadores do Centro de Acolhimento Reviver; II) identificar os tipos de atividades lúdicas desenvolvidas pelos educadores/cuidadores do Centro de Acolhimento Reviver; III) conhecer as cognições da equipe de educadores/cuidadores a respeito de atividades lúdicas e habilidades sociais; e IV) analisar o conhecimento da equipe de educadores/cuidadores acerca da possível relação entre atividades lúdicas e habilidades sociais. A amostra será composta por educadores/cuidadores da casa de acolhimento Reviver de Santarém-PA. O estudo é uma pesquisa de campo do tipo exploratória e descritiva desenvolvida a partir dos pressupostos da pesquisa qualitativa. Os instrumentos para coleta de dados a serem usados nesta pesquisa serão: questionário sociodemográfico, entrevistas semiestruturadas, diários de campo, observação e coleta de depoimentos/relatos. Os dados serão analisados mediante a técnica do Discurso do Sujeito Coletivo (DSC), desenvolvido por Lefèvre e Lefèvre (2003, 2005). A fundamentação teórica apoia-se na legislação relacionada à criança abrigada e nos estudos referentes a temática. A relevância desta pesquisa está no fato de diariamente os noticiários brasileiros mostrarem a desigualdade social, exemplo disso é o abandono de crianças e adolescentes, cujos resultados estatísticos constituem grande preocupação para sociedade. Somente no Brasil são mais de 47 mil crianças e adolescentes em abrigos, segundo o Cadastro Nacional de Crianças e Adolescentes Abrigadas. Tal problemática exige das instituições responsáveis pela proteção à criança e ao adolescente melhor planejamento, organização e estrutura para atendê-los, contribuindo para seu pleno desenvolvimento, promovendo bem-estar e dignidade humana, além de seus direitos e deveres previstos na legislação vigente.

18
  • ANDREA IMBIRIBA DA SILVA
  • COGNIÇÕES DE EDUCADORES/CUIDADORES DE INSTITUIÇÃO DE ACOLHIMENTO SOBRE ATIVIDADES LÚDICAS E HABILIDADES SOCIAIS

  • Orientador : IRANI LAUER LELLIS
  • Data: 16/04/2019
  • Mostrar Resumo
  • A pesquisa intitulada “Cognições sobre habilidades sociais e atividades lúdicas: um estudo com educadores/cuidadores de crianças abrigadas em Santarém” tem como lócus o Centro de Acolhimento Reviver em Santarém. Seu objetivo é analisar as cognições da equipe de educadores/cuidadores sobre a influência das atividades lúdicas no desenvolvimento das habilidades sociais de crianças abrigadas. Especificamente, propõe: I) levantar o perfil sociodemográfico dos educadores/cuidadores do Centro de Acolhimento Reviver; II) identificar os tipos de atividades lúdicas desenvolvidas pelos educadores/cuidadores do Centro de Acolhimento Reviver; III) conhecer as cognições da equipe de educadores/cuidadores a respeito de atividades lúdicas e habilidades sociais; e IV) analisar o conhecimento da equipe de educadores/cuidadores acerca da possível relação entre atividades lúdicas e habilidades sociais. A amostra será composta por educadores/cuidadores da casa de acolhimento Reviver de Santarém-PA. O estudo é uma pesquisa de campo do tipo exploratória e descritiva desenvolvida a partir dos pressupostos da pesquisa qualitativa. Os instrumentos para coleta de dados a serem usados nesta pesquisa serão: questionário sociodemográfico, entrevistas semiestruturadas, diários de campo, observação e coleta de depoimentos/relatos. Os dados serão analisados mediante a técnica do Discurso do Sujeito Coletivo (DSC), desenvolvido por Lefèvre e Lefèvre (2003, 2005). A fundamentação teórica apoia-se na legislação relacionada à criança abrigada e nos estudos referentes a temática. A relevância desta pesquisa está no fato de diariamente os noticiários brasileiros mostrarem a desigualdade social, exemplo disso é o abandono de crianças e adolescentes, cujos resultados estatísticos constituem grande preocupação para sociedade. Somente no Brasil são mais de 47 mil crianças e adolescentes em abrigos, segundo o Cadastro Nacional de Crianças e Adolescentes Abrigadas. Tal problemática exige das instituições responsáveis pela proteção à criança e ao adolescente melhor planejamento, organização e estrutura para atendê-los, contribuindo para seu pleno desenvolvimento, promovendo bem-estar e dignidade humana, além de seus direitos e deveres previstos na legislação vigente.

19
  • WASHINGTOM LUIZ GODINHO DA SILVA
  • AVALIAÇÃO EM LARGA ESCALA COMO POLÍTICA DO ESTADO: um estudo comparativo entre a Teoria Clássica dos Testes e a Teoria da Resposta ao Item na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP)

  • Orientador : EDILAN DE SANT ANA QUARESMA
  • Data: 26/04/2019
  • Mostrar Resumo
  • A Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas - OBMEP vem sendo realizada no Brasil desde 2005, e utiliza como critério/modelo para a correção das provas de sua primeira fase a Teoria Clássica dos Testes - TCT, modelo em que o resultado da prova é obtido computando a quantidade de itens respondidos corretamente por cada aluno participante. Uma proposta alternativa de correção para a OBMEP é apresentada, nesta pesquisa, a Teoria da Resposta ao Item - TRI, que considera informações contidas nos itens avaliados como, por exemplo, o grau de dificuldade e até mesmo a possibilidade de respostas aleatórias por parte dos respondentes, sem que possuam habilidades suficientes para responder corretamente determinados itens, o chamado "chute", surgindo assim, a necessidade de entender as possíveis contribuições da TRI no processo de avaliação em larga escala dos alunos submetidos à OBMEP. Nesse sentido, o objetivo da pesquisa é discutir a avaliação em larga escala no Brasil e mensurar a proficiência em matemática de alunos submetidos a OBMEP, nível 1, das escolas públicas do município de Santarém-Pa. Para o referencial teórico elencamos e analisamos autores que estudam as avaliações em larga escala (PASQUALI e PRIMI, 2012; TAVARES, 2000; WERLE, 2010; QUARESMA, 2014; ANDRADE, 2000 e VALLE, 2000), como também autores (AFONSO, 2009; FREITAS, 2007) que discutem a reforma do Estado e a consolidação do Estado-avaliador que institui a política de avaliação externa para educação básica. Os resultados mostraram que a prova apresenta alto índice de dificuldade e baixa consistência interna, o que dificultou a análise via modelo logístico de 3 parâmetros da TRI. Assim, uma análise pedagógica dos itens da prova se fez necessária contribuindo para melhor interpretação do desempenho dos alunos submetido a OBMEP.

20
  • WASHINGTOM LUIZ GODINHO DA SILVA
  • AVALIAÇÃO EM LARGA ESCALA COMO POLÍTICA DO ESTADO: um estudo comparativo entre a Teoria Clássica dos Testes e a Teoria da Resposta ao Item na Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas (OBMEP)

  • Orientador : EDILAN DE SANT ANA QUARESMA
  • Data: 26/04/2019
  • Mostrar Resumo
  • A Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas - OBMEP vem sendo realizada no Brasil desde 2005, e utiliza como critério/modelo para a correção das provas de sua primeira fase a Teoria Clássica dos Testes - TCT, modelo em que o resultado da prova é obtido computando a quantidade de itens respondidos corretamente por cada aluno participante. Uma proposta alternativa de correção para a OBMEP é apresentada, nesta pesquisa, a Teoria da Resposta ao Item - TRI, que considera informações contidas nos itens avaliados como, por exemplo, o grau de dificuldade e até mesmo a possibilidade de respostas aleatórias por parte dos respondentes, sem que possuam habilidades suficientes para responder corretamente determinados itens, o chamado "chute", surgindo assim, a necessidade de entender as possíveis contribuições da TRI no processo de avaliação em larga escala dos alunos submetidos à OBMEP. Nesse sentido, o objetivo da pesquisa é discutir a avaliação em larga escala no Brasil e mensurar a proficiência em matemática de alunos submetidos a OBMEP, nível 1, das escolas públicas do município de Santarém-Pa. Para o referencial teórico elencamos e analisamos autores que estudam as avaliações em larga escala (PASQUALI e PRIMI, 2012; TAVARES, 2000; WERLE, 2010; QUARESMA, 2014; ANDRADE, 2000 e VALLE, 2000), como também autores (AFONSO, 2009; FREITAS, 2007) que discutem a reforma do Estado e a consolidação do Estado-avaliador que institui a política de avaliação externa para educação básica. Os resultados mostraram que a prova apresenta alto índice de dificuldade e baixa consistência interna, o que dificultou a análise via modelo logístico de 3 parâmetros da TRI. Assim, uma análise pedagógica dos itens da prova se fez necessária contribuindo para melhor interpretação do desempenho dos alunos submetido a OBMEP.

21
  • PAULO ROBERTO RICARTE PEREIRA
  • AS HABILIDADES SOCIAIS NA PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE ESCOLINHAS COMERCIAIS DE FUTEBOL

  • Orientador : HERGOS RITOR FROES DE COUTO
  • Data: 02/05/2019
  • Mostrar Resumo
  • A prática docente do professor, para ser efetivamente uma ação de desenvolvimento educacional, precisa estar voltada para a formação do sujeito como um todo. Por meio de tal prática, no caso deste estudo, no ambiente das escolinhas comerciais de futebol, o professor deve articular, adequadamente em suas aulas, atividades que busquem desenvolver equilibradamente a formação de seus alunos não apenas para o esporte, mas para o exercício da cidadania. Esta pesquisa teve como objeto examinar se na prática docente do professor das escolinhas comerciais de futebol ocorre o ensino das habilidades sociais para o desenvolvimento infantil. Tais habilidades, quando desenvolvidas nas relações interpessoais, possibilitam o relacionamento com o próximo, fazer amizades, relacionar-se interpessoalmente e ter empatia. Assim, o ser humano aprende a lidar com situações de estresse, dificuldades de relacionamento, mudança de comportamentos, entre outras competências importantes que podem compor o repertório social de uma pessoa. Em relação a metodologia, trata-se de uma pesquisa de natureza qualitativa do tipo descritivo-exploratória. Na coleta de dados foram utilizados os instrumentos do questionário sociodemográfico e entrevista semiestruturada com quatro professores de escolinhas comerciais de futebol localizadas na cidade de Santarém-PA. Como técnica de análise foi utilizada o Discurso do Sujeito Coletivo (DSC) estudada pelos pesquisadores Lefèvre e Lefèvre (2003). Esta dissertação teve como hipótese central o entendimento que os professores, apesar de desconhecerem a definição ou conceituação das habilidades sociais, promovem em suas aulas intervenções no sentido do desenvolvimento de tais habilidades consideradas importantes para o desenvolvimento infantil, e uma hipótese secundária em que os professores consideram mais relevante o desenvolvimento das questões técnicas e táticas do futebol enquanto que o desenvolvimento infantil fica relegado a um segundo plano. Comprovou-se a partir da análise dos relatos dos professores nos DSCs que apenas a hipótese central se confirmou. Acredita-se que as considerações do referido trabalho poderão trazer benefícios importantes à atuação do professor das escolinhas comerciais de futebol por suscitar a compreensão da importância de promover, por meio da prática docente, o desenvolvimento de habilidades sociais para o desenvolvimento infantil.

     

22
  • PAULO ROBERTO RICARTE PEREIRA
  • AS HABILIDADES SOCIAIS NA PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE ESCOLINHAS COMERCIAIS DE FUTEBOL

  • Orientador : HERGOS RITOR FROES DE COUTO
  • Data: 02/05/2019
  • Mostrar Resumo
  • A prática docente do professor, para ser efetivamente uma ação de desenvolvimento educacional, precisa estar voltada para a formação do sujeito como um todo. Por meio de tal prática, no caso deste estudo, no ambiente das escolinhas comerciais de futebol, o professor deve articular, adequadamente em suas aulas, atividades que busquem desenvolver equilibradamente a formação de seus alunos não apenas para o esporte, mas para o exercício da cidadania. Esta pesquisa teve como objeto examinar se na prática docente do professor das escolinhas comerciais de futebol ocorre o ensino das habilidades sociais para o desenvolvimento infantil. Tais habilidades, quando desenvolvidas nas relações interpessoais, possibilitam o relacionamento com o próximo, fazer amizades, relacionar-se interpessoalmente e ter empatia. Assim, o ser humano aprende a lidar com situações de estresse, dificuldades de relacionamento, mudança de comportamentos, entre outras competências importantes que podem compor o repertório social de uma pessoa. Em relação a metodologia, trata-se de uma pesquisa de natureza qualitativa do tipo descritivo-exploratória. Na coleta de dados foram utilizados os instrumentos do questionário sociodemográfico e entrevista semiestruturada com quatro professores de escolinhas comerciais de futebol localizadas na cidade de Santarém-PA. Como técnica de análise foi utilizada o Discurso do Sujeito Coletivo (DSC) estudada pelos pesquisadores Lefèvre e Lefèvre (2003). Esta dissertação teve como hipótese central o entendimento que os professores, apesar de desconhecerem a definição ou conceituação das habilidades sociais, promovem em suas aulas intervenções no sentido do desenvolvimento de tais habilidades consideradas importantes para o desenvolvimento infantil, e uma hipótese secundária em que os professores consideram mais relevante o desenvolvimento das questões técnicas e táticas do futebol enquanto que o desenvolvimento infantil fica relegado a um segundo plano. Comprovou-se a partir da análise dos relatos dos professores nos DSCs que apenas a hipótese central se confirmou. Acredita-se que as considerações do referido trabalho poderão trazer benefícios importantes à atuação do professor das escolinhas comerciais de futebol por suscitar a compreensão da importância de promover, por meio da prática docente, o desenvolvimento de habilidades sociais para o desenvolvimento infantil.

     

23
  • SUELEY CARVALHO COSTA
  • ALUNO COM DEFICIÊNCIA FÍSICA: COGNIÇÕES SOBRE SUAS HABILIDADES SOCIAIS NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

  • Orientador : IRANI LAUER LELLIS
  • Data: 07/06/2019
  • Mostrar Resumo
  • Os estudos relacionados à educação de pessoas com deficiência são amplamente realizados por educadores, professores e outros profissionais com interesse no engrandecimento do conhecimento para efetivação da inclusão. Entretanto, as pesquisas voltadas para habilidades sociais de pessoas com deficiência ainda se mostram de forma tímida no contexto da educação física. Compreendem-se aqui as habilidades sociais como um conjunto de atitudes e comportamentos que favorecem um bom desempenho social e possibilitam um melhor desenvolvimento das relações interpessoais. Os principais autores que sustentaram o referencial teórico-metodológico são: das Habilidades Sociais – Del Prette e Del Prette; Bolsoni-Silva; Fumo et al; da Educação Física inclusiva – Aguiar e Duarte; Gorgatti; Souza; Meller e Tesche; e Ferreira e Barreto; das Cognições – Garrido, Azevedo e Palma; Pajares; e Ribas Jr. Buscou-se conhecer as cognições (crenças, pensamentos, percepções, etc.) dos alunos com deficiência física incluídos nas aulas de educação física. As pesquisas que valorizam os estudos dos contextos do desenvolvimento humano e sua interação pessoal e ambiental podem ser fundamentais na teoria Bioecológica de Urie Bronfenbrenner, assim, esta pesquisa buscou sob a lente desta teoria compreender o fenômeno aqui pesquisado. O público participante foram alunos de ensino fundamental II do 6° ao 9° ano, na faixa etária de 11 a 16 anos e são deficientes físicos. Para coleta de dados, foram utilizados como instrumentos: o questionário sociodemográfico, preenchido pelos pais ou responsáveis, e a entrevista semiestruturada, na qual os participantes expressaram suas cognições. Para análise de dados foi utilizado a técnica do Discurso do Sujeito Coletivo-DSC, recurso que representa a opinião da coletividade sobre Habilidades Sociais. A relevância desta pesquisa está em ser uma investigação de cunho educacional, psicológico e de valorização das habilidades sociais no contexto inclusivo, diferenciando-se por priorizar o pensamento dos alunos com deficiência física, pois se acredita que as cognições destes, poderão ser um instrumento de autorreflexão e de reflexão dos que atuam com este público. Os resultados apresentaram que os participantes reconhecem e compreendam as suas habilidades sociais e percebem que estas se fazem presentes no contexto das aulas de educação física e que favorecem o contexto inclusivo.

24
  • SUELEY CARVALHO COSTA
  • ALUNO COM DEFICIÊNCIA FÍSICA: COGNIÇÕES SOBRE SUAS HABILIDADES SOCIAIS NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

  • Orientador : IRANI LAUER LELLIS
  • Data: 07/06/2019
  • Mostrar Resumo
  • Os estudos relacionados à educação de pessoas com deficiência são amplamente realizados por educadores, professores e outros profissionais com interesse no engrandecimento do conhecimento para efetivação da inclusão. Entretanto, as pesquisas voltadas para habilidades sociais de pessoas com deficiência ainda se mostram de forma tímida no contexto da educação física. Compreendem-se aqui as habilidades sociais como um conjunto de atitudes e comportamentos que favorecem um bom desempenho social e possibilitam um melhor desenvolvimento das relações interpessoais. Os principais autores que sustentaram o referencial teórico-metodológico são: das Habilidades Sociais – Del Prette e Del Prette; Bolsoni-Silva; Fumo et al; da Educação Física inclusiva – Aguiar e Duarte; Gorgatti; Souza; Meller e Tesche; e Ferreira e Barreto; das Cognições – Garrido, Azevedo e Palma; Pajares; e Ribas Jr. Buscou-se conhecer as cognições (crenças, pensamentos, percepções, etc.) dos alunos com deficiência física incluídos nas aulas de educação física. As pesquisas que valorizam os estudos dos contextos do desenvolvimento humano e sua interação pessoal e ambiental podem ser fundamentais na teoria Bioecológica de Urie Bronfenbrenner, assim, esta pesquisa buscou sob a lente desta teoria compreender o fenômeno aqui pesquisado. O público participante foram alunos de ensino fundamental II do 6° ao 9° ano, na faixa etária de 11 a 16 anos e são deficientes físicos. Para coleta de dados, foram utilizados como instrumentos: o questionário sociodemográfico, preenchido pelos pais ou responsáveis, e a entrevista semiestruturada, na qual os participantes expressaram suas cognições. Para análise de dados foi utilizado a técnica do Discurso do Sujeito Coletivo-DSC, recurso que representa a opinião da coletividade sobre Habilidades Sociais. A relevância desta pesquisa está em ser uma investigação de cunho educacional, psicológico e de valorização das habilidades sociais no contexto inclusivo, diferenciando-se por priorizar o pensamento dos alunos com deficiência física, pois se acredita que as cognições destes, poderão ser um instrumento de autorreflexão e de reflexão dos que atuam com este público. Os resultados apresentaram que os participantes reconhecem e compreendam as suas habilidades sociais e percebem que estas se fazem presentes no contexto das aulas de educação física e que favorecem o contexto inclusivo.

25
  • ANA PAMELA GUIMARAES PEREIRA
  • RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS: contextualização da Tecnologia da Informação e Comunicação em uma escola na comunidade ribeirinha do Município de Juruti- PA.

  • Orientador : DORIEDSON ALVES DE ALMEIDA
  • Data: 28/08/2019
  • Mostrar Resumo
  • Em tempos que os avanços tecnológicos permitem às pessoas mais conectividade, mudanças nas formas de comunicação e de buscas por informações, produzindo e compartilhando conteúdo, reflexo de uma cultura digital na sociedade, exigindo uma nova relação com o saber. As práticas cotidianas brasileiras em uma parcela significativa das escolas, como, as Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC), que ainda são percebidas como auxiliares nos processos administrativos, e não como parte dos projetos pedagógicos, cujo acesso à internet é sofrível e, por vezes, inexistente. Esta dissertação vislumbra a pesquisa sobre os Recursos Educacionais Abertos (REA), um movimento que visa promover a qualidade do ensino e levar a inovação para dentro do sistema educacional. No Brasil, o avanço de concordância no cenário brasileiro educacional é ilustrado com a inclusão de REA no Plano Nacional de Educação (PNE) 2014-2024. Sendo subsídio, o Recurso foi oportunizado em procedimento de estudo de caso, na escola municipal Sabino Pinheiro de Matos, localizada na comunidade ribeirinha, em Juruti-Pará. Na realização da pesquisa, foram examinadas as possibilidades do uso REA como TIC na didática docente, com vista aos aspectos geográficos, bem como ao mosaico cultural da região amazônica. As coletas de dados ocorreram durante as sessões de trabalho em forma de grupo de discussão, mediante aplicação de questionário e registro de impressões em diário de pesquisa, com professores selecionados da própria escola. Diante deste contexto, que imprime relatos e desafios de utilizar TIC para aprofundar conhecimentos e criar novas formas de interação e produção de novos saberes, aponta-se um caminho que oportunize metodologias e recursos que permitam partilha e cocriação, e, consequentemente, alavanque o papel de professores-autores, com a observância do currículo tradicional e do saber local. Nesse sentido, soma-se e enxerga-se a necessidade de mais estudos que fomentem a discussão acerca do REA, principalmente, quanto ao acesso, de maneira a se pensar na possibilidade e potencialidade de uma democratização do saber e da construção de novas configurações de ensino e aprendizado, em uma região que agrega o paradoxo da riqueza de recursos naturais e a pouca expressividade, em termos de conhecimento tecnológico à educação.

26
  • ANA PAMELA GUIMARAES PEREIRA
  • RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS: contextualização da Tecnologia da Informação e Comunicação em uma escola na comunidade ribeirinha do Município de Juruti- PA.

  • Orientador : DORIEDSON ALVES DE ALMEIDA
  • Data: 28/08/2019
  • Mostrar Resumo
  • Em tempos que os avanços tecnológicos permitem às pessoas mais conectividade, mudanças nas formas de comunicação e de buscas por informações, produzindo e compartilhando conteúdo, reflexo de uma cultura digital na sociedade, exigindo uma nova relação com o saber. As práticas cotidianas brasileiras em uma parcela significativa das escolas, como, as Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC), que ainda são percebidas como auxiliares nos processos administrativos, e não como parte dos projetos pedagógicos, cujo acesso à internet é sofrível e, por vezes, inexistente. Esta dissertação vislumbra a pesquisa sobre os Recursos Educacionais Abertos (REA), um movimento que visa promover a qualidade do ensino e levar a inovação para dentro do sistema educacional. No Brasil, o avanço de concordância no cenário brasileiro educacional é ilustrado com a inclusão de REA no Plano Nacional de Educação (PNE) 2014-2024. Sendo subsídio, o Recurso foi oportunizado em procedimento de estudo de caso, na escola municipal Sabino Pinheiro de Matos, localizada na comunidade ribeirinha, em Juruti-Pará. Na realização da pesquisa, foram examinadas as possibilidades do uso REA como TIC na didática docente, com vista aos aspectos geográficos, bem como ao mosaico cultural da região amazônica. As coletas de dados ocorreram durante as sessões de trabalho em forma de grupo de discussão, mediante aplicação de questionário e registro de impressões em diário de pesquisa, com professores selecionados da própria escola. Diante deste contexto, que imprime relatos e desafios de utilizar TIC para aprofundar conhecimentos e criar novas formas de interação e produção de novos saberes, aponta-se um caminho que oportunize metodologias e recursos que permitam partilha e cocriação, e, consequentemente, alavanque o papel de professores-autores, com a observância do currículo tradicional e do saber local. Nesse sentido, soma-se e enxerga-se a necessidade de mais estudos que fomentem a discussão acerca do REA, principalmente, quanto ao acesso, de maneira a se pensar na possibilidade e potencialidade de uma democratização do saber e da construção de novas configurações de ensino e aprendizado, em uma região que agrega o paradoxo da riqueza de recursos naturais e a pouca expressividade, em termos de conhecimento tecnológico à educação.

27
  • JOELMA VIANA DOS SANTOS
  • RÁDIO E EDUCAÇÃO: PRÁTICAS E DESAFIOS DO USO DA TECNOLOGIA NAS ESCOLAS DE SANTARÉM

  • Orientador : DORIEDSON ALVES DE ALMEIDA
  • Data: 29/08/2019
  • Mostrar Resumo
  • O rádio é uma mídia ainda muito presente na vida das pessoas, mesmo com o avanço das chamadas novas tecnologias. Tanto que em Santarém, região Oeste do Pará, as escolas estaduais e municipais de ensino implantaram rádios-escolares. Nesta perspectiva, este projeto de pesquisa se propõe a uma investigação do uso do rádio em duas escolas da rede municipal de ensino, em vistas a verificar se de fato essa mídia apresenta potencialidades pedagógicas para o ensino das crianças envolvidas no processo educativo. Para tanto se faz necessário fazer um percurso histórico do rádio a fim de compreender como este veículo de comunicação ganhou popularidade no Brasil. Além disso, é importante observar as definições e classificações do rádio na atualidade, visto que a mídia agora também está presente na rede mundial de computadores, e não somente no dial, como anteriormente. Da mesma forma será feito um breve conceito dos termos educação, comunicação para compreender como estas duas denominações se cruzam até chegar ao que hoje os pesquisadores mais recentes chamam de educomunicação. Propõem-se ainda descrever como o rádio surge como proposta educativa no Brasil, e como tais propostas se consolidaram até chagar as chamadas rádios-escolares, objeto desta pesquisa. Neste projeto, apresenta-se breves esboços daquilo que será a dissertação final.

28
  • JOELMA VIANA DOS SANTOS
  • RÁDIO E EDUCAÇÃO: PRÁTICAS E DESAFIOS DO USO DA TECNOLOGIA NAS ESCOLAS DE SANTARÉM

  • Orientador : DORIEDSON ALVES DE ALMEIDA
  • Data: 29/08/2019
  • Mostrar Resumo
  • O rádio é uma mídia ainda muito presente na vida das pessoas, mesmo com o avanço das chamadas novas tecnologias. Tanto que em Santarém, região Oeste do Pará, as escolas estaduais e municipais de ensino implantaram rádios-escolares. Nesta perspectiva, este projeto de pesquisa se propõe a uma investigação do uso do rádio em duas escolas da rede municipal de ensino, em vistas a verificar se de fato essa mídia apresenta potencialidades pedagógicas para o ensino das crianças envolvidas no processo educativo. Para tanto se faz necessário fazer um percurso histórico do rádio a fim de compreender como este veículo de comunicação ganhou popularidade no Brasil. Além disso, é importante observar as definições e classificações do rádio na atualidade, visto que a mídia agora também está presente na rede mundial de computadores, e não somente no dial, como anteriormente. Da mesma forma será feito um breve conceito dos termos educação, comunicação para compreender como estas duas denominações se cruzam até chegar ao que hoje os pesquisadores mais recentes chamam de educomunicação. Propõem-se ainda descrever como o rádio surge como proposta educativa no Brasil, e como tais propostas se consolidaram até chagar as chamadas rádios-escolares, objeto desta pesquisa. Neste projeto, apresenta-se breves esboços daquilo que será a dissertação final.

29
  • ENA CARINA DOS SANTOS OLIVEIRA
  • Abordagens curriculares internacionais para educação infantil: o lugar que a criança ocupa nas relações sociais de creches e pré-escolas.

  • Orientador : SINARA ALMEIDA DA COSTA
  • Data: 02/10/2019
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa teve como objetivo principal analisar as repercussões das abordagens curriculares High Scope, Reggio Emilia e Movimento da Escola Moderna nas produções científicas brasileiras, procurando compreender de que forma contribuem na reflexão sobre o lugar que a criança ocupa nas relações de que participa nas creches e
    pré-escolas. Para alcançar esse objetivo, procurou-se identificar os eixos de investigação das produções científicas que tratam de tais abordagens curriculares internacionais; Identificar como a organização do tempo e do espaço e a interação da professora com as crianças contribuem para o desenvolvimento das atividades e verificar os limites e possibilidades das propostas curriculares para a educação infantil no Brasil. Essas abordagens são referências no que concerne ao currículo para educação infantil no mundo, por considerarem a criança sujeito de direitos, ser humano histórico e ativo em todo o processo educativo junto ao professor e ao meio social. No Brasil, as abordagens têm adentrado nas discussões e propostas educativas das creches e pré-escolas, porém se torna fundamental compreender como estão sendo compreendidas e quais suas possibilidades e limites diante da realidade brasileira. Diante disso, foi realizado um levantamento bibliográfico em bancos de repositórios eletrônicos, das produções científicas brasileiras que trazem essas abordagens curriculares internacionais em suas discussões. Os dados foram organizados em quadros que apresentam aspectos gerais
    dessas produções. Para compreender melhor o lugar da criança nas relações escolares, bem como os limites e possibilidades de exequibilidade no Brasil, foi selecionada e analisada uma produção científica que trazia em seu corpus de investigação a abordagem de Reggio Emilia, que foi a abordagem com maior número de produções
    encontradas no levantamento realizado inicialmente. As discussões e análise se deram pautadas na Teoria Histórico-Cultural, referência deste estudo. A partir dessa análise constatou-se que os principais temas abordados nas produções são referentes a formação docente, organização do tempo e espaço, interação entre os sujeitos (criança-professor- família-meio) e brincadeira. Na análise do trabalho cientifico selecionado pôde-se
    verificar de que forma aspectos como o uso da documentação pedagógica e do espaço- ateliê, podem ajudar na construção de uma educação infantil de qualidade no território rasileiro. As atividades envolvendo tais aspectos destacam o papel de protagonismo da criança em todo o processo educativo. No entanto, a autora destaca a permanência de práticas docentes negativas mesmo diante da intervenção formativa realizada, o que indica que as transformações acontecem paulatinamente e que se faz necessário não apenas ações isoladas, mas um conjunto de políticas públicas que mudanças ocorram e se consolidem no dia-a-dia da educação infantil.

30
  • ENA CARINA DOS SANTOS OLIVEIRA
  • Abordagens curriculares internacionais para educação infantil: o lugar que a criança ocupa nas relações sociais de creches e pré-escolas.

  • Orientador : SINARA ALMEIDA DA COSTA
  • Data: 02/10/2019
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa teve como objetivo principal analisar as repercussões das abordagens curriculares High Scope, Reggio Emilia e Movimento da Escola Moderna nas produções científicas brasileiras, procurando compreender de que forma contribuem na reflexão sobre o lugar que a criança ocupa nas relações de que participa nas creches e
    pré-escolas. Para alcançar esse objetivo, procurou-se identificar os eixos de investigação das produções científicas que tratam de tais abordagens curriculares internacionais; Identificar como a organização do tempo e do espaço e a interação da professora com as crianças contribuem para o desenvolvimento das atividades e verificar os limites e possibilidades das propostas curriculares para a educação infantil no Brasil. Essas abordagens são referências no que concerne ao currículo para educação infantil no mundo, por considerarem a criança sujeito de direitos, ser humano histórico e ativo em todo o processo educativo junto ao professor e ao meio social. No Brasil, as abordagens têm adentrado nas discussões e propostas educativas das creches e pré-escolas, porém se torna fundamental compreender como estão sendo compreendidas e quais suas possibilidades e limites diante da realidade brasileira. Diante disso, foi realizado um levantamento bibliográfico em bancos de repositórios eletrônicos, das produções científicas brasileiras que trazem essas abordagens curriculares internacionais em suas discussões. Os dados foram organizados em quadros que apresentam aspectos gerais
    dessas produções. Para compreender melhor o lugar da criança nas relações escolares, bem como os limites e possibilidades de exequibilidade no Brasil, foi selecionada e analisada uma produção científica que trazia em seu corpus de investigação a abordagem de Reggio Emilia, que foi a abordagem com maior número de produções
    encontradas no levantamento realizado inicialmente. As discussões e análise se deram pautadas na Teoria Histórico-Cultural, referência deste estudo. A partir dessa análise constatou-se que os principais temas abordados nas produções são referentes a formação docente, organização do tempo e espaço, interação entre os sujeitos (criança-professor- família-meio) e brincadeira. Na análise do trabalho cientifico selecionado pôde-se
    verificar de que forma aspectos como o uso da documentação pedagógica e do espaço- ateliê, podem ajudar na construção de uma educação infantil de qualidade no território rasileiro. As atividades envolvendo tais aspectos destacam o papel de protagonismo da criança em todo o processo educativo. No entanto, a autora destaca a permanência de práticas docentes negativas mesmo diante da intervenção formativa realizada, o que indica que as transformações acontecem paulatinamente e que se faz necessário não apenas ações isoladas, mas um conjunto de políticas públicas que mudanças ocorram e se consolidem no dia-a-dia da educação infantil.

31
  • ANNIÊ DA SILVA FARIAS
  • O Programa Mais Educação em duas escolas da rede Municipal de Ensino em Santarém - Pará: o professor como protagonista no pensar políticas públicas

  • Orientador : SOLANGE HELENA XIMENES ROCHA
  • Data: 10/10/2019
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa tem como objeto de investigação a percepção do professor acerca da implementação do Programa Mais Educação/PME em duas escolas da Rede Municipal de Ensino em Santarém-PA tendo como recorte temporal o período compreendido entre 2009 a 2015. A pesquisa está inserida na linha de pesquisa História, Política e Gestão Educacional na Amazônia, e teve por objetivo geral discutir a percepção dos professores sobre o PME como difusor da Educação Integral na Rede Municipal de Ensino de Santarém. E, por objetivos específicos: (i) Investigar o Programa Mais Educação no âmbito de duas escolas da rede Municipal de Ensino de Santarém; (ii) discutir a implementação do Programa Mais Educação a partir da visão dos educadores das duas escolas e; (iii) apresentar o PME a partir da percepção dos professores. A pesquisa foi desenvolvida em duas escolas municipais selecionadas a partir de critérios previamente definidos. Como instrumentos para coleta de dados utilizamos a pesquisa documental, questionários e entrevista semiestruturada. Para a pesquisa de campo, aplicamos questionários com os envolvidos na comunidade escolar, As entrevistas foram realizadas somente com os professores, totalizando cinco participantes. O embasamento teórico da pesquisa está nos estudos de Coelho (1998, 2009), Gadotti (2009), Moll (2010, 2012, 2015), Paro (1988, 2009), Goncalves (2006) e Cavaliere (2007). Os resultados desta pesquisa se apresentam em dois momentos: a descrição do Programa Mais Educação nas duas escolas investigadas; e a apresentação e discussão do PME a partir da visão dos professores das duas escolas. As percepções dos professores entrevistados assentam-se em três categorias, que são as categorias de análise desta pesquisa, a saber: estrutura física; troca entre pares e; desenvolvimento do aluno. A pesquisa revela que apesar dos esforços por parte da gestão em fazer que o programa tivesse plena realização em suas unidades, a infraestrutura do ambiente escolar era insuficiente. A sensação de não pertencimento do PME nas escolas ficou evidente nas falas dos professores ao afirmarem que o programa estava apenas usando prédio escolar. Além disso, outro fator preponderante na pesquisa foi a ausência de organização de reuniões e formação continuada para os oficineiros e professores. O que os professores realizavam para tentarem ter um bom rendimento, mesmo que pouco expressivo, eram as trocas entre pares, ou seja, a troca de experiências e o convívio com o outro contribuía com a prática educativa. Entendemos que a formação integral engloba todos os esforços que a escola deveria promover para que sejam trabalhados os aspectos sociais, psicológicos, pedagógicos e afetivos do aluno, porém, os professores viam o programa mais educação como reforço escolar, quando na verdade este poderia ser uma oportunidade para o desenvolvimento integral do aluno.

32
  • ANNIÊ DA SILVA FARIAS
  • O Programa Mais Educação em duas escolas da rede Municipal de Ensino em Santarém - Pará: o professor como protagonista no pensar políticas públicas

  • Orientador : SOLANGE HELENA XIMENES ROCHA
  • Data: 10/10/2019
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa tem como objeto de investigação a percepção do professor acerca da implementação do Programa Mais Educação/PME em duas escolas da Rede Municipal de Ensino em Santarém-PA tendo como recorte temporal o período compreendido entre 2009 a 2015. A pesquisa está inserida na linha de pesquisa História, Política e Gestão Educacional na Amazônia, e teve por objetivo geral discutir a percepção dos professores sobre o PME como difusor da Educação Integral na Rede Municipal de Ensino de Santarém. E, por objetivos específicos: (i) Investigar o Programa Mais Educação no âmbito de duas escolas da rede Municipal de Ensino de Santarém; (ii) discutir a implementação do Programa Mais Educação a partir da visão dos educadores das duas escolas e; (iii) apresentar o PME a partir da percepção dos professores. A pesquisa foi desenvolvida em duas escolas municipais selecionadas a partir de critérios previamente definidos. Como instrumentos para coleta de dados utilizamos a pesquisa documental, questionários e entrevista semiestruturada. Para a pesquisa de campo, aplicamos questionários com os envolvidos na comunidade escolar, As entrevistas foram realizadas somente com os professores, totalizando cinco participantes. O embasamento teórico da pesquisa está nos estudos de Coelho (1998, 2009), Gadotti (2009), Moll (2010, 2012, 2015), Paro (1988, 2009), Goncalves (2006) e Cavaliere (2007). Os resultados desta pesquisa se apresentam em dois momentos: a descrição do Programa Mais Educação nas duas escolas investigadas; e a apresentação e discussão do PME a partir da visão dos professores das duas escolas. As percepções dos professores entrevistados assentam-se em três categorias, que são as categorias de análise desta pesquisa, a saber: estrutura física; troca entre pares e; desenvolvimento do aluno. A pesquisa revela que apesar dos esforços por parte da gestão em fazer que o programa tivesse plena realização em suas unidades, a infraestrutura do ambiente escolar era insuficiente. A sensação de não pertencimento do PME nas escolas ficou evidente nas falas dos professores ao afirmarem que o programa estava apenas usando prédio escolar. Além disso, outro fator preponderante na pesquisa foi a ausência de organização de reuniões e formação continuada para os oficineiros e professores. O que os professores realizavam para tentarem ter um bom rendimento, mesmo que pouco expressivo, eram as trocas entre pares, ou seja, a troca de experiências e o convívio com o outro contribuía com a prática educativa. Entendemos que a formação integral engloba todos os esforços que a escola deveria promover para que sejam trabalhados os aspectos sociais, psicológicos, pedagógicos e afetivos do aluno, porém, os professores viam o programa mais educação como reforço escolar, quando na verdade este poderia ser uma oportunidade para o desenvolvimento integral do aluno.

33
  • ALESSANDRA NEVES SILVA
  • O desenvolvimento profissional docente em uma comunidade acadêmica colaborativa: uma análise do Grupo de Estudo e Pesquisa Formação de professores na Amazônia paraense - FORMAZON/UFOPA

  • Orientador : SOLANGE HELENA XIMENES ROCHA
  • Data: 30/10/2019
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa tem como objetivo geral analisar as contribuições de uma comunidade acadêmica colaborativa - FORMAZON - que integra professores escolares, professores acadêmicos e futuros professores de diferentes áreas, para o desenvolvimento profissional de seus participantes. A investigação buscou responder a seguinte questão: De que forma uma comunidade acadêmica colaborativa contribui para o desenvolvimento profissional de seus participantes? Como base teórica para produção, discussão e análise dos dados, associamos os conceitos de desenvolvimento profissional docente (DAY, 2001; MARCELO GARCIA, 1999); comunidades com postura investigativa (COCHRAN-SMITH; LYTLE,1999, 2009), grupos colaborativos (FIORENTINI, 2004, 2012, 2013); CRECCI; FIORENTINI; 2013, 2018) à Teoria Social da aprendizagem e a noção de Comunidade de Prática (LAVE, 2013; WENGER, 2008, 2013; WENGER, MCDERMOTT; SNYDER, 2002). Para o delineamento da pesquisa qualitativa (BOGDAN; BICKLEN, 1994) adotamos um estudo de caso (YIN, 2001; ALVES MAZZOTI, 2006), que investigou de forma particular e real a interação na comunidade. Para isso utilizamos como fonte de dados a observação participante, as notas de campo e gravações em áudio, os quais foram coletados em 12 encontros durante os anos de 2017 e 2018. Na análise dos dados empregamos a análise temática proposta por Guest, Macqueen e Namey (2011). Participaram da pesquisa 18 participantes, entre eles 02 docentes da universidade, 01 mestre, 02 acadêmicos, 07 mestrandas e 06  professores escolares. Os resultados evidenciam que o FORMAZON enquanto uma comunidade acadêmica colaborativa tem proporcionado o desenvolvimento dos seus participantes à medida que adota a colaboração no processo de construção de pesquisas e práticas, também possibilita a reflexão e investigação sobre a prática, promove o compartilhamento de aprendizagens, impulsiona a postura investigativa na interface entre a escola e a universidade e incentiva o amadurecimento pessoal e profissional. No entanto, o estudo aponta desafios quanto a ampliação da postura investigativa relacionada à produção escrita e à colaboração permanente entre a universidade e escola. Concluímos que os grupos colaborativos poderão fomentar ações de formação de professores, tendo em vista que podem ser catalisadores do desenvolvimento profissional contínuo de professores.

34
  • MÁRCIA CRISTINA XIMENES MIRANDA NUNES
  • EDUCAÇÃO INTEGRAL EM TEMPO INTEGRAL NA AMAZÔNIA: UM DIÁLOGO COM OS PROFISSIONAIS DE UMA ESCOLA PÚBLICA EM SANTARÉM-PÁ

  • Orientador : SOLANGE HELENA XIMENES ROCHA
  • Data: 30/10/2019
  • Mostrar Resumo
  • No centro das discussões que permeiam o universo escolar, a política de ampliação de jornada vem redefinindo diversas práticas pedagógicas e instaurando mudanças sociais de reestruturação no papel da escola e de seus profissionais. Diante disso, o estudo investiga o papel dos profissionais da escola em articulação com a compreensão e percepção da política indutora de ampliação da jornada. Nesse contexto, nos questionamos: como os profissionais da escola compreendem e ressignificam o seu trabalho diante da implementação da política indutora de educação integral em tempo integral? Para compreender a importância profissional de todos os membros da escola diante desse novo contexto educacional que se apresenta e sua construção, definiu-se como aporte teórico autores como Moll (2010), Cavaliere (2010), Gadotti (2009), Paro (2009), dentre outros. Quanto à temática que envolve o Projeto Político Pedagógico buscamos apoio nos estudos de Veiga (1998), Vasconcelos (2000), Gandin (2001), Sarturi (2016). A pesquisa é de natureza qualitativa, sendo a abordagem delineada pelo Estudo de Caso, no qual busca compreender o papel dos profissionais da escola, a compreensão do Projeto Político Pedagógico e as mudanças implementadas pelos Programas Mais Educação e Novo Mais Educação, indutores da ampliação da jornada escolar.  As técnicas de coletas de dados utilizadas foram a entrevista, análise documental, a observação com registros no diário de observação que contêm relatos descritivos da rotina da escola e seus sujeitos (gestor, professores e monitores do programa). O lócus de investigação foi a Escola Municipal de Ensino Fundamental Irmã Leodgard Gausepohl, localizada na zona urbana da cidade de Santarém-Pará. Para a análise dos dados tomou-se como subsídio Bardin (2011), com a análise de conteúdo através das seguintes dimensões: a) Dimensões Subjetiva/Pessoal, b) Institucional/Organizacional, c) Instrucional/Relacional e d) Sociopolítica. Os resultados contribuíram para demonstrar como os profissionais deram um novo sentido ao seu trabalho a partir do momento em que se perceberam como parte de relações conexas entre a realidade e suas práticas no cotidiano da escola. Essas evidências foram demonstradas quando da compreensão das relações com as dimensões de estudo, nas quais refletem rompimento de práticas antigas e implementação de ações transformadoras do espaço educativo e, sobretudo, evidencia possibilidades na construção de uma Educação Integral na Amazônia.

35
  • PAULO VICTOR RODRIGUES MARANHÃO
  • PERCEPÇÕES DE PROFESSORES DE ESCOLAS ESPECIALIZADAS DE MÚSICA EM SANTARÉM, PARÁ, SOBRE A LUDICIDADE NO ENSINO COLETIVO DE MÚSICA PARA CRIANÇAS DE 7 A 11 ANOS

  • Orientador : IANI DIAS LAUER LEITE
  • Data: 02/12/2019
  • Mostrar Resumo
  • As atividades lúdicas são presentes na vida humana desde cedo. Ainda bebê, o ser humano rapidamente
    aprende a brincar, seja sozinho, quer com seus cuidadores ou com seus pares. A brincadeira, as atividades
    lúdicas, tornam-se parte presente e necessária na infância. Tal qual atividade lúdica e prazerosa, a música
    é presença constante na infância, embora o mesmo não se possa afirmar em relação ao ensino de música,
    visto que,nem sempre é prazeroso. Nesse contexto, as escolas especializadas de música, nomeadas
    também como conservatórios de música e atualmente como escolas vocacionais, possibilitam o ensino
    musical para crianças, jovens e adultos. Compreendendo as atividades lúdicas como imprescindíveis à
    infância e o professor de música como um dos propiciadores dessas atividades no contexto do ensino de
    música, a questão que move esta pesquisa é seguinte: Quais as percepções de professores de escolas
    especializadas de Santarém sobre a ludicidade no ensino coletivo de música para crianças? Para
    responder a essa questão, essa pesquisa tem como objetivo geral: Analisar as percepções de docentes de
    escolas especializadas sobre atividades lúdicas inseridas no ensino coletivo de música para crianças de 7 a
    11 anos. Como objetivos específicos: a) identificar a presença de atividades lúdicas na formação musical
    dos docentes, b) averiguar a percepção dos participantes sobre o ensino de música para crianças e o papel
    do professor nesse contexto e c) evidenciar as práticas lúdicas pedagógico-musicais a partir dos relatos
    dos professores participantes. Participaram da pesquisa onze (11) professores de cinco(05) escolas
    especializadas no ensino de música no município de Santarém –PA. Os dados foram produzidos a partir
    de entrevistas semiestruturadas individuais, realizadas com os professores de música. Os dados das
    entrevistas foram analisados utilizando-se a técnica do DSC – Discurso do Sujeito Coletivo de Lefèvre e
    Lefèvre (2005). Os resultados estão divididos em três grandes temáticas: 1) A formação musical e a
    ludicidade, 2) Percepções sobre o ensino de música para crianças e o papel do professor de música e 3) A
    ludicidade nas práticas pedagógico-musicais. Os resultados relativos ao tema 1 trouxeram, mediante os
    discursos produzidos, a trajetória profissional dos docentes rumo à escola especializada e a formação
    musical ao longo da vida. Estiveram presentes nesses discursos os primeiros contatos com as práticas
    lúdicas musicais, sendo que cerca de 9% dos participantes tiveram contato antes da graduação. Na
    graduação, 63,63% dos participantes vivenciaram práticas lúdicas. O tema 2, mediante as idéias centrais
    encontradas, indicou que para os participantes, o ensino de música para crianças: A. deve ser lúdico, B.
    tem que ser natural, sério e usando o concreto, C. professor deve ter competências diversas e D. ter um
    estilo diferente, lúdico. Em se tratando do perfil do professor, foram encontradas as idéias centrais: A. ter
    vivências do lúdico e da música, B. propiciar vivências lúdicas, C. conhecer o que está fazendo, D. ter
    diversas competências e E. se colocar no lugar da criança. O tema 3 versou sobre a ludicidade nas práticas
    pedagógico musicais. A primeira questão abordada trouxe 4 idéias centrais sobre o tipo de práticas
    adotadas: A. Práticas focadas na faixa etária, B. Práticas lúdicas, C. Ausência de práticas lúdicas e D. foco no ensino coletivo. Quanto aos recursos utilizados, foram achadas 2 idéias centrais: A. Atividades lúdico- musicais e B. Recursos pedagógicos lúdicos. Finalmente, em relação à percepção das próprias práticas pedagógicas, foram encontradas as idéias relacionadas ao aprendizado das crianças e do próprio aprendizado (Ic. A), a busca por novos métodos e satisfação com os resultados (Ic. B) e a percepção da opção pelo ensino lúdico (Ic. C). Conclui-se que a ludicidade esteve presente na formação nos participantes da pesquisa e que as práticas lúdicas ocorrem no contexto das escolas especializadas de música, segundo as percepções dos professores entrevistados. Como contribuições, espera-se que, os resultados sejam úteis no sentido de contribuírem para o aumento do arcabouço teórico de pesquisa, no que concerne ao uso das atividades lúdicas no ensino de música para crianças; bem como, ao fomento e ao aprimoramento da percepção acerca dos reflexos educacionais da inserção das atividades lúdicas no ensino de música nas escolas especializadas deste município; Santarém – PA. Além de incentivar novas pesquisas envolvendo as atividades lúdicas no ensino musical dos professores que trabalham com as crianças da terceira infância; outrossim, almeja-se que os resultados desta pesquisa possam retornar à sociedade, inspirando novos pesquisadores na área da educação musical para que a partir da contribuição sobre como as atividades lúdicas se dão no ensino de música, os mesmos possam refletir sobre sua própria prática docente.

36
  • PAULO VICTOR RODRIGUES MARANHÃO
  • PERCEPÇÕES DE PROFESSORES DE ESCOLAS ESPECIALIZADAS DE MÚSICA EM SANTARÉM, PARÁ, SOBRE A LUDICIDADE NO ENSINO COLETIVO DE MÚSICA PARA CRIANÇAS DE 7 A 11 ANOS

  • Orientador : IANI DIAS LAUER LEITE
  • Data: 02/12/2019
  • Mostrar Resumo
  • As atividades lúdicas são presentes na vida humana desde cedo. Ainda bebê, o ser humano rapidamente
    aprende a brincar, seja sozinho, quer com seus cuidadores ou com seus pares. A brincadeira, as atividades
    lúdicas, tornam-se parte presente e necessária na infância. Tal qual atividade lúdica e prazerosa, a música
    é presença constante na infância, embora o mesmo não se possa afirmar em relação ao ensino de música,
    visto que,nem sempre é prazeroso. Nesse contexto, as escolas especializadas de música, nomeadas
    também como conservatórios de música e atualmente como escolas vocacionais, possibilitam o ensino
    musical para crianças, jovens e adultos. Compreendendo as atividades lúdicas como imprescindíveis à
    infância e o professor de música como um dos propiciadores dessas atividades no contexto do ensino de
    música, a questão que move esta pesquisa é seguinte: Quais as percepções de professores de escolas
    especializadas de Santarém sobre a ludicidade no ensino coletivo de música para crianças? Para
    responder a essa questão, essa pesquisa tem como objetivo geral: Analisar as percepções de docentes de
    escolas especializadas sobre atividades lúdicas inseridas no ensino coletivo de música para crianças de 7 a
    11 anos. Como objetivos específicos: a) identificar a presença de atividades lúdicas na formação musical
    dos docentes, b) averiguar a percepção dos participantes sobre o ensino de música para crianças e o papel
    do professor nesse contexto e c) evidenciar as práticas lúdicas pedagógico-musicais a partir dos relatos
    dos professores participantes. Participaram da pesquisa onze (11) professores de cinco(05) escolas
    especializadas no ensino de música no município de Santarém –PA. Os dados foram produzidos a partir
    de entrevistas semiestruturadas individuais, realizadas com os professores de música. Os dados das
    entrevistas foram analisados utilizando-se a técnica do DSC – Discurso do Sujeito Coletivo de Lefèvre e
    Lefèvre (2005). Os resultados estão divididos em três grandes temáticas: 1) A formação musical e a
    ludicidade, 2) Percepções sobre o ensino de música para crianças e o papel do professor de música e 3) A
    ludicidade nas práticas pedagógico-musicais. Os resultados relativos ao tema 1 trouxeram, mediante os
    discursos produzidos, a trajetória profissional dos docentes rumo à escola especializada e a formação
    musical ao longo da vida. Estiveram presentes nesses discursos os primeiros contatos com as práticas
    lúdicas musicais, sendo que cerca de 9% dos participantes tiveram contato antes da graduação. Na
    graduação, 63,63% dos participantes vivenciaram práticas lúdicas. O tema 2, mediante as idéias centrais
    encontradas, indicou que para os participantes, o ensino de música para crianças: A. deve ser lúdico, B.
    tem que ser natural, sério e usando o concreto, C. professor deve ter competências diversas e D. ter um
    estilo diferente, lúdico. Em se tratando do perfil do professor, foram encontradas as idéias centrais: A. ter
    vivências do lúdico e da música, B. propiciar vivências lúdicas, C. conhecer o que está fazendo, D. ter
    diversas competências e E. se colocar no lugar da criança. O tema 3 versou sobre a ludicidade nas práticas
    pedagógico musicais. A primeira questão abordada trouxe 4 idéias centrais sobre o tipo de práticas
    adotadas: A. Práticas focadas na faixa etária, B. Práticas lúdicas, C. Ausência de práticas lúdicas e D. foco no ensino coletivo. Quanto aos recursos utilizados, foram achadas 2 idéias centrais: A. Atividades lúdico- musicais e B. Recursos pedagógicos lúdicos. Finalmente, em relação à percepção das próprias práticas pedagógicas, foram encontradas as idéias relacionadas ao aprendizado das crianças e do próprio aprendizado (Ic. A), a busca por novos métodos e satisfação com os resultados (Ic. B) e a percepção da opção pelo ensino lúdico (Ic. C). Conclui-se que a ludicidade esteve presente na formação nos participantes da pesquisa e que as práticas lúdicas ocorrem no contexto das escolas especializadas de música, segundo as percepções dos professores entrevistados. Como contribuições, espera-se que, os resultados sejam úteis no sentido de contribuírem para o aumento do arcabouço teórico de pesquisa, no que concerne ao uso das atividades lúdicas no ensino de música para crianças; bem como, ao fomento e ao aprimoramento da percepção acerca dos reflexos educacionais da inserção das atividades lúdicas no ensino de música nas escolas especializadas deste município; Santarém – PA. Além de incentivar novas pesquisas envolvendo as atividades lúdicas no ensino musical dos professores que trabalham com as crianças da terceira infância; outrossim, almeja-se que os resultados desta pesquisa possam retornar à sociedade, inspirando novos pesquisadores na área da educação musical para que a partir da contribuição sobre como as atividades lúdicas se dão no ensino de música, os mesmos possam refletir sobre sua própria prática docente.

37
  • NIRLANDA FIGUEIREDO DA SILVA
  • O Estado do Conhecimento sobre Educação Integral em Tempo Integral nas Dissertações do PPGE/UFOPA de 2016 a 2018 

  • Orientador : MARIA LILIA IMBIRIBA SOUSA COLARES
  • Data: 04/12/2019
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho apresenta o estado do conhecimento, elencando as pesquisas da Universidade Federal do Oeste do Pará – UFOPA, realizadas no âmbito do Programa de Cooperação Acadêmica – PROCAD, do qual fazem parte, a UNICAMP, a UNIR e a UFOPA. Tais pesquisas versam sobre políticas indutoras de educação integral, das quais se destacam o Programa Mais Educação – PME – e Programa Ensino Médio Inovador – ProEMI. Teve por objetivo analisar as concepções de educação integral das dissertações defendidas no período de 2016 a 2018. É um estudo realizado por meio de análise bibliográfica e documental. Verificou-se, a partir da leitura das dissertações, que o Programa mais Educação e o Programa Ensino Médio Inovador são evidenciados como políticas públicas indutoras de educação integral, que unificam ações que beneficiam a comunidade escolar. Entretanto, a partir das experiências descritas pelas dissertações, verifica-se que tais programas necessitam de uma ampla discussão, em virtude de apresentarem lacunas que impedem o bom andamento das atividades. A análise dos textos mostra que, embora haja discussão relacionada à temática da educação integral, ainda existem concepções que não estão de acordo com suas premissas. O relato dos autores enfatiza que, embora se tenha obtido avanços, no que diz respeito ao desenvolvimento intelectual dos alunos, ainda há necessidade de ajustes, sobretudo, no que se refere à concepção do que seja educação integral. As pesquisas evidenciaram também, a importância de se considerar o contexto no qual estão inseridos e que a região Oeste do Pará contém especificidades, tais como, as dificuldades de deslocamento para algumas áreas e precariedade na estrutura física das escolas são fatores que devem ser pensadas. Considerando esses aspectos, as pesquisas descritas são de suma importância para a ampliação do debate sobre educação integral, tendo em vista que os envolvidos nela, não tem clareza de seus conceitos.

     

     


38
  • TALLINE LUARA MOREIRA MELO OLIVEIRA
  • EDUCAÇÃO INTEGRAL: análise da implementação das políticas educacionais para cumprimento da Meta 6 do PME de Santarém-PA

  • Orientador : MARIA LILIA IMBIRIBA SOUSA COLARES
  • Data: 04/12/2019
  • Mostrar Resumo
  • O texto apresenta uma análise dissertativa sobre a implementação da Meta 6 do Plano Municipal de Educação que legitimou a Meta 6 estabelecida no Plano Nacional de Educação (PNE 2014-2024) e assumiu a responsabilidade em termos municipais, por meio de dez estratégias para a consecução relativa à ampliação da educação em tempo integral da Meta 6 do PNE. De acordo com a Constituição Federal de 1988 a educação é um direito social, partindo deste pressuposto, é função do Estado garantir e efetivar as demandas sociais preconizadas por meio de políticas públicas com o intuito de garantir o direito à educação. Assim, a educação integral legitima-se como uma dessas políticas concebidas intencionalmente para resguardar tal direito. Nesta perspectiva, esta pesquisa objetivou analisar a implementação da política indutora de educação integral (Meta 6- PME), com centralidade nas ações desenvolvidas pela Secretaria Municipal de Educação de Santarém-PA, no período de 2015 a 2018. A escolha por esse período deu-se devido o início da vigência do Plano Municipal de Educação (PME 2015-2025), aprovado pela Lei n° 19.829, de 14 de julho de 2015. Temos como objeto de estudo as políticas públicas de educação do munícipio de Santarém-PA. Disserta-se sobre a educação integral e suas concepções teóricas, apresentando o contexto histórico das experiências concretizadas no Brasil, além dos dispositivos legais da educação integral e dos programas federais que foram criados com o intuito de induzir políticas de tempo integral para o Ensino Fundamental nos últimos anos, com base nos autores Cavaliere (2002; 2007); Moll (2010), Coelho (2009), dentre outros. Aprofundamos os estudos sobre políticas públicas e as políticas públicas educacionais em seus aspectos gerais, compreendendo a educação integral à luz do ciclo de políticas, além de compreender o marco regulatório das políticas educacionais brasileiras: a Constituição Federal de 1988 e a Lei de Diretrizes e Bases da Educação, Lei n° 9.394/96, apresentando o Plano Nacional de Educação (PNE), com foco na Meta 6, que trata da educação em tempo integral e suas estratégias, apresentando a atual conjuntura da educação, com o impacto de corte de gastos ocasionado pela Emenda Constitucional de n° 95. Isso tangencialmente atinge e limita a implementação de políticas educacionais que abrangerão o período de vigência do PNE, com suporte teórico de Santos (2016), Azevedo (2004), Saviani (2014; 2016), dentre outros. A metodologia abordada foi a pesquisa documental compreendendo as fases de coleta de documentos e a análise, definindo como categorias: financiamento e infraestrutura da educação em tempo integral no referido município. Por fim, a partir dos dados da pesquisa, os resultados apontam que a SEMED desenvolve dois moldes de ampliação da jornada escolar: alunos em tempo integral por meio de programas federais, objetivando a complementação da formação do aluno no contraturno escolar, inicialmente com o Programa Mais Educação e posteriormente com o Programa Novo Mais Educação, além de possuir as escolas municipais de atendimento complementar: Escola da Floresta, Escola de Educação Ambiental do Parque e a Escola de Artes Prof. Emir Hermes Bemerguy; e possui duas escolas de tempo integral: Escola de Tempo Integral Frei Fabiano Merz, na região urbana e Escola de Tempo Integral Irmã Dorothy Mae Stang, na região de campo. E sobre o Plano Municipal de Educação de Santarém estabeleceu-se na Meta 6 que concerne sobre à educação em tempo integral dez estratégias, sendo que cinco estratégias foram consideradas realizadas, porém, essa Meta ainda é um desafio para sua consecução, tanto no âmbito nacional como no município de Santarém, sobretudo, por conta da condição estrutural das unidades escolares da rede municipal,  bem como pela falta de recursos para fazer a adequações nas escolas e atender os alunos, assim como também pela falta de construção novas escolas no município.

39
  • FRANCISCA MARCIA LIMA DE SOUSA
  • O ENSINO SUPERIOR PÚBLICO EM SANTARÉM: das origens à criação da Universidade Federal do Oeste do Pará (1970 – 2009).

  • Orientador : ANSELMO ALENCAR COLARES
  • Data: 05/12/2019
  • Mostrar Resumo
  •  

    Este estudo contextualiza os precedentes históricos da criação de uma universidade pública federal no interior da Amazônia, região cuja diversidade tem despertado interesse mundial tanto em aspectos naturais quanto em sociais. Problematiza, assim, como ocorreu o processo histórico de criação da Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa), considerando as contradições entre as expectativas locais e o que se concretizou como educação superior pública. Evidenciam-se os paradoxos constituídos ao longo da história da universidade brasileira, inclusive sua criação tardia (ROMANELLI, 2002; CUNHA, 2007; TEIXEIRA, 2011), e a centralização nas capitais e grandes centros (ARAGÓN, 2001), enquanto ficaram desprovidas as regiões periféricas. Essa situação só passou por mudanças muito recentemente, com a expansão do número de instituições federais de ensino superior e a criação de unidades em diversas regiões do país. Objetivou-se, assim, de forma mais geral, analisar o processo histórico de criação da Ufopa e, de forma mais específica: (1) sistematizar as informações sobre a história da implantação da educação superior pública em Santarém/PA, observando os interesses econômicos, políticos, sociais e educacionais que culminaram com a criação do Núcleo da Universidade Federal do Pará (UFPA) em Santarém e, posteriormente, levaram à criação de uma instituição federal de ensino superior pública no referido município; (2) registrar a memória coletiva e social construída sobre o Núcleo de Educação da UFPA, o Campus Avançado da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e os campi da UFPA e da Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra) em Santarém; (3) descrever a repercussão social, ao longo do período estudado, por meio dos sujeitos partícipes (professores, técnicos e alunos). Trata-se de uma pesquisa de natureza bibliográfica documental efetivada mediante a realização de entrevistas semiestruturadas, momento em que se recorre à história oral não só como técnica mas também como parte fundamental da teoria e do método (COLARES; COLARES E SCHAFFER, 2008). Utilizaram-se como principais fontes os documentos legais e institucionais (leis, decretos, pareceres, resoluções, planos e relatórios). A pesquisa revela que as ações de interiorização da UFPA, a implantação do Campus Avançado da UFSC e dos campi da UFPA e da Ufra em Santarém foram fundamentais para a criação da Ufopa, por evidenciarem a base de sustentação de ações coletivas e estratégicas tanto de sujeitos institucionais quanto da sociedade. Demonstra ainda que, junto às contradições geradas durante o processo de sua criação, a Ufopa materializou uma notável parcela de expectativas acadêmicas, políticas, sociais e econômicas, contribuindo para que se constituísse como espaço público de resistência e de busca incessante pela manutenção do diálogo aberto e crítico.

40
  • RAIMUNDO JORGE DA CRUZ COUTO
  • OS FRANCISCANOS ALEMÃES NO BAIXO AMAZONAS (1907 – 1962): O PROTAGONISMO POLÍTICO EDUCACIONAL DE DOM AMANDO BAHLMANN

     

     

     

     

     

     

     

     

  • Orientador : ANSELMO ALENCAR COLARES
  • Data: 05/12/2019
  • Mostrar Resumo
  • A pesquisa trata da educação escolar efetivada pela Ordem Católica Franciscana na região do Baixo Amazonas, abrangendo alguns municípios do Oeste do Pará, no período de 1907 a 1962. Tem como objetivo identificar as razões históricas para fundação de oito escolas confessionais no início do século XX por missionários franciscanos de origem germânica. Apresenta como pressupostos teóricos as análises do Materialismo Histórico Dialético tendo por base as obras de Lombardi (2011), Chagas (2011), Saviani (1999).  Metodologicamente caracteriza-se de cunho bibliográfico documental. As informações foram obtidas diretamente nas escolas centenárias, nos arquivos de museus e hemerotecas locais e virtuais. Alguns acontecimentos históricos, como a imigração estrangeira para a região, a Guerra de Canudos, o processo de Romanização Católico, dentre outros, são correlacionados aos fatores políticos, econômicos e sociais do país com implicação direta na configuração educacional da região. Para dar apoio a temática histórica e educacional da pesquisa recorreu-se às obras de Aquino (2012), Barros (2010), Sangenis (2004), Saviani (2004), Tabraj (2016) e principalmente ao livro póstumo de Dom Amando Bahlmann (1995) Memorias Inacabadas, onde relata suas atividades como bispo católico da Prelazia de Santarém. Dom Amando foi um dos principais expoentes do período da pesquisa, através de sua influência, formação intelectual e alinhamento à política republicana brasileira, conseguiu atrair religiosos e religiosas com intuito de cuidar da educação dos filhos da elite regional. Por décadas os religiosos (as) responsabilizaram-se pela administração de escolas e também pelo exercício do magistério. A pesquisa revela que a presença de Bahlmann foi tão marcante para o processo educacional da região que mesmo depois de 80 anos de sua morte ainda se vê, na congregação da Imaculada Conceição e inúmeras escolas que ajudou a construir, resquícios de sua obstinação em consolidar o compromisso estabelecido pela Igreja Católica no fortalecimento do regime republicano brasileiro. Contudo, ressalta-se que mesmo seguindo as normas estipuladas pela política central, de controlar a elite pensante da região do Baixo Amazonas, pela via dos serviços de saúde e educação, constata-se a relevante contribuição da ordem franciscana para o desenvolvimento educacional da região, com os desdobramentos que isso representa. 

41
  • ANA HIARLEY SILVA ANDRADE
  • O FORMAZON E A CONSTITUIÇÃO DE ESPAÇOS COLABORATIVOS NA RELAÇÃO UNIVERSIDADE-ESCOLA.

  • Orientador : SOLANGE HELENA XIMENES ROCHA
  • Data: 11/12/2019
  • Mostrar Resumo
  • Questões concernentes à consolidação de práticas colaborativas têm se destacado e se tornado um campo promissor e que precisa ser explorado. Nesse sentido, esta pesquisa tem como objetivo descrever e analisar como se constitui o processo de construção da relação universidade – escola, a partir da perspectiva colaborativa, visando a refletir acerca das possibilidades e potencialidades destas, tendo como o lócus de constituição/interação para tal narrativa o grupo Formação de Professores na Amazônia Paraense - Formazon, vinculado à Universidade Federal do Oeste do Pará-UFOPA. Para o desenvolvimento desta, utilizou-se para efeito de metodologia a narrativa e a análise textual discursiva como aporte para tal empreitada por constituir múltiplos olhares sobre o estudo. O referencial teórico adotado para se referir a grupos e/ou comunidades colaborativas utiliza  os pressupostos de Fiorentini (2004, 2009, 2013), Crecci (2016), Gama (2007), dentre outros e, com relação à perspectiva narrativa apoia-se em Clandinin e Connelly (2015) e Bondia-Larrosa (2002), e na Análise Textual discursiva em Moraes e Galiazzi (2006), utilizando-se como instrumentos de coleta de dados a gravação e transcrição dos diálogos produzidos nos encontros realizados dentro do grupo Formazon aos sábados na universidade. Os diálogos produzidos nos encontros de sábados entre os membros do grupo (quais sejam: professores universitários, professores da educação básica, estudantes de pós-graduação e graduação) tiveram o intuito de aproximar e superar as possíveis dicotomias nesses contextos, buscando a construção de uma relação amistosa e de confiabilidade entre os sujeitos que compõem o processo. Concluo que os dados obtidos a partir dos encontros realizados na universidade promoveram o protagonismo dos professores da educação básica, uma vez que estes tiveram suas atividades e ações divulgadas por meio da socialização e produção de relatos escritos de experiências exitosas realizadas no chão da escola, além da construção de relações não hierárquicas entre os membros evidenciando o caráter colaborativo de ações e práticas proposta pelo grupo o que possibilitou a troca de saberes significativos tanto para universidade como para a escola. Entendo que as reflexões já iniciadas neste estudo, suscitaram discussões pertinentes que orientarão novos caminhos de continuidades de relações, com vistas à consolidação de práticas sustentáveis que visem a potencialização e a interação entre universidade-escola, com intuito de possibilitar novas e importantes descobertas a partir dessa aproximação visando ampliar os horizontes e o seu alcance, a partir da promoção e da consolidação de práticas colaborativas.

42
  • ODAVILMA CALADO POMPERMAIER
  • A PRATICA COM A CULTURA ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: DESAFIOS E POSSIBILIDADES.

  • Orientador : SINARA ALMEIDA DA COSTA
  • Data: 11/12/2019
  • Mostrar Resumo
  • Considerando que a leitura-escrita deve fazer parte do cotidiano das crianças na educação infantil através de vivências com a cultura, garantindo seus direitos de cidadãs, a presente pesquisa tem como objetivo compreender como a leitura-escrita é trabalhada na creche e pré-escola de uma instituição pública da área urbana de Santarém-PA. Além disso, buscamos identificar e caracterizar as atividades de leitura-escrita realizadas nas turmas de creche e pré-escola; Destacar semelhanças e diferenças no trabalho realizado na creche e na pré-escola; Verificar de que forma estudos a partir da THC e, mais especificamente, das técnicas pedagógicas de Freinet, podem contribuir para a apropriação da escrita como instrumento social na educação infantil. O referencial teórico é inspirado na perspectiva histórico-cultural de desenvolvimento humano (THC), a partir dos estudos de Vygotsky, bem como em autores contemporâneos que contribuem com o aprofundamento e desenvolvimento do tema em estudo, como Silva (2014), Mello (2009) e Brito (2005). A investigação traz algumas características da pesquisa-ação e foi desenvolvida em duas turmas: creche (3 anos) e pré-escola (4 anos). Passou por três etapas: pesquisa exploratória, envolvendo acompanhamento dos planos de atividades das professoras e observação participante nas duas turmas; Intervenção, que teve como objetivo proporcionar as professoras formação com base na THC, de modo a qualificar suas práticas educativas; Acompanhamento das práticas docentes durante e após a formação. Para registro foram utilizados o diário de campo, fotografias e filmagens. Os resultados revelaram que a apresentação da leitura-escrita está vinculada a tarefas mecânicas e didatizadas, e permanecem presas a um planejamento desvinculado das reais necessidades e interesses das crianças. Apesar das turmas terem o mesmo tempo na rotina e a mesma estrutura de atividades nos planejamentos, elas se distinguem no “conteúdo” dessas atividades. Notadamente a pré-escola ainda está focada na apresentação de letras e números fora de um contexto significativo para as crianças. As atividades de leitura-escrita apresentada por ambas as turmas, apesar de serem interessantes do ponto de vista da inserção das crianças no mundo da escrita, ainda estão presas a um planejamento pré estabelecido, desvinculado das necessidades, curiosidades e anseios das crianças. As formações possibilitaram com que os professores tivessem acesso aos conhecimentos teóricos para aprimoramento das suas práticas, instigando estudos permanentes. Contudo, embora as professoras tenham desejo em aprender, ainda pautam suas práticas em experiências docentes anteriores, expressando conhecimentos teóricos superficiais, o que certamente tem dificultado com que reflitam de forma significativa sobre elas para que mudanças efetivas possam ocorrer. Assim, percebemos a necessidade de transformações nas ações docentes de modo a avançar no entendimento das formas de trabalhar a leitura-escrita com as crianças na educação infantil.

43
  • EDSON DE SOUSA ALMEIDA
  • A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À EDUCAÇÃO NA AMAZÔNIA: Um Estudo Sobre o Financiamento do Ensino Médio no Estado do Pará.

  • Orientador : TANIA SUELY AZEVEDO BRASILEIRO
  • Data: 13/12/2019
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa parte do princípio de que a educação é um direito fundamental de caráter
    social, decorrente da dignidade inerente à pessoa humana, e necessário à emancipação
    do ser humano, cuja concretização ocorre a partir da elaboração e da implementação de
    políticas públicas (policy). Partindo-se de uma perspectiva interdisciplinar entre as áreas
    de Educação, Direito e Políticas Públicas, com a finalidade de lançar luz sobre a relação
    entre leis que positivam um direito (law) e a sua efetividade (right), o objetivo geral da
    pesquisa é analisar como o financiamento da educação previsto no ordenamento jurídico
    influencia no processo de implantação de políticas públicas educacionais voltadas à
    efetivação desse direito. Esta pesquisa consiste em um estudo de política educacional
    que considera a educação como uma ciência mestiça e dialógica por natureza
    (CHARLOT, 2006), trazendo para a discussão conceitos oriundos da Ciência Jurídica
    como forma de enriquecer o debate em torno da análise da policy. No plano dos
    objetivos específicos, projetou-se definir as bases teóricas necessárias à discussão da
    temática; analisar o marco normativo do direito à educação e do financiamento da
    educação básica no âmbito federal e estadual; e o papel das políticas públicas como
    instrumento de concretização de direitos. A pesquisa compreendeu diversas estratégias
    metodológicas, tais como (i) pesquisa bibliográfica, objetivando-se consolidar
    arcabouço teórico acerca da educação como direito humano fundamental de natureza
    social e das políticas públicas como instrumentos que materializam o sentido das
    normas e possibilitam a efetivação de direitos; (ii) pesquisa documental, com base na
    análise da legislação e de documentos oficiais referentes à temática; e (iii) análise do
    objeto de estudo. Evidenciou-se, entre outras conclusões, um distanciamento entre o que
    está previsto na legislação que trata do financiamento da educação e as políticas
    públicas implementadas voltadas a garantir o direito ao ensino médio com qualidade no
    estado do Pará, bem como a necessidade de os repasses de recursos voltados a esse
    direito considerar as peculiaridades geográficas do ente federativo, as quais impactam
    na em sua efetivação. A pesquisa indica caminhos e contribuições para a ampliação das
    possibilidades de se garantir a concretização do direito à educação básica,
    especificamente voltado ao ensino médio no estado do Pará.

44
  • EDSON DE SOUSA ALMEIDA
  • A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À EDUCAÇÃO NA AMAZÔNIA: Um Estudo Sobre o Financiamento do Ensino Médio no Estado do Pará.

  • Orientador : TANIA SUELY AZEVEDO BRASILEIRO
  • Data: 13/12/2019
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa parte do princípio de que a educação é um direito fundamental de caráter
    social, decorrente da dignidade inerente à pessoa humana, e necessário à emancipação
    do ser humano, cuja concretização ocorre a partir da elaboração e da implementação de
    políticas públicas (policy). Partindo-se de uma perspectiva interdisciplinar entre as áreas
    de Educação, Direito e Políticas Públicas, com a finalidade de lançar luz sobre a relação
    entre leis que positivam um direito (law) e a sua efetividade (right), o objetivo geral da
    pesquisa é analisar como o financiamento da educação previsto no ordenamento jurídico
    influencia no processo de implantação de políticas públicas educacionais voltadas à
    efetivação desse direito. Esta pesquisa consiste em um estudo de política educacional
    que considera a educação como uma ciência mestiça e dialógica por natureza
    (CHARLOT, 2006), trazendo para a discussão conceitos oriundos da Ciência Jurídica
    como forma de enriquecer o debate em torno da análise da policy. No plano dos
    objetivos específicos, projetou-se definir as bases teóricas necessárias à discussão da
    temática; analisar o marco normativo do direito à educação e do financiamento da
    educação básica no âmbito federal e estadual; e o papel das políticas públicas como
    instrumento de concretização de direitos. A pesquisa compreendeu diversas estratégias
    metodológicas, tais como (i) pesquisa bibliográfica, objetivando-se consolidar
    arcabouço teórico acerca da educação como direito humano fundamental de natureza
    social e das políticas públicas como instrumentos que materializam o sentido das
    normas e possibilitam a efetivação de direitos; (ii) pesquisa documental, com base na
    análise da legislação e de documentos oficiais referentes à temática; e (iii) análise do
    objeto de estudo. Evidenciou-se, entre outras conclusões, um distanciamento entre o que
    está previsto na legislação que trata do financiamento da educação e as políticas
    públicas implementadas voltadas a garantir o direito ao ensino médio com qualidade no
    estado do Pará, bem como a necessidade de os repasses de recursos voltados a esse
    direito considerar as peculiaridades geográficas do ente federativo, as quais impactam
    na em sua efetivação. A pesquisa indica caminhos e contribuições para a ampliação das
    possibilidades de se garantir a concretização do direito à educação básica,
    especificamente voltado ao ensino médio no estado do Pará.

45
  • GISELE VIDAL FERREIRA
  • USOS E SENTIDOS DAS TICS NA AMAZÔNIA: os desafios em implantar a TI Verde numa escola de ensino médio de tempo integral em Santarém-Pa

  • Orientador : TANIA SUELY AZEVEDO BRASILEIRO
  • Data: 13/12/2019
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo investiga de que maneira as TDICs podem se constituir como possibilidades didáticas de ensino e de aprendizagens, promotoras dos princípios de uma educação integral politécnica com responsabilidade socioambiental, em uma escola de ensino médio de tempo integral de Santarém-Pa. Para tal, nos propomos: mapear as condições de infraestrutura logística, tecnológica e de recursos humanos para uma formação humana na perspectiva da educação integral politécnica; analisar o uso das Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDICs) como ferramenta pedagógica de interação e colaboração no ambiente escolar e sua contribuição aos processos de ensino e aprendizagem; identificar iniciativas e/ou práticas sustentáveis que demonstrem integrar as TDICs à sala de aula do ensino médio de tempo integral e ao mundo do trabalho; analisar desafios e benefícios do uso da TI Verde nesse espaço educacional; potencializar o uso da TI Verde no espaço escolar e favorecer a consciência socioambiental. O estudo é de abordagem qualitativa, em que recorremos a revisão de literatura, pesquisa documental e empírica, do tipo pesquisa-ação colaborativa, com instalação do grupo de formação reflexiva colaborativa na escola estudada. Os instrumentos de coleta de dados foram: entrevista, questionário, diário de campo da pesquisadora e registros fotográficos. Participaram da pesquisa 11 professores, 02 representantes da gestão, 03 Formadores do Núcleo Tecnológico Educacional do Estado, e os 88 alunos do ensino médio da escola de tempo integral de Santarém-Pa. Os resultados do estudo mostraram, a princípio, que as condições de infraestrutura logística e tecnológica não atendem as necessidades de uma escola que se propõe a oferecer uma educação integral; há discussão sobre sustentabilidade, mas sem ações efetivas no contexto escolar; insipiente conhecimento sobre TI Verde por parte dos professores e quase nenhum por parte dos alunos; o reconhecimento de que a TI Verde está se manifestando como uma tendência no campo da tecnologia e uma alternativa para potencializar as ações sustentáveis no espaço escolar. Diante
    do exposto, concluímos que: i) a implantação do nível tático da TI Verde na escola é uma alternativa viável para a promoção de uma educação integral sustentável; ii) a implantação de forma colaborativa dos 4Ps (Postura, Prática, Política e Produção) da TI Verde na escola foi uma experiência exitosa, mostrando mudanças de comportamentos dos jovens estudantes, contribuindo com sua formação mais integral; iii) a produção de vídeos de bolso de autoria, no âmbito da pesquisa, apontou uma alternativa para atribuir sentidos às TDICs, tornando o
    conteúdo mais atrativo ao aluno, com foco na aprendizagem e no aprendiz, além de enriquecer os ambientes educativos; iv) as TDICs podem promover o envolvimento de educadores e educandos caminhando engajados nos processos de ensinar e aprender, bem como estimula a formação continuada dos professores. Experiência essa da TI Verde que poderá ser estendida às demais instituições educacionais, para se criar e/ou fortalecer o uso das TDICs com responsabilidade socioambiental. Nesse processo pedagógico se promove uma formação cidadã corresponsável sócio ambientalmente, podendo inferir que os usos das TDICs no cenário da educação integral encontram sentido quando empregam os pressupostos da TI Verde de forma colaborativa e crítica.

2018
Dissertações
1
  • IGOR MONTIEL MARTINS CUNHA
  • TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS E INCLUSÃO SOCIAL: RELATOS DE EX-JOGADORES DE FUTEBOL PROFISSIONAL DE SANTARÉM-PA
  • Orientador : HERGOS RITOR FROES DE COUTO
  • Data: 19/03/2018
  • Mostrar Resumo
  • Mesmo após mais de um século da inserção no território brasileiro, o futebol permanece como um dos principais elementos da cultura nacional. Tal fato contribuiu para que esse esporte fosse bastante analisado academicamente, principalmente em seus aspectos técnicos e administrativos. No entanto, ao longo das últimas décadas tem crescido o interesse dos centros de pesquisa em torno das relações sociais, muitas vezes opressivas, que se desenrolam no interior desse esporte. Um dos temas bastante recorrentes nesse tipo de abordagem é a relação entre a formação profissional e a formação escolar, que no caso do futebolista, ocorrem simultaneamente, acarretando na necessidade dos jovens esportistas conciliarem a rotina entre escola e o clube. Compreendendo que a relação entre a educação formal e a formação futebolística ainda é conflitante no Brasil, por diversas questões culturais, estruturais e legislativas, é importante aprofundar o debate sobre a importância da educação informal nas condições de existência dos ex-jogadores. Assim, esta pesquisa teve como objeto de estudo a relação entre as trajetórias educacionais e a inclusão social de ex-jogadores de futebol na fase da pós-carreira esportiva. Para tal, foram realizadas entrevistas biográficas com 5 ex-jogadores profissionais, a partir do dispositivo metodológico denominado retrato sociológico (LAHIRE, 2004). Em análise foi constatado que a atual inclusão social dos participantes da pesquisa está bastante vinculada às socializações e às práticas cotidianas, características da educação informal. Outros pontos também foram exaltados, como a visão mercadológica das instituições escolares e os elementos disciplinadores da educação formal no discurso dos entrevistados. Assim, foi confirmada que a hipótese inicial que preconizava a importância da educação formal para a inclusão social dos ex-jogadores de futebol, se mostrou adequada à maioria dos casos demonstrados, embora seja recomendável tanto aprofundar esse debate, quanto realizar novas pesquisas com as questões que surgiram a partir dos resultados do estudo.
2
  • IGOR MONTIEL MARTINS CUNHA
  • TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS E INCLUSÃO SOCIAL: RELATOS DE EX-JOGADORES DE FUTEBOL PROFISSIONAL DE SANTARÉM-PA
  • Orientador : HERGOS RITOR FROES DE COUTO
  • Data: 19/03/2018
  • Mostrar Resumo
  • Mesmo após mais de um século da inserção no território brasileiro, o futebol permanece como um dos principais elementos da cultura nacional. Tal fato contribuiu para que esse esporte fosse bastante analisado academicamente, principalmente em seus aspectos técnicos e administrativos. No entanto, ao longo das últimas décadas tem crescido o interesse dos centros de pesquisa em torno das relações sociais, muitas vezes opressivas, que se desenrolam no interior desse esporte. Um dos temas bastante recorrentes nesse tipo de abordagem é a relação entre a formação profissional e a formação escolar, que no caso do futebolista, ocorrem simultaneamente, acarretando na necessidade dos jovens esportistas conciliarem a rotina entre escola e o clube. Compreendendo que a relação entre a educação formal e a formação futebolística ainda é conflitante no Brasil, por diversas questões culturais, estruturais e legislativas, é importante aprofundar o debate sobre a importância da educação informal nas condições de existência dos ex-jogadores. Assim, esta pesquisa teve como objeto de estudo a relação entre as trajetórias educacionais e a inclusão social de ex-jogadores de futebol na fase da pós-carreira esportiva. Para tal, foram realizadas entrevistas biográficas com 5 ex-jogadores profissionais, a partir do dispositivo metodológico denominado retrato sociológico (LAHIRE, 2004). Em análise foi constatado que a atual inclusão social dos participantes da pesquisa está bastante vinculada às socializações e às práticas cotidianas, características da educação informal. Outros pontos também foram exaltados, como a visão mercadológica das instituições escolares e os elementos disciplinadores da educação formal no discurso dos entrevistados. Assim, foi confirmada que a hipótese inicial que preconizava a importância da educação formal para a inclusão social dos ex-jogadores de futebol, se mostrou adequada à maioria dos casos demonstrados, embora seja recomendável tanto aprofundar esse debate, quanto realizar novas pesquisas com as questões que surgiram a partir dos resultados do estudo.
3
  • IGOR MONTIEL MARTINS CUNHA
  • TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS E INCLUSÃO SOCIAL: RELATOS DE EX-JOGADORES DE FUTEBOL PROFISSIONAL DE SANTARÉM-PA
  • Orientador : HERGOS RITOR FROES DE COUTO
  • Data: 19/03/2018
  • Mostrar Resumo
  • Mesmo após mais de um século da inserção no território brasileiro, o futebol permanece como um dos principais elementos da cultura nacional. Tal fato contribuiu para que esse esporte fosse bastante analisado academicamente, principalmente em seus aspectos técnicos e administrativos. No entanto, ao longo das últimas décadas tem crescido o interesse dos centros de pesquisa em torno das relações sociais, muitas vezes opressivas, que se desenrolam no interior desse esporte. Um dos temas bastante recorrentes nesse tipo de abordagem é a relação entre a formação profissional e a formação escolar, que no caso do futebolista, ocorrem simultaneamente, acarretando na necessidade dos jovens esportistas conciliarem a rotina entre escola e o clube. Compreendendo que a relação entre a educação formal e a formação futebolística ainda é conflitante no Brasil, por diversas questões culturais, estruturais e legislativas, é importante aprofundar o debate sobre a importância da educação informal nas condições de existência dos ex-jogadores. Assim, esta pesquisa teve como objeto de estudo a relação entre as trajetórias educacionais e a inclusão social de ex-jogadores de futebol na fase da pós-carreira esportiva. Para tal, foram realizadas entrevistas biográficas com 5 ex-jogadores profissionais, a partir do dispositivo metodológico denominado retrato sociológico (LAHIRE, 2004). Em análise foi constatado que a atual inclusão social dos participantes da pesquisa está bastante vinculada às socializações e às práticas cotidianas, características da educação informal. Outros pontos também foram exaltados, como a visão mercadológica das instituições escolares e os elementos disciplinadores da educação formal no discurso dos entrevistados. Assim, foi confirmada que a hipótese inicial que preconizava a importância da educação formal para a inclusão social dos ex-jogadores de futebol, se mostrou adequada à maioria dos casos demonstrados, embora seja recomendável tanto aprofundar esse debate, quanto realizar novas pesquisas com as questões que surgiram a partir dos resultados do estudo.
4
  • IGOR MONTIEL MARTINS CUNHA
  • TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS E INCLUSÃO SOCIAL: RELATOS DE EX-JOGADORES DE FUTEBOL PROFISSIONAL DE SANTARÉM-PA
  • Orientador : HERGOS RITOR FROES DE COUTO
  • Data: 19/03/2018
  • Mostrar Resumo
  • Mesmo após mais de um século da inserção no território brasileiro, o futebol permanece como um dos principais elementos da cultura nacional. Tal fato contribuiu para que esse esporte fosse bastante analisado academicamente, principalmente em seus aspectos técnicos e administrativos. No entanto, ao longo das últimas décadas tem crescido o interesse dos centros de pesquisa em torno das relações sociais, muitas vezes opressivas, que se desenrolam no interior desse esporte. Um dos temas bastante recorrentes nesse tipo de abordagem é a relação entre a formação profissional e a formação escolar, que no caso do futebolista, ocorrem simultaneamente, acarretando na necessidade dos jovens esportistas conciliarem a rotina entre escola e o clube. Compreendendo que a relação entre a educação formal e a formação futebolística ainda é conflitante no Brasil, por diversas questões culturais, estruturais e legislativas, é importante aprofundar o debate sobre a importância da educação informal nas condições de existência dos ex-jogadores. Assim, esta pesquisa teve como objeto de estudo a relação entre as trajetórias educacionais e a inclusão social de ex-jogadores de futebol na fase da pós-carreira esportiva. Para tal, foram realizadas entrevistas biográficas com 5 ex-jogadores profissionais, a partir do dispositivo metodológico denominado retrato sociológico (LAHIRE, 2004). Em análise foi constatado que a atual inclusão social dos participantes da pesquisa está bastante vinculada às socializações e às práticas cotidianas, características da educação informal. Outros pontos também foram exaltados, como a visão mercadológica das instituições escolares e os elementos disciplinadores da educação formal no discurso dos entrevistados. Assim, foi confirmada que a hipótese inicial que preconizava a importância da educação formal para a inclusão social dos ex-jogadores de futebol, se mostrou adequada à maioria dos casos demonstrados, embora seja recomendável tanto aprofundar esse debate, quanto realizar novas pesquisas com as questões que surgiram a partir dos resultados do estudo.
5
  • ROSENILMA BRANCO RODRIGUES
  • CORPOREIDADE E EDUCAÇÃO DO CAMPO: OS SENTIDOS ATRIBUÍDOS AO CORPO NA PRÁTICA DOCENTE NOS TERRITÓRIOS RURAIS DE SANTARÉM-PA
  • Orientador : HERGOS RITOR FROES DE COUTO
  • Data: 20/03/2018
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa investigou os sentidos que os professores atribuem ao corpo na prática docente pelo viés da Corporeidade em diálogo com a Educação do Campo nos territórios rurais de Santarém-PA. No estudo, compreendeu-se que o corpo é a condição de existência humana, por meio dele traçamos aspirações da nossa subjetividade e interagimos com outras subjetividades e com o mundo, é dotado de capacidade para o movimento com intencionalidade na direção da transformação e emancipação humana, contudo, se a Educação como viés de mudança e formação do ser humano, reduz ou nega a importância do corpo na constituição do conhecimento, deixa de fazer o seu papel social, democrático e crítico. E neste cenário, dentro do contexto da Educação, a escola, tornou-se uma referência como reguladora e opressora das manifestações corporais de seus alunos, legitimando o disciplinamento e a docilização como controle e organização escolar. Ao mesmo tempo, ela pode ser transcendente das experiências educacionais por meio de vivências corporais. Optou-se, por uma análise de natureza qualitativa, considerando a metodologia em duas etapas: pesquisa bibliográfica e de campo, além disso, fundamenta-se numa abordagem fenomenológica, considerando que o sujeito é na sua existência uma totalidade, para a produção e análise dos dados, utilizou-se da Técnica de Elaboração e Análise de Unidades de Significado, desenvolvida por Moreira, Simões e Porto (2005). Os procedimentos epistemológicos baseiam-se na Teoria da Corporeidade e Educação do Campo. Participaram do estudo oito sujeitos que trabalham em escolas localizadas nos territórios rurais deste município, portanto, ser docente no campo e estar atuando no ensino fundamental nas séries iniciais, foram critérios para a seleção destes sujeitos. Conclui-se que, no entendimento das professoras pesquisadas o corpo é uma totalidade, com múltiplas possibilidades de saberes e interação social; por meio dos gestos e movimentos, estabelece-se uma relação de diálogo e respeito. Através das falas dos sujeitos verificou-se vivências da corporeidade na prática docente para a maioria das professoras. Em relação a análise do ser docente e a importância da prática nos territórios rurais, foi revelado pelos sujeitos, que as especificidades da cultura camponesa potencializam a prática do professor para o processo de ensino aprendizagem.
6
  • ROSENILMA BRANCO RODRIGUES
  • CORPOREIDADE E EDUCAÇÃO DO CAMPO: OS SENTIDOS ATRIBUÍDOS AO CORPO NA PRÁTICA DOCENTE NOS TERRITÓRIOS RURAIS DE SANTARÉM-PA
  • Orientador : HERGOS RITOR FROES DE COUTO
  • Data: 20/03/2018
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa investigou os sentidos que os professores atribuem ao corpo na prática docente pelo viés da Corporeidade em diálogo com a Educação do Campo nos territórios rurais de Santarém-PA. No estudo, compreendeu-se que o corpo é a condição de existência humana, por meio dele traçamos aspirações da nossa subjetividade e interagimos com outras subjetividades e com o mundo, é dotado de capacidade para o movimento com intencionalidade na direção da transformação e emancipação humana, contudo, se a Educação como viés de mudança e formação do ser humano, reduz ou nega a importância do corpo na constituição do conhecimento, deixa de fazer o seu papel social, democrático e crítico. E neste cenário, dentro do contexto da Educação, a escola, tornou-se uma referência como reguladora e opressora das manifestações corporais de seus alunos, legitimando o disciplinamento e a docilização como controle e organização escolar. Ao mesmo tempo, ela pode ser transcendente das experiências educacionais por meio de vivências corporais. Optou-se, por uma análise de natureza qualitativa, considerando a metodologia em duas etapas: pesquisa bibliográfica e de campo, além disso, fundamenta-se numa abordagem fenomenológica, considerando que o sujeito é na sua existência uma totalidade, para a produção e análise dos dados, utilizou-se da Técnica de Elaboração e Análise de Unidades de Significado, desenvolvida por Moreira, Simões e Porto (2005). Os procedimentos epistemológicos baseiam-se na Teoria da Corporeidade e Educação do Campo. Participaram do estudo oito sujeitos que trabalham em escolas localizadas nos territórios rurais deste município, portanto, ser docente no campo e estar atuando no ensino fundamental nas séries iniciais, foram critérios para a seleção destes sujeitos. Conclui-se que, no entendimento das professoras pesquisadas o corpo é uma totalidade, com múltiplas possibilidades de saberes e interação social; por meio dos gestos e movimentos, estabelece-se uma relação de diálogo e respeito. Através das falas dos sujeitos verificou-se vivências da corporeidade na prática docente para a maioria das professoras. Em relação a análise do ser docente e a importância da prática nos territórios rurais, foi revelado pelos sujeitos, que as especificidades da cultura camponesa potencializam a prática do professor para o processo de ensino aprendizagem.
7
  • ANGEL PENA GALVÃO
  • ROBÓTICA EDUCACIONAL E O ENSINO DE MATEMÁTICA: UM EXPERIMENTO EDUCACIONAL EM DESENVOLVIMENTO NO ENSINO FUNDAMENTAL
  • Orientador : JOSE RICARDO E SOUZA MAFRA
  • Data: 22/03/2018
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo tem como proposta mostrar o desenvolvimento de um experimento de ensino, a partir do uso da robótica educacional na matemática em uma escola pública de ensino fundamental. Foi desenvolvido após a leitura e discussão de percursos teóricos tais como: Vygotsky (1989), Oliveira (2013) D’Ambrósio (2003) Valente (1993) de como acontece a relação entre o professor e o uso de tecnologias na educação, como uma ferramenta que possibilita o auxílio na aprendizagem matemática dos alunos. Deste modo, propõe-se um experimento de ensino, a partir do uso da robótica para o ensino da matemática, discutindo a importância da tecnologia e sua contribuição para educação, o papel desempenhado pelo professor ao utilizar esses recursos em sala de aula e análise da formação desse professor para o uso dessas ferramentas. A metodologia desenvolvida foi realizada a partir de um levantamento inicial da literatura sobre o tema e desenvolvimento de um conjunto de atividades com experimentações de robótica educacional, realizadas no laboratório de informática na Escola Municipal Rotary com alunos do 7º ano do ensino fundamental com o intuito de contribuir para a elaboração e a efetivação de uma proposta de experimento de ensino da matemática com a robótica educacional. Os resultados obtidos a partir de entrevistas, fotos, gravações, anotações no diário de bordo do pesquisador e ainda os documentos produzidos pelos alunos mostraram que o desenvolvimento do conhecimento das áreas tecnológicas incentiva os alunos para o aprendizado e colabora para o interesse dos alunos, proporcionando momentos de significativa aprendizagem dentro da disciplina de matemática. Com isso, o uso da robótica educacional, na prática pedagógica, pode trazer resultados esperados por qualquer docente: a participação, desenvolvimento do pensamento crítico e o aprendizado de seu aluno.
8
  • ANGEL PENA GALVÃO
  • ROBÓTICA EDUCACIONAL E O ENSINO DE MATEMÁTICA: UM EXPERIMENTO EDUCACIONAL EM DESENVOLVIMENTO NO ENSINO FUNDAMENTAL
  • Orientador : JOSE RICARDO E SOUZA MAFRA
  • Data: 22/03/2018
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo tem como proposta mostrar o desenvolvimento de um experimento de ensino, a partir do uso da robótica educacional na matemática em uma escola pública de ensino fundamental. Foi desenvolvido após a leitura e discussão de percursos teóricos tais como: Vygotsky (1989), Oliveira (2013) D’Ambrósio (2003) Valente (1993) de como acontece a relação entre o professor e o uso de tecnologias na educação, como uma ferramenta que possibilita o auxílio na aprendizagem matemática dos alunos. Deste modo, propõe-se um experimento de ensino, a partir do uso da robótica para o ensino da matemática, discutindo a importância da tecnologia e sua contribuição para educação, o papel desempenhado pelo professor ao utilizar esses recursos em sala de aula e análise da formação desse professor para o uso dessas ferramentas. A metodologia desenvolvida foi realizada a partir de um levantamento inicial da literatura sobre o tema e desenvolvimento de um conjunto de atividades com experimentações de robótica educacional, realizadas no laboratório de informática na Escola Municipal Rotary com alunos do 7º ano do ensino fundamental com o intuito de contribuir para a elaboração e a efetivação de uma proposta de experimento de ensino da matemática com a robótica educacional. Os resultados obtidos a partir de entrevistas, fotos, gravações, anotações no diário de bordo do pesquisador e ainda os documentos produzidos pelos alunos mostraram que o desenvolvimento do conhecimento das áreas tecnológicas incentiva os alunos para o aprendizado e colabora para o interesse dos alunos, proporcionando momentos de significativa aprendizagem dentro da disciplina de matemática. Com isso, o uso da robótica educacional, na prática pedagógica, pode trazer resultados esperados por qualquer docente: a participação, desenvolvimento do pensamento crítico e o aprendizado de seu aluno.
9
  • MÁRIO ADONIS SILVA
  • A EDUCAÇÃO INTEGRAL DIANTE DO HISTÓRICO CONFLITO RELIGIOSIDADE E ESCOLARIZAÇÃO
  • Orientador : ANSELMO ALENCAR COLARES
  • Data: 02/05/2018
  • Mostrar Resumo
  • RESUMO O texto é resultado de pesquisa bibliográfica documental que discute a Educação Integral, enquanto desenvolvimento pleno do ser humano, tal como pretendido pelo originário propósito do ato educativo e referendado pela legislação nacional pertinente. Assim, entendendo que nas sociedades modernas as escolas se tornaram na principal instituição responsável pelo processo educativo, parte-se do pressuposto que para que a escolarização se realize segundo esse propósito, os profissionais que nelas atuam precisam receber formação que os habilitem a promover Educação Integral; para tanto, ao desenvolver o processo educativo, a escolarização deve levar em conta todas as dimensões constitutivas da condição humana, dentre as quais, aqui se destaca, a Religiosidade. Partindo desses pressupostos, à luz dos referenciais teóricos e metodológicos de pesquisadores que concebem a educação na sua acepção ampla de formação integral da pessoa, o que inclui a religiosidade, bem como, considerando-se o estabelecido pelas Diretrizes Curriculares Nacionais pertinentes aos cursos de formação de pedagogos/as e de professores para a docência no ensino fundamental, particularmente os dispositivos que versam sobre o “Ensino Religioso”, reconhecido, pelo Estado, não apenas como componente curricular da educação básica, mas também como área de conhecimento, fez-se uma análise de Projetos Político-Pedagógicos, bem como das grades/matrizes curriculares de cursos de licenciatura oferecidos pela Universidade Federal do Oeste do Pará, com o fito de se compreender qual o tratamento por eles dado às questões referentes à religiosidade. Mediante as constatações feitas, conclui-se que a escola, para que efetivamente tenha condições de oferecer educação integral cumpre, não apenas preservar este propósito original da educação, mas transformá-lo na utopia mobilizadora da ação educativa, o que implica na superação do histórico conflito religiosidade-escolarização e, diante da inexistência de qualquer elemento referente ao componente curricular da educação básica “Ensino Religioso” na estrutura curricular dos cursos analisados, refletir quanto a necessidade de revisão de suas matrizes/grades curriculares, de modo a adequá-las às diretrizes pertinentes.
10
  • MÁRIO ADONIS SILVA
  • A EDUCAÇÃO INTEGRAL DIANTE DO HISTÓRICO CONFLITO RELIGIOSIDADE E ESCOLARIZAÇÃO
  • Orientador : ANSELMO ALENCAR COLARES
  • Data: 02/05/2018
  • Mostrar Resumo
  • RESUMO O texto é resultado de pesquisa bibliográfica documental que discute a Educação Integral, enquanto desenvolvimento pleno do ser humano, tal como pretendido pelo originário propósito do ato educativo e referendado pela legislação nacional pertinente. Assim, entendendo que nas sociedades modernas as escolas se tornaram na principal instituição responsável pelo processo educativo, parte-se do pressuposto que para que a escolarização se realize segundo esse propósito, os profissionais que nelas atuam precisam receber formação que os habilitem a promover Educação Integral; para tanto, ao desenvolver o processo educativo, a escolarização deve levar em conta todas as dimensões constitutivas da condição humana, dentre as quais, aqui se destaca, a Religiosidade. Partindo desses pressupostos, à luz dos referenciais teóricos e metodológicos de pesquisadores que concebem a educação na sua acepção ampla de formação integral da pessoa, o que inclui a religiosidade, bem como, considerando-se o estabelecido pelas Diretrizes Curriculares Nacionais pertinentes aos cursos de formação de pedagogos/as e de professores para a docência no ensino fundamental, particularmente os dispositivos que versam sobre o “Ensino Religioso”, reconhecido, pelo Estado, não apenas como componente curricular da educação básica, mas também como área de conhecimento, fez-se uma análise de Projetos Político-Pedagógicos, bem como das grades/matrizes curriculares de cursos de licenciatura oferecidos pela Universidade Federal do Oeste do Pará, com o fito de se compreender qual o tratamento por eles dado às questões referentes à religiosidade. Mediante as constatações feitas, conclui-se que a escola, para que efetivamente tenha condições de oferecer educação integral cumpre, não apenas preservar este propósito original da educação, mas transformá-lo na utopia mobilizadora da ação educativa, o que implica na superação do histórico conflito religiosidade-escolarização e, diante da inexistência de qualquer elemento referente ao componente curricular da educação básica “Ensino Religioso” na estrutura curricular dos cursos analisados, refletir quanto a necessidade de revisão de suas matrizes/grades curriculares, de modo a adequá-las às diretrizes pertinentes.
11
  • ANGEL PENA GALVÃO
  • ROBÓTICA EDUCACIONAL E O ENSINO DE MATEMÁTICA: UM EXPERIMENTO EDUCACIONAL EM DESENVOLVIMENTO NO ENSINO FUNDAMENTAL
  • Orientador : JOSE RICARDO E SOUZA MAFRA
  • Data: 08/05/2018
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo tem como proposta mostrar o desenvolvimento de um experimento de ensino, a partir do uso da robótica educacional na matemática em uma escola pública de ensino fundamental. Foi desenvolvido após a leitura e discussão de percursos teóricos tais como: Vygotsky (1989), Oliveira (2013) D’Ambrósio (2003) Valente (1993) de como acontece a relação entre o professor e o uso de tecnologias na educação, como uma ferramenta que possibilita o auxílio na aprendizagem matemática dos alunos. Deste modo, propõe-se um experimento de ensino, a partir do uso da robótica para o ensino da matemática, discutindo a importância da tecnologia e sua contribuição para educação, o papel desempenhado pelo professor ao utilizar esses recursos em sala de aula e análise da formação desse professor para o uso dessas ferramentas. A metodologia desenvolvida foi realizada a partir de um levantamento inicial da literatura sobre o tema e desenvolvimento de um conjunto de atividades com experimentações de robótica educacional, realizadas no laboratório de informática na Escola Municipal Rotary com alunos do 7º ano do ensino fundamental com o intuito de contribuir para a elaboração e a efetivação de uma proposta de experimento de ensino da matemática com a robótica educacional. Os resultados obtidos a partir de entrevistas, fotos, gravações, anotações no diário de bordo do pesquisador e ainda os documentos produzidos pelos alunos mostraram que o desenvolvimento do conhecimento das áreas tecnológicas incentiva os alunos para o aprendizado e colabora para o interesse dos alunos, proporcionando momentos de significativa aprendizagem dentro da disciplina de matemática. Com isso, o uso da robótica educacional, na prática pedagógica, pode trazer resultados esperados por qualquer docente: a participação, desenvolvimento do pensamento crítico e o aprendizado de seu aluno.
12
  • ANGEL PENA GALVÃO
  • ROBÓTICA EDUCACIONAL E O ENSINO DE MATEMÁTICA: UM EXPERIMENTO EDUCACIONAL EM DESENVOLVIMENTO NO ENSINO FUNDAMENTAL
  • Orientador : JOSE RICARDO E SOUZA MAFRA
  • Data: 08/05/2018
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo tem como proposta mostrar o desenvolvimento de um experimento de ensino, a partir do uso da robótica educacional na matemática em uma escola pública de ensino fundamental. Foi desenvolvido após a leitura e discussão de percursos teóricos tais como: Vygotsky (1989), Oliveira (2013) D’Ambrósio (2003) Valente (1993) de como acontece a relação entre o professor e o uso de tecnologias na educação, como uma ferramenta que possibilita o auxílio na aprendizagem matemática dos alunos. Deste modo, propõe-se um experimento de ensino, a partir do uso da robótica para o ensino da matemática, discutindo a importância da tecnologia e sua contribuição para educação, o papel desempenhado pelo professor ao utilizar esses recursos em sala de aula e análise da formação desse professor para o uso dessas ferramentas. A metodologia desenvolvida foi realizada a partir de um levantamento inicial da literatura sobre o tema e desenvolvimento de um conjunto de atividades com experimentações de robótica educacional, realizadas no laboratório de informática na Escola Municipal Rotary com alunos do 7º ano do ensino fundamental com o intuito de contribuir para a elaboração e a efetivação de uma proposta de experimento de ensino da matemática com a robótica educacional. Os resultados obtidos a partir de entrevistas, fotos, gravações, anotações no diário de bordo do pesquisador e ainda os documentos produzidos pelos alunos mostraram que o desenvolvimento do conhecimento das áreas tecnológicas incentiva os alunos para o aprendizado e colabora para o interesse dos alunos, proporcionando momentos de significativa aprendizagem dentro da disciplina de matemática. Com isso, o uso da robótica educacional, na prática pedagógica, pode trazer resultados esperados por qualquer docente: a participação, desenvolvimento do pensamento crítico e o aprendizado de seu aluno.
13
  • GILSON PEDROSO DOS SANTOS
  • EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NO INTERIOR DA AMAZÔNIA: O PENSAMENTO COMPUTACIONAL E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO COMO AUXÍLIO EM PROCESSOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM
  • Orientador : JOSE RICARDO E SOUZA MAFRA
  • Data: 08/05/2018
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho tem como objetivo investigar e promover a discussão sobre pensamento computacional no contexto amazônico, mais precisamente na região oeste do Pará (município de Santarém), com o auxílio das tecnologias da informação e comunicação, aplicados ao ensino da matemática na educação básica. Para tanto, apresenta-se um pouco dos potenciais de programas computacionais como PhET Simulações Interativas, OpenOffice Calc e Scratch e também como eles podem ser utilizados no ensino. O desenvolvimento metodológico desta proposta está baseada em alguns referenciais teóricos relacionados com a educação matemática de D’Ambrosio (1996), estudos em TIC’s tal como a proposta em Valente (1993), Pensamento Computacional de Wing (2006), Blikstein (2008), a Teoria Histórico-Cultural e a Teoria da Atividade, fundamentada em Vigostsky (2007). Foram desenvolvidas dez atividades tendo como apoio as ferramentas digitais PhET Simulações Interativas, OpenOffice Calc e Scratch, onde os conteúdos da disciplina foram abordados de uma forma diferente da que os alunos são ensinados geralmente. A pesquisa contou com a participação de vinte e quatro alunos, juntamente com o professor de matemática e o pesquisador, integrantes de uma turma do ensino fundamental, e realizada em uma escola pública, no município de Santarém. Os resultados iniciais desta investigação convergem para a discussão inicial sobre como elaborar atividades, envolvendo o Pensamento Computacional e as TIC, e de que forma esta articulação seja possível de ser aplicadas no ensino de matemática. Além disso, espera-se realizar uma discussão contínua sobre como essas tecnologias e outras podem influenciar no processo de ensino e aprendizagem da disciplina de matemática, com base na experiência realizada, visando uma aprendizagem qualitativa, e que o professor possa ser bem-sucedido na forma como ele ensina.
14
  • GILSON PEDROSO DOS SANTOS
  • EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA NO INTERIOR DA AMAZÔNIA: O PENSAMENTO COMPUTACIONAL E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO COMO AUXÍLIO EM PROCESSOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM
  • Orientador : JOSE RICARDO E SOUZA MAFRA
  • Data: 08/05/2018
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho tem como objetivo investigar e promover a discussão sobre pensamento computacional no contexto amazônico, mais precisamente na região oeste do Pará (município de Santarém), com o auxílio das tecnologias da informação e comunicação, aplicados ao ensino da matemática na educação básica. Para tanto, apresenta-se um pouco dos potenciais de programas computacionais como PhET Simulações Interativas, OpenOffice Calc e Scratch e também como eles podem ser utilizados no ensino. O desenvolvimento metodológico desta proposta está baseada em alguns referenciais teóricos relacionados com a educação matemática de D’Ambrosio (1996), estudos em TIC’s tal como a proposta em Valente (1993), Pensamento Computacional de Wing (2006), Blikstein (2008), a Teoria Histórico-Cultural e a Teoria da Atividade, fundamentada em Vigostsky (2007). Foram desenvolvidas dez atividades tendo como apoio as ferramentas digitais PhET Simulações Interativas, OpenOffice Calc e Scratch, onde os conteúdos da disciplina foram abordados de uma forma diferente da que os alunos são ensinados geralmente. A pesquisa contou com a participação de vinte e quatro alunos, juntamente com o professor de matemática e o pesquisador, integrantes de uma turma do ensino fundamental, e realizada em uma escola pública, no município de Santarém. Os resultados iniciais desta investigação convergem para a discussão inicial sobre como elaborar atividades, envolvendo o Pensamento Computacional e as TIC, e de que forma esta articulação seja possível de ser aplicadas no ensino de matemática. Além disso, espera-se realizar uma discussão contínua sobre como essas tecnologias e outras podem influenciar no processo de ensino e aprendizagem da disciplina de matemática, com base na experiência realizada, visando uma aprendizagem qualitativa, e que o professor possa ser bem-sucedido na forma como ele ensina.
15
  • MARINETE COSTA DE LIMA
  • PROGRAMA ENSINO MÉDIO INOVADOR: UNIVERSALIZAÇÃO DO ENSINO MÉDIO REGULAR EM SANTARÉM – PA, NO PERÍODO DE 2012 A 2014
  • Orientador : MARIA DE FATIMA MATOS DE SOUZA
  • Data: 11/06/2018
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho tem como objeto de estudo o Programa Ensino Médio Inovador (ProEMI): Universalização do Ensino Médio Regular em Santarém-Pará, em um recorte temporal de 2012 a 2014. Este período justifica-se por ser 2012 o ano de adesão de onze escolasestaduais de Ensino Médio do município de Santarém ao ProEMI e 2014, por ser o ano de conclusão e avaliação dessas escolas pertencentes ao 1o ciclo do programa. A pesquisa está vinculada à linha de Pesquisa de História, Política e Gestão Educacional na Amazônia da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA). O ProEMI foi criado pelo Ministério da Educação (MEC), através da Resolução no 63, de 15 de dezembro de 2009que autoriza destinação de recursos às unidades escolares de Ensino Médio Regular não profissionalizante das redes dos Estados e do Distrito Federal selecionadas para integrarem o Programa Ensino Médio Inovador, no âmbito do Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE) e em suas considerações destaca a necessidade de promover ações compartilhadas com os Estados e o Distrito Federal, para melhoria do ensino médio regular não profissionalizante e a perspectiva de universalização do acesso e permanência de todos os adolescentes de 15 a 17 anos nesta etapa da educação básica (FNDE/MEC, 2009) e instituído pela Portaria no 971, de 09/10/2009. A pesquisa apresenta como objetivo geral analisar qual a contribuição do ProEMI para o acesso e permanência dos alunos no Ensino Médio nas escolas estaduais de Santarém-Pará, no período de 2012 a 2014.Para o estudo utilizamos a pesquisa bibliográfica e documental, com abordagem quali- quantitativa para o tratamento e análise dos dados coletados. Para a pesquisa documental foram selecionados e organizados os documentos oficiais e não oficiais, da Secretaria de Educação (SEDUC-PA), com abordagem nas taxas de rendimentos e matrículas do Ensino Médio e documentos do Ministério da Educação (MEC) pertinentes às políticas educacionais e ao ProEMI. E para a pesquisa bibliográfica, foram selecionados livros, teses, dissertações, artigos científicos relacionados à temática proposta.O referencial teórico parte dos estudos de Aranha (1996); Abreu (2005); Ciavatta (2005); Cunha (2014); Cury (2002); Davalo (2008); Freitas e Biccas (2009); Frigotto (2005, 2014); Frigotto, Ciavatta e Ramos (2005); Ghiraldelli (2001, 2009); Germano (1994); Libâneo, Oliveira e Toschi (2012); Kuenzer (1997, 2009); Oliveira (2002); Paglia (2015); Piletti (1995); Pinto (2007), Ramos (2011); Silva Filho e Lima Araújo (2017) entre outros.Os dados apresentados na pesquisa nos permitem afirmar que o conjunto das 11 (onze) primeiras escolas de Santarém-Pará, que iniciaram o ProEMI em 2012 não conseguiram obter bons resultados nas tendências de matrículas e dos rendimentos escolar.
16
  • MARINETE COSTA DE LIMA
  • PROGRAMA ENSINO MÉDIO INOVADOR: UNIVERSALIZAÇÃO DO ENSINO MÉDIO REGULAR EM SANTARÉM – PA, NO PERÍODO DE 2012 A 2014
  • Orientador : MARIA DE FATIMA MATOS DE SOUZA
  • Data: 11/06/2018
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho tem como objeto de estudo o Programa Ensino Médio Inovador (ProEMI): Universalização do Ensino Médio Regular em Santarém-Pará, em um recorte temporal de 2012 a 2014. Este período justifica-se por ser 2012 o ano de adesão de onze escolasestaduais de Ensino Médio do município de Santarém ao ProEMI e 2014, por ser o ano de conclusão e avaliação dessas escolas pertencentes ao 1o ciclo do programa. A pesquisa está vinculada à linha de Pesquisa de História, Política e Gestão Educacional na Amazônia da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA). O ProEMI foi criado pelo Ministério da Educação (MEC), através da Resolução no 63, de 15 de dezembro de 2009que autoriza destinação de recursos às unidades escolares de Ensino Médio Regular não profissionalizante das redes dos Estados e do Distrito Federal selecionadas para integrarem o Programa Ensino Médio Inovador, no âmbito do Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE) e em suas considerações destaca a necessidade de promover ações compartilhadas com os Estados e o Distrito Federal, para melhoria do ensino médio regular não profissionalizante e a perspectiva de universalização do acesso e permanência de todos os adolescentes de 15 a 17 anos nesta etapa da educação básica (FNDE/MEC, 2009) e instituído pela Portaria no 971, de 09/10/2009. A pesquisa apresenta como objetivo geral analisar qual a contribuição do ProEMI para o acesso e permanência dos alunos no Ensino Médio nas escolas estaduais de Santarém-Pará, no período de 2012 a 2014.Para o estudo utilizamos a pesquisa bibliográfica e documental, com abordagem quali- quantitativa para o tratamento e análise dos dados coletados. Para a pesquisa documental foram selecionados e organizados os documentos oficiais e não oficiais, da Secretaria de Educação (SEDUC-PA), com abordagem nas taxas de rendimentos e matrículas do Ensino Médio e documentos do Ministério da Educação (MEC) pertinentes às políticas educacionais e ao ProEMI. E para a pesquisa bibliográfica, foram selecionados livros, teses, dissertações, artigos científicos relacionados à temática proposta.O referencial teórico parte dos estudos de Aranha (1996); Abreu (2005); Ciavatta (2005); Cunha (2014); Cury (2002); Davalo (2008); Freitas e Biccas (2009); Frigotto (2005, 2014); Frigotto, Ciavatta e Ramos (2005); Ghiraldelli (2001, 2009); Germano (1994); Libâneo, Oliveira e Toschi (2012); Kuenzer (1997, 2009); Oliveira (2002); Paglia (2015); Piletti (1995); Pinto (2007), Ramos (2011); Silva Filho e Lima Araújo (2017) entre outros.Os dados apresentados na pesquisa nos permitem afirmar que o conjunto das 11 (onze) primeiras escolas de Santarém-Pará, que iniciaram o ProEMI em 2012 não conseguiram obter bons resultados nas tendências de matrículas e dos rendimentos escolar.
17
  • KÁTIA LAIS SCHWADE DE JESUS OLIVEIRA
  • LESSON STUDY NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: UMA EXPERIÊNCIA COM LICENCIANDOS DE LETRAS-INGLÊS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ
  • Orientador : NILTON VARELA HITOTUZI
  • Data: 27/06/2018
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo aborda o uso da prática japonesa Lesson Study na formação inicial de professores. Ele está vinculado à linha Teacher Professional Development through Lesson Study do grupo de pesquisa Centro de Estudos em Linguística Aplicada e Educação de Professores de Inglês como Língua Estrangeira (Celepi) da Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa). A pesquisa teve como objetivo geral investigar o potencial de contribuição da Lesson Study para a aprendizagem profissional de um grupo de professores de Inglês em formação inicial quando vivenciada durante seu estágio supervisionado de regência. Para esse fim, buscou-se analisar se os elementos essenciais da Lesson Study estavam presentes nos ciclos da ferramenta desenvolvidos durante o estudo e compreender a percepção dos licenciandos acerca do uso da Lesson Study no curso de licenciatura como uma ferramenta para o seu aprendizado profissional. A base teórica do estudo foram a Lesson Study – que tem se tornado cada vez mais, nas palavras de Dudley (2015), o modelo de aprendizagem da profissão para os dias atuais – e os conceitos: a) Prática Reflexiva (SCHÖN, 1983, 2000; ZEICHNER, 2008; FREIRE, 1996; NÓVOA, 1992, 2001; PERRENOUD, 2002); b) Comunidades de Prática (WENGER, 1998); c) Conhecimento Pedagógico de Conteúdo (SHULMAN, 1986) e d) Capital profissional (FULLAN; HARGREAVES, 2012). A pesquisa, orientada por uma abordagem qualitativa (MINAYO, 2011), adotou como estratégia de investigação o estudo de caso (YIN, 2001), que ocorreu em duas etapas: estudo bibliográfico e pesquisa empírica. Os participantes da pesquisa foram quatro acadêmicos do curso de Letras-Inglês da Ufopa e a professora de inglês titular da turma pertencente a uma escola pública estadual do município de Santarém-PA, na qual os licenciandos intervieram por um período de cinco meses. Para a recolha dos dados, utilizou-se a observação participante, as notas de campo da pesquisadora principal, gravações em áudio e vídeo e a entrevista semiestruturada. Na análise dos dados, adotou-se a análise temática proposta por Guest, Macqueen e Namey (2011). Os resultados apontaram um contraste entre discurso e prática no que se refere às influências da Lesson Study no aprendizado dos licenciandos participantes da pesquisa. Observou-se dificuldades na vivência dos aspectos essenciais da ferramenta japonesa, entretanto, as percepções analisadas com relação à ferramenta indicaram o reconhecimento do valor que a Lesson Study pode agregar à criação de um senso de comunidade em torno do ensino, ao trabalho docente e à construção de uma identidade profissional no decorrer do curso de licenciatura. Concluiu-se que as dificuldades enfrentadas pelos licenciandos no desenvolvimento dos ciclos da Lesson Study não os impediram de vivenciar uma experiência significativa de aprendizagem profissional, havendo a manifestação e o reconhecimento de conceitos mundialmente preconizados por estudiosos da formação inicial de professores, o que indica que professores em formação inicial têm muito a aprender com o movimento de reflexão e ação proporcionado pela Lesson Study.
18
  • KÁTIA LAIS SCHWADE DE JESUS OLIVEIRA
  • LESSON STUDY NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: UMA EXPERIÊNCIA COM LICENCIANDOS DE LETRAS-INGLÊS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ
  • Orientador : NILTON VARELA HITOTUZI
  • Data: 27/06/2018
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo aborda o uso da prática japonesa Lesson Study na formação inicial de professores. Ele está vinculado à linha Teacher Professional Development through Lesson Study do grupo de pesquisa Centro de Estudos em Linguística Aplicada e Educação de Professores de Inglês como Língua Estrangeira (Celepi) da Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa). A pesquisa teve como objetivo geral investigar o potencial de contribuição da Lesson Study para a aprendizagem profissional de um grupo de professores de Inglês em formação inicial quando vivenciada durante seu estágio supervisionado de regência. Para esse fim, buscou-se analisar se os elementos essenciais da Lesson Study estavam presentes nos ciclos da ferramenta desenvolvidos durante o estudo e compreender a percepção dos licenciandos acerca do uso da Lesson Study no curso de licenciatura como uma ferramenta para o seu aprendizado profissional. A base teórica do estudo foram a Lesson Study – que tem se tornado cada vez mais, nas palavras de Dudley (2015), o modelo de aprendizagem da profissão para os dias atuais – e os conceitos: a) Prática Reflexiva (SCHÖN, 1983, 2000; ZEICHNER, 2008; FREIRE, 1996; NÓVOA, 1992, 2001; PERRENOUD, 2002); b) Comunidades de Prática (WENGER, 1998); c) Conhecimento Pedagógico de Conteúdo (SHULMAN, 1986) e d) Capital profissional (FULLAN; HARGREAVES, 2012). A pesquisa, orientada por uma abordagem qualitativa (MINAYO, 2011), adotou como estratégia de investigação o estudo de caso (YIN, 2001), que ocorreu em duas etapas: estudo bibliográfico e pesquisa empírica. Os participantes da pesquisa foram quatro acadêmicos do curso de Letras-Inglês da Ufopa e a professora de inglês titular da turma pertencente a uma escola pública estadual do município de Santarém-PA, na qual os licenciandos intervieram por um período de cinco meses. Para a recolha dos dados, utilizou-se a observação participante, as notas de campo da pesquisadora principal, gravações em áudio e vídeo e a entrevista semiestruturada. Na análise dos dados, adotou-se a análise temática proposta por Guest, Macqueen e Namey (2011). Os resultados apontaram um contraste entre discurso e prática no que se refere às influências da Lesson Study no aprendizado dos licenciandos participantes da pesquisa. Observou-se dificuldades na vivência dos aspectos essenciais da ferramenta japonesa, entretanto, as percepções analisadas com relação à ferramenta indicaram o reconhecimento do valor que a Lesson Study pode agregar à criação de um senso de comunidade em torno do ensino, ao trabalho docente e à construção de uma identidade profissional no decorrer do curso de licenciatura. Concluiu-se que as dificuldades enfrentadas pelos licenciandos no desenvolvimento dos ciclos da Lesson Study não os impediram de vivenciar uma experiência significativa de aprendizagem profissional, havendo a manifestação e o reconhecimento de conceitos mundialmente preconizados por estudiosos da formação inicial de professores, o que indica que professores em formação inicial têm muito a aprender com o movimento de reflexão e ação proporcionado pela Lesson Study.
19
  • ADRIANE PANDURO GAMA
  • Vivências Colaborativas Interdisciplinares na Formação Inicial de Professores na Ufopa: Da Cultura Maker a Fazedores Amazônicos Sustentáveis
  • Orientador : TANIA SUELY AZEVEDO BRASILEIRO
  • Data: 28/06/2018
  • Mostrar Resumo
  • Dentro de um contexto amazônico, apesar de uma região rica em biodiversidade, grande parte dos espaços educacionais encontram-se em condições precárias de ensino e com pouco acesso às políticas públicas. Ademais, é observado na sala de aula alunos desmotivados, técnicas de ensino ultrapassadas, limitada relação do conteúdo com a realidade e, de outro lado, professores que vivenciam futuros formações despreparadas para o enfrentamento de novos desafios contemporâneos. Diante dessa problemática educacional, o presente estudo buscou investigar as contribuições das práticas da cultura maker, influenciadas pelos princípios da cultura hacker, subsidiadas pelo compartilhamento de conhecimento, liberdade de expressão e responsabilidade socioambiental, na formação inicial de professores do Instituto de Ciências da Educação (ICED) da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA), por meio de intervenções colaborativas desde a aula universitária a espaços das escolas municipais de Santarém. Teve a finalidade de corroborar com o papel de educadores enquanto sujeitos cidadãos críticos, reflexivos e participativos, tanto no processo de construção de conhecimentos quanto em suas vivências e identidade sociocultural. Esta pesquisa de abordagem qualitativa, do tipo pesquisa-ação colaborativa, dialoga teoricamente com Papert (2008), Freire (1996), Capra (2000), Blikstein (2002), Pretto (2008), Veiga (2008), Morin (2001) dentre outros. Os sujeitos participantes intitulados fazedores amazônicos foram discentes das licenciaturas do ICED em dois módulos da Formação Interdisciplinar I: Interação na Base Real (IBR) e Seminários Integradores I (SINT I), no período de estágio de docência da pesquisadora (bolsista DS/CAPES), sob a supervisão de sua orientadora, responsável pelos módulos durante a pesquisa. Para delimitar a amostra do estudo fez-se o recorte com 120 discentes das turmas 2014, 2016 e 2017 da Licenciatura em Informática Educacional (LIE) e de discentes de outras licenciaturas matriculados nesses módulos nos semestres 2016.1 e 2017.1. A pesquisa foi bibliográfica, documental e adotou processos de intervenção com bases empíricas. Adotou-se como técnicas de coleta de dados o uso de diário de campo e a gravação de vídeos e registros fotográficos pela pesquisadora, bem como depoimentos e outros recursos digitais produzidos pelos participantes. Foi também aplicado um questionário online, elaborado no google forms com todos os participantes desta experiência e os resultados foram analisados, conjuntamente com o material coletado no estudo empírico, pela técnica de Análise de Conteúdo (BARDIN, 2011). No decorrer da formação, nas aulas interativas às intervenções dos projetos comunitários pelos discentes, concluídas nas duas primeiras fases da pesquisa, já trouxeram reflexões acerca desse rearranjo metodológico de aprendizagem colaborativa que não somente impacta, reanima e transforma educandos e educadores nesse processo educativo, como inspira docentes em meio a tantas dificuldades educacionais, desafiados a reconstruir novas possibilidades de ensinar e aprender, que levam a transformações sociais e ambientais locais. A cultura maker delineada pela ideia de aprendizagem colaborativa começa a ganhar evidência no cenário da educação, podendo envolver, de forma engajadora e disruptiva, educadores em redes de formação com práticas docentes que integrem atividades socioeducativas com a apropriação crítica de tecnologias, percepção socioambiental, criatividade e sustentabilidade na região amazônica.
20
  • ADRIANE PANDURO GAMA
  • Vivências Colaborativas Interdisciplinares na Formação Inicial de Professores na Ufopa: Da Cultura Maker a Fazedores Amazônicos Sustentáveis
  • Orientador : TANIA SUELY AZEVEDO BRASILEIRO
  • Data: 28/06/2018
  • Mostrar Resumo
  • Dentro de um contexto amazônico, apesar de uma região rica em biodiversidade, grande parte dos espaços educacionais encontram-se em condições precárias de ensino e com pouco acesso às políticas públicas. Ademais, é observado na sala de aula alunos desmotivados, técnicas de ensino ultrapassadas, limitada relação do conteúdo com a realidade e, de outro lado, professores que vivenciam futuros formações despreparadas para o enfrentamento de novos desafios contemporâneos. Diante dessa problemática educacional, o presente estudo buscou investigar as contribuições das práticas da cultura maker, influenciadas pelos princípios da cultura hacker, subsidiadas pelo compartilhamento de conhecimento, liberdade de expressão e responsabilidade socioambiental, na formação inicial de professores do Instituto de Ciências da Educação (ICED) da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA), por meio de intervenções colaborativas desde a aula universitária a espaços das escolas municipais de Santarém. Teve a finalidade de corroborar com o papel de educadores enquanto sujeitos cidadãos críticos, reflexivos e participativos, tanto no processo de construção de conhecimentos quanto em suas vivências e identidade sociocultural. Esta pesquisa de abordagem qualitativa, do tipo pesquisa-ação colaborativa, dialoga teoricamente com Papert (2008), Freire (1996), Capra (2000), Blikstein (2002), Pretto (2008), Veiga (2008), Morin (2001) dentre outros. Os sujeitos participantes intitulados fazedores amazônicos foram discentes das licenciaturas do ICED em dois módulos da Formação Interdisciplinar I: Interação na Base Real (IBR) e Seminários Integradores I (SINT I), no período de estágio de docência da pesquisadora (bolsista DS/CAPES), sob a supervisão de sua orientadora, responsável pelos módulos durante a pesquisa. Para delimitar a amostra do estudo fez-se o recorte com 120 discentes das turmas 2014, 2016 e 2017 da Licenciatura em Informática Educacional (LIE) e de discentes de outras licenciaturas matriculados nesses módulos nos semestres 2016.1 e 2017.1. A pesquisa foi bibliográfica, documental e adotou processos de intervenção com bases empíricas. Adotou-se como técnicas de coleta de dados o uso de diário de campo e a gravação de vídeos e registros fotográficos pela pesquisadora, bem como depoimentos e outros recursos digitais produzidos pelos participantes. Foi também aplicado um questionário online, elaborado no google forms com todos os participantes desta experiência e os resultados foram analisados, conjuntamente com o material coletado no estudo empírico, pela técnica de Análise de Conteúdo (BARDIN, 2011). No decorrer da formação, nas aulas interativas às intervenções dos projetos comunitários pelos discentes, concluídas nas duas primeiras fases da pesquisa, já trouxeram reflexões acerca desse rearranjo metodológico de aprendizagem colaborativa que não somente impacta, reanima e transforma educandos e educadores nesse processo educativo, como inspira docentes em meio a tantas dificuldades educacionais, desafiados a reconstruir novas possibilidades de ensinar e aprender, que levam a transformações sociais e ambientais locais. A cultura maker delineada pela ideia de aprendizagem colaborativa começa a ganhar evidência no cenário da educação, podendo envolver, de forma engajadora e disruptiva, educadores em redes de formação com práticas docentes que integrem atividades socioeducativas com a apropriação crítica de tecnologias, percepção socioambiental, criatividade e sustentabilidade na região amazônica.
21
  • FRANCIANE AGUIAR SANTANA
  • CONHECIMENTO DE DOCENTES SOBRE TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TIC) NO ENSINO SUPERIOR DE ENFERMAGEM EM SANTARÉM-PARÁ
  • Orientador : IRANI LAUER LELLIS
  • Data: 27/08/2018
  • Mostrar Resumo
  • As Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) se destacam como importantes características da sociedade contemporânea e propiciam transformações, que são atualmente alvo de distintos campos de investigação. Assim o objetivo geral deste estudo foi compreender os saberes e práticas dos docentes sobre as Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) do curso de enfermagem em Instituições públicas e privadas de Santarém-Pará. Trata-se de uma pesquisa de campo com abordagem qualitativa e descritiva, realizada em três Instituições de ensino superior de Santarém, através da entrevista semiestruturada com 29 docentes do curso de enfermagem. Para a análise dos dados utilizou-se a Análise de conteúdo de Bardin com ênfase na análise temática. Os resultados mostraram para os docentes entrevistados, o uso das TIC como recursos educacionais colaboraram para o processo de inovação, uma vez que, as tecnologias funcionam como meios que vieram para facilitar a vida do homem, contribuir para o processo ensino aprendizagem, facilitando a aproximação da teoria e a prática, ajudando a estimular a criatividade dos alunos, favorecendo o surgimento de projetos e avanços no ensino e na pesquisa. Para os docentes em questão, entre os novos papéis do professor do ensino superior frente as TIC, estão: o de facilitador e de mediador no processo ensino aprendizagem, agregando o uso destas tecnologias ao seu favor, além de atuarem como líderes na projeção digital no ambiente educacional. Sobre as principais tecnologias utilizadas por docentes nesta pesquisa, estão: datashow, celular, televisão, computador, internet, bibliotecas virtuais, internet e WhatsApp. Conclui-se que apesar dos docentes reconhecerem a importância do seu papel do uso das TIC e até atuarem através destas, fazem-se necessários mais estudos sobre o uso das mesmas no ensino da saúde, além de programas e ações que favoreçam e potencializem o uso destas tecnologias, especialmente no curso de graduação em enfermagem, alvo desta pesquisa. Percebendo assim, que há uma carência e demanda destes estudos e ações principalmente em relação a instituições da região norte do País, como as citadas nesta pesquisa.
22
  • FRANCIANE AGUIAR SANTANA
  • CONHECIMENTO DE DOCENTES SOBRE TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TIC) NO ENSINO SUPERIOR DE ENFERMAGEM EM SANTARÉM-PARÁ
  • Orientador : IRANI LAUER LELLIS
  • Data: 27/08/2018
  • Mostrar Resumo
  • As Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) se destacam como importantes características da sociedade contemporânea e propiciam transformações, que são atualmente alvo de distintos campos de investigação. Assim o objetivo geral deste estudo foi compreender os saberes e práticas dos docentes sobre as Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) do curso de enfermagem em Instituições públicas e privadas de Santarém-Pará. Trata-se de uma pesquisa de campo com abordagem qualitativa e descritiva, realizada em três Instituições de ensino superior de Santarém, através da entrevista semiestruturada com 29 docentes do curso de enfermagem. Para a análise dos dados utilizou-se a Análise de conteúdo de Bardin com ênfase na análise temática. Os resultados mostraram para os docentes entrevistados, o uso das TIC como recursos educacionais colaboraram para o processo de inovação, uma vez que, as tecnologias funcionam como meios que vieram para facilitar a vida do homem, contribuir para o processo ensino aprendizagem, facilitando a aproximação da teoria e a prática, ajudando a estimular a criatividade dos alunos, favorecendo o surgimento de projetos e avanços no ensino e na pesquisa. Para os docentes em questão, entre os novos papéis do professor do ensino superior frente as TIC, estão: o de facilitador e de mediador no processo ensino aprendizagem, agregando o uso destas tecnologias ao seu favor, além de atuarem como líderes na projeção digital no ambiente educacional. Sobre as principais tecnologias utilizadas por docentes nesta pesquisa, estão: datashow, celular, televisão, computador, internet, bibliotecas virtuais, internet e WhatsApp. Conclui-se que apesar dos docentes reconhecerem a importância do seu papel do uso das TIC e até atuarem através destas, fazem-se necessários mais estudos sobre o uso das mesmas no ensino da saúde, além de programas e ações que favoreçam e potencializem o uso destas tecnologias, especialmente no curso de graduação em enfermagem, alvo desta pesquisa. Percebendo assim, que há uma carência e demanda destes estudos e ações principalmente em relação a instituições da região norte do País, como as citadas nesta pesquisa.
23
  • MARIA APARECIDA DOS SANTOS PEREIRA
  • Educação Integral em Tempo Integral na Escola do Campo em Santarém-Pará: o caso da escola Irmã Dorothy Mae Stang

  • Orientador : MARIA DE FATIMA MATOS DE SOUZA
  • Data: 27/08/2018
  • Mostrar Resumo
  • A política de educação integral em tempo integral sempre encontrou sérios problemas para ser efetivada no Brasil. O desafio é ainda maior quando envolve projetos e programas que visam ao atendimento das populações do Campo. Neste sentido, essa pesquisa tem por objetivo geral: analisar a Concepção de Educação Integral vivenciada na escola do campo Irmã Dorothy Mae Stang. E os objetivos específicos traçados são: identificar a concepção de educação integral/tempo presente no Projeto Político Pedagógico da Escola do Campo Irmã Dorothy Mae Stang; verificar a concepção de educação integral/tempo integral presente nas práticas pedagógicas da escola do campo Irmã Dorothy; revelar a concepção da comunidade escolar sobre a educação integral oferecida na escola Irmã Dorothy Mae Stang. O local da pesquisa é a escola Municipal de ensino Fundamental Irmã Dorothy Mae Stang, localizada na Região do Eixo Forte, município de Santarém. Quanto aos sujeitos da pesquisa estão sendo entrevistadas 12 pessoas (gestora, professores, alunos e pais de alunos). O trabalho está baseado em uma abordagem qualitativa, com fundamentação, bibliográfica, documental e pesquisa de campo. Para análise do conteúdo, usaremos a técnica indicada por Bardin (2011). O estudo traz referências em: Aranha (2006), Caldart (2009), Cavaliere (2010), Coelho (2003, 2009), Gadotti (2006, 2009), Ghiraldelli (2009), Moll (2008, 2013) e documentos sobre políticas educacionais em educação integral.

24
  • MARIA APARECIDA DOS SANTOS PEREIRA
  • Educação Integral em Tempo Integral na Escola do Campo em Santarém-Pará: o caso da escola Irmã Dorothy Mae Stang

  • Orientador : MARIA DE FATIMA MATOS DE SOUZA
  • Data: 27/08/2018
  • Mostrar Resumo
  • A política de educação integral em tempo integral sempre encontrou sérios problemas para ser efetivada no Brasil. O desafio é ainda maior quando envolve projetos e programas que visam ao atendimento das populações do Campo. Neste sentido, essa pesquisa tem por objetivo geral: analisar a Concepção de Educação Integral vivenciada na escola do campo Irmã Dorothy Mae Stang. E os objetivos específicos traçados são: identificar a concepção de educação integral/tempo presente no Projeto Político Pedagógico da Escola do Campo Irmã Dorothy Mae Stang; verificar a concepção de educação integral/tempo integral presente nas práticas pedagógicas da escola do campo Irmã Dorothy; revelar a concepção da comunidade escolar sobre a educação integral oferecida na escola Irmã Dorothy Mae Stang. O local da pesquisa é a escola Municipal de ensino Fundamental Irmã Dorothy Mae Stang, localizada na Região do Eixo Forte, município de Santarém. Quanto aos sujeitos da pesquisa estão sendo entrevistadas 12 pessoas (gestora, professores, alunos e pais de alunos). O trabalho está baseado em uma abordagem qualitativa, com fundamentação, bibliográfica, documental e pesquisa de campo. Para análise do conteúdo, usaremos a técnica indicada por Bardin (2011). O estudo traz referências em: Aranha (2006), Caldart (2009), Cavaliere (2010), Coelho (2003, 2009), Gadotti (2006, 2009), Ghiraldelli (2009), Moll (2008, 2013) e documentos sobre políticas educacionais em educação integral.

25
  • CAROLINA WHITAKER PESCARIA
  • A EDUCAÇÃO ESCOLAR E A SOCIEDADE EM ITAITUBA-PA NO PROCESSO DE EXPANSÃO DA ECONOMIA EXTRATIVISTA MINERAL

  • Orientador : ANSELMO ALENCAR COLARES
  • Data: 30/08/2018
  • Mostrar Resumo
  • Discute-se enquanto objeto de pesquisa, a educação escolar no município de Itaituba-Pa, problematizada a partir da relação desta com o contexto socioeconômico gerado pela atividade extrativista do ouro. Inicialmente apresenta-se a construção histórica da sociedade do município nos períodos da borracha e do ouro. O território onde hoje está localizado o município de Itaituba era ocupado essencialmente por povos indígenas - Mundurukú e Maués -,sofrendo a colonização pelos europeus, principalmente portugueses. Conforme as relações de trabalho passaram por mudanças ao longo da história, e o processo educacional - principalmente o institucionalizado - foi sofrendo modificações, buscando atender as novas exigências organizacionais. Itaituba foi sendo construída a partir de ações que não priorizaram o desenvolvimento social, como em outras regiões onde a exploração extrativista predomina na economia. O estudo apresenta um quadro geral da educação do período de 1970 até 1995, com base nos dados disponíveis, evidenciando os quantitativos de unidades escolares, alunos matriculados e professores atuantes na rede de ensino. A metodologia consistiu em um estudo histórico buscando compreender a relação sociedade e educação a partir das mudanças na base econômica, porém, dando maior atenção aos aspectos locais da percepção de alguns sujeitos sobre a trajetória evolutiva escolar de Itaituba. A questão que norteia essa pesquisa questiona de que forma ocorreu o desenvolvimento da educação durante o período econômico extrativista mineral no município de Itaituba-Pa. Foram realizadas, também, entrevistas com roteiro semi-estruturado com professores atuantes na cidade, com o objetivo de elencar informações sobre a história da educação local, buscando como objetivo principal identificar se a Educação Escolar reflete ou não as nuances da exploração do trabalho pelo capital. Evidenciamos o processo extrativista aurífero – consequentemente sua evolução -, onde o garimpeiro constitui a mão de obra explorada pelo capital sem ter essa percepção, e, da ilusão do enriquecimento rápido inicial vai ficando mais tempo constituindo família ou ajudando a formar um povoado que demanda educação escolar, mas não estão postas as condições objetivas para o atendimento. E, quando são implantadas, as escolas passam a fazer parte da engrenagem que alimenta o sistema econômico. Desta forma, o estudo confirma o entendimento de que a escola nos moldes burguês legitima os interesses da classe dominante, passando a existir a internalização desses valores e não uma consciência crítica da exploração do trabalho pelo capital

26
  • CAROLINA WHITAKER PESCARIA
  • A EDUCAÇÃO ESCOLAR E A SOCIEDADE EM ITAITUBA-PA NO PROCESSO DE EXPANSÃO DA ECONOMIA EXTRATIVISTA MINERAL

  • Orientador : ANSELMO ALENCAR COLARES
  • Data: 30/08/2018
  • Mostrar Resumo
  • Discute-se enquanto objeto de pesquisa, a educação escolar no município de Itaituba-Pa, problematizada a partir da relação desta com o contexto socioeconômico gerado pela atividade extrativista do ouro. Inicialmente apresenta-se a construção histórica da sociedade do município nos períodos da borracha e do ouro. O território onde hoje está localizado o município de Itaituba era ocupado essencialmente por povos indígenas - Mundurukú e Maués -,sofrendo a colonização pelos europeus, principalmente portugueses. Conforme as relações de trabalho passaram por mudanças ao longo da história, e o processo educacional - principalmente o institucionalizado - foi sofrendo modificações, buscando atender as novas exigências organizacionais. Itaituba foi sendo construída a partir de ações que não priorizaram o desenvolvimento social, como em outras regiões onde a exploração extrativista predomina na economia. O estudo apresenta um quadro geral da educação do período de 1970 até 1995, com base nos dados disponíveis, evidenciando os quantitativos de unidades escolares, alunos matriculados e professores atuantes na rede de ensino. A metodologia consistiu em um estudo histórico buscando compreender a relação sociedade e educação a partir das mudanças na base econômica, porém, dando maior atenção aos aspectos locais da percepção de alguns sujeitos sobre a trajetória evolutiva escolar de Itaituba. A questão que norteia essa pesquisa questiona de que forma ocorreu o desenvolvimento da educação durante o período econômico extrativista mineral no município de Itaituba-Pa. Foram realizadas, também, entrevistas com roteiro semi-estruturado com professores atuantes na cidade, com o objetivo de elencar informações sobre a história da educação local, buscando como objetivo principal identificar se a Educação Escolar reflete ou não as nuances da exploração do trabalho pelo capital. Evidenciamos o processo extrativista aurífero – consequentemente sua evolução -, onde o garimpeiro constitui a mão de obra explorada pelo capital sem ter essa percepção, e, da ilusão do enriquecimento rápido inicial vai ficando mais tempo constituindo família ou ajudando a formar um povoado que demanda educação escolar, mas não estão postas as condições objetivas para o atendimento. E, quando são implantadas, as escolas passam a fazer parte da engrenagem que alimenta o sistema econômico. Desta forma, o estudo confirma o entendimento de que a escola nos moldes burguês legitima os interesses da classe dominante, passando a existir a internalização desses valores e não uma consciência crítica da exploração do trabalho pelo capital

27
  • MARCELLA GOMES ESTEVES
  • O PROBLEMA DA LINGUAGEM NO ENSINO DE GEOGRAFIA
  • Orientador : LUIZ PERCIVAL LEME BRITTO
  • Data: 04/09/2018
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação está dentro da grande área sobre linguagem e pensamento, no âmbito da aprendizagem escolar, e tem foco direcionado à concepção do conceito de linguagem pela área do ensino de Geografia no Brasil. A linguagem não é apenas acesso ao conhecimento, é conhecimento em si. O processo do pensamento depende da linguagem, assim como a linguagem depende do pensamento; são, pois, interdependentes. Pela palavra, pensamento e linguagem se unem, atribuindo ao conteúdo real substância para o processo do conhecer. Entretanto, a linguagem, por ser um conceito abordado por distintas área do conhecimento, é comumente compreendida não como estrutura do pensamento, mas como transmissão de informação; comunicação; expressão; regra estruturante de um processo; ou objeto semiótico. O ensino de Geografia passou por algumas mudanças, afastando-se do ensino mnemônico e enciclopédico para o ensino regionalista e crítico, e suas metodologias acompanharam essa transição, influenciadas pelas novas pedagogias. Alguns produtos da cultura são tomados pela área de ensino da geografia como recursos didáticos (como fotografias, charges, e música) e denominados de diferentes linguagens. Nosso objetivo foi o de verificar que concepção de linguagem tem a área de ensino da Geografia quando alude a este termo. Motivados pelo conceito de Discurso Fundador e Comentário de Michel Foucault, escolhemos como objeto empírico o conjunto de artigos produzidos pelos programas de pesquisa e pós-graduação em Geografia do Brasil, disponível em meio eletrônico. E inspirados no método indiciário de Carlo Guinzburg, realizamos a análise dos artigos para apreender sua concepção de linguagem e, posteriormente, analisamos os termos para investigar a aplicação de seu uso. Encontramos uma inflação de termos relacionados à linguagem (alfabetização, leitura, letramento e linguagens), o que demonstra grave fragilidade da área quanto ao uso conceitual. Muitos termos são utilizados no sentido metafórico de forma ingênua e com aproximação à área da linguística sem considerar suas distintas naturezas. A proliferação de termos e sua falta de fundamentação revelam não só uma concepção equivocada de linguagem como também uma concepção de escola com forte aproximação às pedagogias das competências, do ideal de aluno polivalente e do professor instrutor. É a concepção epistemológica que se tem de educação, aluno, professor e conhecimento que determinam os métodos didáticos. Quando apresenta diversos instrumentos e recursos didáticos como linguagem, a Geografia reproduz um problema conceitual, e não apenas uma questão de terminologia.
28
  • MARCELLA GOMES ESTEVES
  • O PROBLEMA DA LINGUAGEM NO ENSINO DE GEOGRAFIA
  • Orientador : LUIZ PERCIVAL LEME BRITTO
  • Data: 04/09/2018
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação está dentro da grande área sobre linguagem e pensamento, no âmbito da aprendizagem escolar, e tem foco direcionado à concepção do conceito de linguagem pela área do ensino de Geografia no Brasil. A linguagem não é apenas acesso ao conhecimento, é conhecimento em si. O processo do pensamento depende da linguagem, assim como a linguagem depende do pensamento; são, pois, interdependentes. Pela palavra, pensamento e linguagem se unem, atribuindo ao conteúdo real substância para o processo do conhecer. Entretanto, a linguagem, por ser um conceito abordado por distintas área do conhecimento, é comumente compreendida não como estrutura do pensamento, mas como transmissão de informação; comunicação; expressão; regra estruturante de um processo; ou objeto semiótico. O ensino de Geografia passou por algumas mudanças, afastando-se do ensino mnemônico e enciclopédico para o ensino regionalista e crítico, e suas metodologias acompanharam essa transição, influenciadas pelas novas pedagogias. Alguns produtos da cultura são tomados pela área de ensino da geografia como recursos didáticos (como fotografias, charges, e música) e denominados de diferentes linguagens. Nosso objetivo foi o de verificar que concepção de linguagem tem a área de ensino da Geografia quando alude a este termo. Motivados pelo conceito de Discurso Fundador e Comentário de Michel Foucault, escolhemos como objeto empírico o conjunto de artigos produzidos pelos programas de pesquisa e pós-graduação em Geografia do Brasil, disponível em meio eletrônico. E inspirados no método indiciário de Carlo Guinzburg, realizamos a análise dos artigos para apreender sua concepção de linguagem e, posteriormente, analisamos os termos para investigar a aplicação de seu uso. Encontramos uma inflação de termos relacionados à linguagem (alfabetização, leitura, letramento e linguagens), o que demonstra grave fragilidade da área quanto ao uso conceitual. Muitos termos são utilizados no sentido metafórico de forma ingênua e com aproximação à área da linguística sem considerar suas distintas naturezas. A proliferação de termos e sua falta de fundamentação revelam não só uma concepção equivocada de linguagem como também uma concepção de escola com forte aproximação às pedagogias das competências, do ideal de aluno polivalente e do professor instrutor. É a concepção epistemológica que se tem de educação, aluno, professor e conhecimento que determinam os métodos didáticos. Quando apresenta diversos instrumentos e recursos didáticos como linguagem, a Geografia reproduz um problema conceitual, e não apenas uma questão de terminologia.
29
  • PATRÍCIA MASCARENHAS DOS SANTOS
  • O professor iniciante na profissão docente na escola do campo na Amazônia

  • Orientador : SOLANGE HELENA XIMENES ROCHA
  • Data: 04/09/2018
  • Mostrar Resumo
  • A escolha pela docência ao entrar no curso de formação de professores não significa necessariamente a permanência na carreira do magistério. Quem ingressa na profissão passa a vivenciar fases, que para uns são mais fáceis, enquanto para outros, momento de descontinuidade. A primeira fase de ingresso na profissão é denominada de entrada na carreira, onde muitos jovens passam pelo “Choque da realidade” (HUBERMAN, 2000), momento em que ocorre o confronto do que aprendeu na instituição formadora com a realidade vivida em sala de aula, etapa denominada de sobrevivência e descoberta na profissão, que pode tanto motivar o professor iniciante em permanecer na profissão, quanto levá-lo a desistir da carreira. Em países como Espanha e Portugal existem diferentes estudos que analisam esta etapa de ingresso na profissão docente: a influência da formação inicial, do contexto escolar, das características pessoais, dos programas de apoio aos iniciantes na profissão etc. No Brasil, são identificados poucos estudos ainda nessa linha de pesquisa, sendo comprovado, por meio deles, que os jovens professores enfrentam diferentes dificuldades nesta fase, tais como: falta de adaptação no ambiente escolar, elevada quantidade de alunos em sala de aula, piores horários e turmas na escola, dificuldade para organizar o tempo escolar com o tempo para trabalhar o conteúdo, entre outros. Quando analisado o ingresso do professor iniciante em escolas localizadas na área rural e sem nenhuma experiência na docência a ausência de estudo é maior. Nesse viés, este estudo tem como objetivo: analisar o ingresso do professor iniciante na prática docente na escola do campo no município de Santarém-PA, amparada na pesquisa qualitativa, no estudo bibliográfico e de campo, tendo como lócus de pesquisa a Escola Municipal de Educação Infantil e Ensino Fundamental Antônio da Silva Barbosa, localizada na Comunidade Agrícola Serra Grande Vila Nova, região do Eixo Forte do Município de Santarém. Utilizamos a entrevista semiestruturada, a observação não participante e a análise de conteúdo tanto para acesso aos dados da pesquisa quanto para a análise. A amostra de campo está definida com: 2 professores iniciantes na profissão docente, 1 gestor escolar e 1 coordenador de assessoria das escolas rurais - Planalto (SEMED). Os resultados demonstraram que os professores iniciantes sem experiência na docência e que ingressaram na escola do campo no Município de Santarém, não identificaram a escola do campo como espaço de atuação profissional no curso de licenciatura, devido ausência de discussão e prática pedagógica desse cenário no ambiente acadêmico. Destacam o programa PIBID como relevante na etapa formativa, por permitir um contato maior com a escola, facilitado pela possibilidade de continuarem além de um ano nas atividades do projeto. A escola facilita o seu desenvolvimento profissional quando promove espaço de diálogo, de ajuda mútua entre os profissionais, ao atender suas demandas profissionais. Se percebem aprendizes na profissão, vendo na prática pedagógica oportunidade para o desenvolvimento profissional. Apesar das dificuldades nesse primeiro ano de atuação profissional, não pensam em desistir da docência, no entanto, visam continuar na profissão atuando no magistério superior.

30
  • PATRÍCIA MASCARENHAS DOS SANTOS
  • O professor iniciante na profissão docente na escola do campo na Amazônia

  • Orientador : SOLANGE HELENA XIMENES ROCHA
  • Data: 04/09/2018
  • Mostrar Resumo
  • A escolha pela docência ao entrar no curso de formação de professores não significa necessariamente a permanência na carreira do magistério. Quem ingressa na profissão passa a vivenciar fases, que para uns são mais fáceis, enquanto para outros, momento de descontinuidade. A primeira fase de ingresso na profissão é denominada de entrada na carreira, onde muitos jovens passam pelo “Choque da realidade” (HUBERMAN, 2000), momento em que ocorre o confronto do que aprendeu na instituição formadora com a realidade vivida em sala de aula, etapa denominada de sobrevivência e descoberta na profissão, que pode tanto motivar o professor iniciante em permanecer na profissão, quanto levá-lo a desistir da carreira. Em países como Espanha e Portugal existem diferentes estudos que analisam esta etapa de ingresso na profissão docente: a influência da formação inicial, do contexto escolar, das características pessoais, dos programas de apoio aos iniciantes na profissão etc. No Brasil, são identificados poucos estudos ainda nessa linha de pesquisa, sendo comprovado, por meio deles, que os jovens professores enfrentam diferentes dificuldades nesta fase, tais como: falta de adaptação no ambiente escolar, elevada quantidade de alunos em sala de aula, piores horários e turmas na escola, dificuldade para organizar o tempo escolar com o tempo para trabalhar o conteúdo, entre outros. Quando analisado o ingresso do professor iniciante em escolas localizadas na área rural e sem nenhuma experiência na docência a ausência de estudo é maior. Nesse viés, este estudo tem como objetivo: analisar o ingresso do professor iniciante na prática docente na escola do campo no município de Santarém-PA, amparada na pesquisa qualitativa, no estudo bibliográfico e de campo, tendo como lócus de pesquisa a Escola Municipal de Educação Infantil e Ensino Fundamental Antônio da Silva Barbosa, localizada na Comunidade Agrícola Serra Grande Vila Nova, região do Eixo Forte do Município de Santarém. Utilizamos a entrevista semiestruturada, a observação não participante e a análise de conteúdo tanto para acesso aos dados da pesquisa quanto para a análise. A amostra de campo está definida com: 2 professores iniciantes na profissão docente, 1 gestor escolar e 1 coordenador de assessoria das escolas rurais - Planalto (SEMED). Os resultados demonstraram que os professores iniciantes sem experiência na docência e que ingressaram na escola do campo no Município de Santarém, não identificaram a escola do campo como espaço de atuação profissional no curso de licenciatura, devido ausência de discussão e prática pedagógica desse cenário no ambiente acadêmico. Destacam o programa PIBID como relevante na etapa formativa, por permitir um contato maior com a escola, facilitado pela possibilidade de continuarem além de um ano nas atividades do projeto. A escola facilita o seu desenvolvimento profissional quando promove espaço de diálogo, de ajuda mútua entre os profissionais, ao atender suas demandas profissionais. Se percebem aprendizes na profissão, vendo na prática pedagógica oportunidade para o desenvolvimento profissional. Apesar das dificuldades nesse primeiro ano de atuação profissional, não pensam em desistir da docência, no entanto, visam continuar na profissão atuando no magistério superior.

31
  • GÉSSICA DE AGUIAR LIMA
  • A BRINCADEIRA DE FAZ-DE-CONTA DE PAPÉIS SOCIAIS E A CONSTITUIÇÃO DA PERSONALIDADE DAS CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA
  • Orientador : SINARA ALMEIDA DA COSTA
  • Data: 05/09/2018
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho teve como objetivo compreender de que forma a brincadeira de faz-de- conta de papéis sociais contribui no desenvolvimento da personalidade das crianças. Para isso, especi-ficamente, buscou-se caracterizar o contexto cultural (escolar e familiar) das crianças selecio-nadas para participar da pesquisa; verificar a prática pedagógica da professora com relação às brincadeiras de faz-de-conta de papéis sociais desenvolvidas pelas crianças; compreender de que forma as crianças ressignificam situações sociais vivenciadas por elas através da brinca-deira de faz-de-conta e identificar as funções psíquicas superiores envolvidas nas brincadeiras de faz-de-conta de papéis sociais desenvolvidas pelas crianças da turma. Os pressupostos teó-rico- metodológicos embasam-se nos estudos de Vigotski, Elkonin e Leontiev. Para que o de- senvolvimento infantil ocorra, as condições do meio são essenciais e incluem a interação das crianças com os adultos mais próximos, a interação com os objetos, chegando à brincadeira de faz-de-conta de papéis sociais, típicas das idades de quatro e cinco anos. A brincadeira de faz-de-conta de papéis sociais, enquanto atividade guia propulsora do desenvolvimento infantil na pré-escola, permite a compreensão e reflexão sobre o cotidiano e se constitui como atividade essencial na formação das funções psíquicas superiores, dentre elas a imaginação, a função simbólica da consciência e controle da vontade. A educação infantil é, potencialmente, um dos contextos privilegiados para o desenvolvimento das crianças em busca da dimensão hu-mana historicamente estabelecida, uma vez que pode possibilitar o acesso aos bens culturais por meio das interações estabelecidas com as pessoas e objetos de forma intencional, planeja-da e organizada. A pesquisa se caracteriza como estudo experimental realizado em uma Uni-dade Municipal de Educação Infantil (UMEI) do município de Santarém, PA. Para a produção dos dados, foram realizadas observações da rotina das crianças de uma turma pré-escolar e aplicação de questionários com seus pais/responsáveis. Tendo em vista a constatação, no pe-ríodo exploratório da pesquisa, de que a brincadeira não ocupava um lugar de destaque na rotina, foi realizada intervenção junto a uma professora, com foco em estudos formativos so-bre a brincadeira de faz-de-conta de papéis sociais, com o objetivo de fomentar o planejamen-to, o enriquecimento e a problematização dessa atividade. Os dados das observações sobre o brincar foram registrados em diário de campo, fotografias e vídeos. A análise do material fun- damentou-se em princípios do método genético-experimental/análise microgenética. Os resul-tados revelam que a brincadeira de faz-de-conta de papéis sociais possibilita efeitos educati-vos que exercem influência sobre o desenvolvimento da personalidade das crianças que, ao brincarem, representam as regras, conteúdos e temas advindos das relações sociais. As crian-ças representaram, no faz-de-conta, papéis sociais de argumento doméstico, do trabalho, da particularidade regional e da literatura; papéis da fauna e de conteúdo animalesco, conceben-do, respectivamente, as relações das crianças com os animais e as vivências fantásticas da criação humana. Também foram identificados processos psicológicos em níveis reais e imi-nentes de desenvolvimento nas crianças, como a imaginação, o controle da vontade, a fala, a função simbólica da consciência, a escrita e o cálculo. O estudo criou possibilidades para que o faz-de-conta se desenvolvesse ao terceiro nível da brincadeira de papéis. Foram identifica-das, na brincadeira, em situações imaginárias e reais, representações de relações sociais que envolvem trabalho coletivo, partilha, autoafirmação, conformismo, violência, preconceito e medo. Como subproduto da pesquisa, a formação continuada possibilitou transformações na prática educativa da professora, que passou a compreender melhor, entre outros aspectos da prática docente, seu papel diante da atividade guia do desenvolvimento infantil.
32
  • GÉSSICA DE AGUIAR LIMA
  • A BRINCADEIRA DE FAZ-DE-CONTA DE PAPÉIS SOCIAIS E A CONSTITUIÇÃO DA PERSONALIDADE DAS CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA
  • Orientador : SINARA ALMEIDA DA COSTA
  • Data: 05/09/2018
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho teve como objetivo compreender de que forma a brincadeira de faz-de- conta de papéis sociais contribui no desenvolvimento da personalidade das crianças. Para isso, especi-ficamente, buscou-se caracterizar o contexto cultural (escolar e familiar) das crianças selecio-nadas para participar da pesquisa; verificar a prática pedagógica da professora com relação às brincadeiras de faz-de-conta de papéis sociais desenvolvidas pelas crianças; compreender de que forma as crianças ressignificam situações sociais vivenciadas por elas através da brinca-deira de faz-de-conta e identificar as funções psíquicas superiores envolvidas nas brincadeiras de faz-de-conta de papéis sociais desenvolvidas pelas crianças da turma. Os pressupostos teó-rico- metodológicos embasam-se nos estudos de Vigotski, Elkonin e Leontiev. Para que o de- senvolvimento infantil ocorra, as condições do meio são essenciais e incluem a interação das crianças com os adultos mais próximos, a interação com os objetos, chegando à brincadeira de faz-de-conta de papéis sociais, típicas das idades de quatro e cinco anos. A brincadeira de faz-de-conta de papéis sociais, enquanto atividade guia propulsora do desenvolvimento infantil na pré-escola, permite a compreensão e reflexão sobre o cotidiano e se constitui como atividade essencial na formação das funções psíquicas superiores, dentre elas a imaginação, a função simbólica da consciência e controle da vontade. A educação infantil é, potencialmente, um dos contextos privilegiados para o desenvolvimento das crianças em busca da dimensão hu-mana historicamente estabelecida, uma vez que pode possibilitar o acesso aos bens culturais por meio das interações estabelecidas com as pessoas e objetos de forma intencional, planeja-da e organizada. A pesquisa se caracteriza como estudo experimental realizado em uma Uni-dade Municipal de Educação Infantil (UMEI) do município de Santarém, PA. Para a produção dos dados, foram realizadas observações da rotina das crianças de uma turma pré-escolar e aplicação de questionários com seus pais/responsáveis. Tendo em vista a constatação, no pe-ríodo exploratório da pesquisa, de que a brincadeira não ocupava um lugar de destaque na rotina, foi realizada intervenção junto a uma professora, com foco em estudos formativos so-bre a brincadeira de faz-de-conta de papéis sociais, com o objetivo de fomentar o planejamen-to, o enriquecimento e a problematização dessa atividade. Os dados das observações sobre o brincar foram registrados em diário de campo, fotografias e vídeos. A análise do material fun- damentou-se em princípios do método genético-experimental/análise microgenética. Os resul-tados revelam que a brincadeira de faz-de-conta de papéis sociais possibilita efeitos educati-vos que exercem influência sobre o desenvolvimento da personalidade das crianças que, ao brincarem, representam as regras, conteúdos e temas advindos das relações sociais. As crian-ças representaram, no faz-de-conta, papéis sociais de argumento doméstico, do trabalho, da particularidade regional e da literatura; papéis da fauna e de conteúdo animalesco, conceben-do, respectivamente, as relações das crianças com os animais e as vivências fantásticas da criação humana. Também foram identificados processos psicológicos em níveis reais e imi-nentes de desenvolvimento nas crianças, como a imaginação, o controle da vontade, a fala, a função simbólica da consciência, a escrita e o cálculo. O estudo criou possibilidades para que o faz-de-conta se desenvolvesse ao terceiro nível da brincadeira de papéis. Foram identifica-das, na brincadeira, em situações imaginárias e reais, representações de relações sociais que envolvem trabalho coletivo, partilha, autoafirmação, conformismo, violência, preconceito e medo. Como subproduto da pesquisa, a formação continuada possibilitou transformações na prática educativa da professora, que passou a compreender melhor, entre outros aspectos da prática docente, seu papel diante da atividade guia do desenvolvimento infantil.
33
  • JUÇARA DOS SANTOS CARDOSO
  • BIBLIOTECAS ESCOLARES: UMA CARTOGRAFIA

  • Orientador : LUIZ PERCIVAL LEME BRITTO
  • Data: 06/09/2018
  • Mostrar Resumo
  • As concepções predominantes de biblioteca e formação escolar indicam que a integração des-ses espaços dentro das instituições e sua inclusão no processo educativo colaboram para o ensino-aprendizagem de saberes que transcendem o senso comum e se ancoram no senso crí-tico e questionador da cultura científica, com papel significativo na formação intelectual dos estudantes. Sob esta lógica, este trabalho tem como objetivo produzir a cartografia das biblio-tecas escolares da rede estadual de ensino do município de Santarém, de modo verificar como elas se inserem nesse discurso, analisando as possibilidades e dificuldades da sua contribuição na formação intelectual dos alunos. A metodologia utilizada inclui revisão bibliográfica e es-tudo conceitual sobre leitura, formação, formação omnilateral e biblioteca escolar e visita in locu, com levantamento de acervo, documentação iconográfica e conversa com o responsável pela biblioteca (fossem os que atuam diretamente nelas, fossem os que, na ausência daqueles, têm autoridade sobre elas). Os resultados apontam que de universo de 30 escolas, 25 dispõem de espaço destinado a funcionar como biblioteca, sendo que cinco apresentam boas condições de uso, doze razoáveis, sete apresentam condições precárias e uma não apresenta condições de uso. No que tange ao acervo, todas possuem acervos razoáveis e recebem livros do FNDE (livros didáticos, do professor, de literatura e dicionários). À exceção a quatro escolas, todas receberam acervos e mobiliário do projeto Alvorada em 2001. Quanto ao funcionamento, qua-torze têm profissionais lotados, em turnos diferentes e apenas duas escolas atende aos três turnos. No entanto, é possível observar que a dinâmica de funcionamento das bibliotecas pes-quisadas, na maioria dos casos, se restringe a atividades de empréstimo e devolução de livros. No decorre das visitas, foi possível notar, em algumas bibliotecas, a presença de alunos em busca de livros de literatura. A análise aponta que, embora haja relativa consciência da contri-buição desse espaço à formação intelectual dos alunos e tenha nas escolas espaço e acervos razoáveis para que a biblioteca funcione, a ausência de fiscalização, de valorização e de pro-fissionais têm resultado na perda de valor e funcionalidade desses espaços e, consequente-mente, ocasionado limitação no aprendizado do aluno.

34
  • JUÇARA DOS SANTOS CARDOSO
  • BIBLIOTECAS ESCOLARES: UMA CARTOGRAFIA

  • Orientador : LUIZ PERCIVAL LEME BRITTO
  • Data: 06/09/2018
  • Mostrar Resumo
  • As concepções predominantes de biblioteca e formação escolar indicam que a integração des-ses espaços dentro das instituições e sua inclusão no processo educativo colaboram para o ensino-aprendizagem de saberes que transcendem o senso comum e se ancoram no senso crí-tico e questionador da cultura científica, com papel significativo na formação intelectual dos estudantes. Sob esta lógica, este trabalho tem como objetivo produzir a cartografia das biblio-tecas escolares da rede estadual de ensino do município de Santarém, de modo verificar como elas se inserem nesse discurso, analisando as possibilidades e dificuldades da sua contribuição na formação intelectual dos alunos. A metodologia utilizada inclui revisão bibliográfica e es-tudo conceitual sobre leitura, formação, formação omnilateral e biblioteca escolar e visita in locu, com levantamento de acervo, documentação iconográfica e conversa com o responsável pela biblioteca (fossem os que atuam diretamente nelas, fossem os que, na ausência daqueles, têm autoridade sobre elas). Os resultados apontam que de universo de 30 escolas, 25 dispõem de espaço destinado a funcionar como biblioteca, sendo que cinco apresentam boas condições de uso, doze razoáveis, sete apresentam condições precárias e uma não apresenta condições de uso. No que tange ao acervo, todas possuem acervos razoáveis e recebem livros do FNDE (livros didáticos, do professor, de literatura e dicionários). À exceção a quatro escolas, todas receberam acervos e mobiliário do projeto Alvorada em 2001. Quanto ao funcionamento, qua-torze têm profissionais lotados, em turnos diferentes e apenas duas escolas atende aos três turnos. No entanto, é possível observar que a dinâmica de funcionamento das bibliotecas pes-quisadas, na maioria dos casos, se restringe a atividades de empréstimo e devolução de livros. No decorre das visitas, foi possível notar, em algumas bibliotecas, a presença de alunos em busca de livros de literatura. A análise aponta que, embora haja relativa consciência da contri-buição desse espaço à formação intelectual dos alunos e tenha nas escolas espaço e acervos razoáveis para que a biblioteca funcione, a ausência de fiscalização, de valorização e de pro-fissionais têm resultado na perda de valor e funcionalidade desses espaços e, consequente-mente, ocasionado limitação no aprendizado do aluno.

35
  • PATRÍCIA SÁ BATISTA COIMBRA
  • UM OLHAR REFLEXIVO SOBRE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DE DOCENTES DA MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA DE SANTARÉM.
  • Orientador : EDILAN DE SANT ANA QUARESMA
  • Data: 14/09/2018
  • Mostrar Resumo
  • Na Educação Básica, a ciência Matemática foi incorporada como componente curricular e tem sido considerada uma das disciplinas menos apreciadas pelos alunos, podendo ter como causas, a qualificação deficitária e a prática pedagógica utilizada por docentes em sala de aula. No contexto educacional, defende-se a ideia da existência de uma forte correlação conceitual entre a prática pedagógica e o aprendizado, sendo o professor o responsável por mediar o processo de construção do conhecimento por parte do aluno. O trabalho aqui apresentado objetivou refletir sobre a prática didático-pedagógica de docentes da Matemática na Educação Básica, por meio da percepção de alunos do ensino médio da rede pública de Santarém-Pa, utilizando como ferramenta a teoria da resposta ao item. Considerando ser a prática didático-pedagógica uma variável latente, não é possível mensurá-la diretamente, havendo a necessidade de utilizar ferramentas para tal. Propõe-se, assim, utilizar como ferramenta, a modelagem baseada na Teoria da Resposta ao Item (TRI), método surgido do campo da psicometria, proposta inicialmente por Lord (1952) e atualmente utilizada em processos avaliativos de larga escala, como o Sistema de Avaliação da Educação Básica, desde 1995, e o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) a partir de 2009. O trabalho foi realizado por meio do levantamento de dados junto a alunos da Educação Básica, da rede pública de Santarém, que avaliaram o desempenho pedagógico de seus professores de matemática. Foi utilizado o modelo de dois parâmetros, proposto pela TRI, que produziu instrumentos para a construção de uma escala de proficiências com interpretações pedagógicas, além de mensurar a qualidade das práticas didático-pedagógicas dos professores da matemática na Educação Básica, e relacioná-las com variáveis provenientes de características das escolas, de formação e atuação dos docentes, constatando-se a influência dessas variáveis na prática pedagógica dos profissionais da educação neste município.
36
  • PATRÍCIA SÁ BATISTA COIMBRA
  • UM OLHAR REFLEXIVO SOBRE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DE DOCENTES DA MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA DE SANTARÉM.
  • Orientador : EDILAN DE SANT ANA QUARESMA
  • Data: 14/09/2018
  • Mostrar Resumo
  • Na Educação Básica, a ciência Matemática foi incorporada como componente curricular e tem sido considerada uma das disciplinas menos apreciadas pelos alunos, podendo ter como causas, a qualificação deficitária e a prática pedagógica utilizada por docentes em sala de aula. No contexto educacional, defende-se a ideia da existência de uma forte correlação conceitual entre a prática pedagógica e o aprendizado, sendo o professor o responsável por mediar o processo de construção do conhecimento por parte do aluno. O trabalho aqui apresentado objetivou refletir sobre a prática didático-pedagógica de docentes da Matemática na Educação Básica, por meio da percepção de alunos do ensino médio da rede pública de Santarém-Pa, utilizando como ferramenta a teoria da resposta ao item. Considerando ser a prática didático-pedagógica uma variável latente, não é possível mensurá-la diretamente, havendo a necessidade de utilizar ferramentas para tal. Propõe-se, assim, utilizar como ferramenta, a modelagem baseada na Teoria da Resposta ao Item (TRI), método surgido do campo da psicometria, proposta inicialmente por Lord (1952) e atualmente utilizada em processos avaliativos de larga escala, como o Sistema de Avaliação da Educação Básica, desde 1995, e o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) a partir de 2009. O trabalho foi realizado por meio do levantamento de dados junto a alunos da Educação Básica, da rede pública de Santarém, que avaliaram o desempenho pedagógico de seus professores de matemática. Foi utilizado o modelo de dois parâmetros, proposto pela TRI, que produziu instrumentos para a construção de uma escala de proficiências com interpretações pedagógicas, além de mensurar a qualidade das práticas didático-pedagógicas dos professores da matemática na Educação Básica, e relacioná-las com variáveis provenientes de características das escolas, de formação e atuação dos docentes, constatando-se a influência dessas variáveis na prática pedagógica dos profissionais da educação neste município.
37
  • HERLISON NUNES DE OLIVEIRA
  • LESSON STUDY: UMA EXPERIÊNCIA COM TRÊS PROFESSORES DE INGLÊS DA REDE PÚBLICA ESTADUAL EM SANTARÉM-PA

  • Orientador : NILTON VARELA HITOTUZI
  • Data: 24/09/2018
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho busca apresentar os resultados da aplicação de um ciclo da Lesson Study em uma escola pública estadual na cidade de Santarém-PA. O estudo a que se vincula a aplicação teve como objetivo geral identificar contribuições para o desenvolvimento profissional que três professores de inglês participantes da pesquisa atribuem ao uso da Lesson Study. Como objetivos específicos, o estudo almejou: (a) identificar as ações e atividades de desenvolvimento profissional a que os professores envolvidos na pesquisa têm acesso ou de que costumam participar; (b) identificar quais as impressões produzidas pelos professores participantes em relação à prática de Lesson Study; (c) descrever como se deu a participação dos professores durante as atividades da Lesson Study; e (d) identificar as principais dificuldades enfrentadas pelos professores no que se refere à sua participação nas atividades da Lesson Study. Esta pesquisa, de natureza qualitativa, se caracterizou como um estudo de caso (YIN, 1984), na modalidade observação participante (MAY, 2004; QUEIROZ et al., 2007), e observou os seguintes procedimentos metodológicos: revisão bibliográfica e pesquisa de campo em que ocorreram as seguintes etapas: (i) reuniões formativas sobre Lesson Study e (ii) implementação de um ciclo da Lesson Study com duas iterações de uma aula de pesquisa. Para a coleta de dados utilizamos os seguintes métodos: 1) registro de observações realizado pelo pesquisador; 2) gravação em áudio e vídeo de todas as fases de aplicação da Lesson Study; 3) entrevistas semiestruturada antes e após a aplicação do ciclo da Lesson Study; 4) logs de reflexão da Lesson Study (STEPANEK et al., 2007); e 5) log de conversa via Whatsapp. Os dados foram analisados através de análise temática (GUEST; MACQUENN; NAMEY, 2011). Nossa discussão tem como suporte teórico os pensamentos de autores como Nóvoa (1999; 2009), Shulman (1986), Lewis (2012) Cerbin e Kopp (2011), Stepanek e colaboradores (2007), Wenger (1991) e Guest, Macqueen e Namey (2011). Por um lado, os resultados demonstram que os professores consideraram o trabalho em equipe propiciado pela Lesson Study como um fator de extrema relevância, tendo em vista que os possibilitou a refletir sobre a qualidade da sua prática docente para um efetivo aprendizado dos alunos. Os resultados apontam, por outro lado, algumas dificuldades para a participação dos professores, como a falta de tempo devido à carga de trabalho excessiva. A despeito disso, os professores foram favoráveis a difusão da metodologia no Brasil, concomitante a ações transformadoras no sistema educacional.

38
  • HERLISON NUNES DE OLIVEIRA
  • LESSON STUDY: UMA EXPERIÊNCIA COM TRÊS PROFESSORES DE INGLÊS DA REDE PÚBLICA ESTADUAL EM SANTARÉM-PA

  • Orientador : NILTON VARELA HITOTUZI
  • Data: 24/09/2018
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho busca apresentar os resultados da aplicação de um ciclo da Lesson Study em uma escola pública estadual na cidade de Santarém-PA. O estudo a que se vincula a aplicação teve como objetivo geral identificar contribuições para o desenvolvimento profissional que três professores de inglês participantes da pesquisa atribuem ao uso da Lesson Study. Como objetivos específicos, o estudo almejou: (a) identificar as ações e atividades de desenvolvimento profissional a que os professores envolvidos na pesquisa têm acesso ou de que costumam participar; (b) identificar quais as impressões produzidas pelos professores participantes em relação à prática de Lesson Study; (c) descrever como se deu a participação dos professores durante as atividades da Lesson Study; e (d) identificar as principais dificuldades enfrentadas pelos professores no que se refere à sua participação nas atividades da Lesson Study. Esta pesquisa, de natureza qualitativa, se caracterizou como um estudo de caso (YIN, 1984), na modalidade observação participante (MAY, 2004; QUEIROZ et al., 2007), e observou os seguintes procedimentos metodológicos: revisão bibliográfica e pesquisa de campo em que ocorreram as seguintes etapas: (i) reuniões formativas sobre Lesson Study e (ii) implementação de um ciclo da Lesson Study com duas iterações de uma aula de pesquisa. Para a coleta de dados utilizamos os seguintes métodos: 1) registro de observações realizado pelo pesquisador; 2) gravação em áudio e vídeo de todas as fases de aplicação da Lesson Study; 3) entrevistas semiestruturada antes e após a aplicação do ciclo da Lesson Study; 4) logs de reflexão da Lesson Study (STEPANEK et al., 2007); e 5) log de conversa via Whatsapp. Os dados foram analisados através de análise temática (GUEST; MACQUENN; NAMEY, 2011). Nossa discussão tem como suporte teórico os pensamentos de autores como Nóvoa (1999; 2009), Shulman (1986), Lewis (2012) Cerbin e Kopp (2011), Stepanek e colaboradores (2007), Wenger (1991) e Guest, Macqueen e Namey (2011). Por um lado, os resultados demonstram que os professores consideraram o trabalho em equipe propiciado pela Lesson Study como um fator de extrema relevância, tendo em vista que os possibilitou a refletir sobre a qualidade da sua prática docente para um efetivo aprendizado dos alunos. Os resultados apontam, por outro lado, algumas dificuldades para a participação dos professores, como a falta de tempo devido à carga de trabalho excessiva. A despeito disso, os professores foram favoráveis a difusão da metodologia no Brasil, concomitante a ações transformadoras no sistema educacional.

39
  • JEYSE SUNAYA ALMEIDA DE VASCONCELOS
  • VIVÊNCIAS DE CRIANÇAS RIBEIRINHAS DA AMAZÔNIA E SEU PROCESSO DE HUMANIZAÇÃO NA CRECHE
  • Orientador : SINARA ALMEIDA DA COSTA
  • Data: 28/09/2018
  • Mostrar Resumo
  • Inspirado na Teoria Histórico Cultural – THC de Vigotski e colaboradores, o estudo parte do pressuposto de que o homem se humaniza por meio da sua vivência na e com a cultura; que a educação tem papel preponderante nesse desenvolvimento e a escola é o local sistematicamente organizado para educá-lo nesse sentido. Diversas pesquisas revelam a pobreza de experiências possibilitadas às crianças na escola e uma visão biologizante do seu processo de desenvolvimento enquanto sujeito protagonista da sua vida e da sua história. Nesse aspecto, objetivamos, fundamentalmente, compreender as vivências (espaço, tempo e relações) das crianças de 3 anos de idade no ambiente formal de educação. Para Vigotski, o termo vivência está relacionado às experiências que afetam profundamente as crianças e conduzem a mudanças, positivas ou negativas, no seu processo de desenvolvimento. Desse ponto de vista, o conceito de vivência não é atribuído a toda e qualquer experiência vivida pela criança, mas àquelas em que elas estejam envolvidas de corpo, mente e emoção. A metodologia consistiu em observação e filmagem da rotina dessas crianças que frequentam uma Unidade Municipal de Educação Infantil de Santarém-PA, localizada na área rural do município. A análise dos dados produzidos foi fundamentada no método experimental/análise microgenética, o qual possibilitou a interpretação do material na sua essência e com maior profundidade, permitindo fazer inferências sobre a criança e suas vivências no conjunto das atividades realizadas no interior da unidade de educação e no seu contexto específico de vida. Os resultados revelam que a instituição pesquisada possui um espaço pobre de possibilidades de vivências; as crianças no interior da instituição, em grande parte do tempo, são limitadas a fazer tarefas escolarizantes, centradas nos conteúdos pertinentes ao ensino fundamental, os quais antecipam o seu processo de alfabetização. Essa atitude mostra que a escola, de um modo geral, tem uma concepção tradicional que concebe, precocemente, a criança em escolar, que desconsidera o complexo processo de desenvolvimento humano e, assim, sua prioridade não é criar as condições adequadas para que a criança amplie seu contato com a cultura, se aproprie das qualidades humanas nela presentes e promova a sua humanização, mas, sim, mantê-las na sala fazendo “lição”. Entretanto, nos seus contextos específicos de vida, constatamos momentos que demonstram o modo como ocorrem as relações que cada criança tem com o lugar onde vive, e como elas são criativas na reprodução da cultura, das suas experiências vividas no contexto do seu grupo familiar e comunitário. Assim, entendemos que as crianças precisam ter o seu direito à infância respeitado, necessitando de vivências positivas pautadas na ampliação de seu contato com a cultura historicamente criada pela humanidade que as precede.
40
  • JEYSE SUNAYA ALMEIDA DE VASCONCELOS
  • VIVÊNCIAS DE CRIANÇAS RIBEIRINHAS DA AMAZÔNIA E SEU PROCESSO DE HUMANIZAÇÃO NA CRECHE
  • Orientador : SINARA ALMEIDA DA COSTA
  • Data: 28/09/2018
  • Mostrar Resumo
  • Inspirado na Teoria Histórico Cultural – THC de Vigotski e colaboradores, o estudo parte do pressuposto de que o homem se humaniza por meio da sua vivência na e com a cultura; que a educação tem papel preponderante nesse desenvolvimento e a escola é o local sistematicamente organizado para educá-lo nesse sentido. Diversas pesquisas revelam a pobreza de experiências possibilitadas às crianças na escola e uma visão biologizante do seu processo de desenvolvimento enquanto sujeito protagonista da sua vida e da sua história. Nesse aspecto, objetivamos, fundamentalmente, compreender as vivências (espaço, tempo e relações) das crianças de 3 anos de idade no ambiente formal de educação. Para Vigotski, o termo vivência está relacionado às experiências que afetam profundamente as crianças e conduzem a mudanças, positivas ou negativas, no seu processo de desenvolvimento. Desse ponto de vista, o conceito de vivência não é atribuído a toda e qualquer experiência vivida pela criança, mas àquelas em que elas estejam envolvidas de corpo, mente e emoção. A metodologia consistiu em observação e filmagem da rotina dessas crianças que frequentam uma Unidade Municipal de Educação Infantil de Santarém-PA, localizada na área rural do município. A análise dos dados produzidos foi fundamentada no método experimental/análise microgenética, o qual possibilitou a interpretação do material na sua essência e com maior profundidade, permitindo fazer inferências sobre a criança e suas vivências no conjunto das atividades realizadas no interior da unidade de educação e no seu contexto específico de vida. Os resultados revelam que a instituição pesquisada possui um espaço pobre de possibilidades de vivências; as crianças no interior da instituição, em grande parte do tempo, são limitadas a fazer tarefas escolarizantes, centradas nos conteúdos pertinentes ao ensino fundamental, os quais antecipam o seu processo de alfabetização. Essa atitude mostra que a escola, de um modo geral, tem uma concepção tradicional que concebe, precocemente, a criança em escolar, que desconsidera o complexo processo de desenvolvimento humano e, assim, sua prioridade não é criar as condições adequadas para que a criança amplie seu contato com a cultura, se aproprie das qualidades humanas nela presentes e promova a sua humanização, mas, sim, mantê-las na sala fazendo “lição”. Entretanto, nos seus contextos específicos de vida, constatamos momentos que demonstram o modo como ocorrem as relações que cada criança tem com o lugar onde vive, e como elas são criativas na reprodução da cultura, das suas experiências vividas no contexto do seu grupo familiar e comunitário. Assim, entendemos que as crianças precisam ter o seu direito à infância respeitado, necessitando de vivências positivas pautadas na ampliação de seu contato com a cultura historicamente criada pela humanidade que as precede.
41
  • ANA PAULA MAFFEZZOLLI
  • DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR: Uma investigação sobre o uso de tecnologias em dois cursos de graduação de uma instituição no município de Itaituba/PA

  • Orientador : JOSE RICARDO E SOUZA MAFRA
  • Data: 08/10/2018
  • Mostrar Resumo
  • Sabe-se que o uso de tecnologias na educação é uma realidade, seja trazida pelos alunos, pelos professores ou pela própria instituição. Não tem como desvincular o processo de ensino-aprendizagem e as tecnologias aplicada a educação. Cabe as instituições, sociedade, as políticas públicas e professores, buscarem meios de aprimoramento para a integração desses recursos tecnológicos ao processo de ensino-aprendizagem dos acadêmicos. O professor universitário deve ter conhecimento e uma formação que alie as Tecnologias de Comunicação e Informação – TIC às práticas pedagógicas, por ser sua a responsabilidade de formar alunos para atuarem no mercado de trabalho tão exigente como existe atualmente. Tais afirmações incitou o desenvolvimento desta pesquisa que tem o objetivo de investigar quais os recursos tecnológicos a Faculdade de Itaituba-FAI disponibiliza e como se dá a utilização desses recursos por parte dos docentes nas disciplinas curriculares do curso de Bacharelado em Administração e Licenciatura em Pedagogia. A pesquisa foi aplicada em uma Instituição de Ensino Superior privada, situada no município de Itaituba no estado do Pará. O procedimento metodológico adotado para a realização da pesquisa, além da pesquisa bibliográfica, citando autores como Bardin (2010), Bratti (2016), Kenski (2003), Lévy (2011), Masetto (2010), Moran (2013), Pimenta (2002) e Valente (1999), dentre outros. Classifica-se ainda como sendo exploratório-descritiva com metodologia de abordagem quali-quantitativa realizado com professores dos cursos de Bacharelado em Administração e Licenciatura em Pedagogia. Para a coleta de dados, foi aplicado questionário formulado com perguntas objetivas e subjetivas e entrevista semiestruturada, os dados obtidos foram analisados através de dados estatísticos e análise de conteúdo. Com os resultados, pôde-se verificar que não são todos os professores que utilizam tecnologias em sala de aula e é possível afirmar que a IES não oferta curso de formação continuada relacionado ao uso de TIC em sala de aula; verificou-se também, que as ferramentas tecnológicas mais utilizadas são o computador, datashow para apresentação de slides e internet. De forma geral, pode-se afirmar que as tecnologias são adicionadas as disciplinas como sendo um objeto para auxiliar no repasse de conteúdo das aulas e que nenhum dos docentes integram as tecnologias ao processo de ensino-aprendizagem. Foi observado que a IES possui uma boa estrutura física que permite acesso por parte dos professores a uma grande diversidade de recursos tecnológicos físicos. Verificou-se também que, os professores têm pretensão de buscar conhecimentos para aprimorar suas técnicas quanto à utilização de TIC nas aulas e assim contribuir com processo de formação do aluno de forma eficiente. Para aperfeiçoar este cenário, propõe-se para a IES, investimentos em qualificação dos docentes para o aprimoramento do uso de TIC em sala de aula, de forma que contribua com a qualidade no processo de ensino-aprendizagem dos acadêmicos.

42
  • ANA PAULA MAFFEZZOLLI
  • DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR: Uma investigação sobre o uso de tecnologias em dois cursos de graduação de uma instituição no município de Itaituba/PA

  • Orientador : JOSE RICARDO E SOUZA MAFRA
  • Data: 08/10/2018
  • Mostrar Resumo
  • Sabe-se que o uso de tecnologias na educação é uma realidade, seja trazida pelos alunos, pelos professores ou pela própria instituição. Não tem como desvincular o processo de ensino-aprendizagem e as tecnologias aplicada a educação. Cabe as instituições, sociedade, as políticas públicas e professores, buscarem meios de aprimoramento para a integração desses recursos tecnológicos ao processo de ensino-aprendizagem dos acadêmicos. O professor universitário deve ter conhecimento e uma formação que alie as Tecnologias de Comunicação e Informação – TIC às práticas pedagógicas, por ser sua a responsabilidade de formar alunos para atuarem no mercado de trabalho tão exigente como existe atualmente. Tais afirmações incitou o desenvolvimento desta pesquisa que tem o objetivo de investigar quais os recursos tecnológicos a Faculdade de Itaituba-FAI disponibiliza e como se dá a utilização desses recursos por parte dos docentes nas disciplinas curriculares do curso de Bacharelado em Administração e Licenciatura em Pedagogia. A pesquisa foi aplicada em uma Instituição de Ensino Superior privada, situada no município de Itaituba no estado do Pará. O procedimento metodológico adotado para a realização da pesquisa, além da pesquisa bibliográfica, citando autores como Bardin (2010), Bratti (2016), Kenski (2003), Lévy (2011), Masetto (2010), Moran (2013), Pimenta (2002) e Valente (1999), dentre outros. Classifica-se ainda como sendo exploratório-descritiva com metodologia de abordagem quali-quantitativa realizado com professores dos cursos de Bacharelado em Administração e Licenciatura em Pedagogia. Para a coleta de dados, foi aplicado questionário formulado com perguntas objetivas e subjetivas e entrevista semiestruturada, os dados obtidos foram analisados através de dados estatísticos e análise de conteúdo. Com os resultados, pôde-se verificar que não são todos os professores que utilizam tecnologias em sala de aula e é possível afirmar que a IES não oferta curso de formação continuada relacionado ao uso de TIC em sala de aula; verificou-se também, que as ferramentas tecnológicas mais utilizadas são o computador, datashow para apresentação de slides e internet. De forma geral, pode-se afirmar que as tecnologias são adicionadas as disciplinas como sendo um objeto para auxiliar no repasse de conteúdo das aulas e que nenhum dos docentes integram as tecnologias ao processo de ensino-aprendizagem. Foi observado que a IES possui uma boa estrutura física que permite acesso por parte dos professores a uma grande diversidade de recursos tecnológicos físicos. Verificou-se também que, os professores têm pretensão de buscar conhecimentos para aprimorar suas técnicas quanto à utilização de TIC nas aulas e assim contribuir com processo de formação do aluno de forma eficiente. Para aperfeiçoar este cenário, propõe-se para a IES, investimentos em qualificação dos docentes para o aprimoramento do uso de TIC em sala de aula, de forma que contribua com a qualidade no processo de ensino-aprendizagem dos acadêmicos.

43
  • ROSIANNE DE SOUSA VALENTE
  • EU AINDA NÃO FALEI, EU QUERO FALAR! – OS SENTIDOS DE ESCRITA ATRIBUÍDOS POR CRIANÇAS PRÉ- ESCOLARES
  • Orientador : SINARA ALMEIDA DA COSTA
  • Data: 18/10/2018
  • Mostrar Resumo
  • Sustentada pelos aportes da Teoria Histórico-Cultural – THC, a presente pesquisa tem como objeto de estudo a linguagem escrita na educação infantil e se delineia com o objetivo de compreender os sentidos atribuídos à linguagem escrita por crianças de pré-escolas públicas e particulares do município de Santarém-Pará. O estudo parte do pressuposto de que a criança é um ser social e desde pequena é capaz de estabelecer relações com o mundo da cultura, se apropriar dos significados e atribuir sentidos a ele. Da mesma forma, compreende que a linguagem escrita é um instrumento cultural complexo, essencial no processo de humanização pelo qual passam todos os seres humanos. No entanto, o sentido de escrita para a criança dependerá de como concebemos a cultura escrita e de como a apresentamos a ela. Tendo em vista os princípios teórico-metodológicos da abordagem histórico-cultural, que se referem à análise do processo, centrando-se na essência do fenômeno, e não em sua aparência, desenvolvemos uma investigação de campo em duas instituições de Educação Infantil, uma da rede pública e outra da rede privada de Santarém – Pará, no período de abril a julho de 2017. Participaram como sujeitos da pesquisa 38 crianças com idade entre 5 e 6 anos das respectivas instituições. Como procedimentos metodológicos realizamos: observação participante e entrevistas individuais e coletivas por meio das técnicas histórias para completar, desenhos história e passeio. Adotamos como estratégias de registros o diário de campo, fotografias e gravação de voz e vídeo. Os dados produzidos nas observações permitiram constatar que as experiências propostas às crianças em ambas as instituições (pública e particular) ainda não congregam a compreensão de que esta linguagem escrita se desenvolve a partir de práticas que enriqueçam as experiências com a cultura e as possibilidades de expressão da criança pelo desenho, pelo brincar, além do contato com objetos da cultura escrita que envolve essa atividade. As análises dos dados das entrevistas sinalizaram, num primeiro momento, que os diferentes sentidos atribuídos à linguagem escrita pelas crianças pré-escolares, não condizem com a sua função social da escrita. Estes certamente são influenciados pela maneira como as professoras têm concebido e conduzido as vivências e experiências com a linguagem escrita, bem como pela forma como consideram as especificidades das crianças e suas infâncias nesta primeira etapa da educação. Num segundo momento, pelo fato de aproximarmos as crianças de situações reais de escrita, observamos que elas atribuíram sentidos apropriados à sua função social, indicando uma relação mais consciente com a aprendizagem dessa atividade. Portanto, buscar compreender os sentidos atribuídos à escrita na pré-escola, tendo a criança como sujeito capaz no processo de pesquisa, permitiu evidenciar a necessidade de mudanças,por meio de práticas pedagógicas, que possam contribuir de fato para a inserção da criança no mundo da cultura escrita de forma que esta perceba a escrita não como sinônimo de letras e sons, mas como instrumento cultural que permite a comunicação, o registro da expressão e do conhecimento humano em sua forma mais elaborada.
44
  • ROSIANNE DE SOUSA VALENTE
  • EU AINDA NÃO FALEI, EU QUERO FALAR! – OS SENTIDOS DE ESCRITA ATRIBUÍDOS POR CRIANÇAS PRÉ- ESCOLARES
  • Orientador : SINARA ALMEIDA DA COSTA
  • Data: 18/10/2018
  • Mostrar Resumo
  • Sustentada pelos aportes da Teoria Histórico-Cultural – THC, a presente pesquisa tem como objeto de estudo a linguagem escrita na educação infantil e se delineia com o objetivo de compreender os sentidos atribuídos à linguagem escrita por crianças de pré-escolas públicas e particulares do município de Santarém-Pará. O estudo parte do pressuposto de que a criança é um ser social e desde pequena é capaz de estabelecer relações com o mundo da cultura, se apropriar dos significados e atribuir sentidos a ele. Da mesma forma, compreende que a linguagem escrita é um instrumento cultural complexo, essencial no processo de humanização pelo qual passam todos os seres humanos. No entanto, o sentido de escrita para a criança dependerá de como concebemos a cultura escrita e de como a apresentamos a ela. Tendo em vista os princípios teórico-metodológicos da abordagem histórico-cultural, que se referem à análise do processo, centrando-se na essência do fenômeno, e não em sua aparência, desenvolvemos uma investigação de campo em duas instituições de Educação Infantil, uma da rede pública e outra da rede privada de Santarém – Pará, no período de abril a julho de 2017. Participaram como sujeitos da pesquisa 38 crianças com idade entre 5 e 6 anos das respectivas instituições. Como procedimentos metodológicos realizamos: observação participante e entrevistas individuais e coletivas por meio das técnicas histórias para completar, desenhos história e passeio. Adotamos como estratégias de registros o diário de campo, fotografias e gravação de voz e vídeo. Os dados produzidos nas observações permitiram constatar que as experiências propostas às crianças em ambas as instituições (pública e particular) ainda não congregam a compreensão de que esta linguagem escrita se desenvolve a partir de práticas que enriqueçam as experiências com a cultura e as possibilidades de expressão da criança pelo desenho, pelo brincar, além do contato com objetos da cultura escrita que envolve essa atividade. As análises dos dados das entrevistas sinalizaram, num primeiro momento, que os diferentes sentidos atribuídos à linguagem escrita pelas crianças pré-escolares, não condizem com a sua função social da escrita. Estes certamente são influenciados pela maneira como as professoras têm concebido e conduzido as vivências e experiências com a linguagem escrita, bem como pela forma como consideram as especificidades das crianças e suas infâncias nesta primeira etapa da educação. Num segundo momento, pelo fato de aproximarmos as crianças de situações reais de escrita, observamos que elas atribuíram sentidos apropriados à sua função social, indicando uma relação mais consciente com a aprendizagem dessa atividade. Portanto, buscar compreender os sentidos atribuídos à escrita na pré-escola, tendo a criança como sujeito capaz no processo de pesquisa, permitiu evidenciar a necessidade de mudanças,por meio de práticas pedagógicas, que possam contribuir de fato para a inserção da criança no mundo da cultura escrita de forma que esta perceba a escrita não como sinônimo de letras e sons, mas como instrumento cultural que permite a comunicação, o registro da expressão e do conhecimento humano em sua forma mais elaborada.
45
  • GISELE DA SILVA LOPES DOS SANTOS
  • AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS IMPLEMENTADAS PELA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ITAITUBA/PA DE 1997-2016

  • Orientador : MARIA LILIA IMBIRIBA SOUSA COLARES
  • Data: 03/12/2018
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa discute as políticas educacionais em âmbito municipal e tem como objetivo central identificar as políticas educacionais implementadas pela Secretaria Municipal de Itaituba/PA, no período de 1997 a 2016, considerando os marcos históricos e legais da educação brasileira, tais como a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB nº 9.394/96, Constituição Federal de 1988, destacando o processo de municipalização do ensino e as reformas educacionais ocorridas a partir de 1990, o que permitiu realizar o registro histórico das políticas voltadas para a melhoria da educação municipal. Dentre os fundamentos teóricos, destacamos as contribuições de Sousa (2006), Libâneo (2016), Frigotto e Ciavata (2003), Oliveira (2009) e Sanfelice (2016) que abordam a educação como política pública social e a educação escolar como direito de todos e dever do Estado. Destacamos também a tese de Colares (2005), a dissertação de Santos (2016) e o texto de Perez (2010), que foram base para construção dessa pesquisa. Quanto aos pressupostos metodológicos utilizamos a pesquisa qualitativa, a partir do estudo de caso tendo como lócus a Secretaria Municipal de Educação e como categorias de análise: gestão democrática, formação docente, rede física e didático-pedagógico-curricular. Como instrumento para coleta de dados utilizamos a análise documental (fontes primárias e secundárias) e entrevistas semiestruturadas. Os resultados apontaram, considerando o processo de descentralização a autonomia, previstos pela LDB 9394/96 e CF 1988, que o município passou por um período de adaptação e aprendizagem administrativa, frente aos desafios da municipalização do ensino. A Semed passou por reestruturações tanto de infraestrutura física quanto de aumento do quantitativo de servidores para atender às novas demandas do ensino. Quanto ao atendimento educacional, no início do processo de municipalização do ensino, em 1998, ocorreu um aumento no quantitativo de alunos, exigindo da gestão, ações de reformas, ampliações e construções de novas escolas, bem como contratação de pessoal e realização de concurso público. O Fundo de Desenvolvimento do Ensino Fundamental – Fundef foi fundamental para esses investimentos. Os resultados também apontam a estagnação da educação pública estadual, desproporcional ao crescimento da educação pública municipal, em termos quantitativos (número de escolas, docentes e matrículas), o que nos sugere uma falha no regime de colaboração entre o estado e o município. Apesar da tentativa da participação coletiva na elaboração das políticas educacionais, as redes municipal e estadual parecem caminhar paralelas. As gestões deram importantes passos rumo à gestão democrática, incentivando a participação da comunidade nas decisões referentes à educação municipal. A formação docente, desde as primeiras gestões foi priorizada pelos projetos da Semed. A ampliação da rede física e reformas das escolas foram prioridade no início da municipalização, pois o município precisava se adaptar à nova realidade. Vale destacar a importância do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação – FNDE para as ações de reformas e ampliação da rede física das escolas. Os programas e projetos didáticos-pedagógicos-curriculares das últimas gestões apresentaram estreita relação com o sistema de avalição da educação básica – SAEB, voltados para o aumento do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica – Ideb. Em síntese, apesar do avanço na educação municipal, assim como a realidade dos outros municípios brasileiros, em especial, aos do estado do Pará, ainda há muito o que melhorar, na infraestrutura das escolas e valorização dos profissionais da educação para a oferta de uma educação de qualidade.

46
  • GISELE DA SILVA LOPES DOS SANTOS
  • AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS IMPLEMENTADAS PELA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ITAITUBA/PA DE 1997-2016

  • Orientador : MARIA LILIA IMBIRIBA SOUSA COLARES
  • Data: 03/12/2018
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa discute as políticas educacionais em âmbito municipal e tem como objetivo central identificar as políticas educacionais implementadas pela Secretaria Municipal de Itaituba/PA, no período de 1997 a 2016, considerando os marcos históricos e legais da educação brasileira, tais como a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB nº 9.394/96, Constituição Federal de 1988, destacando o processo de municipalização do ensino e as reformas educacionais ocorridas a partir de 1990, o que permitiu realizar o registro histórico das políticas voltadas para a melhoria da educação municipal. Dentre os fundamentos teóricos, destacamos as contribuições de Sousa (2006), Libâneo (2016), Frigotto e Ciavata (2003), Oliveira (2009) e Sanfelice (2016) que abordam a educação como política pública social e a educação escolar como direito de todos e dever do Estado. Destacamos também a tese de Colares (2005), a dissertação de Santos (2016) e o texto de Perez (2010), que foram base para construção dessa pesquisa. Quanto aos pressupostos metodológicos utilizamos a pesquisa qualitativa, a partir do estudo de caso tendo como lócus a Secretaria Municipal de Educação e como categorias de análise: gestão democrática, formação docente, rede física e didático-pedagógico-curricular. Como instrumento para coleta de dados utilizamos a análise documental (fontes primárias e secundárias) e entrevistas semiestruturadas. Os resultados apontaram, considerando o processo de descentralização a autonomia, previstos pela LDB 9394/96 e CF 1988, que o município passou por um período de adaptação e aprendizagem administrativa, frente aos desafios da municipalização do ensino. A Semed passou por reestruturações tanto de infraestrutura física quanto de aumento do quantitativo de servidores para atender às novas demandas do ensino. Quanto ao atendimento educacional, no início do processo de municipalização do ensino, em 1998, ocorreu um aumento no quantitativo de alunos, exigindo da gestão, ações de reformas, ampliações e construções de novas escolas, bem como contratação de pessoal e realização de concurso público. O Fundo de Desenvolvimento do Ensino Fundamental – Fundef foi fundamental para esses investimentos. Os resultados também apontam a estagnação da educação pública estadual, desproporcional ao crescimento da educação pública municipal, em termos quantitativos (número de escolas, docentes e matrículas), o que nos sugere uma falha no regime de colaboração entre o estado e o município. Apesar da tentativa da participação coletiva na elaboração das políticas educacionais, as redes municipal e estadual parecem caminhar paralelas. As gestões deram importantes passos rumo à gestão democrática, incentivando a participação da comunidade nas decisões referentes à educação municipal. A formação docente, desde as primeiras gestões foi priorizada pelos projetos da Semed. A ampliação da rede física e reformas das escolas foram prioridade no início da municipalização, pois o município precisava se adaptar à nova realidade. Vale destacar a importância do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação – FNDE para as ações de reformas e ampliação da rede física das escolas. Os programas e projetos didáticos-pedagógicos-curriculares das últimas gestões apresentaram estreita relação com o sistema de avalição da educação básica – SAEB, voltados para o aumento do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica – Ideb. Em síntese, apesar do avanço na educação municipal, assim como a realidade dos outros municípios brasileiros, em especial, aos do estado do Pará, ainda há muito o que melhorar, na infraestrutura das escolas e valorização dos profissionais da educação para a oferta de uma educação de qualidade.

47
  • RAIMUNDO SOLANO LIRA PEREIRA
  • O LUGAR DA BIBLIOTECA NA ESCOLA DE TEMPO INTEGRAL EM SANTARÉM/PA

  • Orientador : ANSELMO ALENCAR COLARES
  • Data: 03/12/2018
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo tem a finalidade de, com base na literatura especializada e em pesquisa empírica, analisar as bases conceituais e as estratégias de funcionamento da biblioteca de uma escola de tempo integral da rede municipal de ensino de Santarém/PA. A presente pesquisa objetiva indicar caminhos ou apontar encaminhamentos para que a biblioteca escolar possa melhor atender ao usuário que a frequenta como recurso educacional (DURBAN ROCA, 2012) favorecedor da educação integral. É uma pesquisa qualitativa (FLICK, 2009), descritiva e exploratória (GIL, 2008), do tipo estudo de caso (CHIZZOTI, 2014). Tem como objetivo geral analisar a biblioteca de uma escola municipal de tempo integral de Santarém/PA no conjunto de ações previstas nas políticas indutoras da educação integral; e específicos: (1) identificar as atividades desenvolvidas nessa biblioteca, considerando a perspectiva da educação de tempo integral; (2) registrar possíveis alterações/modificações ou readaptações do espaço destinado à biblioteca da escola de tempo integral estudada; (3) descrever como ocorre a articulação entre a escola de tempo integral e a biblioteca, considerando as exigências diferenciadas de tempo e espaço para execução das atividades; (4) registrar a percepção de professores, alunos, bibliotecário e gestor sobre a biblioteca da escola. Para compreender e analisar como funciona a política pública voltada para a biblioteca da escola de tempo integral e educação integral, tratada em documentos governamentais, recorreu-se a estudo empírico observando como essas políticas se articulam com a biblioteca e quais são as ações concretas para direcionar a implementação dessas políticas no programa proposto para a biblioteca escolar. A dissertação trata de aspectos relativos à infraestrutura física das bibliotecas (o lugar destinado à biblioteca e eventual outra nomenclatura que lhe é atribuída) e a percepção dos sujeitos diretamente envolvidos (bibliotecário, professores, usuários, gestor, Secretaria Municipal de Educação), e identificados outros eventuais atores importantes na história e no funcionamento dessas bibliotecas.

48
  • RAIMUNDO SOLANO LIRA PEREIRA
  • O LUGAR DA BIBLIOTECA NA ESCOLA DE TEMPO INTEGRAL EM SANTARÉM/PA

  • Orientador : ANSELMO ALENCAR COLARES
  • Data: 03/12/2018
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo tem a finalidade de, com base na literatura especializada e em pesquisa empírica, analisar as bases conceituais e as estratégias de funcionamento da biblioteca de uma escola de tempo integral da rede municipal de ensino de Santarém/PA. A presente pesquisa objetiva indicar caminhos ou apontar encaminhamentos para que a biblioteca escolar possa melhor atender ao usuário que a frequenta como recurso educacional (DURBAN ROCA, 2012) favorecedor da educação integral. É uma pesquisa qualitativa (FLICK, 2009), descritiva e exploratória (GIL, 2008), do tipo estudo de caso (CHIZZOTI, 2014). Tem como objetivo geral analisar a biblioteca de uma escola municipal de tempo integral de Santarém/PA no conjunto de ações previstas nas políticas indutoras da educação integral; e específicos: (1) identificar as atividades desenvolvidas nessa biblioteca, considerando a perspectiva da educação de tempo integral; (2) registrar possíveis alterações/modificações ou readaptações do espaço destinado à biblioteca da escola de tempo integral estudada; (3) descrever como ocorre a articulação entre a escola de tempo integral e a biblioteca, considerando as exigências diferenciadas de tempo e espaço para execução das atividades; (4) registrar a percepção de professores, alunos, bibliotecário e gestor sobre a biblioteca da escola. Para compreender e analisar como funciona a política pública voltada para a biblioteca da escola de tempo integral e educação integral, tratada em documentos governamentais, recorreu-se a estudo empírico observando como essas políticas se articulam com a biblioteca e quais são as ações concretas para direcionar a implementação dessas políticas no programa proposto para a biblioteca escolar. A dissertação trata de aspectos relativos à infraestrutura física das bibliotecas (o lugar destinado à biblioteca e eventual outra nomenclatura que lhe é atribuída) e a percepção dos sujeitos diretamente envolvidos (bibliotecário, professores, usuários, gestor, Secretaria Municipal de Educação), e identificados outros eventuais atores importantes na história e no funcionamento dessas bibliotecas.

49
  • PRISCILA CASTRO TEIXEIRA
  • “Eu acho que é pras crianças pensarem no talento que elas tem": O fazer musical na perspectiva de crianças participantes do projeto Sementes Musicais em Santarém, Pará.
  • Orientador : IANI DIAS LAUER LEITE
  • Data: 17/12/2018
  • Mostrar Resumo
  • A educação musical contemporânea tem centrado seu campo de estudo e suas abordagens em práticas diversificadas, buscando contemplar diferentes espaços, contextos e metodologias. Partindo deste viés, este trabalho apresenta as práticas educativo-musicais em um espaço não-formal de ensino na cidade de Santarém-Pará, na Amazônia, a partir do olhar das crianças participantes, centrando-se no pressuposto teórico de que a criança é um ser ativo no próprio processo desenvolvimental e de aprendizagem. A partir dessa perspectiva, esse estudo tem como objetivo geral: Analisar o fazer musical em um projeto de inclusão sociocultural mediante a música, a partir do olhar das crianças participantes. Como objetivos específicos: Desvelar quais as percepções dos participantes sobre o projeto;descrever as atividades realizadas pelas crianças, na perspectiva delas;averiguar como as crianças identificam o professor de música e seu fazer musical e identificar as percepções das crianças sobre fatores que facilitam e dificultam o aprendizado de música, no contexto do fazer musical no projeto Sementes Musicais. O referencial teórico desse trabalho abarca autores como: Arantes (2011), Almeida (2012), Araújo (2009), Santos (2004), Sousa (2004), Grossi (2003), Gadotti (2005), Queiroz (2004), Menezes (2010), Libâneo (1999, 2000), Oliveira (2000), Arroyo (2000, 2001, 2003), Queiroz (2007), Araújo (2009), Santos (2006) Kleber (2003, 2006), Bréscia (2002), Green (2008), Gainza (1988), Ilari (2002, 2003, 2009), Martinez e Pederiva (2013), Joly (2003), Souza (2004). Para realizar este trabalho, escolheu-se a pesquisa qualitativa, na forma de estudo de caso. Participaram 20 crianças na faixa etária de 08 a 12 anos de idade, alunos da turma de flauta doce e teclado. Os instrumentos utilizados para coleta de dados serão, diário de campo e roteiro de grupo focal. Os dados oriundos do grupo focal foram analisados utilizando-se a técnica do Discurso do Sujeito Coletivo (LEFÈVRE & LEFÉVRE, 2005). Os discursos produzidos versaram sobre a compreensão que as crianças tem quanto ao fazer musical no projeto, abarcando os temas: as finalidades do projeto, as práticas educativo-musicais que lá ocorrem, as concepções sobre o professor de música e o aprender música. Ao longo dos discursos criados nas diversas temáticas verbalizadas, as crianças indicaram a presença do lúdico no processo do fazer musical, a concepção de que o projeto traz oportunidades para crianças, adolescentes e adultos vivenciarem a música e ainda, a música como elemento que promove uma perspectiva de futuro. O trabalho em questão contribui no âmbito acadêmico, ao trazer subsídios para o fazer musical nos contextos não formais de ensino, assim como no âmbito social, ao dar voz às crianças e compreende-las como sujeitos de direito e participantes ativas de sua própria história.
50
  • PRISCILA CASTRO TEIXEIRA
  • “Eu acho que é pras crianças pensarem no talento que elas tem": O fazer musical na perspectiva de crianças participantes do projeto Sementes Musicais em Santarém, Pará.
  • Orientador : IANI DIAS LAUER LEITE
  • Data: 17/12/2018
  • Mostrar Resumo
  • A educação musical contemporânea tem centrado seu campo de estudo e suas abordagens em práticas diversificadas, buscando contemplar diferentes espaços, contextos e metodologias. Partindo deste viés, este trabalho apresenta as práticas educativo-musicais em um espaço não-formal de ensino na cidade de Santarém-Pará, na Amazônia, a partir do olhar das crianças participantes, centrando-se no pressuposto teórico de que a criança é um ser ativo no próprio processo desenvolvimental e de aprendizagem. A partir dessa perspectiva, esse estudo tem como objetivo geral: Analisar o fazer musical em um projeto de inclusão sociocultural mediante a música, a partir do olhar das crianças participantes. Como objetivos específicos: Desvelar quais as percepções dos participantes sobre o projeto;descrever as atividades realizadas pelas crianças, na perspectiva delas;averiguar como as crianças identificam o professor de música e seu fazer musical e identificar as percepções das crianças sobre fatores que facilitam e dificultam o aprendizado de música, no contexto do fazer musical no projeto Sementes Musicais. O referencial teórico desse trabalho abarca autores como: Arantes (2011), Almeida (2012), Araújo (2009), Santos (2004), Sousa (2004), Grossi (2003), Gadotti (2005), Queiroz (2004), Menezes (2010), Libâneo (1999, 2000), Oliveira (2000), Arroyo (2000, 2001, 2003), Queiroz (2007), Araújo (2009), Santos (2006) Kleber (2003, 2006), Bréscia (2002), Green (2008), Gainza (1988), Ilari (2002, 2003, 2009), Martinez e Pederiva (2013), Joly (2003), Souza (2004). Para realizar este trabalho, escolheu-se a pesquisa qualitativa, na forma de estudo de caso. Participaram 20 crianças na faixa etária de 08 a 12 anos de idade, alunos da turma de flauta doce e teclado. Os instrumentos utilizados para coleta de dados serão, diário de campo e roteiro de grupo focal. Os dados oriundos do grupo focal foram analisados utilizando-se a técnica do Discurso do Sujeito Coletivo (LEFÈVRE & LEFÉVRE, 2005). Os discursos produzidos versaram sobre a compreensão que as crianças tem quanto ao fazer musical no projeto, abarcando os temas: as finalidades do projeto, as práticas educativo-musicais que lá ocorrem, as concepções sobre o professor de música e o aprender música. Ao longo dos discursos criados nas diversas temáticas verbalizadas, as crianças indicaram a presença do lúdico no processo do fazer musical, a concepção de que o projeto traz oportunidades para crianças, adolescentes e adultos vivenciarem a música e ainda, a música como elemento que promove uma perspectiva de futuro. O trabalho em questão contribui no âmbito acadêmico, ao trazer subsídios para o fazer musical nos contextos não formais de ensino, assim como no âmbito social, ao dar voz às crianças e compreende-las como sujeitos de direito e participantes ativas de sua própria história.
51
  • RAIMUNDO NONATO AGUIAR OLIVEIRA
  • A MÚSICA NO DESVELAMENTO DO UNIVERSO INFANTIL: PRÁTICAS EDUCATIVO-MUSICAIS DE PROFESSORES DAS UNIDADES E ESCOLAS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM SANTARÉM, PARÁ

  • Orientador : IANI DIAS LAUER LEITE
  • Data: 17/12/2018
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa teve como objetivo averiguar como os (as) professores (as) das unidades e escolas municipais de Educação Infantil do perímetro urbano de Santarém utilizam a música em suas práticas pedagógicas. Os objetivos específicos buscaram identificar as práticas pedagógico-musicais realizadas pelos (as) professores (as) da Educação Infantil, averiguar os recursos disponíveis para a realização de atividades musicais, identificar as necessidades e dificuldades para o desenvolvimento de atividades musicais, a partir da perspectiva dos (as) professores (as). O aporte teórico da Teoria Histórico-Cultural de Vigotski contribuiu como base epistemológica, através da abordagem acerca do desenvolvimento sócio-cultural da criança e de autores que discutem a teoria no âmbito da Educação Infantil e musical, como Gonçalves (2017), Pederiva (2017), Martinez (2013), Costa; Mello (2017), Teixeira; Barca e outros. Utilizou-se o método survey de desenho interseccional, inspirado na pesquisa de Diniz (2005) e as informações foram coletadas entre março a junho. Dos 175 professores que integram os 51 espaços escolares de Educação Infantil – divididos entre UMEIS, EMEIS, CEMEIS e escolas de Pré I e II – participaram 82 professores da Rede Municipal de Ensino do perímetro urbano de Santarém. Os resultados da pesquisa revelam que a maioria dos profissionais atuantes na Educação Infantil pública são do sexo feminino (82%), com um quantitativo pequeno de profissionais masculinos (7%). Todos os participantes da pesquisa possuem nível superior com especialização e há um (a) professor (a) com mestrado em educação. Muitos (as) professores (as) não possuem formação alguma em música (56%), contrariando o compromisso da SEMED, pontuado em sua Proposta Pedagógica para a Educação Infantil, em oferecer periodicamente formação continuada a seus professores. Há um número expressivo de profissionais que não cantam e nem dominam qualquer instrumento musical (68%), assim como há pouca participação por parte dos (as) docentes em eventos de formação – quando ocorrem (71%). Porém, os (as) 82 entrevistados (as) afirmam utilizar músicas em suas atividades. Dentro dessas atividades, o repertório musical utilizado segue as orientações tanto do RCNEI quanto da DCNEI. E as práticas musicais ocorrem regularmente. Já os espaços utilizados para as práticas pedagógico-musicais são bastante diversificados, porém a maioria das práticas com música ocorre em sala de aula. Os (as) professores (as) fazem uso apenas dos recursos materiais oferecidos pela escola em suas atividades, inexistindo, assim, a utilização de instrumentos musicais. A maioria dos (as) docentes segue a proposta do RCNEI presente nos Planos de Ensino da Educação Infantil Municipal (56%), embora haja percentuais expressivos daqueles (as) que desconhecem a proposta (40%) e outros (as) que conhecem, mas não seguem (6%). Quanto às dificuldades enfrentadas pelos (as) professores (as) em sala de aula, a pesquisa mostrou um resultado bem próximo entre aqueles que não possuem dificuldades com os que enfrentam desafios em utilizar a música em suas práticas pedagógicas. Algumas justificativas abordaram a falta de incentivo, assim como a ausência de espaços adequados, falta de recursos e de cursos de formação para melhor qualificá-los.

52
  • RAIMUNDO NONATO AGUIAR OLIVEIRA
  • A MÚSICA NO DESVELAMENTO DO UNIVERSO INFANTIL: PRÁTICAS EDUCATIVO-MUSICAIS DE PROFESSORES DAS UNIDADES E ESCOLAS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM SANTARÉM, PARÁ

  • Orientador : IANI DIAS LAUER LEITE
  • Data: 17/12/2018
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa teve como objetivo averiguar como os (as) professores (as) das unidades e escolas municipais de Educação Infantil do perímetro urbano de Santarém utilizam a música em suas práticas pedagógicas. Os objetivos específicos buscaram identificar as práticas pedagógico-musicais realizadas pelos (as) professores (as) da Educação Infantil, averiguar os recursos disponíveis para a realização de atividades musicais, identificar as necessidades e dificuldades para o desenvolvimento de atividades musicais, a partir da perspectiva dos (as) professores (as). O aporte teórico da Teoria Histórico-Cultural de Vigotski contribuiu como base epistemológica, através da abordagem acerca do desenvolvimento sócio-cultural da criança e de autores que discutem a teoria no âmbito da Educação Infantil e musical, como Gonçalves (2017), Pederiva (2017), Martinez (2013), Costa; Mello (2017), Teixeira; Barca e outros. Utilizou-se o método survey de desenho interseccional, inspirado na pesquisa de Diniz (2005) e as informações foram coletadas entre março a junho. Dos 175 professores que integram os 51 espaços escolares de Educação Infantil – divididos entre UMEIS, EMEIS, CEMEIS e escolas de Pré I e II – participaram 82 professores da Rede Municipal de Ensino do perímetro urbano de Santarém. Os resultados da pesquisa revelam que a maioria dos profissionais atuantes na Educação Infantil pública são do sexo feminino (82%), com um quantitativo pequeno de profissionais masculinos (7%). Todos os participantes da pesquisa possuem nível superior com especialização e há um (a) professor (a) com mestrado em educação. Muitos (as) professores (as) não possuem formação alguma em música (56%), contrariando o compromisso da SEMED, pontuado em sua Proposta Pedagógica para a Educação Infantil, em oferecer periodicamente formação continuada a seus professores. Há um número expressivo de profissionais que não cantam e nem dominam qualquer instrumento musical (68%), assim como há pouca participação por parte dos (as) docentes em eventos de formação – quando ocorrem (71%). Porém, os (as) 82 entrevistados (as) afirmam utilizar músicas em suas atividades. Dentro dessas atividades, o repertório musical utilizado segue as orientações tanto do RCNEI quanto da DCNEI. E as práticas musicais ocorrem regularmente. Já os espaços utilizados para as práticas pedagógico-musicais são bastante diversificados, porém a maioria das práticas com música ocorre em sala de aula. Os (as) professores (as) fazem uso apenas dos recursos materiais oferecidos pela escola em suas atividades, inexistindo, assim, a utilização de instrumentos musicais. A maioria dos (as) docentes segue a proposta do RCNEI presente nos Planos de Ensino da Educação Infantil Municipal (56%), embora haja percentuais expressivos daqueles (as) que desconhecem a proposta (40%) e outros (as) que conhecem, mas não seguem (6%). Quanto às dificuldades enfrentadas pelos (as) professores (as) em sala de aula, a pesquisa mostrou um resultado bem próximo entre aqueles que não possuem dificuldades com os que enfrentam desafios em utilizar a música em suas práticas pedagógicas. Algumas justificativas abordaram a falta de incentivo, assim como a ausência de espaços adequados, falta de recursos e de cursos de formação para melhor qualificá-los.

2017
Dissertações
1
  • MADMA LAINE COLARES GUALBERTO
  • A manifestação da corporeidade nas práticas pedagógicas dos professores de educação infantil em Santarém-Pará
  • Orientador : HERGOS RITOR FROES DE COUTO
  • Data: 10/02/2017
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo teve como objeto investigar a manifestação da corporeidade nas práticas pedagógicas de professores de educação infantil em sala de atividades com as crianças de escolas públicas e privadas de Santarém – Pará. Desenvolveu-se uma linha metodológica de caráter descritivo e campo, com uma abordagem qualitativa. Utilizou-se as técnicas de pesquisa da observação não participante e entrevista semiestruturada com 08 professoras, que atuam com a pré-escola na educação infantil. Os dados foram analisados utilizando-se o recurso da Análise do Conteúdo (BARDIN, 1979). A pesquisa constatou que: as práticas pedagógicas são realizadas, geralmente, de maneira individual, célere e fragmentada, com poucas possibilidades de criação que permitam às crianças vivenciarem manifestações corporais, entre elas: a maioria das professoras desconhece a temática corporeidade, provavelmente, porque não tiveram acesso à tais discussões durante a formação acadêmica; por via de regra as maiores dificuldades apontadas pelas professoras estão relacionadas à carência de materiais, tempo e espaços, à formação pedagógica, à exigência dos pais e da instituição para que as crianças aprendam a ler e escrever precocemente. Os resultados permitem concluir que as práticas pedagógicas de 07 participantes desta pesquisa não estão embasadas pelas discussões deste estudo, refletindo assim na realização de práticas pedagógicas estanques, existentes, formuladas e reproduzidas. Desta forma, constatou-se que a corporeidade se manifestou apenas na prática pedagógica de 01 professora, uma vez que as atividades desenvolvidas por esta profissional pautam-se na promoção de vivências com os outros seres, com os objetos e com o mundo, fomentando a imaginação, criatividade, sensibilidade, cooperação e o desenvolvimento integral da criança. Portanto, esta pesquisa buscou enfatizar que a corporeidade deve ser compreendida como o foco primeiro para uma educação integral, reflexiva e participativa do ser humano. Logo, cabe aos profissionais de educação infantil reconhecer que as práticas pedagógicas precisam ser ressignificadas e recriadas com o olhar na corporeidade, a partir do compromisso com a formação das crianças.
2
  • MADMA LAINE COLARES GUALBERTO
  • A manifestação da corporeidade nas práticas pedagógicas dos professores de educação infantil em Santarém-Pará
  • Orientador : HERGOS RITOR FROES DE COUTO
  • Data: 10/02/2017
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo teve como objeto investigar a manifestação da corporeidade nas práticas pedagógicas de professores de educação infantil em sala de atividades com as crianças de escolas públicas e privadas de Santarém – Pará. Desenvolveu-se uma linha metodológica de caráter descritivo e campo, com uma abordagem qualitativa. Utilizou-se as técnicas de pesquisa da observação não participante e entrevista semiestruturada com 08 professoras, que atuam com a pré-escola na educação infantil. Os dados foram analisados utilizando-se o recurso da Análise do Conteúdo (BARDIN, 1979). A pesquisa constatou que: as práticas pedagógicas são realizadas, geralmente, de maneira individual, célere e fragmentada, com poucas possibilidades de criação que permitam às crianças vivenciarem manifestações corporais, entre elas: a maioria das professoras desconhece a temática corporeidade, provavelmente, porque não tiveram acesso à tais discussões durante a formação acadêmica; por via de regra as maiores dificuldades apontadas pelas professoras estão relacionadas à carência de materiais, tempo e espaços, à formação pedagógica, à exigência dos pais e da instituição para que as crianças aprendam a ler e escrever precocemente. Os resultados permitem concluir que as práticas pedagógicas de 07 participantes desta pesquisa não estão embasadas pelas discussões deste estudo, refletindo assim na realização de práticas pedagógicas estanques, existentes, formuladas e reproduzidas. Desta forma, constatou-se que a corporeidade se manifestou apenas na prática pedagógica de 01 professora, uma vez que as atividades desenvolvidas por esta profissional pautam-se na promoção de vivências com os outros seres, com os objetos e com o mundo, fomentando a imaginação, criatividade, sensibilidade, cooperação e o desenvolvimento integral da criança. Portanto, esta pesquisa buscou enfatizar que a corporeidade deve ser compreendida como o foco primeiro para uma educação integral, reflexiva e participativa do ser humano. Logo, cabe aos profissionais de educação infantil reconhecer que as práticas pedagógicas precisam ser ressignificadas e recriadas com o olhar na corporeidade, a partir do compromisso com a formação das crianças.
3
  • WENDELL ROCHA SÁ
  • EDUCAÇÃO E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DOS MORADORES DA ILHA DE SÃO MIGUEL - SANTARÉM-PARÁ
  • Orientador : ANSELMO ALENCAR COLARES
  • Data: 13/03/2017
  • Mostrar Resumo
  • Na presente dissertação apresento os resultados do esforço de produção de conhecimento no campo educacional, tendo em vista a diversidade amazônica e as singularidades da região de várzea, lócus da pesquisa, objetivando compreender e registrar o processo político-educacional realizado pelos moradores da ilha de São Miguel, no período de 1970 a 2016, concomitante a experiência bem sucedida de uso sustentável dos recursos naturais no ambiente de várzea do município de Santarém - Pará. Processo este que garantiu aos comunitários a conquista do direito de uso exclusivo do território em área que a Constituição Brasileira (1988) determina como de livre acesso, considerando os fatores culturais, econômicos e políticos que fundamentam a construção do modelo organizacional. Para isso, busquei compreender a experiência e os mecanismos utilizados pelos ribeirinhos que tem garantido bons resultados há mais de quarenta anos; por se tratar de uma pesquisa no campo da educação, busquei entender o trabalho realizado pela escola envolvendo temáticas do cotidiano da comunidade; bem como a interação entre escola-comunidade e a contribuição de ambas no processo de consciência ambiental e organização política dos moradores. A metodologia consiste em uso de registros históricos, entrevistas individuais, atividades em grupos focais e as experiências que vivenciei na condição de liderança comunitária, bem como depoimentos dos sujeitos envolvidos diretamente nos trabalhos, os quais foram enriquecedores das análises e condições fundamentais para entender o processo. Os resultados indicam que o território, hoje sob o controle e gestão da comunidade, é resultado de um conjunto de estratégias e lutas coletivas desenvolvidas pelos ribeirinhos ao longo de varias gerações e que as medidas adotadas pelas lideranças a partir da década de 1970, em contexto de degradação socioambiental na Amazônia, não se realizaram de forma pacífica, nem foram assimiladas imediatamente por todos os moradores, levando décadas para se efetivar. Ademais, algumas ações praticadas pelos comunitários não possuíam respaldo jurídico, foram efetivadas através de lutas e resistências do grupo, uma vez que o projeto estatal e as leis se contrapunham aos interesses dos ribeirinhos. Não obstante, por meio da resistência e lutas coletivas, conseguiram legitimar regionalmente suas territorialidades e respaldarem juridicamente suas estratégias, garantindo o direito de uso exclusivo do território. Nesse processo as parcerias firmadas com os agentes de mediações analisados no decorrer do trabalho e a participação da escola foram fundamentais para a construção de consciência ambiental e organização politica dos moradores que nos últimos anos têm enfrentado as adversidades e lutado pela permanência das novas gerações na fração do espaço historicamente delimitada.
4
  • WENDELL ROCHA SÁ
  • EDUCAÇÃO E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DOS MORADORES DA ILHA DE SÃO MIGUEL - SANTARÉM-PARÁ
  • Orientador : ANSELMO ALENCAR COLARES
  • Data: 13/03/2017
  • Mostrar Resumo
  • Na presente dissertação apresento os resultados do esforço de produção de conhecimento no campo educacional, tendo em vista a diversidade amazônica e as singularidades da região de várzea, lócus da pesquisa, objetivando compreender e registrar o processo político-educacional realizado pelos moradores da ilha de São Miguel, no período de 1970 a 2016, concomitante a experiência bem sucedida de uso sustentável dos recursos naturais no ambiente de várzea do município de Santarém - Pará. Processo este que garantiu aos comunitários a conquista do direito de uso exclusivo do território em área que a Constituição Brasileira (1988) determina como de livre acesso, considerando os fatores culturais, econômicos e políticos que fundamentam a construção do modelo organizacional. Para isso, busquei compreender a experiência e os mecanismos utilizados pelos ribeirinhos que tem garantido bons resultados há mais de quarenta anos; por se tratar de uma pesquisa no campo da educação, busquei entender o trabalho realizado pela escola envolvendo temáticas do cotidiano da comunidade; bem como a interação entre escola-comunidade e a contribuição de ambas no processo de consciência ambiental e organização política dos moradores. A metodologia consiste em uso de registros históricos, entrevistas individuais, atividades em grupos focais e as experiências que vivenciei na condição de liderança comunitária, bem como depoimentos dos sujeitos envolvidos diretamente nos trabalhos, os quais foram enriquecedores das análises e condições fundamentais para entender o processo. Os resultados indicam que o território, hoje sob o controle e gestão da comunidade, é resultado de um conjunto de estratégias e lutas coletivas desenvolvidas pelos ribeirinhos ao longo de varias gerações e que as medidas adotadas pelas lideranças a partir da década de 1970, em contexto de degradação socioambiental na Amazônia, não se realizaram de forma pacífica, nem foram assimiladas imediatamente por todos os moradores, levando décadas para se efetivar. Ademais, algumas ações praticadas pelos comunitários não possuíam respaldo jurídico, foram efetivadas através de lutas e resistências do grupo, uma vez que o projeto estatal e as leis se contrapunham aos interesses dos ribeirinhos. Não obstante, por meio da resistência e lutas coletivas, conseguiram legitimar regionalmente suas territorialidades e respaldarem juridicamente suas estratégias, garantindo o direito de uso exclusivo do território. Nesse processo as parcerias firmadas com os agentes de mediações analisados no decorrer do trabalho e a participação da escola foram fundamentais para a construção de consciência ambiental e organização politica dos moradores que nos últimos anos têm enfrentado as adversidades e lutado pela permanência das novas gerações na fração do espaço historicamente delimitada.
5
  • LILIAN AQUINO OLIVEIRA
  • Análise da implantação e do processo inicial da avaliação institucional na Ufopa
  • Orientador : ANSELMO ALENCAR COLARES
  • Data: 15/03/2017
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa problematizou a avaliação institucional da Universidade Federal do Oeste do Pará, no âmbito do Sinaes. Teve como objetivo geral analisar a implantação e o processo inicial de avaliação institucional no período de 2012 a 2014. Trata-se de um estudo à luz da política nacional de avaliação da educação superior, a partir de uma abordagem qualitativa, ancorada em pesquisa bibliográfica, documental e empírica. Com vistas a dar sustentação às análises, nos apoiamos em autores que compreendem a avaliação em sua concepção emancipatória, como Dias Sobrinho, Rothen, Ristoff e Queiroz, entre outros. Analisar a atual política nacional de avaliação da educação superior exigiu o conhecimento do aparato legal pertinente ao Sinaes, a fim de compreender a materialização do Sistema na instituição lócus do estudo. A análise dos dados coletados foi realizada a partir de categorias que emergiram da própria pesquisa, e estão descritas no desenvolvimento da dissertação. Entre as conclusões permitidas pelo estudo, destacamos que a Ufopa concebe a avaliação como instrumento a ser associado ao planejamento e à gestão para a promoção do desenvolvimento institucional, porém ainda não conseguiu concretizá-la enquanto cultura institucional. O estudo aponta, também, a necessidade da Instituição avançar no fomento da avaliação em sua perspectiva formativa, superando a perspectiva meramente regulatória que tem sido imposta pelo Sistema às instituições de ensino superior de modo geral. Assim, tornar-se-á possível que a avaliação institucional esteja imbricada ao planejamento e gestão, com processos autorreferenciados oriundos da reflexão permanente do cotidiano da Ufopa.
6
  • LILIAN AQUINO OLIVEIRA
  • Análise da implantação e do processo inicial da avaliação institucional na Ufopa
  • Orientador : ANSELMO ALENCAR COLARES
  • Data: 15/03/2017
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa problematizou a avaliação institucional da Universidade Federal do Oeste do Pará, no âmbito do Sinaes. Teve como objetivo geral analisar a implantação e o processo inicial de avaliação institucional no período de 2012 a 2014. Trata-se de um estudo à luz da política nacional de avaliação da educação superior, a partir de uma abordagem qualitativa, ancorada em pesquisa bibliográfica, documental e empírica. Com vistas a dar sustentação às análises, nos apoiamos em autores que compreendem a avaliação em sua concepção emancipatória, como Dias Sobrinho, Rothen, Ristoff e Queiroz, entre outros. Analisar a atual política nacional de avaliação da educação superior exigiu o conhecimento do aparato legal pertinente ao Sinaes, a fim de compreender a materialização do Sistema na instituição lócus do estudo. A análise dos dados coletados foi realizada a partir de categorias que emergiram da própria pesquisa, e estão descritas no desenvolvimento da dissertação. Entre as conclusões permitidas pelo estudo, destacamos que a Ufopa concebe a avaliação como instrumento a ser associado ao planejamento e à gestão para a promoção do desenvolvimento institucional, porém ainda não conseguiu concretizá-la enquanto cultura institucional. O estudo aponta, também, a necessidade da Instituição avançar no fomento da avaliação em sua perspectiva formativa, superando a perspectiva meramente regulatória que tem sido imposta pelo Sistema às instituições de ensino superior de modo geral. Assim, tornar-se-á possível que a avaliação institucional esteja imbricada ao planejamento e gestão, com processos autorreferenciados oriundos da reflexão permanente do cotidiano da Ufopa.
7
  • EDIVALDA NASCIMENTO DA SILVA
  • Formação de educadores para as escolas do campo em Santarém: da construção a partilha de saberes
  • Orientador : SOLANGE HELENA XIMENES ROCHA
  • Data: 23/03/2017
  • Mostrar Resumo
  • A Educação do Campo no Brasil vem passando por um momento de ressignificação a partir do crescimento das pesquisas nessa área, da luta dos movimentos sociais sobre uma educação específica para o campo e da reivindicação de políticas públicas para a formação de professores das escolas do campo. No âmbito da formação de professores há uma indagação sobre a utilidade do que se aprende nos cursos de formação e o que se deve ensinar nas escolas. Os currículos de formação são compatíveis com as necessidades específicas de formação? Educação do Campo, Políticas Públicas e Formação de Professores: da construção à partilha de saberes é um estudo de caso do Programa de Apoio à Formação de Professores – PROCAMPO, do IFPA – Campus Santarém, que tem como interesse analisar quais as contribuições da matriz curricular proposta pelo programa para a formação pedagógica dos docentes, verificando quais os eixos temáticos de formação são considerados mais relevantes para o processo de ensino e aprendizagem e como a formação poderá auxiliar para a geração de novos conhecimentos. O processo de pesquisa qualitativa envolveu a análise bibliográfica e documental na exploração das literaturas sobre o tema e dos documentos norteadores do programa como: Legislações, Diretrizes, PPC do Curso, Portfólios de aprendizagem, Relatórios e TACs. Os dados obtidos receberam o tratamento por meio da análise de conteúdo proposta por Bardin (2009), para a seleção das categorias. Os resultados do estudo serão apresentados ao final da pesquisa.
8
  • EDIVALDA NASCIMENTO DA SILVA
  • Formação de educadores para as escolas do campo em Santarém: da construção a partilha de saberes
  • Orientador : SOLANGE HELENA XIMENES ROCHA
  • Data: 23/03/2017
  • Mostrar Resumo
  • A Educação do Campo no Brasil vem passando por um momento de ressignificação a partir do crescimento das pesquisas nessa área, da luta dos movimentos sociais sobre uma educação específica para o campo e da reivindicação de políticas públicas para a formação de professores das escolas do campo. No âmbito da formação de professores há uma indagação sobre a utilidade do que se aprende nos cursos de formação e o que se deve ensinar nas escolas. Os currículos de formação são compatíveis com as necessidades específicas de formação? Educação do Campo, Políticas Públicas e Formação de Professores: da construção à partilha de saberes é um estudo de caso do Programa de Apoio à Formação de Professores – PROCAMPO, do IFPA – Campus Santarém, que tem como interesse analisar quais as contribuições da matriz curricular proposta pelo programa para a formação pedagógica dos docentes, verificando quais os eixos temáticos de formação são considerados mais relevantes para o processo de ensino e aprendizagem e como a formação poderá auxiliar para a geração de novos conhecimentos. O processo de pesquisa qualitativa envolveu a análise bibliográfica e documental na exploração das literaturas sobre o tema e dos documentos norteadores do programa como: Legislações, Diretrizes, PPC do Curso, Portfólios de aprendizagem, Relatórios e TACs. Os dados obtidos receberam o tratamento por meio da análise de conteúdo proposta por Bardin (2009), para a seleção das categorias. Os resultados do estudo serão apresentados ao final da pesquisa.
9
  • JOÃO RICARDO SILVA
  • SAI O CONSUMIDOR, ENTRA O CIDADÃO: Educação Como Práticas da Liberdade no Curso de Bacharelado em Direito da Universidade Federal do Oeste do Pará.
  • Orientador : TANIA SUELY AZEVEDO BRASILEIRO
  • Data: 29/03/2017
  • Mostrar Resumo
  • Diante da enorme quantidade de cursos jurídicos ofertados no país e de uma formação jurídica instrumental o presente trabalho de dissertação teve como escopo investigar de que forma a educação jurídica desenvolvida pelo Bacharelado em Direito da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA) tem contribuído para a construção de uma educação emancipatória. Para isso, se formulou os seguintes objetivos: i) definir as bases teóricas e os temas fundamentais para a discussão de uma educação emancipatória; ii) investigar a educação jurídica ofertada no Bacharelado em Direito da UFOPA, por meio da análise do Projeto Pedagógico do Bacharelado em Direito (PPC – Projeto Pedagógico do Curso), de questionários aos estudantes das turmas de 2012, 2013, 2014 e 2015, de questionários aos professores e de entrevista ao coordenador; iii) analisar o marco legal e o contexto de criação da UFOPA, examinando a legislação que regulamenta as instituições de educação superior e o Plano de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni); iv) identificar práticas emancipatórias existentes e potenciais no Bacharelado em Direito da UFOPA. A pesquisa tem cunho qualitativo e descritivo, com extensa pesquisa bibliográfica em complementação com a pesquisa empírica. O método adotado foi o materialismo histórico dialético, ou seja, fez-se uma análise não dogmática e tendo por fundamento a realidade material do objeto de pesquisa, em relação ao seu desenvolvimento histórico. Teve-se como autores basilares da fundamentação teórica Boaventura de Sousa Santos, Paulo Freire e István Mészáros. A interpretação dos dados coletados teve apoio na análise de conteúdo de Laurence Bardin. Os resultados demonstraram que os cursos jurídicos no Brasil têm desenvolvido uma educação jurídica dogmática, positivista e acrítica, com foco no mercado de trabalho e pouco preocupada em possibilitar mudanças das relações sociais. Tal perspectiva reverbera na UFOPA. Porém, mesmo que a tônica de expansão dos cursos jurídicos siga a lógica mercadológica e esteja algumas vezes distanciada dos problemas sociais com os quais os futuros bacharéis lidarão cotidianamente, há espaços para construção de práticas emancipatórias. Esses espaços já existem na UFOPA e em outras instituições, produzindo conhecimentos mais dialógicos e que possibilitam o repensar contra hegemônico dentro da academia. São espaços de ecologias de saberes, quem têm muito a aprender com as epistemologias do Sul e o giro decolonial/descolonial. A conclusão é de que essas práticas ainda precisam avançar, terem maior participação dos(as) acadêmicos(as) e ganharem maior legitimidade como propostas hegemônicas para os cursos de Direito no Brasil.
10
  • JOÃO RICARDO SILVA
  • SAI O CONSUMIDOR, ENTRA O CIDADÃO: Educação Como Práticas da Liberdade no Curso de Bacharelado em Direito da Universidade Federal do Oeste do Pará.
  • Orientador : TANIA SUELY AZEVEDO BRASILEIRO
  • Data: 29/03/2017
  • Mostrar Resumo
  • Diante da enorme quantidade de cursos jurídicos ofertados no país e de uma formação jurídica instrumental o presente trabalho de dissertação teve como escopo investigar de que forma a educação jurídica desenvolvida pelo Bacharelado em Direito da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA) tem contribuído para a construção de uma educação emancipatória. Para isso, se formulou os seguintes objetivos: i) definir as bases teóricas e os temas fundamentais para a discussão de uma educação emancipatória; ii) investigar a educação jurídica ofertada no Bacharelado em Direito da UFOPA, por meio da análise do Projeto Pedagógico do Bacharelado em Direito (PPC – Projeto Pedagógico do Curso), de questionários aos estudantes das turmas de 2012, 2013, 2014 e 2015, de questionários aos professores e de entrevista ao coordenador; iii) analisar o marco legal e o contexto de criação da UFOPA, examinando a legislação que regulamenta as instituições de educação superior e o Plano de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni); iv) identificar práticas emancipatórias existentes e potenciais no Bacharelado em Direito da UFOPA. A pesquisa tem cunho qualitativo e descritivo, com extensa pesquisa bibliográfica em complementação com a pesquisa empírica. O método adotado foi o materialismo histórico dialético, ou seja, fez-se uma análise não dogmática e tendo por fundamento a realidade material do objeto de pesquisa, em relação ao seu desenvolvimento histórico. Teve-se como autores basilares da fundamentação teórica Boaventura de Sousa Santos, Paulo Freire e István Mészáros. A interpretação dos dados coletados teve apoio na análise de conteúdo de Laurence Bardin. Os resultados demonstraram que os cursos jurídicos no Brasil têm desenvolvido uma educação jurídica dogmática, positivista e acrítica, com foco no mercado de trabalho e pouco preocupada em possibilitar mudanças das relações sociais. Tal perspectiva reverbera na UFOPA. Porém, mesmo que a tônica de expansão dos cursos jurídicos siga a lógica mercadológica e esteja algumas vezes distanciada dos problemas sociais com os quais os futuros bacharéis lidarão cotidianamente, há espaços para construção de práticas emancipatórias. Esses espaços já existem na UFOPA e em outras instituições, produzindo conhecimentos mais dialógicos e que possibilitam o repensar contra hegemônico dentro da academia. São espaços de ecologias de saberes, quem têm muito a aprender com as epistemologias do Sul e o giro decolonial/descolonial. A conclusão é de que essas práticas ainda precisam avançar, terem maior participação dos(as) acadêmicos(as) e ganharem maior legitimidade como propostas hegemônicas para os cursos de Direito no Brasil.
11
  • TEREZINHA DO SOCORRO LIRA PEREIRA
  • OS INDÍGENAS E O ENSINO SUPERIOR NA AMAZÔNIA: REALIDADE E PERSPECTIVAS DA POLÍTICA DE AÇÃO AFIRMATIVA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ (2010 - 2015)
  • Orientador : TANIA SUELY AZEVEDO BRASILEIRO
  • Data: 31/03/2017
  • Mostrar Resumo
  • A inserção e a participação dos povos indígenas no ensino superior fazem parte de lutas e reivindicações históricas dos movimentos sociais por igualdade de condições na educação e nas políticas públicas educacionais. Em razão de sua relevância no cenário educacional brasileiro, elegeu-se essa temática para estudar o acesso e a permanência dos indígenas na Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa). O estudo traz, entre outras abordagens, a discussão da educação indígena com base nos conceitos introdutórios da perspectiva decolonial, da pedagogia crítica, dos conceitos de interculturalismo e multiculturalismo; também evidencia o processo de escolarização indígena; aborda ainda as políticas públicas em educação em uma perspectiva histórica e finaliza com os desafios da diversidade educacional na região amazônica. Seu objetivo foi analisar o Processo Seletivo Especial (PSE) como uma política de ação afirmativa de acesso dos indígenas na Ufopa, no período de 2010 a 2015, e seu impacto para uma educação superior de qualidade para esses povos. Os objetivos específicos visaram: traçar o perfil dos indígenas ingressantes na Ufopa pelo PSE (2010- 2015); identificar as ações/estratégias de acesso dos indígenas através do PSE na Ufopa desde a sua implantação; mapear as ações/estratégias da política de ação afirmativa para garantir a permanência dos indígenas na Ifes; e estudar o impacto decorrente da presença de indígenas na Ufopa para promover uma educação superior de qualidade. É uma pesquisa qualitativa, descritiva e exploratória, do tipo estudo de caso microetnográfico. Adotou-se entrevista gravada com lideranças indígenas (cacique e coordenador do Diretório Acadêmico Indígena - Dain), gestores e docentes da Ufopa; questionário online (google forms) com diretores de institutos da Ufopa; questionário impresso com discentes indígenas (PSE, 2010-2015) e análise de seus memoriais acadêmicos. Os dados foram tratados pela análise de conteúdos de Bardin (1997) e adotou-se a técnica de triangulação. Os resultados revelaram que o PSE Indígena é uma expressão da política de ação afirmativa da Ufopa, que possibilitou o acesso de 254 indígenas ao ensino superior entre 2010 e 2015, com acentuada diversidade étnica (17 etnias), destacando-se os povos arapiun (52), wai wai (40) e munduruku (40). O maior número deles concentravam-se nos Institutos de Ciências da Educação (Iced) (43%); e de Ciências da Sociedade (ICS), (19%). Apesar de ações/estratégias institucionais, de caráter esporádico (bolsa de monitoria CE ANAMA e Programa de Facilitação de Aprendizagem), visando acompanhar discentes com maior índice de insucesso acadêmico, seus altos percentuais induzem que a Ufopa não tem atingido resultados satisfatórios que minimizem as dificuldades de aprendizagem desses indígenas, principalmente em relação à vivência no mundo acadêmico. A pesquisa revela, portanto, que desde a sua origem a Ufopa tem garantido anualmente o acesso dos indígenas ao ensino superior por meio de sua política afirmativa; entretanto, em relação à permanência, poucas ações/estratégias têm sido efetivadas. Dada a complexidade própria desse processo formativo e das especificidades dos discentes indígenas, após os resultados revelados neste estudo - a educação superior indígena, pautada nos princípios da educação integral numa perspectiva humanística, capaz de promover o desenvolvimento integral do indivíduo nas suas dimensões físicas, intelectual, social cultural e simbólica - é uma proposta a ser refletida na Ufopa, em virtude de ela ter um contingente significativo de povos indígenas residentes em suas adjacências.
12
  • TEREZINHA DO SOCORRO LIRA PEREIRA
  • OS INDÍGENAS E O ENSINO SUPERIOR NA AMAZÔNIA: REALIDADE E PERSPECTIVAS DA POLÍTICA DE AÇÃO AFIRMATIVA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ (2010 - 2015)
  • Orientador : TANIA SUELY AZEVEDO BRASILEIRO
  • Data: 31/03/2017
  • Mostrar Resumo
  • A inserção e a participação dos povos indígenas no ensino superior fazem parte de lutas e reivindicações históricas dos movimentos sociais por igualdade de condições na educação e nas políticas públicas educacionais. Em razão de sua relevância no cenário educacional brasileiro, elegeu-se essa temática para estudar o acesso e a permanência dos indígenas na Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa). O estudo traz, entre outras abordagens, a discussão da educação indígena com base nos conceitos introdutórios da perspectiva decolonial, da pedagogia crítica, dos conceitos de interculturalismo e multiculturalismo; também evidencia o processo de escolarização indígena; aborda ainda as políticas públicas em educação em uma perspectiva histórica e finaliza com os desafios da diversidade educacional na região amazônica. Seu objetivo foi analisar o Processo Seletivo Especial (PSE) como uma política de ação afirmativa de acesso dos indígenas na Ufopa, no período de 2010 a 2015, e seu impacto para uma educação superior de qualidade para esses povos. Os objetivos específicos visaram: traçar o perfil dos indígenas ingressantes na Ufopa pelo PSE (2010- 2015); identificar as ações/estratégias de acesso dos indígenas através do PSE na Ufopa desde a sua implantação; mapear as ações/estratégias da política de ação afirmativa para garantir a permanência dos indígenas na Ifes; e estudar o impacto decorrente da presença de indígenas na Ufopa para promover uma educação superior de qualidade. É uma pesquisa qualitativa, descritiva e exploratória, do tipo estudo de caso microetnográfico. Adotou-se entrevista gravada com lideranças indígenas (cacique e coordenador do Diretório Acadêmico Indígena - Dain), gestores e docentes da Ufopa; questionário online (google forms) com diretores de institutos da Ufopa; questionário impresso com discentes indígenas (PSE, 2010-2015) e análise de seus memoriais acadêmicos. Os dados foram tratados pela análise de conteúdos de Bardin (1997) e adotou-se a técnica de triangulação. Os resultados revelaram que o PSE Indígena é uma expressão da política de ação afirmativa da Ufopa, que possibilitou o acesso de 254 indígenas ao ensino superior entre 2010 e 2015, com acentuada diversidade étnica (17 etnias), destacando-se os povos arapiun (52), wai wai (40) e munduruku (40). O maior número deles concentravam-se nos Institutos de Ciências da Educação (Iced) (43%); e de Ciências da Sociedade (ICS), (19%). Apesar de ações/estratégias institucionais, de caráter esporádico (bolsa de monitoria CE ANAMA e Programa de Facilitação de Aprendizagem), visando acompanhar discentes com maior índice de insucesso acadêmico, seus altos percentuais induzem que a Ufopa não tem atingido resultados satisfatórios que minimizem as dificuldades de aprendizagem desses indígenas, principalmente em relação à vivência no mundo acadêmico. A pesquisa revela, portanto, que desde a sua origem a Ufopa tem garantido anualmente o acesso dos indígenas ao ensino superior por meio de sua política afirmativa; entretanto, em relação à permanência, poucas ações/estratégias têm sido efetivadas. Dada a complexidade própria desse processo formativo e das especificidades dos discentes indígenas, após os resultados revelados neste estudo - a educação superior indígena, pautada nos princípios da educação integral numa perspectiva humanística, capaz de promover o desenvolvimento integral do indivíduo nas suas dimensões físicas, intelectual, social cultural e simbólica - é uma proposta a ser refletida na Ufopa, em virtude de ela ter um contingente significativo de povos indígenas residentes em suas adjacências.
13
  • DANIELLE CAROLINE BATISTA DA COSTA
  • CANTINHO DE LEITURA - REFLEXÕES SOBRE LEITURA, LITERATURA E FORMAÇÃO
  • Orientador : LUIZ PERCIVAL LEME BRITTO
  • Data: 10/04/2017
  • Mostrar Resumo
  • Essa dissertação se insere no tema sobre leitura e formação, indagando as motivações e a funcionalidade do cantinho de leitura, mecanismo de promoção de leitura para crianças pequenas bastante difundido no meio pedagógico. Interessa especificamente investigar, no âmbito da produção bibliográfica acadêmica e escolar, como se estabelecem as bases conceituais e pedagógicas de leitura e literatura para criança que sustentam a compreensão de cantinho da leitura e, partir disso, examinar as implicações práticas e teóricas que decorrem dessa concepção. Para tanto, é essencial indagar de que modo a literatura contribui para a formação da subjetividade na infância, seus contrastes com a herança cultural, os valores que se estabelecem como escolha e gosto e o papel do adulto no processo de formação da criança. A literatura, como expressão de arte, é um meio cujo esforço cognitivo pode proporcionar a formação do sujeito no sentido de torná-lo consciente sobre a vida, sem os escamoteamentos oriundos da percepção, muitas vezes ingênua, do adulto sobre a criança. A partir de levantamento bibliográfico, reuniram-se quarenta textos que abordam diretamente ou não o cantinho de leitura como estratégia pedagógica de ensino. A análise deste conjunto de textos evidencia o predomínio de uma concepção liberal de sujeito e de formação, em que predominam o subjetivismo, o espontaneísmo e o pragmatismo. A discussão tem com base Heller (2011), Bourdieu (2015), Britto (2003, 2012, 2015, 2015), Calvino (2015), Adorno (2002, 2005), Sartre (2015).
14
  • DANIELLE CAROLINE BATISTA DA COSTA
  • CANTINHO DE LEITURA - REFLEXÕES SOBRE LEITURA, LITERATURA E FORMAÇÃO
  • Orientador : LUIZ PERCIVAL LEME BRITTO
  • Data: 10/04/2017
  • Mostrar Resumo
  • Essa dissertação se insere no tema sobre leitura e formação, indagando as motivações e a funcionalidade do cantinho de leitura, mecanismo de promoção de leitura para crianças pequenas bastante difundido no meio pedagógico. Interessa especificamente investigar, no âmbito da produção bibliográfica acadêmica e escolar, como se estabelecem as bases conceituais e pedagógicas de leitura e literatura para criança que sustentam a compreensão de cantinho da leitura e, partir disso, examinar as implicações práticas e teóricas que decorrem dessa concepção. Para tanto, é essencial indagar de que modo a literatura contribui para a formação da subjetividade na infância, seus contrastes com a herança cultural, os valores que se estabelecem como escolha e gosto e o papel do adulto no processo de formação da criança. A literatura, como expressão de arte, é um meio cujo esforço cognitivo pode proporcionar a formação do sujeito no sentido de torná-lo consciente sobre a vida, sem os escamoteamentos oriundos da percepção, muitas vezes ingênua, do adulto sobre a criança. A partir de levantamento bibliográfico, reuniram-se quarenta textos que abordam diretamente ou não o cantinho de leitura como estratégia pedagógica de ensino. A análise deste conjunto de textos evidencia o predomínio de uma concepção liberal de sujeito e de formação, em que predominam o subjetivismo, o espontaneísmo e o pragmatismo. A discussão tem com base Heller (2011), Bourdieu (2015), Britto (2003, 2012, 2015, 2015), Calvino (2015), Adorno (2002, 2005), Sartre (2015).
15
  • ELMARA DE SOUSA GUIMARÃES
  • POLÍTICA DE ENSINO MÉDIO NO PARÁ: A REALIDADE DO SOME NO MUNICÍPIO DE ITAITUBA.
  • Orientador : MARIA DE FATIMA MATOS DE SOUZA
  • Data: 13/04/2017
  • Mostrar Resumo
  • A pesquisa “Política de Ensino Médio no Pará: a Realidade do SOME no Município de Itaituba” objetivou analisar o SOME nas Escolas Polos no município de Itaituba, visando compreender de que forma os sujeitos que integram essa política percebem a implantação do SOME nas Escolas Polos. Os lócus de pesquisa foram três escolas do meio rural do município de Itaituba e vinte e quatro participantes que se encontram participando do processo de execução da política e integram o SOME, no município de Itaituba (nove alunos, três gestores, seis pais, cinco professores e um coordenador do SOME). O percurso metodológico escolhido se fundamenta na pesquisa qualitativa, tendo como referência um estudo de caso e como procedimentos metodológicos: pesquisa bibliográfica, documental e entrevistas semiestruturadas. Os resultados indicam que: a) o SOME não há orientação ou supervisão de um profissional especializado para nortear o trabalho administrativo e pedagógico dos professores, alunos e Escolas Polos; b) o SOME é descontextualizado da vida dos povos do campo; c) possui uma infraestrutura deficitária; d) O SOME possui uma estrutura organizacional rígida, onde o poder de decisão a respeito do planejamento, financiamento, conteúdo programático e dinâmica curricular são centralizadas na Secretaria Estadual de Educação. Apesar das dificuldades na educação ofertada pelo SOME, este tem se dado, até os dias atuais como alternativa para à população do campo do Estado do Pará cursar o ensino médio em suas comunidades e que tem se inserido cada vez mais no contexto dos municípios paraenses, como uma alternativa para garantir a oferta e a expansão do ensino médio no Estado do Pará.
16
  • ELMARA DE SOUSA GUIMARÃES
  • POLÍTICA DE ENSINO MÉDIO NO PARÁ: A REALIDADE DO SOME NO MUNICÍPIO DE ITAITUBA.
  • Orientador : MARIA DE FATIMA MATOS DE SOUZA
  • Data: 13/04/2017
  • Mostrar Resumo
  • A pesquisa “Política de Ensino Médio no Pará: a Realidade do SOME no Município de Itaituba” objetivou analisar o SOME nas Escolas Polos no município de Itaituba, visando compreender de que forma os sujeitos que integram essa política percebem a implantação do SOME nas Escolas Polos. Os lócus de pesquisa foram três escolas do meio rural do município de Itaituba e vinte e quatro participantes que se encontram participando do processo de execução da política e integram o SOME, no município de Itaituba (nove alunos, três gestores, seis pais, cinco professores e um coordenador do SOME). O percurso metodológico escolhido se fundamenta na pesquisa qualitativa, tendo como referência um estudo de caso e como procedimentos metodológicos: pesquisa bibliográfica, documental e entrevistas semiestruturadas. Os resultados indicam que: a) o SOME não há orientação ou supervisão de um profissional especializado para nortear o trabalho administrativo e pedagógico dos professores, alunos e Escolas Polos; b) o SOME é descontextualizado da vida dos povos do campo; c) possui uma infraestrutura deficitária; d) O SOME possui uma estrutura organizacional rígida, onde o poder de decisão a respeito do planejamento, financiamento, conteúdo programático e dinâmica curricular são centralizadas na Secretaria Estadual de Educação. Apesar das dificuldades na educação ofertada pelo SOME, este tem se dado, até os dias atuais como alternativa para à população do campo do Estado do Pará cursar o ensino médio em suas comunidades e que tem se inserido cada vez mais no contexto dos municípios paraenses, como uma alternativa para garantir a oferta e a expansão do ensino médio no Estado do Pará.
17
  • RODRIGO SOUSA DA CRUZ
  • UTILIZAÇÃO DA ROBÓTICA EDUCACIONAL LIVRE, POR MEIO DA APRENDIZAGEM POR PROJETOS: UM ESTUDO NO CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA DO IFPA/CAMPUS SANTARÉM
  • Orientador : DORIEDSON ALVES DE ALMEIDA
  • Data: 24/04/2017
  • Mostrar Resumo
  • O atual contexto da inserção do homem no mundo do trabalho vem passando por diversas transformações, as quais têm causado impactos na relação entre educação e trabalho. O modelo taylorista e fordista de organização e gestão do trabalho foi profundamente abalado pelas mudanças que iniciaram com o grande avanço científico e tecnológico, em especial com a mediação da microeletrônica. Esta nova realidade passou a exigir uma formação que contemple ao trabalhador o desenvolvimento de conhecimentos e saberes profissionais complexos, através de elementos como a criatividade e a capacidade de resolução de problemas. A partir da publicação do Decreto 5.154/04, tornou-se possível a oferta do ensino médio integrado à educação profissional, o qual é uma alternativa para a superação da dicotomia de formações existente entre educação geral e profissional. Um dos grandes desafios desta modalidade de ensino é o de implementar, de fato, o caráter seu integrado. Assim, devem ser buscadas novas práticas pedagógicas e recursos educacionais que orientem a convergência e a integração de vários conhecimentos em torno de objetos de investigação para a resolução de situações- problema. Desta forma, este trabalho é proposto no sentido de investigar quais os eventuais benefícios da utilização da robótica educacional livre, através da aprendizagem por projetos, no contexto do Curso Técnico em Informática/Ensino Médio Integrado do IFPA/Campus Santarém. Neste sentido, serão levantados a partir dos trabalhos de Kuezer (2000, 2003), Frigotto, Ciavatta e Ramos (2005), Frigotto (2005) e Santomé (1998), alguns aspectos sobre a relação histórica entre educação e trabalho. Assim, será observada a histórica relação dicotômica entre as formações de caráter propedêutica e profissional, até o momento em que foi autorizada a oferta da modalidade ensino médio integrado a educação profissional. A partir dos trabalhos de Moura e Barbosa (2011), Bender (2014), Nogueira (2007) e Oliveira (2006), serão observadas as possibilidades trazidas em relação ao trabalho com projetos de aprendizagem, os quais podem mudar as relações entre professor e aluno, possibilitando o desenvolvimento de diversas habilidades. Um outro pilar deste trabalho será em relação a utilização da robótica educacional livre como objeto mediador para construção de conhecimentos. Assim, baseado nos trabalhos de Papert (2008), Blikstein (2013) e Cesar (2009, 2013), serão abordados diversos aspectos da utilização da robótica educacional livre, sob um olhar construtivista, o qual é a base para uma educação que favoreça o desenvolvimento de habilidades de cooperação, resolução de problemas, criatividade, autonomia, investigação, entre outros. Neste sentido, será realizada uma pesquisa de caráter qualitativa, onde tem-se uma pesquisa bibliográfica exploratória e um estudo de caso. Os sujeitos desta pesquisa serão alguns discentes e docentes deste curso. Desta forma, este trabalho propõe-se a investigar como a utilização da robótica educacional livre, através da aprendizagem por projetos, pode ser utilizada como recurso que auxilie na formação crítica de um grupo de discentes do Curso Técnico em Informática/Ensino Médio Integrado do IFPA/Campus Santarém? Assim, serão investigadas algumas categorias como interdisciplinaridade, pensamento crítico, habilidades construtivistas/construcionistas e interesse/motivação.
18
  • RODRIGO SOUSA DA CRUZ
  • UTILIZAÇÃO DA ROBÓTICA EDUCACIONAL LIVRE, POR MEIO DA APRENDIZAGEM POR PROJETOS: UM ESTUDO NO CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA DO IFPA/CAMPUS SANTARÉM
  • Orientador : DORIEDSON ALVES DE ALMEIDA
  • Data: 24/04/2017
  • Mostrar Resumo
  • O atual contexto da inserção do homem no mundo do trabalho vem passando por diversas transformações, as quais têm causado impactos na relação entre educação e trabalho. O modelo taylorista e fordista de organização e gestão do trabalho foi profundamente abalado pelas mudanças que iniciaram com o grande avanço científico e tecnológico, em especial com a mediação da microeletrônica. Esta nova realidade passou a exigir uma formação que contemple ao trabalhador o desenvolvimento de conhecimentos e saberes profissionais complexos, através de elementos como a criatividade e a capacidade de resolução de problemas. A partir da publicação do Decreto 5.154/04, tornou-se possível a oferta do ensino médio integrado à educação profissional, o qual é uma alternativa para a superação da dicotomia de formações existente entre educação geral e profissional. Um dos grandes desafios desta modalidade de ensino é o de implementar, de fato, o caráter seu integrado. Assim, devem ser buscadas novas práticas pedagógicas e recursos educacionais que orientem a convergência e a integração de vários conhecimentos em torno de objetos de investigação para a resolução de situações- problema. Desta forma, este trabalho é proposto no sentido de investigar quais os eventuais benefícios da utilização da robótica educacional livre, através da aprendizagem por projetos, no contexto do Curso Técnico em Informática/Ensino Médio Integrado do IFPA/Campus Santarém. Neste sentido, serão levantados a partir dos trabalhos de Kuezer (2000, 2003), Frigotto, Ciavatta e Ramos (2005), Frigotto (2005) e Santomé (1998), alguns aspectos sobre a relação histórica entre educação e trabalho. Assim, será observada a histórica relação dicotômica entre as formações de caráter propedêutica e profissional, até o momento em que foi autorizada a oferta da modalidade ensino médio integrado a educação profissional. A partir dos trabalhos de Moura e Barbosa (2011), Bender (2014), Nogueira (2007) e Oliveira (2006), serão observadas as possibilidades trazidas em relação ao trabalho com projetos de aprendizagem, os quais podem mudar as relações entre professor e aluno, possibilitando o desenvolvimento de diversas habilidades. Um outro pilar deste trabalho será em relação a utilização da robótica educacional livre como objeto mediador para construção de conhecimentos. Assim, baseado nos trabalhos de Papert (2008), Blikstein (2013) e Cesar (2009, 2013), serão abordados diversos aspectos da utilização da robótica educacional livre, sob um olhar construtivista, o qual é a base para uma educação que favoreça o desenvolvimento de habilidades de cooperação, resolução de problemas, criatividade, autonomia, investigação, entre outros. Neste sentido, será realizada uma pesquisa de caráter qualitativa, onde tem-se uma pesquisa bibliográfica exploratória e um estudo de caso. Os sujeitos desta pesquisa serão alguns discentes e docentes deste curso. Desta forma, este trabalho propõe-se a investigar como a utilização da robótica educacional livre, através da aprendizagem por projetos, pode ser utilizada como recurso que auxilie na formação crítica de um grupo de discentes do Curso Técnico em Informática/Ensino Médio Integrado do IFPA/Campus Santarém? Assim, serão investigadas algumas categorias como interdisciplinaridade, pensamento crítico, habilidades construtivistas/construcionistas e interesse/motivação.
19
  • LUIZ CARLOS RABELO VIEIRA
  • TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: representações sociais e práticas de utilização entre docentes e discentes do ICED-UFOPA
  • Orientador : DORIEDSON ALVES DE ALMEIDA
  • Data: 25/04/2017
  • Mostrar Resumo
  • Por meio desta dissertação objetivamos identificar as representações sociais e relações a respeito das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) diante do processo de ensino-aprendizagem, segundo a percepção de docentes e discentes universitários de um instituto de formação de professores. Para alcançar esse desígnio realizamos, inicialmente, uma pesquisa teórica cujas temáticas analisadas possibilitaram a apropriação de conhecimentos, subsidiando-nos, dessa forma, no delineamento da pesquisa empírica. Em se tratando da tipologia de método, adotamos a metodologia mista (quantitativa-qualitativa) com suporte na Teoria das Representações Sociais (TRS), especialmente nas suas abordagens dimensional e estrutural. O locus da pesquisa foi o Instituto de Ciências da Educação (ICED), Campus Rondon da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA) de Santarém-Pa. Fizeram parte deste estudo 52 professores e 84 universitários. Para a produção de dados utilizamos três técnicas: a) associação livre de palavras – analisada por meio do uso do programa EVOC; b) questionário – cuja descrição dos dados ocorreu com base na utilização de planilhas eletrônicas; c) entrevista – examinada por meio da metodologia do Discurso do Sujeito Coletivo que é embasada na TRS. A pesquisa obteve aprovação de Comitê de Ética em Pesquisa.
20
  • LUIZ CARLOS RABELO VIEIRA
  • TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES: representações sociais e práticas de utilização entre docentes e discentes do ICED-UFOPA
  • Orientador : DORIEDSON ALVES DE ALMEIDA
  • Data: 25/04/2017
  • Mostrar Resumo
  • Por meio desta dissertação objetivamos identificar as representações sociais e relações a respeito das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) diante do processo de ensino-aprendizagem, segundo a percepção de docentes e discentes universitários de um instituto de formação de professores. Para alcançar esse desígnio realizamos, inicialmente, uma pesquisa teórica cujas temáticas analisadas possibilitaram a apropriação de conhecimentos, subsidiando-nos, dessa forma, no delineamento da pesquisa empírica. Em se tratando da tipologia de método, adotamos a metodologia mista (quantitativa-qualitativa) com suporte na Teoria das Representações Sociais (TRS), especialmente nas suas abordagens dimensional e estrutural. O locus da pesquisa foi o Instituto de Ciências da Educação (ICED), Campus Rondon da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA) de Santarém-Pa. Fizeram parte deste estudo 52 professores e 84 universitários. Para a produção de dados utilizamos três técnicas: a) associação livre de palavras – analisada por meio do uso do programa EVOC; b) questionário – cuja descrição dos dados ocorreu com base na utilização de planilhas eletrônicas; c) entrevista – examinada por meio da metodologia do Discurso do Sujeito Coletivo que é embasada na TRS. A pesquisa obteve aprovação de Comitê de Ética em Pesquisa.
21
  • MÁRCIO DARLEN LOPES CAVALCANTE
  • GAMIFICAÇÃO NA EDUCAÇÃO: UMA PROPOSTA DE FRAMEWORK PARA PRÁTICAS PEDAGÓGICAS GAMIFICADAS BASEADA NA TEORIA DA AUTODETERMINAÇÃO
  • Orientador : DORIEDSON ALVES DE ALMEIDA
  • Data: 26/04/2017
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho, vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Oeste do Pará, na linha de pesquisa Práticas Educativas, Linguagens e Tecnologias, problematizou os desafios de investigar como as práticas pedagógicas gamificadas podem contribuir para promover a motivação para o aprendizado significativo dos alunos. Adotou-se como questão norteadora: como práticas pedagógicas que utilizam como estratégia a gamificação podem estimular a motivação para o aprendizado de alunos de cursos de idiomas, de uma escola privada técnica profissionalizante de Santarém-PA? O objetivo foi desenvolver um modelo visual de planejamento docente destinado à elaboração de atividades pedagógicas gamificadas, que contribua para promover a motivação do aluno para a aprendizagem, a partir de uma proposta de framework baseada na Teoria da Autodeterminação. O referencial teórico constituiu-se de diversos autores, destacando-se: Ausubel, Novak, Huizinga, Csikszentmihalyi, Keller, Bzuneck, Alves, Kapp, Werbach, Deci e Ryan. Como metodologia de pesquisa optou-se pela abordagem Design-Based Research, de natureza qualitativa, apoiado posteriormente pela Análise Textual Discursiva, auxiliado por software especializado em análise de dados qualitativos MAXQDA, sendo os instrumentos de coleta de dados: questionários, observação participante e não participante, entrevistas e diários de campo. Os sujeitos da pesquisa foram alunos de uma turma de idiomas, especificadamente, do nível avançado, além do professore e coordenadora pedagógica do curso. Como resultado percebeu-se que framework proposto é bastante promissor diante da necessidade de promover atividades pedagógicas que estimulem um maior grau de motivação nos alunos, baseado na satisfação dos elementos da Teoria da Autodeterminação. O framework, resultado desta pesquisa, foi disponibilizado através de uma plataforma online para que outros pesquisadores e professores, possam aplica-lo em novos contextos pedagógicos que exijam uma intervenção motivacional e ao mesmo tempo, possam trocar experiências por meio da gamificação.
22
  • MÁRCIO DARLEN LOPES CAVALCANTE
  • GAMIFICAÇÃO NA EDUCAÇÃO: UMA PROPOSTA DE FRAMEWORK PARA PRÁTICAS PEDAGÓGICAS GAMIFICADAS BASEADA NA TEORIA DA AUTODETERMINAÇÃO
  • Orientador : DORIEDSON ALVES DE ALMEIDA
  • Data: 26/04/2017
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho, vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Oeste do Pará, na linha de pesquisa Práticas Educativas, Linguagens e Tecnologias, problematizou os desafios de investigar como as práticas pedagógicas gamificadas podem contribuir para promover a motivação para o aprendizado significativo dos alunos. Adotou-se como questão norteadora: como práticas pedagógicas que utilizam como estratégia a gamificação podem estimular a motivação para o aprendizado de alunos de cursos de idiomas, de uma escola privada técnica profissionalizante de Santarém-PA? O objetivo foi desenvolver um modelo visual de planejamento docente destinado à elaboração de atividades pedagógicas gamificadas, que contribua para promover a motivação do aluno para a aprendizagem, a partir de uma proposta de framework baseada na Teoria da Autodeterminação. O referencial teórico constituiu-se de diversos autores, destacando-se: Ausubel, Novak, Huizinga, Csikszentmihalyi, Keller, Bzuneck, Alves, Kapp, Werbach, Deci e Ryan. Como metodologia de pesquisa optou-se pela abordagem Design-Based Research, de natureza qualitativa, apoiado posteriormente pela Análise Textual Discursiva, auxiliado por software especializado em análise de dados qualitativos MAXQDA, sendo os instrumentos de coleta de dados: questionários, observação participante e não participante, entrevistas e diários de campo. Os sujeitos da pesquisa foram alunos de uma turma de idiomas, especificadamente, do nível avançado, além do professore e coordenadora pedagógica do curso. Como resultado percebeu-se que framework proposto é bastante promissor diante da necessidade de promover atividades pedagógicas que estimulem um maior grau de motivação nos alunos, baseado na satisfação dos elementos da Teoria da Autodeterminação. O framework, resultado desta pesquisa, foi disponibilizado através de uma plataforma online para que outros pesquisadores e professores, possam aplica-lo em novos contextos pedagógicos que exijam uma intervenção motivacional e ao mesmo tempo, possam trocar experiências por meio da gamificação.
23
  • MARTINA DE SIQUEIRA CORRÊA
  • LEITURA DE ESTUDO E CONHECIMENTO NA FORMAÇÃO INICIAL DOS ESTUDANTES DE PEDAGOGIA
  • Orientador : LUIZ PERCIVAL LEME BRITTO
  • Data: 28/04/2017
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho se desenvolve a partir do projeto “leitura de estudo e conhecimento na formação inicial de alunos de pedagogia”, cujo objetivo é investigar como a leitura se articula com o conhecimento e a formação, considerando as estratégias de estudo e aprendizagem de alunos de pedagogia. Para desenvolver tal investigação, realizamos estudo de temas (suporte teórico) que trabalham questões importantes para o desenvolvimento do projeto, como, por exemplo, conhecimento, formação ensino superior e leitura. Dialogamos, de forma especial, com Castello-Pereira (2003), Britto (2004; 2005; 2009), Silva (2010), Britto e Castilho (2009), que, além de desenvolver estudos semelhantes ao nosso, produziram conceitos como: postura epistemológica: crítica ou instrumental, leitura de estudo, disponibilidade objetiva e subjetiva, conceito de autoria e constituição de acervo. Esses conceitos são importantíssimos no nosso trabalho, pois ajudam a dimensionar formas de estudar dos alunos e as motivações que os levam a ter determinados comportamentos diante do conhecimento. Devido à complexidade do tema, foi necessário utilizar um conjunto de metodologias, incluindo aplicação de questionário para um grupo amplo de estudantes (142 alunos) e entrevistas prospectivas dialogadas com um grupo de quatro estudantes. Esta pesquisa contou com a participação de estudantes de duas universidades: uma pública e outra privada, o que nos fornece indícios importantes sobre os processos formativos e concepções de aprender e de conhecer de estudantes de pedagogia. De forma geral, a pesquisa permite dizer que há uma tendência de se relacionar com o conhecimento, estudo e aprendizagem de maneira instrumental. A postura epistemológica dos alunos de pedagogia segue sendo aquela em que o conhecimento é tido como algo instrumental, utilitário, o que incide em posturas também pragmáticas da forma de estudar e aprender.
24
  • MARTINA DE SIQUEIRA CORRÊA
  • LEITURA DE ESTUDO E CONHECIMENTO NA FORMAÇÃO INICIAL DOS ESTUDANTES DE PEDAGOGIA
  • Orientador : LUIZ PERCIVAL LEME BRITTO
  • Data: 28/04/2017
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho se desenvolve a partir do projeto “leitura de estudo e conhecimento na formação inicial de alunos de pedagogia”, cujo objetivo é investigar como a leitura se articula com o conhecimento e a formação, considerando as estratégias de estudo e aprendizagem de alunos de pedagogia. Para desenvolver tal investigação, realizamos estudo de temas (suporte teórico) que trabalham questões importantes para o desenvolvimento do projeto, como, por exemplo, conhecimento, formação ensino superior e leitura. Dialogamos, de forma especial, com Castello-Pereira (2003), Britto (2004; 2005; 2009), Silva (2010), Britto e Castilho (2009), que, além de desenvolver estudos semelhantes ao nosso, produziram conceitos como: postura epistemológica: crítica ou instrumental, leitura de estudo, disponibilidade objetiva e subjetiva, conceito de autoria e constituição de acervo. Esses conceitos são importantíssimos no nosso trabalho, pois ajudam a dimensionar formas de estudar dos alunos e as motivações que os levam a ter determinados comportamentos diante do conhecimento. Devido à complexidade do tema, foi necessário utilizar um conjunto de metodologias, incluindo aplicação de questionário para um grupo amplo de estudantes (142 alunos) e entrevistas prospectivas dialogadas com um grupo de quatro estudantes. Esta pesquisa contou com a participação de estudantes de duas universidades: uma pública e outra privada, o que nos fornece indícios importantes sobre os processos formativos e concepções de aprender e de conhecer de estudantes de pedagogia. De forma geral, a pesquisa permite dizer que há uma tendência de se relacionar com o conhecimento, estudo e aprendizagem de maneira instrumental. A postura epistemológica dos alunos de pedagogia segue sendo aquela em que o conhecimento é tido como algo instrumental, utilitário, o que incide em posturas também pragmáticas da forma de estudar e aprender.
25
  • ERIVELTON FERREIRA SÁ
  • Movimentos amplos na Educação Infantil: uma análise de experiências das crianças em uma UMEI no município de Santarém, Pará
  • Orientador : SINARA ALMEIDA DA COSTA
  • Data: 05/05/2017
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo teve como objetivo geral analisar as experiências de movimentos amplos vivenciadas pelas crianças em uma turma de pré-escola do município de Santarém, Pará. Especificamente pretendemos analisar a proposta curricular municipal, a Proposta Pedagógica da instituição e o Planejamento anual do professor, verificando as experiências propostas com foco no movimento amplo das crianças; Caracterizar a rotina da instituição, para perceber os momentos em que os movimentos amplos mais estão presentes; Compreender a concepção do professor sobre os movimentos amplos e o seu papel no desenvolvimento infantil; Compreender os objetivos das atividades de movimentos amplos planejadas pelo professor. A fundamentação teórica para o desenvolvimento da pesquisa baseou-se nos estudos interacionistas de desenvolvimento humano, especialmente através das ideias de Wallon (1989) com a psicogênese do desenvolvimento infantil e as contribuições da motricidade para a aprendizagem e o desenvolvimento da criança; e Foucault (2014) que analisa os mecanismos dos sistemas de educação para o adestramento dos corpos dos indivíduos. Com base nos procedimentos desenvolvidos o estudo caracteriza-se como uma investigação qualitativa em educação (BOGDAN; BIKLEN, 1994) e em pesquisa de campo (PRESTES, 2003). Ocorreu em uma Unidade Municipal de Educação Infantil pública do Município de Santarém, Pará, com uma turma de pré-escolar II, com quatorze crianças de cinco anos, e seu professor, formado em curso de Licenciatura em Pedagogia. Como estratégia para a construção dos dados realizamos observações e filmagens das atividades desenvolvidas com as crianças Também foi desenvolvida uma entrevista semiestruturada com o professor, realizada em duas etapas, a primeira consistindo em perguntas sobre a história acadêmica e profissional do docente e suas concepções sobre o papel dos movimentos amplos no desenvolvimento infantil e a segunda, do tipo episódica, a partir da percepção do professor acerca de cenas do cotidiano da turma, que foram capturadas durante o período de observação. Utilizamos da análise de conteúdo (BARDIN, 2011) para sistematizar e analisar os dados da investigação. Pudemos constatar que a proposta pedagógica e o planejamento anual do docente tratam superficialmente sobre o trabalho pedagógico com movimentos amplos das crianças e, ao prever tais questões, se restringe a momentos específicos do calendário letivo, como, por exemplo, a semana da criança e o dia do folclore. Também verificamos que, apesar da instituição apresentar uma infraestrutura e ambientes diversos, que possibilitariam variadas vivências de expressão corporal e movimentos amplos às crianças, esses espaços, geralmente, são subutilizados pelo professor, que na maioria das vezes desenvolve suas ações na sala de atividades ou na maloca. Quanto às concepções de desenvolvimento infantil, o professor não apresenta embasamento teórico para respaldá-las, mas faz importantes reflexões da importância dos movimentos amplos para o desenvolvimento infantil. Os momentos da rotina em que os movimentos mais estão presentes são aqueles próximos ao horário de saída, quando o professor, avaliando que já atingiu seus objetivos com atividades pedagógicas, desenvolve ensaios de coreografias de dança ou deixa as crianças livres para criarem suas ações, enquanto se dedica ao registro diário de ocorrências e atividades. As atividades de ampla movimentação observadas emergiam tanto por iniciativa do professor, quanto das crianças, sendo as primeiras mais valorizadas pelo docente, o que demonstra uma visão “adultocentrica”. O docente analisa suas ações, realizando considerações e autocríticas importantes sobre suas condutas, avaliando seu trabalho pedagógico e pensando novas formas de ação com os movimentos amplos das crianças. Nestes termos, consideramos que as crianças da classe pesquisada já vivenciam uma multiplicidade de experiências de ampla movimentação, mas que a intervenção do professor poderia ampliar e diversificar tais experiências através da melhor utilização dos espaços e materiais, contribuindo, assim, para o melhor desenvolvimento infantil.
26
  • ERIVELTON FERREIRA SÁ
  • Movimentos amplos na Educação Infantil: uma análise de experiências das crianças em uma UMEI no município de Santarém, Pará
  • Orientador : SINARA ALMEIDA DA COSTA
  • Data: 05/05/2017
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo teve como objetivo geral analisar as experiências de movimentos amplos vivenciadas pelas crianças em uma turma de pré-escola do município de Santarém, Pará. Especificamente pretendemos analisar a proposta curricular municipal, a Proposta Pedagógica da instituição e o Planejamento anual do professor, verificando as experiências propostas com foco no movimento amplo das crianças; Caracterizar a rotina da instituição, para perceber os momentos em que os movimentos amplos mais estão presentes; Compreender a concepção do professor sobre os movimentos amplos e o seu papel no desenvolvimento infantil; Compreender os objetivos das atividades de movimentos amplos planejadas pelo professor. A fundamentação teórica para o desenvolvimento da pesquisa baseou-se nos estudos interacionistas de desenvolvimento humano, especialmente através das ideias de Wallon (1989) com a psicogênese do desenvolvimento infantil e as contribuições da motricidade para a aprendizagem e o desenvolvimento da criança; e Foucault (2014) que analisa os mecanismos dos sistemas de educação para o adestramento dos corpos dos indivíduos. Com base nos procedimentos desenvolvidos o estudo caracteriza-se como uma investigação qualitativa em educação (BOGDAN; BIKLEN, 1994) e em pesquisa de campo (PRESTES, 2003). Ocorreu em uma Unidade Municipal de Educação Infantil pública do Município de Santarém, Pará, com uma turma de pré-escolar II, com quatorze crianças de cinco anos, e seu professor, formado em curso de Licenciatura em Pedagogia. Como estratégia para a construção dos dados realizamos observações e filmagens das atividades desenvolvidas com as crianças Também foi desenvolvida uma entrevista semiestruturada com o professor, realizada em duas etapas, a primeira consistindo em perguntas sobre a história acadêmica e profissional do docente e suas concepções sobre o papel dos movimentos amplos no desenvolvimento infantil e a segunda, do tipo episódica, a partir da percepção do professor acerca de cenas do cotidiano da turma, que foram capturadas durante o período de observação. Utilizamos da análise de conteúdo (BARDIN, 2011) para sistematizar e analisar os dados da investigação. Pudemos constatar que a proposta pedagógica e o planejamento anual do docente tratam superficialmente sobre o trabalho pedagógico com movimentos amplos das crianças e, ao prever tais questões, se restringe a momentos específicos do calendário letivo, como, por exemplo, a semana da criança e o dia do folclore. Também verificamos que, apesar da instituição apresentar uma infraestrutura e ambientes diversos, que possibilitariam variadas vivências de expressão corporal e movimentos amplos às crianças, esses espaços, geralmente, são subutilizados pelo professor, que na maioria das vezes desenvolve suas ações na sala de atividades ou na maloca. Quanto às concepções de desenvolvimento infantil, o professor não apresenta embasamento teórico para respaldá-las, mas faz importantes reflexões da importância dos movimentos amplos para o desenvolvimento infantil. Os momentos da rotina em que os movimentos mais estão presentes são aqueles próximos ao horário de saída, quando o professor, avaliando que já atingiu seus objetivos com atividades pedagógicas, desenvolve ensaios de coreografias de dança ou deixa as crianças livres para criarem suas ações, enquanto se dedica ao registro diário de ocorrências e atividades. As atividades de ampla movimentação observadas emergiam tanto por iniciativa do professor, quanto das crianças, sendo as primeiras mais valorizadas pelo docente, o que demonstra uma visão “adultocentrica”. O docente analisa suas ações, realizando considerações e autocríticas importantes sobre suas condutas, avaliando seu trabalho pedagógico e pensando novas formas de ação com os movimentos amplos das crianças. Nestes termos, consideramos que as crianças da classe pesquisada já vivenciam uma multiplicidade de experiências de ampla movimentação, mas que a intervenção do professor poderia ampliar e diversificar tais experiências através da melhor utilização dos espaços e materiais, contribuindo, assim, para o melhor desenvolvimento infantil.
27
  • JOSÉ NILSON SILVA DE JESUS
  • A LEI 10.639/2003:À LUZ DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS EM ESCOLAS QUILOMBOLAS NO ALTO RIO TROMBETAS- ORIXIMINÁ/PA
  • Orientador : TANIA SUELY AZEVEDO BRASILEIRO
  • Data: 05/05/2017
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo visa analisar como as práticas pedagógicas dos professores de escolas quilombolas podem contribuir para o processo de aplicabilidade da Lei 10.639/2003 nesses espaços educativos, assumindo a seguinte hipótese: “As práticas pedagógicas de professores lotados em escolas quilombolas contribuem para a aplicabilidade da Lei 10.639/2003, em um contexto social, histórico e geográfico singular da Amazônia e na inclusão de conhecimentos locais para a compreensão do papel do negro na sociedade brasileira”. A pesquisa é de abordagem qualitativa, descritiva, do tipo estudo de caso múltiplo, realizada nas Escolas Quilombolas Municipais de Ensino Fundamental “Baldoíno Melo” e “Nossa Senhora Piedade”, pertencentes ao Sistema Municipal de Educação do Município de Oriximiná/PA e a 3ª URGE (Unidade Regional de Gestão Escolar- Quilombola). O estudo foi bibliográfico, documental e empírico. A pesquisa bibliográfica caminhou para o encontro de estudos sobre educação étnico- cultural de Munanga (1999; 2004; 2005), Gomes (1995; 2002; 2006), Candau (2013), Cavalleiro (1998), Silva (2010), Rocha (2007), Onofre (2014) e outros que voltam seus olhares para a prática pedagógica, a formação de professores e currículo. Assim como Freire (1978; 1981; 1997), contribuíram para a reflexão da temática estudada numa visão sistêmica. Também realizamos um breve Estado da Arte sobre a temática proposta, possibilitando mapear as pesquisas a nível de mestrado e doutorado em educação em relação à Lei 10.639/2003. Quanto à pesquisa documental, a mesma auxiliou na compreensão do fenômeno estudado em consonância com os marcos legais, tendo a Constituição Federal de 1988, a LDB 9394/2006 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional), a própria Lei 10.639/2003 (Inclui no Currículo Oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira"), bem como as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana e Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Quilombola na Educação Básica, como marco legal para analisar o seguinte documento local: O Projeto Político Pedagógico da 3ª URGE. Com relação ao estudo empírico, as técnicas adotadas para a coleta de dados foram a entrevista semiestruturada e o questionário. A entrevista foi aplicada a 05 professores lotados nas duas escolas: e nas seguintes disciplinas: Língua Portuguesa, História, Geografia e Artes, seguido da aplicação de um questionário complementar com dados de identificação dos mesmos e um outro direcionado a 19 alunos de 8º e 9º anos do Ensino Fundamental. A Análise de Conteúdo (BARDIN, 2011) foi adotada para tratamento dos dados. Os resultados da pesquisa demonstram que a Lei 10.639/2003 não está integrada ao Projeto Político Pedagógico da 3ª Unidade Regional de Ensino- Quilombola, fragilizando sua aplicabilidade, mesmo os professores desenvolvendo diversas práticas pedagógicas voltadas à diretrizes desta lei. Pelo fato, de alguns professores desconhecerem ou conhecem superficialmente as mesmas. A lei e a prática pedagógica convivem no mesmo espaço, faltando efetivamente que os professores promovam esse encontro nos lócus estudados.
28
  • JOSÉ NILSON SILVA DE JESUS
  • A LEI 10.639/2003:À LUZ DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS EM ESCOLAS QUILOMBOLAS NO ALTO RIO TROMBETAS- ORIXIMINÁ/PA
  • Orientador : TANIA SUELY AZEVEDO BRASILEIRO
  • Data: 05/05/2017
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo visa analisar como as práticas pedagógicas dos professores de escolas quilombolas podem contribuir para o processo de aplicabilidade da Lei 10.639/2003 nesses espaços educativos, assumindo a seguinte hipótese: “As práticas pedagógicas de professores lotados em escolas quilombolas contribuem para a aplicabilidade da Lei 10.639/2003, em um contexto social, histórico e geográfico singular da Amazônia e na inclusão de conhecimentos locais para a compreensão do papel do negro na sociedade brasileira”. A pesquisa é de abordagem qualitativa, descritiva, do tipo estudo de caso múltiplo, realizada nas Escolas Quilombolas Municipais de Ensino Fundamental “Baldoíno Melo” e “Nossa Senhora Piedade”, pertencentes ao Sistema Municipal de Educação do Município de Oriximiná/PA e a 3ª URGE (Unidade Regional de Gestão Escolar- Quilombola). O estudo foi bibliográfico, documental e empírico. A pesquisa bibliográfica caminhou para o encontro de estudos sobre educação étnico- cultural de Munanga (1999; 2004; 2005), Gomes (1995; 2002; 2006), Candau (2013), Cavalleiro (1998), Silva (2010), Rocha (2007), Onofre (2014) e outros que voltam seus olhares para a prática pedagógica, a formação de professores e currículo. Assim como Freire (1978; 1981; 1997), contribuíram para a reflexão da temática estudada numa visão sistêmica. Também realizamos um breve Estado da Arte sobre a temática proposta, possibilitando mapear as pesquisas a nível de mestrado e doutorado em educação em relação à Lei 10.639/2003. Quanto à pesquisa documental, a mesma auxiliou na compreensão do fenômeno estudado em consonância com os marcos legais, tendo a Constituição Federal de 1988, a LDB 9394/2006 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional), a própria Lei 10.639/2003 (Inclui no Currículo Oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira"), bem como as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana e Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Quilombola na Educação Básica, como marco legal para analisar o seguinte documento local: O Projeto Político Pedagógico da 3ª URGE. Com relação ao estudo empírico, as técnicas adotadas para a coleta de dados foram a entrevista semiestruturada e o questionário. A entrevista foi aplicada a 05 professores lotados nas duas escolas: e nas seguintes disciplinas: Língua Portuguesa, História, Geografia e Artes, seguido da aplicação de um questionário complementar com dados de identificação dos mesmos e um outro direcionado a 19 alunos de 8º e 9º anos do Ensino Fundamental. A Análise de Conteúdo (BARDIN, 2011) foi adotada para tratamento dos dados. Os resultados da pesquisa demonstram que a Lei 10.639/2003 não está integrada ao Projeto Político Pedagógico da 3ª Unidade Regional de Ensino- Quilombola, fragilizando sua aplicabilidade, mesmo os professores desenvolvendo diversas práticas pedagógicas voltadas à diretrizes desta lei. Pelo fato, de alguns professores desconhecerem ou conhecem superficialmente as mesmas. A lei e a prática pedagógica convivem no mesmo espaço, faltando efetivamente que os professores promovam esse encontro nos lócus estudados.
29
  • TALITA ANANDA CORRÊA
  • PROPOSTA PEDAGÓGICA DE TEMPO INTEGRAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ANÁLISE DE UMA REALIDADE
  • Orientador : SINARA ALMEIDA DA COSTA
  • Data: 08/05/2017
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa, de abordagem qualitativa, teve como objetivo analisar a proposta pedagógica de uma instituição pública de Educação Infantil, no município de Santarém- Pará, buscando identificar as especificidades da oferta da jornada de tempo integral. Teve como base de análise a Teoria Histórico-Cultural do desenvolvimento humano, através dos estudos de Vigotski (1993, 1995, 2008) e seus colaboradores. A metodologia utilizada constou de análise documental, observação de duas turmas de pré-escola, sendo uma de tempo integral e uma de tempo parcial e uma entrevista semiestruturada com a coordenadora pedagógica. Os resultados do estudo demonstram que a proposta pedagógica da instituição apresenta poucas diferenças entre as jornadas que oferta. Nas turmas, o que se percebeu foi que o tempo em que as crianças permanecem em atendimento poderia ser mais bem explorado por atividades menos repetitivas, de modo que houvesse a possibilidade de se explorar os conhecimentos mais elaborados da produção humana, tais como: a música, a dança, as artes plásticas, a literatura, entre outros que ajudam a desenvolver funções psíquicas superiores. O currículo está pautado em datas comemorativas e em atividades de apreensão de letras e números que não têm função comunicativa para as crianças. Foi verificado, ainda, que, as divergências encontradas nas duas turmas são referentes aos cuidados físicos das crianças, sendo as atividades de brincadeira e ensino “dobradas” para quem permanece o dia todo na instituição. A comunicação entre as professoras de jornada integral ocorre na troca de horários, momento em que a professora que ficará no restante do dia com a turma chega e se insere na atividade do sono, e a outra professora se retira. Contudo, somente nas reuniões pedagógicas é que elas conversam para planejar suas práticas e conferir as atividades que estão desenvolvendo. A coordenação, juntamente com a pedagoga da UMEI, é que são as responsáveis pela organização das reuniões pedagógicas, das formações e de reuniões avaliativas, dos professores e dos familiares atendidos. Assim, a proposta se efetiva em uma perspectiva adultocêntrica para as crianças que são praticamente alheias ao que se está propondo a elas. E, como não há desafio e motivação na rotina, algumas crianças tentam, à sua maneira, resistir ao que lhes é imposto, interagindo entre elas quando é mandado esperar, se comunicando quando é pedido para silenciar e inventando formas para abalizar a sua infância. Assim, da maneira como está se configurando a proposta de tempo integral e até mesmo a parcial, para as turmas de pré-escolar, é possível inferir que há poucas contribuições positivas para o processo de humanização das crianças. Considerando a proposta pedagógica uma importante ferramenta para orientação da prática vigente na instituição, faz-se necessário que sua efetivação seja mais bem instituída pelos profissionais que fazem parte do processo de educação das crianças pequenas.
30
  • TALITA ANANDA CORRÊA
  • PROPOSTA PEDAGÓGICA DE TEMPO INTEGRAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ANÁLISE DE UMA REALIDADE
  • Orientador : SINARA ALMEIDA DA COSTA
  • Data: 08/05/2017
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa, de abordagem qualitativa, teve como objetivo analisar a proposta pedagógica de uma instituição pública de Educação Infantil, no município de Santarém- Pará, buscando identificar as especificidades da oferta da jornada de tempo integral. Teve como base de análise a Teoria Histórico-Cultural do desenvolvimento humano, através dos estudos de Vigotski (1993, 1995, 2008) e seus colaboradores. A metodologia utilizada constou de análise documental, observação de duas turmas de pré-escola, sendo uma de tempo integral e uma de tempo parcial e uma entrevista semiestruturada com a coordenadora pedagógica. Os resultados do estudo demonstram que a proposta pedagógica da instituição apresenta poucas diferenças entre as jornadas que oferta. Nas turmas, o que se percebeu foi que o tempo em que as crianças permanecem em atendimento poderia ser mais bem explorado por atividades menos repetitivas, de modo que houvesse a possibilidade de se explorar os conhecimentos mais elaborados da produção humana, tais como: a música, a dança, as artes plásticas, a literatura, entre outros que ajudam a desenvolver funções psíquicas superiores. O currículo está pautado em datas comemorativas e em atividades de apreensão de letras e números que não têm função comunicativa para as crianças. Foi verificado, ainda, que, as divergências encontradas nas duas turmas são referentes aos cuidados físicos das crianças, sendo as atividades de brincadeira e ensino “dobradas” para quem permanece o dia todo na instituição. A comunicação entre as professoras de jornada integral ocorre na troca de horários, momento em que a professora que ficará no restante do dia com a turma chega e se insere na atividade do sono, e a outra professora se retira. Contudo, somente nas reuniões pedagógicas é que elas conversam para planejar suas práticas e conferir as atividades que estão desenvolvendo. A coordenação, juntamente com a pedagoga da UMEI, é que são as responsáveis pela organização das reuniões pedagógicas, das formações e de reuniões avaliativas, dos professores e dos familiares atendidos. Assim, a proposta se efetiva em uma perspectiva adultocêntrica para as crianças que são praticamente alheias ao que se está propondo a elas. E, como não há desafio e motivação na rotina, algumas crianças tentam, à sua maneira, resistir ao que lhes é imposto, interagindo entre elas quando é mandado esperar, se comunicando quando é pedido para silenciar e inventando formas para abalizar a sua infância. Assim, da maneira como está se configurando a proposta de tempo integral e até mesmo a parcial, para as turmas de pré-escolar, é possível inferir que há poucas contribuições positivas para o processo de humanização das crianças. Considerando a proposta pedagógica uma importante ferramenta para orientação da prática vigente na instituição, faz-se necessário que sua efetivação seja mais bem instituída pelos profissionais que fazem parte do processo de educação das crianças pequenas.
31
  • ALESSANDRA LIMA AGUIAR
  • O IMPACTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA NOS EGRESSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS-INGLÊS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ
  • Orientador : NILTON VARELA HITOTUZI
  • Data: 02/06/2017
  • Mostrar Resumo
  • RESUMO AGUIAR, A.L. Impactos do Programa de Bolsa Institucional de Iniciação à Docência (PIBID) nos egressos de licenciatura em letras-inglês da universidade federal do oeste do Pará. Dissertação apresentada ao programa de pós-graduação em Educação da Universidade Federal do Oeste do Pará, 2016 O Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (Pibid) tem sido pauta de muitas pesquisas no campo da educação. O mesmo foi criado com a finalidade de incentivar a formação inicial, além de inserir o licenciando na docência possibilitando experiências na prática pedagógica em escolas públicas de educação básica. Ao tomar o Pibid como objeto de estudo, esta pesquisa teve como principal objetivo investigar quais os impactos do programa em egressos do curso de Licenciatura em Letras-Inglês da Universidade Federal do Oeste do Pará. O referido trabalho está embasado em teóricos que abordam a formação de professores, como Romanowski (2007), Gatti (2010), Saviani (2009); além de teóricos da língua inglesa, como Leffa (2001), Gimenez (2002) e Lima (2011) e ainda, embasado na filosofia de Dewey (2010), considera a experiência como o ponto de partida para o aprendizado. O desenvolvimento desse trabalho respaldou-se na pesquisa bibliográfica e nos dados levantados por meio de questionário e entrevista. A abrangência da pesquisa contempla a descrição das atividades que foram desenvolvidas pelos ex-pibidianos no período entre agosto de 2012 a dezembro de 2014. A pesquisa delineou-se pela abordagem qualitativa e foi desenvolvida através de um estudo de caso. Como sujeitos do estudo, investigamos três egressos da universidade que, atualmente, são professores de inglês na educação básica. Nosso objetivo principal e a questão norteadora da investigação era saber quais os impactos do Pibid na vida dos ex-bolsistas que já estão atuando como docentes na educação básica. Além disso, investigar, também, se o programa ajudou os docentes na proficiência da língua inglesa; se contribuiu para sua formação acadêmica e se influenciou na sua atuação profissional. Após a coleta dos dados, por meio de questionário e entrevista, foi possível perceber que os principais impactos foram a descoberta pelo ofício do magistério e a identidade com a docência. Pode-se imaginar um cenário bem diferente se esses egressos não tivessem participado do programa. É possível que sequer estivessem atuando como professores, uma vez que, antes da experiência do Pibid, os ex-bolsistas não tencionavam seguir a carreira docente– a prática vivida na escola e a experiência adquirida durante esses dois anos (2012-2014) foram fundamentais para a sua tomada de decisão. Além disso, o Pibid oportunizou a esses professores vivenciar e socializar a língua inglesa, seja com colegas, alunos e professores de Santarém, seja com professores americanos que ministravam oficinas e minicursos, durante suas participações no programa. Por essas razões, concluímos que o Pibid contribuiu amplamente para a formação acadêmica desses egressos, tanto em relação à proficiência na língua inglesa como em relação à escolha profissional e à prática pedagógica.
32
  • ALESSANDRA LIMA AGUIAR
  • O IMPACTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA NOS EGRESSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS-INGLÊS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ
  • Orientador : NILTON VARELA HITOTUZI
  • Data: 02/06/2017
  • Mostrar Resumo
  • RESUMO AGUIAR, A.L. Impactos do Programa de Bolsa Institucional de Iniciação à Docência (PIBID) nos egressos de licenciatura em letras-inglês da universidade federal do oeste do Pará. Dissertação apresentada ao programa de pós-graduação em Educação da Universidade Federal do Oeste do Pará, 2016 O Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (Pibid) tem sido pauta de muitas pesquisas no campo da educação. O mesmo foi criado com a finalidade de incentivar a formação inicial, além de inserir o licenciando na docência possibilitando experiências na prática pedagógica em escolas públicas de educação básica. Ao tomar o Pibid como objeto de estudo, esta pesquisa teve como principal objetivo investigar quais os impactos do programa em egressos do curso de Licenciatura em Letras-Inglês da Universidade Federal do Oeste do Pará. O referido trabalho está embasado em teóricos que abordam a formação de professores, como Romanowski (2007), Gatti (2010), Saviani (2009); além de teóricos da língua inglesa, como Leffa (2001), Gimenez (2002) e Lima (2011) e ainda, embasado na filosofia de Dewey (2010), considera a experiência como o ponto de partida para o aprendizado. O desenvolvimento desse trabalho respaldou-se na pesquisa bibliográfica e nos dados levantados por meio de questionário e entrevista. A abrangência da pesquisa contempla a descrição das atividades que foram desenvolvidas pelos ex-pibidianos no período entre agosto de 2012 a dezembro de 2014. A pesquisa delineou-se pela abordagem qualitativa e foi desenvolvida através de um estudo de caso. Como sujeitos do estudo, investigamos três egressos da universidade que, atualmente, são professores de inglês na educação básica. Nosso objetivo principal e a questão norteadora da investigação era saber quais os impactos do Pibid na vida dos ex-bolsistas que já estão atuando como docentes na educação básica. Além disso, investigar, também, se o programa ajudou os docentes na proficiência da língua inglesa; se contribuiu para sua formação acadêmica e se influenciou na sua atuação profissional. Após a coleta dos dados, por meio de questionário e entrevista, foi possível perceber que os principais impactos foram a descoberta pelo ofício do magistério e a identidade com a docência. Pode-se imaginar um cenário bem diferente se esses egressos não tivessem participado do programa. É possível que sequer estivessem atuando como professores, uma vez que, antes da experiência do Pibid, os ex-bolsistas não tencionavam seguir a carreira docente– a prática vivida na escola e a experiência adquirida durante esses dois anos (2012-2014) foram fundamentais para a sua tomada de decisão. Além disso, o Pibid oportunizou a esses professores vivenciar e socializar a língua inglesa, seja com colegas, alunos e professores de Santarém, seja com professores americanos que ministravam oficinas e minicursos, durante suas participações no programa. Por essas razões, concluímos que o Pibid contribuiu amplamente para a formação acadêmica desses egressos, tanto em relação à proficiência na língua inglesa como em relação à escolha profissional e à prática pedagógica.
33
  • ANA CAMILA GARCIA SENA SOUZA
  • OS SABERES DA EXPERIÊNCIA: UM OLHAR SOBRE A CONSTRUÇÃO DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DO FARMACÊUTICO DOCENTE
  • Orientador : IANI DIAS LAUER LEITE
  • Data: 21/06/2017
  • Mostrar Resumo
  • O cenário atual da educação tem apontado momentos de tensões significativas que retratam o saber docente, entre o global e o particular e entre o tradicional e o moderno. Tais saberes, assim como as habilidades que os docentes devem possuir estão em um período de crise conceitual, devido as mudanças expressivas nos setores sociais, políticos, econômicos e cultural. E se tratando em docência de Ensino Superior busca-se que a formação acadêmica esteja voltada para estudos sobre a formação na docência, pois este profissional deva estar continuamente estudando, e que os estudos estejam voltados para as vivências, angustias, necessidade de mudanças nas práticas que desenvolvem e revisão de conceitos. A necessidade de profissionais habilitados na área específica tem levado bacharéis à docência, o que suscita a questão sobre como se dá a prática pedagógica de tais profissionais, que não tem em sua formação acadêmica, o preparo técnico para a docência. Essa discussão vem ao encontro de inquietações evidenciadas nos debates realizadas pelo Conselho Federal de Farmácia – CFF e Associação Brasileira de Educação Farmacêutica - ABEF, através das Conferências, Fóruns e Encontros Nacionais de Educação Farmacêutica, nos últimos anos. Pensar em como os Farmacêuticos que atuam na docência podem conceber as práticas pedagógicas é considerar uma formação de Farmacêuticos docentes calcada em um modelo de profissional que busca constantemente refletir sobre suas práticas, e a ampliação da compreensão dos saberes e habilidades que envolvem a profissão de professor. Portanto, a presente pesquisa objetiva averiguar os saberes docentes de professores farmacêuticos a partir de relatos sobre a construção de suas práticas pedagógicas na atuação nos cursos de Farmácia, em Santarém, Pará. Os objetivos específicos são: Conhecer a trajetória profissional que levou à docência; identificar como os participantes conceituam a identidade do farmacêutico docente; descrever como os docentes construíram e constroem suas práticas pedagógicas e verificar como os participantes avaliam suas práticas pedagógicas atualmente. Participarão Farmacêuticos docentes que atuam a pelos menos um ano em cursos de graduação em Farmácia, na cidade de Santarém, Pará. Os dados serão coletados a partir de entrevistas individuais semiestruturadas e aplicação de questionário sociodemográfico. Os dados oriundos do questionário sociodemográfico serão analisados mediante o programa Excell, para criação de tabelas de frequência, assim como estabelecimento de medidas de tendência central. Os dados advindos das entrevistas individuais serão analisados mediante a técnica do Discurso do Sujeito Coletivo-DSC proposta por Lefèvre e Lefèvre. Os participantes terão sua identidade resguardada, conforme Resolução 466 de2012. Espera-se que os resultados sejam úteis no âmbito coletivo, ao fornecer subsídios empíricos para as discussões em Educação Farmacêutica, de maneira a fomentar resoluções que melhorem o ensino de Farmácia; no âmbito individual, que os dados gerados sirvam de suporte para farmacêuticos que aceitam o desafio da docência, contribuindo com avanços no ensino em farmácia.
34
  • ANA CAMILA GARCIA SENA SOUZA
  • OS SABERES DA EXPERIÊNCIA: UM OLHAR SOBRE A CONSTRUÇÃO DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DO FARMACÊUTICO DOCENTE
  • Orientador : IANI DIAS LAUER LEITE
  • Data: 21/06/2017
  • Mostrar Resumo
  • O cenário atual da educação tem apontado momentos de tensões significativas que retratam o saber docente, entre o global e o particular e entre o tradicional e o moderno. Tais saberes, assim como as habilidades que os docentes devem possuir estão em um período de crise conceitual, devido as mudanças expressivas nos setores sociais, políticos, econômicos e cultural. E se tratando em docência de Ensino Superior busca-se que a formação acadêmica esteja voltada para estudos sobre a formação na docência, pois este profissional deva estar continuamente estudando, e que os estudos estejam voltados para as vivências, angustias, necessidade de mudanças nas práticas que desenvolvem e revisão de conceitos. A necessidade de profissionais habilitados na área específica tem levado bacharéis à docência, o que suscita a questão sobre como se dá a prática pedagógica de tais profissionais, que não tem em sua formação acadêmica, o preparo técnico para a docência. Essa discussão vem ao encontro de inquietações evidenciadas nos debates realizadas pelo Conselho Federal de Farmácia – CFF e Associação Brasileira de Educação Farmacêutica - ABEF, através das Conferências, Fóruns e Encontros Nacionais de Educação Farmacêutica, nos últimos anos. Pensar em como os Farmacêuticos que atuam na docência podem conceber as práticas pedagógicas é considerar uma formação de Farmacêuticos docentes calcada em um modelo de profissional que busca constantemente refletir sobre suas práticas, e a ampliação da compreensão dos saberes e habilidades que envolvem a profissão de professor. Portanto, a presente pesquisa objetiva averiguar os saberes docentes de professores farmacêuticos a partir de relatos sobre a construção de suas práticas pedagógicas na atuação nos cursos de Farmácia, em Santarém, Pará. Os objetivos específicos são: Conhecer a trajetória profissional que levou à docência; identificar como os participantes conceituam a identidade do farmacêutico docente; descrever como os docentes construíram e constroem suas práticas pedagógicas e verificar como os participantes avaliam suas práticas pedagógicas atualmente. Participarão Farmacêuticos docentes que atuam a pelos menos um ano em cursos de graduação em Farmácia, na cidade de Santarém, Pará. Os dados serão coletados a partir de entrevistas individuais semiestruturadas e aplicação de questionário sociodemográfico. Os dados oriundos do questionário sociodemográfico serão analisados mediante o programa Excell, para criação de tabelas de frequência, assim como estabelecimento de medidas de tendência central. Os dados advindos das entrevistas individuais serão analisados mediante a técnica do Discurso do Sujeito Coletivo-DSC proposta por Lefèvre e Lefèvre. Os participantes terão sua identidade resguardada, conforme Resolução 466 de2012. Espera-se que os resultados sejam úteis no âmbito coletivo, ao fornecer subsídios empíricos para as discussões em Educação Farmacêutica, de maneira a fomentar resoluções que melhorem o ensino de Farmácia; no âmbito individual, que os dados gerados sirvam de suporte para farmacêuticos que aceitam o desafio da docência, contribuindo com avanços no ensino em farmácia.
35
  • CAREN ALESSANDRA KLUSKA
  • A educação escolar em Fordlândia – PA e a influência da Companhia Ford Industrial do Brasil, de 1931 a 1945.
  • Orientador : ANSELMO ALENCAR COLARES
  • Data: 28/06/2017
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo trata da educação escolar na localidade de Fordlândia – PA, no contexto da vigência do Projeto da Companhia Ford Industrial do Brasil na Amazônia (CFIB), no período de 1931 a 1945. O problema a ser respondido com esta pesquisa refere-se às concepções educacionais e práticas delas decorrentes no Grupo Escolar de Fordlândia e quais as suas relações com a CFIB e com o Governo Estadual do Pará, além da análise de suas relações com as mudanças políticas e educacionais que aconteciam no período, buscando compreender particularidades da escola na totalidade tanto do projeto quanto do quadro geral do inseridas ao todo. O objetivo deste estudo é compreender e registrar o modelo de educação aplicado na escola de ensino primário construída no local onde foi implantado o projeto de base industrial, fundada no ano de 1931 e os seus desdobramentos até 1945, ano em que o projeto teve fim. O estudo delineou-se como pesquisa qualitativa e foi desenvolvido como um estudo de caso, tendo como metodologia a pesquisa bibliográfica para embasamento teórico, pesquisa de imagens e vídeos da web, assim como pesquisa de campo para coleta de dados por meio de pesquisa documental e entrevistas abertas realizadas com três ex-alunos do Grupo Escolar de Fordlândia. O referido estudo está embasado em autores como Amorim (1995), Costa (2012), Dean (1989), Grandin (2010), Jackson (2011), Lourenço (1999), Maia (2002) e Santos (1980), para a compreensão de aspectos históricos relacionados a Fordlândia e, mais especificamente no campo histórico educacional: Aranha (2006), Coelho (2008), Ribeiro (2010), Marzzit;telli (2016), Romanelli (2007) e Xavier (2004). No ano de 1927 é criada a Companhia Ford Industrial do Brasil, com o intuito de iniciar no Pará uma plantação de seringueiras em ambiente nativo que abasteceria as indústrias fabricantes de carros de Henry Ford nos Estados Unidos. Uma cidade foi montada na localidade batizada como Fordlândia, com casas, serraria, usina de força, sistema de abastecimento de água, áreas de lazer e uma escola. Após a coleta, análise e triangulação dos dados, foi possível perceber que o Grupo Escolar de Fordlândia, apesar de púlica, atendia somente aos filhos dos trabalhadores da CFIB e, mesmo estando dentro da concessão de Fordlândia, não era controlada pela empresa, respondendo administrativa e pedagogicamente ao governo do Estado do Pará. A empresa realizava os pagamentos das professoras do Grupo, que eram enviadas pela Secretaria de Educação e Cultura da capital, e forneciam uniformes escolares e outros quando solicitado, além de estar presente em sessões solenes realizadas. A presença desta escola era utilizada como meio de atrair trabalhadores para os seringais, como marketing e propaganda e nada era feito pela CFIB para evitar a evasão escolar, tendo em vista que explorava a mão-de-obra infantil As práticas desenvolvidas estavam embasadas na corrente de ensino tradicional, aprendidas pelas professoras nas escolas normais e transferidas para esta escola, pautando o processo de aprendizagem pelo uso da palmatória e da sabatina.
36
  • CAREN ALESSANDRA KLUSKA
  • A educação escolar em Fordlândia – PA e a influência da Companhia Ford Industrial do Brasil, de 1931 a 1945.
  • Orientador : ANSELMO ALENCAR COLARES
  • Data: 28/06/2017
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo trata da educação escolar na localidade de Fordlândia – PA, no contexto da vigência do Projeto da Companhia Ford Industrial do Brasil na Amazônia (CFIB), no período de 1931 a 1945. O problema a ser respondido com esta pesquisa refere-se às concepções educacionais e práticas delas decorrentes no Grupo Escolar de Fordlândia e quais as suas relações com a CFIB e com o Governo Estadual do Pará, além da análise de suas relações com as mudanças políticas e educacionais que aconteciam no período, buscando compreender particularidades da escola na totalidade tanto do projeto quanto do quadro geral do inseridas ao todo. O objetivo deste estudo é compreender e registrar o modelo de educação aplicado na escola de ensino primário construída no local onde foi implantado o projeto de base industrial, fundada no ano de 1931 e os seus desdobramentos até 1945, ano em que o projeto teve fim. O estudo delineou-se como pesquisa qualitativa e foi desenvolvido como um estudo de caso, tendo como metodologia a pesquisa bibliográfica para embasamento teórico, pesquisa de imagens e vídeos da web, assim como pesquisa de campo para coleta de dados por meio de pesquisa documental e entrevistas abertas realizadas com três ex-alunos do Grupo Escolar de Fordlândia. O referido estudo está embasado em autores como Amorim (1995), Costa (2012), Dean (1989), Grandin (2010), Jackson (2011), Lourenço (1999), Maia (2002) e Santos (1980), para a compreensão de aspectos históricos relacionados a Fordlândia e, mais especificamente no campo histórico educacional: Aranha (2006), Coelho (2008), Ribeiro (2010), Marzzit;telli (2016), Romanelli (2007) e Xavier (2004). No ano de 1927 é criada a Companhia Ford Industrial do Brasil, com o intuito de iniciar no Pará uma plantação de seringueiras em ambiente nativo que abasteceria as indústrias fabricantes de carros de Henry Ford nos Estados Unidos. Uma cidade foi montada na localidade batizada como Fordlândia, com casas, serraria, usina de força, sistema de abastecimento de água, áreas de lazer e uma escola. Após a coleta, análise e triangulação dos dados, foi possível perceber que o Grupo Escolar de Fordlândia, apesar de púlica, atendia somente aos filhos dos trabalhadores da CFIB e, mesmo estando dentro da concessão de Fordlândia, não era controlada pela empresa, respondendo administrativa e pedagogicamente ao governo do Estado do Pará. A empresa realizava os pagamentos das professoras do Grupo, que eram enviadas pela Secretaria de Educação e Cultura da capital, e forneciam uniformes escolares e outros quando solicitado, além de estar presente em sessões solenes realizadas. A presença desta escola era utilizada como meio de atrair trabalhadores para os seringais, como marketing e propaganda e nada era feito pela CFIB para evitar a evasão escolar, tendo em vista que explorava a mão-de-obra infantil As práticas desenvolvidas estavam embasadas na corrente de ensino tradicional, aprendidas pelas professoras nas escolas normais e transferidas para esta escola, pautando o processo de aprendizagem pelo uso da palmatória e da sabatina.
37
  • MILCA ALINE COLARES GUALBERTO
  • A Infância na Percepção de Crianças em Acolhimento Institucional no Município de Santarém - Pará
  • Orientador : IANI DIAS LAUER LEITE
  • Data: 28/08/2017
  • Mostrar Resumo
  • O objetivo desta pesquisa foi investigar quais as concepções de crianças entre cinco a doze anos de idade que vivem em situação de acolhimento institucional no município de Santarém-Pará, sobre o que é ser criança. Para a composição teórica deste trabalho, a pesquisa ancorou-se no Modelo Bioecológico do Desenvolvimento Humano de Urie Bronfenbrenner (2011), bem como, nas contribuições de Ariès (1978), Sarmento e Pinto (1997), Kramer (2002), Kuhlmann Júnior (2004), Lefèvre & Lefèvre (2005), Martins Filho e Barbosa (2010), Feitosa (2011) entre outros. Participaram 10 crianças, sendo 4 meninas e 6 meninos. Para a leitura subjetiva das crianças foram utilizados os instrumentos: Roteiro de Grupo Focal; Folha de Dados Sociodemográficos, Visita guiada pelas crianças nas dependências da instituição; Entrevistas individuais por meio do instrumento História pra completar (MARTINS, 2000), bem como uma técnica adicional com a realização do teatro de fantoches sobre a história pra completar. Para a análise dos dados, utilizou-se a técnica do Discurso do Sujeito Coletivo – DSC (LEFÈVRE & LEFÈVRE, 2012) e Análise Narrativa (HUBERMAN e MILES, 1991). Quanto aos resultados, são apresentados dois tipos de resultados que se inter-relacionam: 1) dados do contexto e 2) dados do objeto central da pesquisa. Com relação aos dados do contexto, observou-se que a rotina das crianças e as atividades que elas realizavam eram determinadas pelas regras e normas institucionais. Quanto ao objeto principal da dissertação, sobre o ―ser criança‖, foram formadas 2 classes de resultados: a) o que é ser criança e 2) o que criança gosta. As ideias centrais encontradas no grupo ―O que é ser criança‖ foram: A: Criança é uma pessoa; B: Referência ao personagem João; C: Característica física; D: Não saber; E: Faz comparação com um adulto; F: A criança é um ―fruto‖, uma ―flor‖; G: Utiliza-se como referência; H: Relaciona ao gênero; I: Relaciona à moradia; J: Faz referência à família; K: Relaciona à amizade; L: Ser criança; M: Relaciona ao sentimento. As Ideias Centrais sobre ―O que criança gosta‖ foram: A: Brincadeiras/ diversão; B: Ser criança; C: Utiliza-se como referência; D: Característica física; E: Faz referência a alimentação; F: Estudar/ ler; G: Faz referência aos animais; H: Relaciona ao ambiente/ abrigo; I: Não fazer nada. Várias ideias centrais encontradas em ambas as classes foram influenciadas pelos dados de contexto, em especial pelas situações recentes, como chegada recente ao Abrigo, a não ida à escola, as responsabilidades individuais vivenciadas no abrigo, dentre outros. Portanto, observou-se a mediação dos aspectos contextuais sobre a concepção de ser criança, ao mesmo tempo em que foram encontradas respostas mais universais, verificadas em estudos anteriores com crianças vivendo em outros contextos, como exemplo, as que dizem respeito a algumas características físicas da criança e suas preferências. O estudo contribuiu no aspecto teórico, ao trazer resultados empíricos que somam aos estudos já realizados no sentido de compreender melhor as concepções de ser criança para crianças de diversos contextos, assim como a influência dessas variáveis sobre a definição do construto em estudo. No aspecto desenvolvimental, a pesquisa em questão traz resultados que poderão ser usados como insumos para criação de ambientes mais adequados ao pleno desenvolvimento infantil em contextos institucionais.
38
  • MILCA ALINE COLARES GUALBERTO
  • A Infância na Percepção de Crianças em Acolhimento Institucional no Município de Santarém - Pará
  • Orientador : IANI DIAS LAUER LEITE
  • Data: 28/08/2017
  • Mostrar Resumo
  • O objetivo desta pesquisa foi investigar quais as concepções de crianças entre cinco a doze anos de idade que vivem em situação de acolhimento institucional no município de Santarém-Pará, sobre o que é ser criança. Para a composição teórica deste trabalho, a pesquisa ancorou-se no Modelo Bioecológico do Desenvolvimento Humano de Urie Bronfenbrenner (2011), bem como, nas contribuições de Ariès (1978), Sarmento e Pinto (1997), Kramer (2002), Kuhlmann Júnior (2004), Lefèvre & Lefèvre (2005), Martins Filho e Barbosa (2010), Feitosa (2011) entre outros. Participaram 10 crianças, sendo 4 meninas e 6 meninos. Para a leitura subjetiva das crianças foram utilizados os instrumentos: Roteiro de Grupo Focal; Folha de Dados Sociodemográficos, Visita guiada pelas crianças nas dependências da instituição; Entrevistas individuais por meio do instrumento História pra completar (MARTINS, 2000), bem como uma técnica adicional com a realização do teatro de fantoches sobre a história pra completar. Para a análise dos dados, utilizou-se a técnica do Discurso do Sujeito Coletivo – DSC (LEFÈVRE & LEFÈVRE, 2012) e Análise Narrativa (HUBERMAN e MILES, 1991). Quanto aos resultados, são apresentados dois tipos de resultados que se inter-relacionam: 1) dados do contexto e 2) dados do objeto central da pesquisa. Com relação aos dados do contexto, observou-se que a rotina das crianças e as atividades que elas realizavam eram determinadas pelas regras e normas institucionais. Quanto ao objeto principal da dissertação, sobre o ―ser criança‖, foram formadas 2 classes de resultados: a) o que é ser criança e 2) o que criança gosta. As ideias centrais encontradas no grupo ―O que é ser criança‖ foram: A: Criança é uma pessoa; B: Referência ao personagem João; C: Característica física; D: Não saber; E: Faz comparação com um adulto; F: A criança é um ―fruto‖, uma ―flor‖; G: Utiliza-se como referência; H: Relaciona ao gênero; I: Relaciona à moradia; J: Faz referência à família; K: Relaciona à amizade; L: Ser criança; M: Relaciona ao sentimento. As Ideias Centrais sobre ―O que criança gosta‖ foram: A: Brincadeiras/ diversão; B: Ser criança; C: Utiliza-se como referência; D: Característica física; E: Faz referência a alimentação; F: Estudar/ ler; G: Faz referência aos animais; H: Relaciona ao ambiente/ abrigo; I: Não fazer nada. Várias ideias centrais encontradas em ambas as classes foram influenciadas pelos dados de contexto, em especial pelas situações recentes, como chegada recente ao Abrigo, a não ida à escola, as responsabilidades individuais vivenciadas no abrigo, dentre outros. Portanto, observou-se a mediação dos aspectos contextuais sobre a concepção de ser criança, ao mesmo tempo em que foram encontradas respostas mais universais, verificadas em estudos anteriores com crianças vivendo em outros contextos, como exemplo, as que dizem respeito a algumas características físicas da criança e suas preferências. O estudo contribuiu no aspecto teórico, ao trazer resultados empíricos que somam aos estudos já realizados no sentido de compreender melhor as concepções de ser criança para crianças de diversos contextos, assim como a influência dessas variáveis sobre a definição do construto em estudo. No aspecto desenvolvimental, a pesquisa em questão traz resultados que poderão ser usados como insumos para criação de ambientes mais adequados ao pleno desenvolvimento infantil em contextos institucionais.
39
  • FADYA LORENA DE SOUZA MOURA
  • NORMA-PADRÃO: CARACTERIZAÇÃO E ENSINO
  • Orientador : EDIENE PENA FERREIRA
  • Data: 13/10/2017
  • Mostrar Resumo
  • O objetivo desta pesquisa é compreender como se caracteriza a norma-padrão objetiva do português brasileiro e quais são as suas implicações para o ensino, utilizando como corpus textos de jornais de maior circulação no Brasil. Partimos da assunção de que existe uma norma-padrão objetiva que sofre influência do discurso e que, portanto, é modificada pelos próprios usos. Discutimos a respeito das abordagens tradicional e linguística da norma-padrão em sala de aula, compreendendo que esta última pode contribuir para o desenvolvimento do pensamento crítico do aluno sobre a língua. Adotando a abordagem linguística, analisamos textos jornalísticos do ano de 1995 e do ano de 2015, com o intuito de verificar se, em 20 anos, houve alguma diferença no padrão linguístico apresentado. Os fenômenos analisados foram selecionados pelo critério da tensão normativa, investigamos fenômenos com baixa e com alta tensão normativa. Observamos que alguns fenômenos linguísticos bastante frequentes na oralidade de falantes do segmento social de maior poder não são vistos com tanta frequência na modalidade escrita, outros são inexistentes no recorte de textos que foi feito para constituição do corpus. No entanto, outros fenômenos comuns na oralidade, são vistos em textos formais mesmo que em baixa frequência, o que aponta para futura aceitação maior desses fenômenos. Em comparação ao que foi observado na análise dos fenômenos dos diferentes períodos, observamos bastante similaridade no padrão apresentado nos dois períodos analisados. Concluímos que a norma-padrão que se objetiva na escrita é de fato uma realidade diferente da oralidade e é rigidamente controlada, no entanto, com o aparecimento de fenômenos com alta tensão normativa, vimos que esta norma também é moldada pelo discurso, embora isso ocorra de forma lenta, tornando necessário o trabalho com dados empíricos atuais para conhecê-la.
40
  • FADYA LORENA DE SOUZA MOURA
  • NORMA-PADRÃO: CARACTERIZAÇÃO E ENSINO
  • Orientador : EDIENE PENA FERREIRA
  • Data: 13/10/2017
  • Mostrar Resumo
  • O objetivo desta pesquisa é compreender como se caracteriza a norma-padrão objetiva do português brasileiro e quais são as suas implicações para o ensino, utilizando como corpus textos de jornais de maior circulação no Brasil. Partimos da assunção de que existe uma norma-padrão objetiva que sofre influência do discurso e que, portanto, é modificada pelos próprios usos. Discutimos a respeito das abordagens tradicional e linguística da norma-padrão em sala de aula, compreendendo que esta última pode contribuir para o desenvolvimento do pensamento crítico do aluno sobre a língua. Adotando a abordagem linguística, analisamos textos jornalísticos do ano de 1995 e do ano de 2015, com o intuito de verificar se, em 20 anos, houve alguma diferença no padrão linguístico apresentado. Os fenômenos analisados foram selecionados pelo critério da tensão normativa, investigamos fenômenos com baixa e com alta tensão normativa. Observamos que alguns fenômenos linguísticos bastante frequentes na oralidade de falantes do segmento social de maior poder não são vistos com tanta frequência na modalidade escrita, outros são inexistentes no recorte de textos que foi feito para constituição do corpus. No entanto, outros fenômenos comuns na oralidade, são vistos em textos formais mesmo que em baixa frequência, o que aponta para futura aceitação maior desses fenômenos. Em comparação ao que foi observado na análise dos fenômenos dos diferentes períodos, observamos bastante similaridade no padrão apresentado nos dois períodos analisados. Concluímos que a norma-padrão que se objetiva na escrita é de fato uma realidade diferente da oralidade e é rigidamente controlada, no entanto, com o aparecimento de fenômenos com alta tensão normativa, vimos que esta norma também é moldada pelo discurso, embora isso ocorra de forma lenta, tornando necessário o trabalho com dados empíricos atuais para conhecê-la.
41
  • TÂNIA CASTRO GOMES
  • A Educação Integral e o Programa Ensino Médio Inovador – ProEMI: singularidades desta política em uma escola estadual.
  • Orientador : MARIA LILIA IMBIRIBA SOUSA COLARES
  • Data: 13/11/2017
  • Mostrar Resumo
  • No sentido de efetivar políticas públicas relacionadas à Educação Integral, na educação básica são desenvolvidos ações e programas, por meio do Ministério de Educação e Cultura/MEC. No Ensino Médio, como política indutora da educação integral, o ProEMI apoia os estados na busca da universalização do atendimento do ensino médio, a partir da reestruturação do currículo escolar, ampliando o tempo na escola e a diversidade de práticas pedagógicas, de forma a atender às necessidades e expectativas dos estudantes desse nível de ensino. No campo da educação em tempo integral, o ProEMI articula as dimensões trabalho, ciência, cultura e tecnologia, conforme descrito nas Diretrizes Curriculares Nacionais de Ensino Médio. Nesse contexto, esta pesquisa teve por objetivo analisar o Programa Ensino Médio Inovador – ProEMI implementado em uma escola estadual em Santarém-Pará, no período de 2012 a 2014. Este período justifica-se por corresponder ao ano de implantação (2012), na cidade, e desenvolvimento do primeiro ciclo das atividades concernentes ao programa, que condizem aos três anos (2012, 2013 e 2014). No percurso do trabalho nos fundamentamos nos estudos de Anastasiou (2001); Brandão (2007); Castro e Lopes (2011); Coelho (2009); Colares e Colares (2013); Costa e Rosa (2010); Freitas e Galter (2007); Frigotto (2006); Gadotti (2009); Goch e Colares (2015); Gohn (2001); Guará (2006); Holfling (2001); Kuenzer (2007); Maroneze e Lara (2009); Moll (2010); Paro (1988, 2009); Rinalde e Silva (2017); Romanelli (2010); Santos (2014), dentre outros. A investigação foi desenvolvida por meio do estudo de caso realizado em uma unidade escolar do município de Santarém/Pará. Envolveu técnicas padronizadas de coleta de dados, como entrevista semiestruturada e, na discussão dos resultados, utilizamos a análise de conteúdo (BARDIN, 2011), com base nas evidências agrupadas por categorias. As categorias elencadas foram: conceito de educação integral e ações pedagógicas no ProEMI. Com relação aos resultados da pesquisa identificamos disparidades entre a concepção de educação integral e educação em tempo integral na escola estudada. Sobre as ações pedagógicas desenvolvidas no ProEMI, observamos, na investigação, que as orientações sobre a efetivação do programa não condizem com realidade encontrada na implementação no que se refere ao assessoramento técnico, pedagógico e financeiro, à garantia de execução dos projetos originados na demanda da comunidade escolar, à obrigatoriedade em compreender a coexistência do ProEMI e Projeto Jovem do Futuro em suas concepções e metodologias distintas e à necessidade de organização pedagógica da escola em turno parcial para atender propostas de um currículo interdisciplinar.
42
  • TÂNIA CASTRO GOMES
  • A Educação Integral e o Programa Ensino Médio Inovador – ProEMI: singularidades desta política em uma escola estadual.
  • Orientador : MARIA LILIA IMBIRIBA SOUSA COLARES
  • Data: 13/11/2017
  • Mostrar Resumo
  • No sentido de efetivar políticas públicas relacionadas à Educação Integral, na educação básica são desenvolvidos ações e programas, por meio do Ministério de Educação e Cultura/MEC. No Ensino Médio, como política indutora da educação integral, o ProEMI apoia os estados na busca da universalização do atendimento do ensino médio, a partir da reestruturação do currículo escolar, ampliando o tempo na escola e a diversidade de práticas pedagógicas, de forma a atender às necessidades e expectativas dos estudantes desse nível de ensino. No campo da educação em tempo integral, o ProEMI articula as dimensões trabalho, ciência, cultura e tecnologia, conforme descrito nas Diretrizes Curriculares Nacionais de Ensino Médio. Nesse contexto, esta pesquisa teve por objetivo analisar o Programa Ensino Médio Inovador – ProEMI implementado em uma escola estadual em Santarém-Pará, no período de 2012 a 2014. Este período justifica-se por corresponder ao ano de implantação (2012), na cidade, e desenvolvimento do primeiro ciclo das atividades concernentes ao programa, que condizem aos três anos (2012, 2013 e 2014). No percurso do trabalho nos fundamentamos nos estudos de Anastasiou (2001); Brandão (2007); Castro e Lopes (2011); Coelho (2009); Colares e Colares (2013); Costa e Rosa (2010); Freitas e Galter (2007); Frigotto (2006); Gadotti (2009); Goch e Colares (2015); Gohn (2001); Guará (2006); Holfling (2001); Kuenzer (2007); Maroneze e Lara (2009); Moll (2010); Paro (1988, 2009); Rinalde e Silva (2017); Romanelli (2010); Santos (2014), dentre outros. A investigação foi desenvolvida por meio do estudo de caso realizado em uma unidade escolar do município de Santarém/Pará. Envolveu técnicas padronizadas de coleta de dados, como entrevista semiestruturada e, na discussão dos resultados, utilizamos a análise de conteúdo (BARDIN, 2011), com base nas evidências agrupadas por categorias. As categorias elencadas foram: conceito de educação integral e ações pedagógicas no ProEMI. Com relação aos resultados da pesquisa identificamos disparidades entre a concepção de educação integral e educação em tempo integral na escola estudada. Sobre as ações pedagógicas desenvolvidas no ProEMI, observamos, na investigação, que as orientações sobre a efetivação do programa não condizem com realidade encontrada na implementação no que se refere ao assessoramento técnico, pedagógico e financeiro, à garantia de execução dos projetos originados na demanda da comunidade escolar, à obrigatoriedade em compreender a coexistência do ProEMI e Projeto Jovem do Futuro em suas concepções e metodologias distintas e à necessidade de organização pedagógica da escola em turno parcial para atender propostas de um currículo interdisciplinar.
43
  • ADARLINDO VASCONCELOS DA SILVA JUNIOR
  • O PERFIL DOS EGRESSOS NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA PARFOR NA UFOPA
  • Orientador : EDILAN DE SANT ANA QUARESMA
  • Data: 30/11/2017
  • Mostrar Resumo
  • A política de formação de professores no âmbito da educação básica tem na pedagogia um importante alicerce para a construção dos fundamentos necessários à formação do perfil profissional docente. Esse fazer pedagógico encontra no estágio curricular supervisionado um ambiente propício para as práticas pedagógicas inerentes ao curso de formação inicial, associando a teoria estudada à pratica do cotidiano escolar dos estudantes do curso de Pedagogia/PARFOR da UFOPA. Nesse contexto, surge o seguinte questionamento: De que maneira a Política Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica (PARFOR) contribui para a formação do perfil do egresso de Pedagogia/PARFOR 2012 da UFOPA? Este questionamento deu origem à pesquisa, cujo objetivo geral foi analisar o impacto do PARFOR na formação do perfil do egresso da turma de Licenciatura em Pedagogia/PARFOR 2012 da UFOPA. Neste estudo são analisadas as seguintes categorias: perfil profissional docente, aprendizagens necessárias à formação do egresso, e contribuições do estágio curricular supervisionado no PARFOR. A pesquisa em pauta é do tipo descritiva, com abordagem quali-quanti, obtida a partir do estudo de caso de 12 alunos egressos do curso de Pedagogia/PARFOR – ano 2012, da UFOPA em Santarém e abrange três dimensões: I. Documentos Legais; II. Coordenador do PARFOR/Docente do estágio curricular supervisionado da UFOPA; e III. Discentes egressos da turma de Pedagogia/PARFOR 2012 da UFOPA. A interpretação dos dados está pautada na análise de conteúdos de Bardin (2011), a análise empírica de categorias apoia-se na triangulação interativa de dados de (DENZIN, 1970) adaptada por Brasileiro (2002). A fundamentação teórica ancora-se na legislação educacional conexa e nos estudos de Akkari (2011), Brasileiro (2010; 2011; 2014), Colares (2006), Colares e Ximenes-Rocha (2012), Delors (1998, 2005), Duarte e Oliveira (2011), Duarte et. al. (2014), Freitas (1992), Garcia (1999), Gatti (1994, 2011), Libâneo (1985), Mazzeu (2009), Onofre (2008), Polleit (2017), Sachetto (2012), Saviani (2000, 2010), Tardif (1991, 2010) Tommasi et. al. (1998) e Veiga (2008). A análise das teorias que fundamentam o processo de formação do perfil profissional docente permite inferir que o Brasil sofreu fortes influências dos colonizadores europeus e dos organismos internacionais nos ditames dos rumos da política educacional brasileira, que teve como consequência a elaboração de políticas para a formação de professores da educação básica em âmbito nacional, como é o caso do PARFOR. Diante deste estudo, conclui-se que o PARFOR teve impacto positivo na formação do perfil profissional docente na medida em que elevou seu nível de qualificação, distribuição de renda, condição sócio econômica e valorização social e profissional. No entanto, também teve impacto negativo na medida em que enfraqueceu a autonomia dos profissionais da educação básica restringindo a participação desses agentes na elaboração das decisões de políticas que caminham na direção do paradigma inovador. Conclui-se, ainda, que a vivência reflexiva do ambiente do estágio curricular supervisionado é fundamental para a formação do perfil profissional docente, sobretudo para o egresso de primeira licenciatura, uma vez que o coloca diante do compromisso ético e decisivo de buscar melhorias na sua profissionalização ao rever-se professor, dentro da realidade Amazônica.
44
  • ADARLINDO VASCONCELOS DA SILVA JUNIOR
  • O PERFIL DOS EGRESSOS NO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA PARFOR NA UFOPA
  • Orientador : EDILAN DE SANT ANA QUARESMA
  • Data: 30/11/2017
  • Mostrar Resumo
  • A política de formação de professores no âmbito da educação básica tem na pedagogia um importante alicerce para a construção dos fundamentos necessários à formação do perfil profissional docente. Esse fazer pedagógico encontra no estágio curricular supervisionado um ambiente propício para as práticas pedagógicas inerentes ao curso de formação inicial, associando a teoria estudada à pratica do cotidiano escolar dos estudantes do curso de Pedagogia/PARFOR da UFOPA. Nesse contexto, surge o seguinte questionamento: De que maneira a Política Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica (PARFOR) contribui para a formação do perfil do egresso de Pedagogia/PARFOR 2012 da UFOPA? Este questionamento deu origem à pesquisa, cujo objetivo geral foi analisar o impacto do PARFOR na formação do perfil do egresso da turma de Licenciatura em Pedagogia/PARFOR 2012 da UFOPA. Neste estudo são analisadas as seguintes categorias: perfil profissional docente, aprendizagens necessárias à formação do egresso, e contribuições do estágio curricular supervisionado no PARFOR. A pesquisa em pauta é do tipo descritiva, com abordagem quali-quanti, obtida a partir do estudo de caso de 12 alunos egressos do curso de Pedagogia/PARFOR – ano 2012, da UFOPA em Santarém e abrange três dimensões: I. Documentos Legais; II. Coordenador do PARFOR/Docente do estágio curricular supervisionado da UFOPA; e III. Discentes egressos da turma de Pedagogia/PARFOR 2012 da UFOPA. A interpretação dos dados está pautada na análise de conteúdos de Bardin (2011), a análise empírica de categorias apoia-se na triangulação interativa de dados de (DENZIN, 1970) adaptada por Brasileiro (2002). A fundamentação teórica ancora-se na legislação educacional conexa e nos estudos de Akkari (2011), Brasileiro (2010; 2011; 2014), Colares (2006), Colares e Ximenes-Rocha (2012), Delors (1998, 2005), Duarte e Oliveira (2011), Duarte et. al. (2014), Freitas (1992), Garcia (1999), Gatti (1994, 2011), Libâneo (1985), Mazzeu (2009), Onofre (2008), Polleit (2017), Sachetto (2012), Saviani (2000, 2010), Tardif (1991, 2010) Tommasi et. al. (1998) e Veiga (2008). A análise das teorias que fundamentam o processo de formação do perfil profissional docente permite inferir que o Brasil sofreu fortes influências dos colonizadores europeus e dos organismos internacionais nos ditames dos rumos da política educacional brasileira, que teve como consequência a elaboração de políticas para a formação de professores da educação básica em âmbito nacional, como é o caso do PARFOR. Diante deste estudo, conclui-se que o PARFOR teve impacto positivo na formação do perfil profissional docente na medida em que elevou seu nível de qualificação, distribuição de renda, condição sócio econômica e valorização social e profissional. No entanto, também teve impacto negativo na medida em que enfraqueceu a autonomia dos profissionais da educação básica restringindo a participação desses agentes na elaboração das decisões de políticas que caminham na direção do paradigma inovador. Conclui-se, ainda, que a vivência reflexiva do ambiente do estágio curricular supervisionado é fundamental para a formação do perfil profissional docente, sobretudo para o egresso de primeira licenciatura, uma vez que o coloca diante do compromisso ético e decisivo de buscar melhorias na sua profissionalização ao rever-se professor, dentro da realidade Amazônica.
45
  • ANNA PAULA RAMOS PIMENTEL
  • RABISCOS NA PONTA DO LÁPIS: CONCEPÇÕES DE LÍNGUA, LINGUAGEM, ENSINO E APRENDIZAGEM
  • Orientador : LUIZ PERCIVAL LEME BRITTO
  • Data: 05/12/2017
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa articula-se com o grupo de Leitura, Pesquisa e Intervenção em Leitura, Escrita e Literatura na Escola (LELIT), o qual, por sua vez, está ligado à linha de pesquisa Práticas Educativas, Linguagens e Tecnologias PPGE-UFOPA. Verifica a concepção de ensino e aprendizagem de leitura-escrita que emana da revista Na ponta do lápis da Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro – OLP, dentro do quadro geral que se desenha de concepção de ensino de leitura-escrita da educação brasileira contemporânea. Aparentemente, a OLP é apenas um concurso de textos, mas, para além disso, pretende oferecer aos professores oportunidade de formação, apostando na ideia de que os professores possam vivenciar a metodologia de ensino de língua que trabalha com gêneros textuais por meio de sequências didá- ticas. Embora se reconheça a contribuição da OLP para o ensino de Língua Portuguesa tendo a adoção dos gêneros textuais em sua política de formação de professores, do seu material pedagógico e da produção de texto para a competição, investigou-se nesta pesquisa questões conceituais e metodológicas subjacentes à proposta. As vinte e nove revistas, produzidas de 2005 até 2017 foram analisadas em suas seções e classificadas em vozes A, B e C, de acordo com a metodologia adotada. Cada seção foi examinada considerando as seguintes categorias: língua; leitura; ensino e aprendizagem; sujeito e autoria; propostas de ensino e professor; incluídas nas questões norteadoras da pesquisa. O estudo global das revistas mostra que a Olimpíada (como voz A, oficial) entende contribuir com a formação de professores de língua portuguesa, a partir da concepção que tem a linguagem como processo de interação, isto é, em que os usuários da língua ou interlocutores interagem enquanto sujeitos que ocupam lugares sociais e falam e ouvem desses lugares de acordo com formações imaginárias (imagens) que a sociedade estabelece, concebendo a língua como sistema vivo, flexível, que varia, ou seja, realizando-se como fenômeno social. Além disso, a OLP é um programa que tem parceiros, intelectuais, artistas e demais professores (outras vozes existentes), que procuram falar de acordo com a voz da instituição, deixando-nos cientes de que as vozes presente na PL não contrariam a OLP, mas mantém diálogo com a concepção de ensino e aprendizagem proposto por ela e estão preocupados com a emancipação dos sujeitos envolvidos em todo o processo.
46
  • ANNA PAULA RAMOS PIMENTEL
  • RABISCOS NA PONTA DO LÁPIS: CONCEPÇÕES DE LÍNGUA, LINGUAGEM, ENSINO E APRENDIZAGEM
  • Orientador : LUIZ PERCIVAL LEME BRITTO
  • Data: 05/12/2017
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa articula-se com o grupo de Leitura, Pesquisa e Intervenção em Leitura, Escrita e Literatura na Escola (LELIT), o qual, por sua vez, está ligado à linha de pesquisa Práticas Educativas, Linguagens e Tecnologias PPGE-UFOPA. Verifica a concepção de ensino e aprendizagem de leitura-escrita que emana da revista Na ponta do lápis da Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro – OLP, dentro do quadro geral que se desenha de concepção de ensino de leitura-escrita da educação brasileira contemporânea. Aparentemente, a OLP é apenas um concurso de textos, mas, para além disso, pretende oferecer aos professores oportunidade de formação, apostando na ideia de que os professores possam vivenciar a metodologia de ensino de língua que trabalha com gêneros textuais por meio de sequências didá- ticas. Embora se reconheça a contribuição da OLP para o ensino de Língua Portuguesa tendo a adoção dos gêneros textuais em sua política de formação de professores, do seu material pedagógico e da produção de texto para a competição, investigou-se nesta pesquisa questões conceituais e metodológicas subjacentes à proposta. As vinte e nove revistas, produzidas de 2005 até 2017 foram analisadas em suas seções e classificadas em vozes A, B e C, de acordo com a metodologia adotada. Cada seção foi examinada considerando as seguintes categorias: língua; leitura; ensino e aprendizagem; sujeito e autoria; propostas de ensino e professor; incluídas nas questões norteadoras da pesquisa. O estudo global das revistas mostra que a Olimpíada (como voz A, oficial) entende contribuir com a formação de professores de língua portuguesa, a partir da concepção que tem a linguagem como processo de interação, isto é, em que os usuários da língua ou interlocutores interagem enquanto sujeitos que ocupam lugares sociais e falam e ouvem desses lugares de acordo com formações imaginárias (imagens) que a sociedade estabelece, concebendo a língua como sistema vivo, flexível, que varia, ou seja, realizando-se como fenômeno social. Além disso, a OLP é um programa que tem parceiros, intelectuais, artistas e demais professores (outras vozes existentes), que procuram falar de acordo com a voz da instituição, deixando-nos cientes de que as vozes presente na PL não contrariam a OLP, mas mantém diálogo com a concepção de ensino e aprendizagem proposto por ela e estão preocupados com a emancipação dos sujeitos envolvidos em todo o processo.
47
  • GREICE JUREMA DE FREITAS GOCH
  • POLÍTICAS EDUCACIONAIS DA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM NO PERÍODO DE 2003 A 2016
  • Orientador : MARIA LILIA IMBIRIBA SOUSA COLARES
  • Data: 07/12/2017
  • Mostrar Resumo
  • A pesquisa teve como objetivo identificar e registrar as políticas educacionais implementadas pela Secretaria Municipal de Educação e Desporto de Santarém, estado do Pará, no período de 2003 a 2016. A escolha do período para realização da pesquisa deu-se em função do levantamento da produção científica em torno do tema da política educacional nas secretarias de educação. Abordou-se os marcos regulatórios e históricos que influenciaram a formulação da política educacional brasileira, como a Lei de Diretrizes e Bases da Educação, Lei nº 9.394 de 20/12/1996, a Lei do FUNDEB, Lei Nº11.494/2007 que se consolidaram a partir das reformas educacionais da década de 1990, tendo como arcabouço teórico os pensamentos de Saviani (2002), Azevedo (2001), Perez (2010), Draibe e Riesco (2011), que relacionam a política social com a política pública. E outros mais específicos sobre a abordagem da política educacional, dentre eles: Martins (2002), Ganzeli (2013), Gouveia (2013), Colares e Colares (2013), Santos (2014), Carneiro (2014), Libâneo (2016) e outros. Apresenta-se o panorama da educação em Santarém e as políticas educacionais implementadas pela Secretaria Municipal. Na metodologia adotou-se a pesquisa qualitativa, tendo como categoria de análise: programas, projetos e ações desenvolvidas pela Secretaria de Educação. Na produção de dados, utilizou-se a pesquisa bibliográfica e a análise documental, tendo como fontes: Planos municipais de educação; Lei de gestão democrática; Plano de Carreira e Remuneração; Plano de ações articuladas (PAR); a Lei orgânica do município; relatórios de gestões; informativos, dentre outros. Os resultados demonstram que as políticas educacionais municipais têm relação com os programas federais, além de interferências do contexto socioeconômico na elaboração das legislações, o que pode ser constatado com a Lei de diretrizes e bases da educação nacional - Lei nº 9.394/96 e com o Plano Nacional de Educação - Lei nº 13.005/2014, dentre outros. Dando ênfase à categoria de análise de programas, projetos e ações, percebeu-se que maior parte destes programas, no período de 2003 a 2016, foram políticas instituídas e implementadas do macrossistema para o microssistema. Com a adesão da Secretaria de Educação de programas federais, estaduais e a efetivação de parcerias público-privadas, constatou-se práticas voltadas para descentralização e autonomia. Observou-se também, o aumento gradativo dos indicadores educacionais, mais especificamente de aprovação no Ensino Fundamental, e inclusão de políticas voltadas para a educação infantil.
48
  • GREICE JUREMA DE FREITAS GOCH
  • POLÍTICAS EDUCACIONAIS DA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM NO PERÍODO DE 2003 A 2016
  • Orientador : MARIA LILIA IMBIRIBA SOUSA COLARES
  • Data: 07/12/2017
  • Mostrar Resumo
  • A pesquisa teve como objetivo identificar e registrar as políticas educacionais implementadas pela Secretaria Municipal de Educação e Desporto de Santarém, estado do Pará, no período de 2003 a 2016. A escolha do período para realização da pesquisa deu-se em função do levantamento da produção científica em torno do tema da política educacional nas secretarias de educação. Abordou-se os marcos regulatórios e históricos que influenciaram a formulação da política educacional brasileira, como a Lei de Diretrizes e Bases da Educação, Lei nº 9.394 de 20/12/1996, a Lei do FUNDEB, Lei Nº11.494/2007 que se consolidaram a partir das reformas educacionais da década de 1990, tendo como arcabouço teórico os pensamentos de Saviani (2002), Azevedo (2001), Perez (2010), Draibe e Riesco (2011), que relacionam a política social com a política pública. E outros mais específicos sobre a abordagem da política educacional, dentre eles: Martins (2002), Ganzeli (2013), Gouveia (2013), Colares e Colares (2013), Santos (2014), Carneiro (2014), Libâneo (2016) e outros. Apresenta-se o panorama da educação em Santarém e as políticas educacionais implementadas pela Secretaria Municipal. Na metodologia adotou-se a pesquisa qualitativa, tendo como categoria de análise: programas, projetos e ações desenvolvidas pela Secretaria de Educação. Na produção de dados, utilizou-se a pesquisa bibliográfica e a análise documental, tendo como fontes: Planos municipais de educação; Lei de gestão democrática; Plano de Carreira e Remuneração; Plano de ações articuladas (PAR); a Lei orgânica do município; relatórios de gestões; informativos, dentre outros. Os resultados demonstram que as políticas educacionais municipais têm relação com os programas federais, além de interferências do contexto socioeconômico na elaboração das legislações, o que pode ser constatado com a Lei de diretrizes e bases da educação nacional - Lei nº 9.394/96 e com o Plano Nacional de Educação - Lei nº 13.005/2014, dentre outros. Dando ênfase à categoria de análise de programas, projetos e ações, percebeu-se que maior parte destes programas, no período de 2003 a 2016, foram políticas instituídas e implementadas do macrossistema para o microssistema. Com a adesão da Secretaria de Educação de programas federais, estaduais e a efetivação de parcerias público-privadas, constatou-se práticas voltadas para descentralização e autonomia. Observou-se também, o aumento gradativo dos indicadores educacionais, mais especificamente de aprovação no Ensino Fundamental, e inclusão de políticas voltadas para a educação infantil.
49
  • MILKA OLIVEIRA DE VASCONCELOS
  • A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL NO MUNICÍPIO DE SANTARÉM - PARÁ
  • Orientador : SOLANGE HELENA XIMENES ROCHA
  • Data: 14/12/2017
  • Mostrar Resumo
  • A educação integral nos últimos anos tem sido tema de discussão no contexto educacional brasileiro e entendida como um processo para o desenvolvimento de formação integral dos sujeitos. Diante disso, foram criadas políticas e programas que estimularam a implantação de escolas de tempo integral a fim de desenvolver a educação integral para o alcance desta formação. Em meio a esses debates, a formação continuada dos professores passa a ser vista como importante elemento no processo educacional devido às necessidades de transformações sociais e à elevação da qualidade da educação nas escolas públicas. Como proposta indutora da política de educação integral no país, dá-se destaque ao Programa Mais Educação que foi criado com o intuito de dar subsídios ao desenvolvimento desta política. No município de Santarém, a implantação da Política de Educação Integral ocorreu por meio da adesão ao programa no ano de 2009 e teve como intuito promover a formação integral de crianças e adolescentes com atividades voltadas aos valores éticos, morais e sociais. Diante dessas questões, a pesquisa teve como objetivo discutir como o processo de formação continuada contribui com o trabalho dos professores que atuam em escolas de tempo integral no município de Santarém. Trata-se de uma pesquisa qualitativa amparada da pesquisa documental e de campo, que tem como lócus de pesquisa as duas escolas de tempo integral do referido município: Escola Frei Fabiano Merz, localizada na zona urbana, e a Escola Irmã Dorothy Mae Stang, localizada na zona rural. Para alcançar o objetivo proposto, realizamos o levantamento e estudo da literatura sobre a educação integral, escola de tempo integral e formação continuada de professores, documentos elaborados e divulgados pelo Ministério da Educação - MEC, Planos de Educação: Nacional, Estadual e Municipal, assim como Projetos Políticos Pedagógicos das Escolas pesquisadas. Para obtenção dos dados utilizamos como técnicas e instrumentos a análise documental, a análise de conteúdo e entrevistas semiestruturadas com: 01 Coordenador do Programa Mais Educação, 02 Diretoras e 05 Professores. Constatamos que os docentes não receberam formação para trabalhar nas escolas de tempo integral. A formação continuada direcionada a estes profissionais acontece nas reuniões pedagógicas, entre os pares ou através de capacitações fornecidas pela SEMED. Por fim, entende-se que uma discussão mais detida a respeito da formação continuada para os professores, no contexto escolar, é não somente oportuna, mas também fundamental. Direcionamo-nos à reflexão de que falta um maior alinhamento desta formação na contribuição da ação docente no desenvolvimento profissional dos professores que atuam nas escolas de tempo integral.
50
  • MILKA OLIVEIRA DE VASCONCELOS
  • A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL NO MUNICÍPIO DE SANTARÉM - PARÁ
  • Orientador : SOLANGE HELENA XIMENES ROCHA
  • Data: 14/12/2017
  • Mostrar Resumo
  • A educação integral nos últimos anos tem sido tema de discussão no contexto educacional brasileiro e entendida como um processo para o desenvolvimento de formação integral dos sujeitos. Diante disso, foram criadas políticas e programas que estimularam a implantação de escolas de tempo integral a fim de desenvolver a educação integral para o alcance desta formação. Em meio a esses debates, a formação continuada dos professores passa a ser vista como importante elemento no processo educacional devido às necessidades de transformações sociais e à elevação da qualidade da educação nas escolas públicas. Como proposta indutora da política de educação integral no país, dá-se destaque ao Programa Mais Educação que foi criado com o intuito de dar subsídios ao desenvolvimento desta política. No município de Santarém, a implantação da Política de Educação Integral ocorreu por meio da adesão ao programa no ano de 2009 e teve como intuito promover a formação integral de crianças e adolescentes com atividades voltadas aos valores éticos, morais e sociais. Diante dessas questões, a pesquisa teve como objetivo discutir como o processo de formação continuada contribui com o trabalho dos professores que atuam em escolas de tempo integral no município de Santarém. Trata-se de uma pesquisa qualitativa amparada da pesquisa documental e de campo, que tem como lócus de pesquisa as duas escolas de tempo integral do referido município: Escola Frei Fabiano Merz, localizada na zona urbana, e a Escola Irmã Dorothy Mae Stang, localizada na zona rural. Para alcançar o objetivo proposto, realizamos o levantamento e estudo da literatura sobre a educação integral, escola de tempo integral e formação continuada de professores, documentos elaborados e divulgados pelo Ministério da Educação - MEC, Planos de Educação: Nacional, Estadual e Municipal, assim como Projetos Políticos Pedagógicos das Escolas pesquisadas. Para obtenção dos dados utilizamos como técnicas e instrumentos a análise documental, a análise de conteúdo e entrevistas semiestruturadas com: 01 Coordenador do Programa Mais Educação, 02 Diretoras e 05 Professores. Constatamos que os docentes não receberam formação para trabalhar nas escolas de tempo integral. A formação continuada direcionada a estes profissionais acontece nas reuniões pedagógicas, entre os pares ou através de capacitações fornecidas pela SEMED. Por fim, entende-se que uma discussão mais detida a respeito da formação continuada para os professores, no contexto escolar, é não somente oportuna, mas também fundamental. Direcionamo-nos à reflexão de que falta um maior alinhamento desta formação na contribuição da ação docente no desenvolvimento profissional dos professores que atuam nas escolas de tempo integral.
51
  • ADRIANGELA SILVA DE CASTRO PORTELA
  • A EDUCAÇÃO INTEGRAL EM TEMPO INTEGRAL NA PERSPECTIVA DA EQUIPE GESTORA: A REALIDADE DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE SANTARÉM/PA
  • Orientador : MARIA LILIA IMBIRIBA SOUSA COLARES
  • Data: 20/12/2017
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo teve como objeto a gestão de uma escola de tempo integral da zona urbana de Santarém/PA, a partir da abordagem dos aspectos históricos, conceituais e legais da educação integral de tempo integral e gestão escolar com base na Constituição Federal de 1988 e na lei que regula a gestão democrática no ensino público da rede municipal de Santarém, Lei nº 17.866/2004. Destaca a educação de tempo integral com base no que preconizam a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional nº 9394/96, e o Plano Nacional de Educação, Lei nº 13.005/2014. Para esta pesquisa, foram utilizados como base os seguintes autores: Paro (2009), Gadotti (2009), Arroyo (2012), Veiga (1995), Libâneo (2004), Coelho (2009), entre outros. Teve por objetivo analisar a educação integral de tempo integral na perspectiva da equipe gestora. E por objetivos específicos: 1) identificar no Projeto Político Pedagógico da escola formas de viabilizar a educação integral de tempo integral; 2) caracterizar a ação da gestão escolar no desenvolvimento de uma educação integral de tempo integral; 3) identificar os desafios desse tipo de escola enfrentados pela equipe gestora. Os resultados da pesquisa foram obtidos a partir de abordagem qualitativa, fundamentado por pesquisa bibliográfica, documental e de campo. Os instrumentos metodológicos adotados foram: observação in loco, entrevista semiestruturada com a equipe gestora e análise de conteúdo baseada em Bardin (2011), em que se adotou as seguintes categorias de análise: Projeto Político Pedagógico, o cotidiano da escola de tempo integral e os desafios da gestão. Os resultados demonstram que o PPP da escola foi construído de forma coletiva, evidenciando a gestão democrática, e apresenta preocupação com o desenvolvimento da educação integral, não se limitando à ampliação do tempo. No entanto, existe a divisão de turno e contraturno, assim como de atividades curriculares e extracurriculares, termos que não condizem com uma educação integral, ficando caracterizado, dessa forma, que o ensino não ocorre de forma articulada. O cotidiano da escola acontece em dois turnos, com duração total de 9 horas, mas essa rotina acaba sendo prejudicada pelos desafios que a escola apresenta, a saber: recursos financeiros limitados, infraestrutura inadequada, falta de espaço para descanso e excessiva demora em realização de manutenção. Nesse processo de ampliação do tempo escolar, é necessário considerar o tempo, o espaço, a gestão democrática, a atuação de gestores em sintonia com sua equipe e com a comunidade escolar, o envolvimento de toda a comunidade escolar na construção do Projeto Político Pedagógico, bem como a formação continuada dos professores.
52
  • ADRIANGELA SILVA DE CASTRO PORTELA
  • A EDUCAÇÃO INTEGRAL EM TEMPO INTEGRAL NA PERSPECTIVA DA EQUIPE GESTORA: A REALIDADE DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE SANTARÉM/PA
  • Orientador : MARIA LILIA IMBIRIBA SOUSA COLARES
  • Data: 20/12/2017
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo teve como objeto a gestão de uma escola de tempo integral da zona urbana de Santarém/PA, a partir da abordagem dos aspectos históricos, conceituais e legais da educação integral de tempo integral e gestão escolar com base na Constituição Federal de 1988 e na lei que regula a gestão democrática no ensino público da rede municipal de Santarém, Lei nº 17.866/2004. Destaca a educação de tempo integral com base no que preconizam a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional nº 9394/96, e o Plano Nacional de Educação, Lei nº 13.005/2014. Para esta pesquisa, foram utilizados como base os seguintes autores: Paro (2009), Gadotti (2009), Arroyo (2012), Veiga (1995), Libâneo (2004), Coelho (2009), entre outros. Teve por objetivo analisar a educação integral de tempo integral na perspectiva da equipe gestora. E por objetivos específicos: 1) identificar no Projeto Político Pedagógico da escola formas de viabilizar a educação integral de tempo integral; 2) caracterizar a ação da gestão escolar no desenvolvimento de uma educação integral de tempo integral; 3) identificar os desafios desse tipo de escola enfrentados pela equipe gestora. Os resultados da pesquisa foram obtidos a partir de abordagem qualitativa, fundamentado por pesquisa bibliográfica, documental e de campo. Os instrumentos metodológicos adotados foram: observação in loco, entrevista semiestruturada com a equipe gestora e análise de conteúdo baseada em Bardin (2011), em que se adotou as seguintes categorias de análise: Projeto Político Pedagógico, o cotidiano da escola de tempo integral e os desafios da gestão. Os resultados demonstram que o PPP da escola foi construído de forma coletiva, evidenciando a gestão democrática, e apresenta preocupação com o desenvolvimento da educação integral, não se limitando à ampliação do tempo. No entanto, existe a divisão de turno e contraturno, assim como de atividades curriculares e extracurriculares, termos que não condizem com uma educação integral, ficando caracterizado, dessa forma, que o ensino não ocorre de forma articulada. O cotidiano da escola acontece em dois turnos, com duração total de 9 horas, mas essa rotina acaba sendo prejudicada pelos desafios que a escola apresenta, a saber: recursos financeiros limitados, infraestrutura inadequada, falta de espaço para descanso e excessiva demora em realização de manutenção. Nesse processo de ampliação do tempo escolar, é necessário considerar o tempo, o espaço, a gestão democrática, a atuação de gestores em sintonia com sua equipe e com a comunidade escolar, o envolvimento de toda a comunidade escolar na construção do Projeto Político Pedagógico, bem como a formação continuada dos professores.
53
  • ALDILENE LIMA COELHO
  • A UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL NA AMAZÔNIA: DESAFIOS A GESTÃO DE UM POLO DE APOIO PRESENCIAL NO OESTE DO PARÁ
  • Orientador : TANIA SUELY AZEVEDO BRASILEIRO
  • Data: 20/12/2017
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo apresenta como temática a educação a distância na Educação Superior e tem como objetivo nuclear compreender o processo de gestão de um polo de apoio presencial do Sistema Universidade Aberta do Brasil (UAB), com vistas a efetivar a Educação Superior a distância no oeste do Pará. Para esse fim, pretende-se: captar a percepção da coordenação de polo de apoio presencial UAB Juruti e coordenações UAB na IES (Universidade Federal do Pará/UFPA) acerca da efetivação dos objetivos propostos pelo Sistema UAB; verificar como os gestores da UAB (coordenação de polo e coordenadores UAB na IES) trabalham com as complexidades postas pela modalidade de ensino a distância no polo estudado; identificar os obstáculos à gestão de um polo de apoio presencial da Universidade Aberta do Brasil, no interior da Amazônia (cidade de Juruti); analisar os processos gerenciais utilizados pelos gestores do Sistema UAB (coordenação de polo e coordenação UAB na IES) ao realizar o planejamento e a operacionalização das atividades no polo de apoio presencial estudado. A construção dessa pesquisa se deu por meio de uma abordagem qualitativa (RODRIGUES, 2006), descritiva, do tipo estudo de caso (MINAYO, 2014), assumindo realizar pesquisa bibliográfica, documental e empírica. Utilizou-se para produção dos dados as técnicas da análise de documentos (YIN, 2005), da observação não-participante (VIANNA, 2003) e do questionário (OLIVEIRA, 2016), organizados com aporte da análise de conteúdo (BARDIN, 2011) e interpretados por meio da triangulação de métodos (MINAYO et al, 2005). A construção da base teórica apoiou-se em Fleury e Ouverney (2007), Belloni (2009), Costa e Pimentel (2009), Nunes (2009), Azevedo (2012), Brasileiro, Colares e Colares (2013), Lucena et. al (2012), Bastos et al. (2013), Castells (2016), dentre outros, dialogando com os dados empíricos e com os documentos oficiais e marco normativo legal do estudo. Os resultados demonstram que o Sistema UAB tem cumprido com o seu objetivo prioritário, qual seja, a formação dos professores da educação básica no polo estudado e demais polos instalados no Estado do Pará. Quanto as complexidades atribuídas à EaD em um polo no interior da Amazônia, os coordenadores buscam transpô-las através do diálogo com os atores envolvidos no processo, com isso, buscando soluções criativas e inovadoras, que estão relatadas no corpo do texto. Dos desafios à gestão do polo destaca-se a falta de recursos, o índice elevado de evasões, a falta de pessoal qualificado para atuar na EaD, dentre outros. As estratégias de planejamento e organização das atividades entre IES e polo, são elaboradas a distância, por meio de e-mail, vídeo conferência, visita in lócus; no tocante ao acompanhamento das atividades que acontecem no polo, os coordenadores que atuam na IES desvelam que poderia ser melhor se os recursos financeiros não fossem tão limitados. Assim, conclui-se que, não obstante aos desafios apresentados aos atores pertencentes a rede UAB no interior da Amazônia, a consolidação desta Sistema de cooperação pode suscitar inúmeras possibilidades à população dos municípios ou microrregiões afastadas dos centros universitários, promovendo o acesso à educação superior através da modalidade de educação a distância.
54
  • ALDILENE LIMA COELHO
  • A UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL NA AMAZÔNIA: DESAFIOS A GESTÃO DE UM POLO DE APOIO PRESENCIAL NO OESTE DO PARÁ
  • Orientador : TANIA SUELY AZEVEDO BRASILEIRO
  • Data: 20/12/2017
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo apresenta como temática a educação a distância na Educação Superior e tem como objetivo nuclear compreender o processo de gestão de um polo de apoio presencial do Sistema Universidade Aberta do Brasil (UAB), com vistas a efetivar a Educação Superior a distância no oeste do Pará. Para esse fim, pretende-se: captar a percepção da coordenação de polo de apoio presencial UAB Juruti e coordenações UAB na IES (Universidade Federal do Pará/UFPA) acerca da efetivação dos objetivos propostos pelo Sistema UAB; verificar como os gestores da UAB (coordenação de polo e coordenadores UAB na IES) trabalham com as complexidades postas pela modalidade de ensino a distância no polo estudado; identificar os obstáculos à gestão de um polo de apoio presencial da Universidade Aberta do Brasil, no interior da Amazônia (cidade de Juruti); analisar os processos gerenciais utilizados pelos gestores do Sistema UAB (coordenação de polo e coordenação UAB na IES) ao realizar o planejamento e a operacionalização das atividades no polo de apoio presencial estudado. A construção dessa pesquisa se deu por meio de uma abordagem qualitativa (RODRIGUES, 2006), descritiva, do tipo estudo de caso (MINAYO, 2014), assumindo realizar pesquisa bibliográfica, documental e empírica. Utilizou-se para produção dos dados as técnicas da análise de documentos (YIN, 2005), da observação não-participante (VIANNA, 2003) e do questionário (OLIVEIRA, 2016), organizados com aporte da análise de conteúdo (BARDIN, 2011) e interpretados por meio da triangulação de métodos (MINAYO et al, 2005). A construção da base teórica apoiou-se em Fleury e Ouverney (2007), Belloni (2009), Costa e Pimentel (2009), Nunes (2009), Azevedo (2012), Brasileiro, Colares e Colares (2013), Lucena et. al (2012), Bastos et al. (2013), Castells (2016), dentre outros, dialogando com os dados empíricos e com os documentos oficiais e marco normativo legal do estudo. Os resultados demonstram que o Sistema UAB tem cumprido com o seu objetivo prioritário, qual seja, a formação dos professores da educação básica no polo estudado e demais polos instalados no Estado do Pará. Quanto as complexidades atribuídas à EaD em um polo no interior da Amazônia, os coordenadores buscam transpô-las através do diálogo com os atores envolvidos no processo, com isso, buscando soluções criativas e inovadoras, que estão relatadas no corpo do texto. Dos desafios à gestão do polo destaca-se a falta de recursos, o índice elevado de evasões, a falta de pessoal qualificado para atuar na EaD, dentre outros. As estratégias de planejamento e organização das atividades entre IES e polo, são elaboradas a distância, por meio de e-mail, vídeo conferência, visita in lócus; no tocante ao acompanhamento das atividades que acontecem no polo, os coordenadores que atuam na IES desvelam que poderia ser melhor se os recursos financeiros não fossem tão limitados. Assim, conclui-se que, não obstante aos desafios apresentados aos atores pertencentes a rede UAB no interior da Amazônia, a consolidação desta Sistema de cooperação pode suscitar inúmeras possibilidades à população dos municípios ou microrregiões afastadas dos centros universitários, promovendo o acesso à educação superior através da modalidade de educação a distância.
55
  • VANUZA CAMPOS RIBEIRO
  • A PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA NA AMAZÔNIA: IMPACTOS NA GESTÃO ESCOLAR DO ENSINO MÉDIO EM SANTARÉM-PARÁ
  • Orientador : TANIA SUELY AZEVEDO BRASILEIRO
  • Data: 20/12/2017
  • Mostrar Resumo
  • As Parcerias Público-Privadas (PPPs) são contratos celebrados entre o poder público e o terceiro setor com o objetivo de viabilizar a execução de competências e responsabilidades da administração pública para com a sociedade. Esta forma de efetivação das políticas públicas intensificou-se na Educação Brasileira desde 1990 devido a diversos condicionantes, dentre eles, as exigências da atual fase do Capitalismo Mundial, a reconfiguração do papel do Estado, a forma de administração pública baseada no gerencialismo e as alterações na legislação. O direito a educação pública, gratuita e de qualidade, garantido na Constituição de 1988, passa a ser alicerçado com as diretrizes advindas das empresas privadas. Diante desta conjuntura, pretende-se verificar em medida os programas e projetos de Parceria Público-Privada em Educação (PPPE), implantados a partir de 2012, estão impactando na gestão escolar das escolas públicas de Ensino Médio Regular da área urbana do Município de Santarém-Pa? Com essa pesquisa busca-se refletir sobre como a gestão escolar está sendo impactada diante de duas realidades: de um lado, onde estão as políticas públicas educacionais embasadas em princípios neoliberais, materializados nos programas e projetos de PPP executados nas escolas e, de outro lado, onde se encontra o apelo social por uma gestão democrática emancipatória da escola pública, construído e legalizado historicamente. A base teórica está fundamentada em Paro (2016), Adrião (2013; 2016), Peroni (2012; 2007), Neves (2005), Luck (2015, 2013, 2012), Lima (2005), Freire (2002), dentre outros. A pesquisa é bibliográfica e documental, e assume uma abordagem qualitativa na análise dos dados (BARDIN, 2011; MARCONDES; BRISOLA, 2014), tendo como lócus do estudo documental as 26 escolas de Ensino Médio Regular, de Santarém-Pa, jurisdicionadas pela 5ª Unidade Regional de Educação (5ª URE), da Secretaria de Estado de Educação do Estado do Pará (SEDUC-PA). Os estudos documentais indicam que os baixos resultados educacionais do Estado motivaram a elaboração do Pacto pela Educação do Pará, um movimento de PPP liderado pelo Governo do Estado e que tem o objetivo de reverter esses indicadores. Nesse contexto, no período de 2012 ao primeiro semestre de 2017, foram implantados cinco programas/projetos de PPPE, sendo que o Projeto Jovem de Futuro do Instituto Unibanco e Projeto Gestão para Resultados na Educação da Falconi Consultores de Resultados foram objetos exclusivos deste estudo por serem direcionados à gestão escolar. As análises apontam que as propostas teórico-metodológicas desses projetos de gestão têm fundamentos na administração gerencial e influenciam a construção de um novo tipo de gestão escolar, que embora mostre uma face democrática, é inspirada nos princípios de mercado. Os processos formativos oferecidos aos gestores, com base na documentação analisada, indicam que estes princípios impactam nos conteúdos, objetivos, processos metodológicos e avaliativos da gestão escolar por destoarem dos princípios democráticos, como autonomia e participação que levam a emancipação social e política. Perpetuando inclusive os baixos índices educacionais anunciados como motivação para a instalação do Pacto pela Educação no Estado.
56
  • VANUZA CAMPOS RIBEIRO
  • A PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA NA AMAZÔNIA: IMPACTOS NA GESTÃO ESCOLAR DO ENSINO MÉDIO EM SANTARÉM-PARÁ
  • Orientador : TANIA SUELY AZEVEDO BRASILEIRO
  • Data: 20/12/2017
  • Mostrar Resumo
  • As Parcerias Público-Privadas (PPPs) são contratos celebrados entre o poder público e o terceiro setor com o objetivo de viabilizar a execução de competências e responsabilidades da administração pública para com a sociedade. Esta forma de efetivação das políticas públicas intensificou-se na Educação Brasileira desde 1990 devido a diversos condicionantes, dentre eles, as exigências da atual fase do Capitalismo Mundial, a reconfiguração do papel do Estado, a forma de administração pública baseada no gerencialismo e as alterações na legislação. O direito a educação pública, gratuita e de qualidade, garantido na Constituição de 1988, passa a ser alicerçado com as diretrizes advindas das empresas privadas. Diante desta conjuntura, pretende-se verificar em medida os programas e projetos de Parceria Público-Privada em Educação (PPPE), implantados a partir de 2012, estão impactando na gestão escolar das escolas públicas de Ensino Médio Regular da área urbana do Município de Santarém-Pa? Com essa pesquisa busca-se refletir sobre como a gestão escolar está sendo impactada diante de duas realidades: de um lado, onde estão as políticas públicas educacionais embasadas em princípios neoliberais, materializados nos programas e projetos de PPP executados nas escolas e, de outro lado, onde se encontra o apelo social por uma gestão democrática emancipatória da escola pública, construído e legalizado historicamente. A base teórica está fundamentada em Paro (2016), Adrião (2013; 2016), Peroni (2012; 2007), Neves (2005), Luck (2015, 2013, 2012), Lima (2005), Freire (2002), dentre outros. A pesquisa é bibliográfica e documental, e assume uma abordagem qualitativa na análise dos dados (BARDIN, 2011; MARCONDES; BRISOLA, 2014), tendo como lócus do estudo documental as 26 escolas de Ensino Médio Regular, de Santarém-Pa, jurisdicionadas pela 5ª Unidade Regional de Educação (5ª URE), da Secretaria de Estado de Educação do Estado do Pará (SEDUC-PA). Os estudos documentais indicam que os baixos resultados educacionais do Estado motivaram a elaboração do Pacto pela Educação do Pará, um movimento de PPP liderado pelo Governo do Estado e que tem o objetivo de reverter esses indicadores. Nesse contexto, no período de 2012 ao primeiro semestre de 2017, foram implantados cinco programas/projetos de PPPE, sendo que o Projeto Jovem de Futuro do Instituto Unibanco e Projeto Gestão para Resultados na Educação da Falconi Consultores de Resultados foram objetos exclusivos deste estudo por serem direcionados à gestão escolar. As análises apontam que as propostas teórico-metodológicas desses projetos de gestão têm fundamentos na administração gerencial e influenciam a construção de um novo tipo de gestão escolar, que embora mostre uma face democrática, é inspirada nos princípios de mercado. Os processos formativos oferecidos aos gestores, com base na documentação analisada, indicam que estes princípios impactam nos conteúdos, objetivos, processos metodológicos e avaliativos da gestão escolar por destoarem dos princípios democráticos, como autonomia e participação que levam a emancipação social e política. Perpetuando inclusive os baixos índices educacionais anunciados como motivação para a instalação do Pacto pela Educação no Estado.
2016
Dissertações
1
  • GLEZ RODRIGUES FREITAS BENTES
  • MOVIMENTO SOCIAL E POLÍTICA DE EDUCAÇÃO DO CAMPO: A PRÁTICA DA CASA FAMILIAR RURAL DE SANTARÉM - PARÁ
  • Orientador : ANSELMO ALENCAR COLARES
  • Data: 11/02/2016
  • Mostrar Resumo
  • Nossa pesquisa tratou da Casa Familiar Rural de Santarém, baseada na proposta pedagógico-filosófica do movimento social do campo, como alternativa aos filhos de produtores familiares, de acesso à educação e de resistência ao modelo urbanocêntrico excludente. Inspirada nas experiências pioneiras de Pedagogia da Alternância, da França (1935); Itália (1960) e Brasil/Espírito Santo (1969), alterna educação e trabalho em diferentes tempos formativos integrados de teoria e prática, visando a formação teórica, o aperfeiçoamento prático produtivo no campo e a formação integral dos jovens. Partimos da compreensão histórica e global da experiência local, no contexto de sua criação no seio do movimento social, até a construção do processo territorial de diálogos e negociação com o Estado, no debate sobre a política educacional e desenvolvimento do/no campo. Destacamos os interesses antagônicos e contraditórios entre Estado e movimento social, diante das lutas para a emancipação dos seus sujeitos e constituição do poder local. A pesquisa surgiu da necessidade de analisar, como uma iniciativa privada, ligada ao movimento social do campo, se relaciona com o poder estatal em busca da efetivação da política educacional do campo, prezando por seus princípios metodológicos e filosóficos originários. A escolha por uma abordagem que abarque o princípio da totalidade e da historicidade, nos apoiou transversalmente em nossa análise. Utilizamos a pesquisa bibliográfica e documental, entrevistas orientadas por roteiro, fichas com questões abertas, e depoimentos junto às lideranças do movimento social do campo, diretoria da CFR-STM, monitores, pais, jovens ex-alunos e atuais; bem como gestores municipais e regionais, antigos e atuais. Concluímos que esta experiência, representa uma alternativa de resistência ao projeto de educação urbanocêntrico hegemônico, utilizando estrategicamente espaços públicos de articulação e de fortalecimento territorial para a intervenção efetiva ao atendimento às necessidades, sobretudo da educação do campo. Reconhece o papel do Estado, ao exigir dele a execução destas políticas. Mas a trajetória de diálogos entre Estado e Sociedade Civil é marcada por contradições que refletem uma tensão constante e paradoxal. Pois, o movimento social do campo apesar de defender a pedagogia da alternância como política pública, possui dificuldades nesta aproximação e vai buscar outras alternativas de sustentabilidade. Apesar das limitações, a CFR-STM interfere no desenvolvimento da região ao contribuir na formação de jovens críticos e conscientes, capazes de intervir e transformar sua prática com vistas a emancipação humana coletiva.
2
  • GLEZ RODRIGUES FREITAS BENTES
  • MOVIMENTO SOCIAL E POLÍTICA DE EDUCAÇÃO DO CAMPO: A PRÁTICA DA CASA FAMILIAR RURAL DE SANTARÉM - PARÁ
  • Orientador : ANSELMO ALENCAR COLARES
  • Data: 11/02/2016
  • Mostrar Resumo
  • Nossa pesquisa tratou da Casa Familiar Rural de Santarém, baseada na proposta pedagógico-filosófica do movimento social do campo, como alternativa aos filhos de produtores familiares, de acesso à educação e de resistência ao modelo urbanocêntrico excludente. Inspirada nas experiências pioneiras de Pedagogia da Alternância, da França (1935); Itália (1960) e Brasil/Espírito Santo (1969), alterna educação e trabalho em diferentes tempos formativos integrados de teoria e prática, visando a formação teórica, o aperfeiçoamento prático produtivo no campo e a formação integral dos jovens. Partimos da compreensão histórica e global da experiência local, no contexto de sua criação no seio do movimento social, até a construção do processo territorial de diálogos e negociação com o Estado, no debate sobre a política educacional e desenvolvimento do/no campo. Destacamos os interesses antagônicos e contraditórios entre Estado e movimento social, diante das lutas para a emancipação dos seus sujeitos e constituição do poder local. A pesquisa surgiu da necessidade de analisar, como uma iniciativa privada, ligada ao movimento social do campo, se relaciona com o poder estatal em busca da efetivação da política educacional do campo, prezando por seus princípios metodológicos e filosóficos originários. A escolha por uma abordagem que abarque o princípio da totalidade e da historicidade, nos apoiou transversalmente em nossa análise. Utilizamos a pesquisa bibliográfica e documental, entrevistas orientadas por roteiro, fichas com questões abertas, e depoimentos junto às lideranças do movimento social do campo, diretoria da CFR-STM, monitores, pais, jovens ex-alunos e atuais; bem como gestores municipais e regionais, antigos e atuais. Concluímos que esta experiência, representa uma alternativa de resistência ao projeto de educação urbanocêntrico hegemônico, utilizando estrategicamente espaços públicos de articulação e de fortalecimento territorial para a intervenção efetiva ao atendimento às necessidades, sobretudo da educação do campo. Reconhece o papel do Estado, ao exigir dele a execução destas políticas. Mas a trajetória de diálogos entre Estado e Sociedade Civil é marcada por contradições que refletem uma tensão constante e paradoxal. Pois, o movimento social do campo apesar de defender a pedagogia da alternância como política pública, possui dificuldades nesta aproximação e vai buscar outras alternativas de sustentabilidade. Apesar das limitações, a CFR-STM interfere no desenvolvimento da região ao contribuir na formação de jovens críticos e conscientes, capazes de intervir e transformar sua prática com vistas a emancipação humana coletiva.
3
  • GERUSA VIDAL FERREIRA
  • EDUCAÇÃO DE TEMPO INTEGRAL EM SANTARÉM:AÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NO PERÍODO DE 2008 A 2014
  • Orientador : MARIA LILIA IMBIRIBA SOUSA COLARES
  • Data: 12/02/2016
  • Mostrar Resumo
  • Para a formação plena de uma pessoa são necessários um conjunto amplo de conhecimentos, habilidades e valores, que vão além das aprendizagens cognitivas que a escola propicia. O objetivo desta dissertação foi identificar as ações que a Secretaria Municipal de Educação de Santarém – Semed desenvolveu no período de 2008 a 2014, buscando atender aos princípios e orientações políticas nacionais de educação integral. A escolha do período para realização da pesquisa deu-se em função da implantação do Programa Mais Educação, de abrangência nacional (Portaria Interministerial nº 17/2007), a regulamentação do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação – Fundeb (Lei nº 11.494/2007), bem como as iniciativas locais de ampliação do tempo escolar. A pesquisa histórica e documental consistiu na análise de documentos da Prefeitura Municipal de Santarém, incluindo relatórios da Secretaria de Educação; projetos pedagógicos das escolas e da Semed; planos orçamentários do município; portarias e leis municipais; lotações dos setores pedagógicos e das escolas; documentos do FNDE e Fundeb. Foi necessário ainda realizar visitas in loco nas escolas de tempo integral e de atendimento complementar, e na Semed. Para a discussão dos dados utilizamos a técnica da análise bibliográfica e documental, sendo os conteúdos transversalizados pelas categorias: financiamento, infraestrutura, currículo e perfil dos profissionais envolvidos com a educação de tempo integral. Os resultados mostram a existência de duas estratégias de ampliação do tempo escolar no município: escola de tempo integral e o aluno de tempo integral, sendo esta última a mais utilizada pela Semed para atender a realidade financeira do município. A estratégia mais adequada foi instituir escolas de atendimento complementar, cuja organização de atendimento consegue atingir maior número de alunos. No entanto, essas mesmas estratégias foram fragilizadas pela redução de carga horária e dos abonos salariais, mudança de função e transferência desses profissionais para outros setores. Concluímos que as estratégias da Semed constituem ações, ou seja, políticas de governo de educação de tempo integral, na medida em que os projetos para esse fim enfraquecem ou desaparecem na medida em que ocorrem mudanças de governo.
4
  • GERUSA VIDAL FERREIRA
  • EDUCAÇÃO DE TEMPO INTEGRAL EM SANTARÉM:AÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NO PERÍODO DE 2008 A 2014
  • Orientador : MARIA LILIA IMBIRIBA SOUSA COLARES
  • Data: 12/02/2016
  • Mostrar Resumo
  • Para a formação plena de uma pessoa são necessários um conjunto amplo de conhecimentos, habilidades e valores, que vão além das aprendizagens cognitivas que a escola propicia. O objetivo desta dissertação foi identificar as ações que a Secretaria Municipal de Educação de Santarém – Semed desenvolveu no período de 2008 a 2014, buscando atender aos princípios e orientações políticas nacionais de educação integral. A escolha do período para realização da pesquisa deu-se em função da implantação do Programa Mais Educação, de abrangência nacional (Portaria Interministerial nº 17/2007), a regulamentação do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação – Fundeb (Lei nº 11.494/2007), bem como as iniciativas locais de ampliação do tempo escolar. A pesquisa histórica e documental consistiu na análise de documentos da Prefeitura Municipal de Santarém, incluindo relatórios da Secretaria de Educação; projetos pedagógicos das escolas e da Semed; planos orçamentários do município; portarias e leis municipais; lotações dos setores pedagógicos e das escolas; documentos do FNDE e Fundeb. Foi necessário ainda realizar visitas in loco nas escolas de tempo integral e de atendimento complementar, e na Semed. Para a discussão dos dados utilizamos a técnica da análise bibliográfica e documental, sendo os conteúdos transversalizados pelas categorias: financiamento, infraestrutura, currículo e perfil dos profissionais envolvidos com a educação de tempo integral. Os resultados mostram a existência de duas estratégias de ampliação do tempo escolar no município: escola de tempo integral e o aluno de tempo integral, sendo esta última a mais utilizada pela Semed para atender a realidade financeira do município. A estratégia mais adequada foi instituir escolas de atendimento complementar, cuja organização de atendimento consegue atingir maior número de alunos. No entanto, essas mesmas estratégias foram fragilizadas pela redução de carga horária e dos abonos salariais, mudança de função e transferência desses profissionais para outros setores. Concluímos que as estratégias da Semed constituem ações, ou seja, políticas de governo de educação de tempo integral, na medida em que os projetos para esse fim enfraquecem ou desaparecem na medida em que ocorrem mudanças de governo.
5
  • ANGELA ROCHA DOS SANTOS
  • AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS IMPLEMENTADAS PELO MUNICÍPIO DE BELTERRA/PA NO PERÍODO DE 1997-2012
  • Orientador : MARIA LILIA IMBIRIBA SOUSA COLARES
  • Data: 18/02/2016
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa aborda o tema das políticas educacionais em âmbito municipal, tendo por objetivo identificar e registraras políticas educacionais implementadas pela Secretaria Municipal de Educação de Belterra, estado do Pará, no período de 1997 a 2012, considerando os marcos legais e históricos da educação brasileira, tais como, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação, Lei nº 9.394, de 20/12/1996, as reformas educacionais ocorridas a partir da década de 1990, o que permitiu realizar o registro histórico das políticas voltadas para a melhoria da educação municipal. Como aporte téorico,dentre outros autores,temos Azevedo (2001), Saviani (2001) e Oliveira (2011) que abordam a educação como política pública social, sendo a educação escolar um direito a todos e dever do Estado.Teve por metodologia a pesquisa qualitativa, com as categorias de análise: descentralização e autonomia; programas e projetos desenvolvidos pela Secretaria. Para obtenção dos dados utilizamos como técnicas e instrumentos de pesquisa: a análise documental (fontes primárias e secundárias) e entrevistas semiestruturadas com secretários municipais de educação do período delimitado para estudo.Os resultados demonstraram que a Secretaria articulou e desenvolveu ações, programas e projetos a partir de adesão dos governos federais, estaduais e da iniciativa privada, o que permitiu tanto aprendizagens institucion ais quanto práticas voltadas para descentralização e autonomia, na busca por melhoria administrativa, financeira e pedagógica da organização da educação municipal. No plano macro, o aumento de programas educacionais para ações indutoras de materialização de políticas educacionais. Em decorrência da fragilidade de estrutura municipal como ente federado, por trata-se de um município eminentemente rural e com abrangência territorial de domínio da União, 90% de área de proteção ambiental, observou-se interferências no campo educacional nas políticas criadas pela Secretaria de Educação. Identificou-se a ausência de um plano municipal de educação e de sistema municipal de ensino e carência de registro documental, o que permitiu observar a carência na realização tanto de trabalho coletivo quanto de diretrizes, metas e ações planejadas e sistematizadas a curto, médio e longo prazo, de forma permanente, por parte da Secretaria, para que houvesse o acompanhamento, monitoramento e avaliação das ações e políticas ao longo do período.
6
  • ANGELA ROCHA DOS SANTOS
  • AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS IMPLEMENTADAS PELO MUNICÍPIO DE BELTERRA/PA NO PERÍODO DE 1997-2012
  • Orientador : MARIA LILIA IMBIRIBA SOUSA COLARES
  • Data: 18/02/2016
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa aborda o tema das políticas educacionais em âmbito municipal, tendo por objetivo identificar e registraras políticas educacionais implementadas pela Secretaria Municipal de Educação de Belterra, estado do Pará, no período de 1997 a 2012, considerando os marcos legais e históricos da educação brasileira, tais como, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação, Lei nº 9.394, de 20/12/1996, as reformas educacionais ocorridas a partir da década de 1990, o que permitiu realizar o registro histórico das políticas voltadas para a melhoria da educação municipal. Como aporte téorico,dentre outros autores,temos Azevedo (2001), Saviani (2001) e Oliveira (2011) que abordam a educação como política pública social, sendo a educação escolar um direito a todos e dever do Estado.Teve por metodologia a pesquisa qualitativa, com as categorias de análise: descentralização e autonomia; programas e projetos desenvolvidos pela Secretaria. Para obtenção dos dados utilizamos como técnicas e instrumentos de pesquisa: a análise documental (fontes primárias e secundárias) e entrevistas semiestruturadas com secretários municipais de educação do período delimitado para estudo.Os resultados demonstraram que a Secretaria articulou e desenvolveu ações, programas e projetos a partir de adesão dos governos federais, estaduais e da iniciativa privada, o que permitiu tanto aprendizagens institucion ais quanto práticas voltadas para descentralização e autonomia, na busca por melhoria administrativa, financeira e pedagógica da organização da educação municipal. No plano macro, o aumento de programas educacionais para ações indutoras de materialização de políticas educacionais. Em decorrência da fragilidade de estrutura municipal como ente federado, por trata-se de um município eminentemente rural e com abrangência territorial de domínio da União, 90% de área de proteção ambiental, observou-se interferências no campo educacional nas políticas criadas pela Secretaria de Educação. Identificou-se a ausência de um plano municipal de educação e de sistema municipal de ensino e carência de registro documental, o que permitiu observar a carência na realização tanto de trabalho coletivo quanto de diretrizes, metas e ações planejadas e sistematizadas a curto, médio e longo prazo, de forma permanente, por parte da Secretaria, para que houvesse o acompanhamento, monitoramento e avaliação das ações e políticas ao longo do período.
7
  • ELIANE GRACY LEMOS BARRETO
  • POLÍTICAS EDUCACIONAIS DO MEC PARA A FORMAÇÃO DOCENTE: UMA ANÁLISE SOBRE O PARFOR NA UFOPA NO PERÍODO DE 2010-2014
  • Orientador : ANSELMO ALENCAR COLARES
  • Data: 19/02/2016
  • Mostrar Resumo
  • A partir dos anos de 1990, é possível evidenciar no Brasil que as questões que envolvem a organização e implementação de políticas educacionais para a formação de professores da educação básica pública se intensificaram consideravelmente. Tal formação é vislumbrada no intento de minimizar os problemas relacionados ao fracasso escolar com vistas à melhoria da qualidade do ensino, e ainda, na intenção de valorização desses profissionais. A pesquisa da qual resulta esta dissertação teve como objetivo geral analisar o Plano Nacional de Formação dos Professores da Educação Básica (PARFOR) enquanto uma política educacional do Ministério da Educação (MEC) para a formação docente e seu processo de implementação na Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA) diante da demanda por capacitação profissional no município de Monte Alegre, tendo em vista seu modo de funcionamento, objetivos e intencionalidades, assim como sua área de abrangência no que diz respeito à formação docente no período de 2010-2014. Com o apoio das referências analíticas disponíveis na produção bibliográfica sobre o tema, utilizamos a abordagem qualitativa para a análise das normas reguladoras do PARFOR, das informações disponíveis no site eletrônicoque gerencia o processo de inscrição e seleção dos professores –Plataforma Freire, os questionários e as entrevistas realizadas com os coordenadores do PARFOR nos municípios de Santarém e Monte Alegre e com o Secretário de Educação do município de Monte Alegre. A pa rtir desta análise foi possível evidenciar particularidades no processo de implementação deste Plano na UFOPA, seus limites e possibilidades, sucessos e fragilidades, assim como foi possível obter dados quantitativos que revelam o alcance deste Plano no qu e diz respeito à formação/capacitação de docentes que atuam na Educação Básica pública na região Oeste do Pará.
8
  • ELIANE GRACY LEMOS BARRETO
  • POLÍTICAS EDUCACIONAIS DO MEC PARA A FORMAÇÃO DOCENTE: UMA ANÁLISE SOBRE O PARFOR NA UFOPA NO PERÍODO DE 2010-2014
  • Orientador : ANSELMO ALENCAR COLARES
  • Data: 19/02/2016
  • Mostrar Resumo
  • A partir dos anos de 1990, é possível evidenciar no Brasil que as questões que envolvem a organização e implementação de políticas educacionais para a formação de professores da educação básica pública se intensificaram consideravelmente. Tal formação é vislumbrada no intento de minimizar os problemas relacionados ao fracasso escolar com vistas à melhoria da qualidade do ensino, e ainda, na intenção de valorização desses profissionais. A pesquisa da qual resulta esta dissertação teve como objetivo geral analisar o Plano Nacional de Formação dos Professores da Educação Básica (PARFOR) enquanto uma política educacional do Ministério da Educação (MEC) para a formação docente e seu processo de implementação na Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA) diante da demanda por capacitação profissional no município de Monte Alegre, tendo em vista seu modo de funcionamento, objetivos e intencionalidades, assim como sua área de abrangência no que diz respeito à formação docente no período de 2010-2014. Com o apoio das referências analíticas disponíveis na produção bibliográfica sobre o tema, utilizamos a abordagem qualitativa para a análise das normas reguladoras do PARFOR, das informações disponíveis no site eletrônicoque gerencia o processo de inscrição e seleção dos professores –Plataforma Freire, os questionários e as entrevistas realizadas com os coordenadores do PARFOR nos municípios de Santarém e Monte Alegre e com o Secretário de Educação do município de Monte Alegre. A pa rtir desta análise foi possível evidenciar particularidades no processo de implementação deste Plano na UFOPA, seus limites e possibilidades, sucessos e fragilidades, assim como foi possível obter dados quantitativos que revelam o alcance deste Plano no qu e diz respeito à formação/capacitação de docentes que atuam na Educação Básica pública na região Oeste do Pará.
9
  • MARY GLAUCY BRITO CHIANCA NEVES
  • PERCEPÇÕES SOBRE AS PRÁTICAS DE ENSINAR, FORMAR E ATUAR A PARTIR DO CURSO PARA PRECEPTORES DE SAÚDE COM BASE EM METODOLOGIAS ATIVAS
  • Orientador : IANI DIAS LAUER LEITE
  • Data: 22/02/2016
  • Mostrar Resumo
  • A organização dos processos educativos de formação dos profissionais da área de saúde é uma preocupação em todos os níveis de gestão do Sistema Único de Saúde - SUS. Formar profissionais aptos a enfrentar a realidade de uma sociedade, onde são gritantes as desigualdades sociais, é um desafio para quem forma, tanto quanto para quem se propõe a ser formado. Neste cenário de grandes transformações na área da Educação e Saúde, surgem estratégias que primam por uma qualificação profissional que atenda aos preceitos das Diretrizes Curriculares Nacionais - DCN para formação do profissional de saúde e os Princípios Fundamentais do SUS. Neste sentido, o presente estudo objetivou averiguar as percepções de preceptores de saúde sobre as práticas pedagógicas no ensinar, formar e atuar, a partir da vivência do Curso Educação em Saúde para preceptores do SUS, com base em metodologias ativas de ensino aprendizagem. Participaram da pesquisa 15 profissionais concluintes do curso que atuam ou atuaram como preceptores de saúde em Santarém-PA nos anos de 2013 a 2015. A coleta de dados foi realizada através de folha de dados sociodemográficos com questões relacionadas à caracterização dos participantes e de entrevista semiestruturada. Os dados foram analisados através do Discurso do Sujeito Coletivo (DSC), com base em Lefévre e Lefévre (2005), visto que o estudo buscou abordar características qualitativas do pensamento coletivo dos participantes. Como contribuição o estudo ressalta que o olhar do preceptor sobre sua prática de ensinar, formar e atuar possibilitou um momento de reflexão e avaliação de seus conhecimentos e sua experiência profissional, oportunizando também o dialogo a respeito de formação profissional, ensinar e aprender e perceber-se num processo de constante aprendizagem. Espera-se que este estudo possa contribuir para reflexão sobre as concepções metodológicas baseadas em metodologias ativas de ensino aprendizagem, no sentido de desenvolver estratégias inovadoras na prática de preceptores de saúde responsáveis pela formação do profissional da saúde, com vistas a melhoria da qualidade dos serviços, ações e assistência a saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde e que também contribua no sentido de estimular o desenvolvimento de práticas educativas críticas, reflexivas e transformadoras, que incitem atitudes autônomas na busca pelo conhecimento.
10
  • MARY GLAUCY BRITO CHIANCA NEVES
  • PERCEPÇÕES SOBRE AS PRÁTICAS DE ENSINAR, FORMAR E ATUAR A PARTIR DO CURSO PARA PRECEPTORES DE SAÚDE COM BASE EM METODOLOGIAS ATIVAS
  • Orientador : IANI DIAS LAUER LEITE
  • Data: 22/02/2016
  • Mostrar Resumo
  • A organização dos processos educativos de formação dos profissionais da área de saúde é uma preocupação em todos os níveis de gestão do Sistema Único de Saúde - SUS. Formar profissionais aptos a enfrentar a realidade de uma sociedade, onde são gritantes as desigualdades sociais, é um desafio para quem forma, tanto quanto para quem se propõe a ser formado. Neste cenário de grandes transformações na área da Educação e Saúde, surgem estratégias que primam por uma qualificação profissional que atenda aos preceitos das Diretrizes Curriculares Nacionais - DCN para formação do profissional de saúde e os Princípios Fundamentais do SUS. Neste sentido, o presente estudo objetivou averiguar as percepções de preceptores de saúde sobre as práticas pedagógicas no ensinar, formar e atuar, a partir da vivência do Curso Educação em Saúde para preceptores do SUS, com base em metodologias ativas de ensino aprendizagem. Participaram da pesquisa 15 profissionais concluintes do curso que atuam ou atuaram como preceptores de saúde em Santarém-PA nos anos de 2013 a 2015. A coleta de dados foi realizada através de folha de dados sociodemográficos com questões relacionadas à caracterização dos participantes e de entrevista semiestruturada. Os dados foram analisados através do Discurso do Sujeito Coletivo (DSC), com base em Lefévre e Lefévre (2005), visto que o estudo buscou abordar características qualitativas do pensamento coletivo dos participantes. Como contribuição o estudo ressalta que o olhar do preceptor sobre sua prática de ensinar, formar e atuar possibilitou um momento de reflexão e avaliação de seus conhecimentos e sua experiência profissional, oportunizando também o dialogo a respeito de formação profissional, ensinar e aprender e perceber-se num processo de constante aprendizagem. Espera-se que este estudo possa contribuir para reflexão sobre as concepções metodológicas baseadas em metodologias ativas de ensino aprendizagem, no sentido de desenvolver estratégias inovadoras na prática de preceptores de saúde responsáveis pela formação do profissional da saúde, com vistas a melhoria da qualidade dos serviços, ações e assistência a saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde e que também contribua no sentido de estimular o desenvolvimento de práticas educativas críticas, reflexivas e transformadoras, que incitem atitudes autônomas na busca pelo conhecimento.
11
  • ANDREA CONSOELO CUNHA DA SILVA
  • A FORMAÇÃO INTELECTUAL DE JOVENS DO ENSINO MÉDIO: CAMINHOS E POSSIBILIDADES PARA O PENSAR AUTÔNOMO
  • Orientador : EDIENE PENA FERREIRA
  • Data: 01/06/2016
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa dedica-se a investigar a formação intelectual de jovens do Ensino Médio públi-co. Por isso, parte do seguinte questionamento: Como os alunos do Ensino Médio, bolsistas do Grupo de Estudos Linguísticos do Oeste do Pará (GELOPA), da Universidade Federal do Oeste do Pará, em Santarém, se desenvolvem intelectualmente em contato com o ambiente universitário que oportuniza diferentes experiências acadêmicas intelectuais? Para tanto, fun-damentou-se no pensamento de Theodor Adorno com ancoragem na Teoria Crítica, entre ou-tros que apoiaram teoricamente este estudo. Assim, foi feita uma simplificação da revisão da literatura que acusou que existem poucos trabalhos que contemplam a formação intelectual de jovens alunos do ensino médio por meio de experiências formativas sistemáticas como a ini-ciação científica. A pesquisa apoiou-se no acompanhamento longitudinal correspondente ao período de vigência da bolsa de Iniciação Científica do PIBIC-EM que durou de agosto de 2014 a agosto de 2015. Tratou-se de um estudo de caso e teve como instrumentos de coleta de dados questionários e entrevista semiestruturada com os bolsistas. O conteúdo do questionário somado ao das entrevistas indicou a construção de conhecimentos inerentes ao processo de pesquisa científica e mais ainda, incidiu em novas organizações do pensamento e ao desen-volvimento do pensar autônomo diante dos conceitos reificados comuns na escola. As análi-ses foram feitas à luz da pesquisa qualitativa. Em relação à análise dos dados, inicialmente foi utilizado o modelo de narrativas de perfil etnográfico, inspirado nos trabalhos de Bernad La-hire (2004) e depois foi feita a análise a partir das categorias que emergiram durante o trata-mento dos dados. A pesquisa contou com a participação de seis alunos do 2º ano, oriundos de uma escola pública estadual de ensino médio. A princípio emergiu a categoria formação e com o tratamento dos dados surgiram as categorias: experiência, autonomia, criticidade e au-toconfiança. Os resultados demonstram que os jovens tiveram ganho intelectual relevante durante o período em que estiveram em contato com diferentes experiências formativas por meio da iniciação científica no GELOPA, pois possibilitou, segundo os depoimentos, a am-pliação de conhecimentos, ressignificação de concepções já existentes em relação à língua, descoberta de potenciais cognitivos, desenvolvimento da autorreflexão, aquisição de auto-confiança e habilidades para trabalhar em grupo.
12
  • ANDREA CONSOELO CUNHA DA SILVA
  • A FORMAÇÃO INTELECTUAL DE JOVENS DO ENSINO MÉDIO: CAMINHOS E POSSIBILIDADES PARA O PENSAR AUTÔNOMO
  • Orientador : EDIENE PENA FERREIRA
  • Data: 01/06/2016
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa dedica-se a investigar a formação intelectual de jovens do Ensino Médio públi-co. Por isso, parte do seguinte questionamento: Como os alunos do Ensino Médio, bolsistas do Grupo de Estudos Linguísticos do Oeste do Pará (GELOPA), da Universidade Federal do Oeste do Pará, em Santarém, se desenvolvem intelectualmente em contato com o ambiente universitário que oportuniza diferentes experiências acadêmicas intelectuais? Para tanto, fun-damentou-se no pensamento de Theodor Adorno com ancoragem na Teoria Crítica, entre ou-tros que apoiaram teoricamente este estudo. Assim, foi feita uma simplificação da revisão da literatura que acusou que existem poucos trabalhos que contemplam a formação intelectual de jovens alunos do ensino médio por meio de experiências formativas sistemáticas como a ini-ciação científica. A pesquisa apoiou-se no acompanhamento longitudinal correspondente ao período de vigência da bolsa de Iniciação Científica do PIBIC-EM que durou de agosto de 2014 a agosto de 2015. Tratou-se de um estudo de caso e teve como instrumentos de coleta de dados questionários e entrevista semiestruturada com os bolsistas. O conteúdo do questionário somado ao das entrevistas indicou a construção de conhecimentos inerentes ao processo de pesquisa científica e mais ainda, incidiu em novas organizações do pensamento e ao desen-volvimento do pensar autônomo diante dos conceitos reificados comuns na escola. As análi-ses foram feitas à luz da pesquisa qualitativa. Em relação à análise dos dados, inicialmente foi utilizado o modelo de narrativas de perfil etnográfico, inspirado nos trabalhos de Bernad La-hire (2004) e depois foi feita a análise a partir das categorias que emergiram durante o trata-mento dos dados. A pesquisa contou com a participação de seis alunos do 2º ano, oriundos de uma escola pública estadual de ensino médio. A princípio emergiu a categoria formação e com o tratamento dos dados surgiram as categorias: experiência, autonomia, criticidade e au-toconfiança. Os resultados demonstram que os jovens tiveram ganho intelectual relevante durante o período em que estiveram em contato com diferentes experiências formativas por meio da iniciação científica no GELOPA, pois possibilitou, segundo os depoimentos, a am-pliação de conhecimentos, ressignificação de concepções já existentes em relação à língua, descoberta de potenciais cognitivos, desenvolvimento da autorreflexão, aquisição de auto-confiança e habilidades para trabalhar em grupo.
13
  • MARCOS MOURA GENTIL
  • PERMANÊNCIAS E TENSÕES NAS IDEIAS DE ALFABETIZAÇÃO: UM OLHAR SOBRE O PROFESSOR EM FORMAÇÃO
  • Orientador : LUIZ PERCIVAL LEME BRITTO
  • Data: 03/06/2016
  • Mostrar Resumo
  • A pesquisa Permanências e Tensões na Alfabetização: um olhar sobre as ideias do professor em formação associa-se à linha de pesquisa: Práticas Educativas, Linguagens e Tecnologias do Programa de Mestrado em Educação da Universidade Federal do Oeste do Pará e aos estudos de educação e linguagem que se desenvolvem no Lelit – Grupo de estudo e intervenção em leitura, escrita e literatura na escola. A investigação teve como problema central investigar como as tensões formativas decorrentes das diferentes formas de inserção do futuro professor no mundo da cultura e do conhecimento conformam suas ideias sobre alfabetização e quanto desse conhecimento “tradicional” acerca da alfabetização em contraposição ao debate atual e modelos oficialmente propostos subsiste nas ideias de estudantes inseridos num processo de formação inicial. A investigação teve como objetivo principal: identificar ideias de alfabetização e de educação sustentadas pelo professor em formação inicial (i. e., o estudante de Pedagogia) de região periférica, com ênfase nas tensões decorrentes dos processos formativos institucionais e aqueles resultantes da transmissão consuetudinária; como objetivos específicos: identificar conceitos prevalentes de alfabetização e letramento; desvelar as ideias de alfabetização presente nas vozes de estudantes de Pedagogia de região periférica; identificar e examinar as permanências e tensões da alfabetização; compreender a formação docente no debate educacional e político; identificar, no limite da formação inicial, que ideias de alfabetização emergem. A composição teórica é sustentada dentre outros em: Britto (2006, 2015), Soares (2003, 2006), Mortatti (2006), Morais (2006), Mizukami (2001) Zeichner (2008), Libâneo (2006), assim como em autores presentes nos cadernos do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa para o Ano 1 do ciclo de alfabetização. A investigação é de cunho qualitativo e investigou 90 estudantes de Pedagogia, regime presencial, período noturno de uma instituição de ensino superior privada do município de Santarém. O instrumento empregado foi a aplicação de um questionário contendo perguntas fechadas e abertas. Após a tabulação e análise dos dados, foi possível identificar que as ideias de alfabetização que circulam nesse grupo de estudantes aproximam-se da concepção, modelo e paradigmas tradicionais cuja ênfase recai em aspectos da leitura e escrita de forma mecânica, repetitiva; no entanto, apresentam sinalizações de uma pedagogia mais contemporânea quando reconhecem aspectos como a ludicidade, metodologias como a dramatização, contação de histórias, como recursos necessários para alfabetização. Nesse sentido, ainda que não se possa afirmar com que peso relativo, os resultados alcançados apontam que há um movimento significativo neste grupo de estudantes, futuros professores, ainda que alguns sejam, de uma formação que vem da experiência, formação esta que se realiza muito mais pela prática, de maneira irrefletida, fragmentária, fundada no senso comum não só escolar como da cultura, numa tradição e por isso chamamos de formação consuetudinária, do que de uma formação institucionalizada. No entanto, os resultados também evidenciam a incorporação nas ideias de alfabetização de uma perspectiva pedagógica mais liberal, uma vez que valorizam aspectos como: o interesse, o lúdico, o contextual, e por isso as ênfases que deram a leitura livre, jogos, brincadeiras, músicas, e atividades do gênero. Portanto, essa perspectiva mais liberal, hipoteticamente mais atual, o que de alguma maneira se aproxima da discussão de alfabetização e letramento posto no campo pedagógico atual. Logo, como essas ideias mais liberais se articulam com as formas mais convencionais herdadas e qual o peso efetivo que cada uma tem a investigação não consegue alcançar, mas evidencia que há permanências e tensões que circulam neste processo formativo.
14
  • MARCOS MOURA GENTIL
  • PERMANÊNCIAS E TENSÕES NAS IDEIAS DE ALFABETIZAÇÃO: UM OLHAR SOBRE O PROFESSOR EM FORMAÇÃO
  • Orientador : LUIZ PERCIVAL LEME BRITTO
  • Data: 03/06/2016
  • Mostrar Resumo
  • A pesquisa Permanências e Tensões na Alfabetização: um olhar sobre as ideias do professor em formação associa-se à linha de pesquisa: Práticas Educativas, Linguagens e Tecnologias do Programa de Mestrado em Educação da Universidade Federal do Oeste do Pará e aos estudos de educação e linguagem que se desenvolvem no Lelit – Grupo de estudo e intervenção em leitura, escrita e literatura na escola. A investigação teve como problema central investigar como as tensões formativas decorrentes das diferentes formas de inserção do futuro professor no mundo da cultura e do conhecimento conformam suas ideias sobre alfabetização e quanto desse conhecimento “tradicional” acerca da alfabetização em contraposição ao debate atual e modelos oficialmente propostos subsiste nas ideias de estudantes inseridos num processo de formação inicial. A investigação teve como objetivo principal: identificar ideias de alfabetização e de educação sustentadas pelo professor em formação inicial (i. e., o estudante de Pedagogia) de região periférica, com ênfase nas tensões decorrentes dos processos formativos institucionais e aqueles resultantes da transmissão consuetudinária; como objetivos específicos: identificar conceitos prevalentes de alfabetização e letramento; desvelar as ideias de alfabetização presente nas vozes de estudantes de Pedagogia de região periférica; identificar e examinar as permanências e tensões da alfabetização; compreender a formação docente no debate educacional e político; identificar, no limite da formação inicial, que ideias de alfabetização emergem. A composição teórica é sustentada dentre outros em: Britto (2006, 2015), Soares (2003, 2006), Mortatti (2006), Morais (2006), Mizukami (2001) Zeichner (2008), Libâneo (2006), assim como em autores presentes nos cadernos do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa para o Ano 1 do ciclo de alfabetização. A investigação é de cunho qualitativo e investigou 90 estudantes de Pedagogia, regime presencial, período noturno de uma instituição de ensino superior privada do município de Santarém. O instrumento empregado foi a aplicação de um questionário contendo perguntas fechadas e abertas. Após a tabulação e análise dos dados, foi possível identificar que as ideias de alfabetização que circulam nesse grupo de estudantes aproximam-se da concepção, modelo e paradigmas tradicionais cuja ênfase recai em aspectos da leitura e escrita de forma mecânica, repetitiva; no entanto, apresentam sinalizações de uma pedagogia mais contemporânea quando reconhecem aspectos como a ludicidade, metodologias como a dramatização, contação de histórias, como recursos necessários para alfabetização. Nesse sentido, ainda que não se possa afirmar com que peso relativo, os resultados alcançados apontam que há um movimento significativo neste grupo de estudantes, futuros professores, ainda que alguns sejam, de uma formação que vem da experiência, formação esta que se realiza muito mais pela prática, de maneira irrefletida, fragmentária, fundada no senso comum não só escolar como da cultura, numa tradição e por isso chamamos de formação consuetudinária, do que de uma formação institucionalizada. No entanto, os resultados também evidenciam a incorporação nas ideias de alfabetização de uma perspectiva pedagógica mais liberal, uma vez que valorizam aspectos como: o interesse, o lúdico, o contextual, e por isso as ênfases que deram a leitura livre, jogos, brincadeiras, músicas, e atividades do gênero. Portanto, essa perspectiva mais liberal, hipoteticamente mais atual, o que de alguma maneira se aproxima da discussão de alfabetização e letramento posto no campo pedagógico atual. Logo, como essas ideias mais liberais se articulam com as formas mais convencionais herdadas e qual o peso efetivo que cada uma tem a investigação não consegue alcançar, mas evidencia que há permanências e tensões que circulam neste processo formativo.
15
  • MARIA LUIZA FERNANDES DA SILVA PIMENTEL
  • FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE INGLÊS PARA EDUCAÇÃO BÁSICA: matriz curricular e perspectivas atuais.
  • Orientador : LUIZ PERCIVAL LEME BRITTO
  • Data: 03/06/2016
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo focaliza os Projetos Pedagógicos dos Cursos (PPC) de formação Inicial de inglês como Língua Estrangeira (LE) das Universidades Federais criadas ou desmembradas com base no Programa de Apoio ao Plano de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (REUNI) trazendo uma questão central de pesquisa: que professor de inglês no âmbito da licenciatura se vem propondo formar para educação básica? Assim sendo, o objetivo deste trabalho é analisar as dimensões do processo formativo inicial do professor de inglês para educação básica e especificamente: i) Identificar as propostas de cursos de dupla licenciatura em um conjunto de universidades recém-criadas com base no REUNI; ii) Examinar as decorrências das propostas de dupla licenciatura; iii) Construir um formulário de caráter descritivo que sirva de modelo para um curso de licenciatura de formação inicial de professor de língua inglesa como (LE). Esta investigação define-se como de natureza qualitativa (MINAYO, 2010) sendo o método utilizado para a coleta de dados a análise documental, conforme (LAKATOS E MARCONI, 2010) e (GIL 2010) seguida da análise de conteúdo (feita algumas adaptações) com base em (BARDIN, 2011). Os resultados advindos da análise documental dos PPCs não trazem nenhuma inovação no percurso curricular no que se referem à carga horária de integralização, disciplinas, ementas de disciplinas, bibliografia, projetos de Pesquisa e Extensão, Atividades Complementares e a preocupação com o nível de proficiência de saída do licenciado. Em suma, os PPCs das universidades analisadas parecem conforma-se com a ideia de um currículo tradicional, sem possuir traços de uma organização curricular inovadora.
16
  • MARIA LUIZA FERNANDES DA SILVA PIMENTEL
  • FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE INGLÊS PARA EDUCAÇÃO BÁSICA: matriz curricular e perspectivas atuais.
  • Orientador : LUIZ PERCIVAL LEME BRITTO
  • Data: 03/06/2016
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo focaliza os Projetos Pedagógicos dos Cursos (PPC) de formação Inicial de inglês como Língua Estrangeira (LE) das Universidades Federais criadas ou desmembradas com base no Programa de Apoio ao Plano de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (REUNI) trazendo uma questão central de pesquisa: que professor de inglês no âmbito da licenciatura se vem propondo formar para educação básica? Assim sendo, o objetivo deste trabalho é analisar as dimensões do processo formativo inicial do professor de inglês para educação básica e especificamente: i) Identificar as propostas de cursos de dupla licenciatura em um conjunto de universidades recém-criadas com base no REUNI; ii) Examinar as decorrências das propostas de dupla licenciatura; iii) Construir um formulário de caráter descritivo que sirva de modelo para um curso de licenciatura de formação inicial de professor de língua inglesa como (LE). Esta investigação define-se como de natureza qualitativa (MINAYO, 2010) sendo o método utilizado para a coleta de dados a análise documental, conforme (LAKATOS E MARCONI, 2010) e (GIL 2010) seguida da análise de conteúdo (feita algumas adaptações) com base em (BARDIN, 2011). Os resultados advindos da análise documental dos PPCs não trazem nenhuma inovação no percurso curricular no que se referem à carga horária de integralização, disciplinas, ementas de disciplinas, bibliografia, projetos de Pesquisa e Extensão, Atividades Complementares e a preocupação com o nível de proficiência de saída do licenciado. Em suma, os PPCs das universidades analisadas parecem conforma-se com a ideia de um currículo tradicional, sem possuir traços de uma organização curricular inovadora.
17
  • GILMA DA SILVA PEREIRA ROCHA
  • Aprendendo a falar e a escrever com as mãos: o professor alfabetizador diante do desafio de alfabetizar a criança surda
  • Orientador : LUIZ PERCIVAL LEME BRITTO
  • Data: 16/06/2016
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa, articulada aos estudos de educação e linguagem que se desenvolvem no Lelit – Grupo de estudo e intervenção em leitura, escrita e literatura na escola, aborda a temá-tica alfabetização de crianças surdas. A problemática da pesquisa se situa no debate relativo à aquisição da escrita por pessoas surdas, especialmente criança em processo de escolarização, e quais as estratégias pedagógicas que se propõem e se desenvolvem no intuito de alfabetizá-las. O objetivo da pesquisa, com base no tema enunciado, é o de verificar as percepções que professores do ciclo de alfabetização têm acerca da alfabetização de surdos e de como essa percepção interage com o que se vem produzindo acadêmica e politicamente na área em ques-tão. Para dar conta dessa problemática, postulamos, a partir da leitura da literatura de referên-cia, um conjunto de perguntas-nucleares que devem permitir tanto a identificação das propo-sições e formulações que se fazem na área como a compreensão que professores alfabetizado-res que recebem crianças surdas em suas salas tem deste mesmo processo. De forma, torna-se possível examinar as aproximações e tensões entre estes dois polos – teórico e prático – no processo atual de alfabetização de crianças surdas no âmbito da educação regular. Para me-lhor desenvolvimento, a dissertação foi dividida em duas partes: a conceitual e a empírica. Na parte conceitual, recupera-se, por meio as referidas perguntas a concepções e proposições da área; Na coleta de dados empíricos, o instrumento utilizado foi a entrevista dirigida, de que constavam as mesma perguntas que se fizeram à bibliografia de referência. As análises parti-ram da construção de narrativas do conteúdo das falas das alfabetizadoras, inspiradas nos tra-balhos de Bernad Lahire (2004), visando uma apresentação consistente e sistemática, capaz de evidenciar o que informavam os professores. Da análise comparativa, emergiram três questões em torno das quais se agrupam os principais elementos envolvidos na temática: 1. os concei-tos e as estratégias de ensino e aprendizagem de crianças surdas; 2. a relevância da LIBRAS para a alfabetização de crianças surdas; e 3. A participação da escola na alfabetização de cri-anças surdas. Os resultados apontam que algumas percepções das professoras alfabetizadoras se aproximam dos aspectos teóricos dos estudos na área em questão, como a abordagem bilín-gue, a valorização do visual nas práticas pedagógicas e a mediação da LIBRAS para aquisição da segunda língua; outros indicam o afastamento do que percebem as professoras em relação ao que se propõe como referência na área, como as ideias do que é alfabetizar e como se dão os processos de inclusão.
18
  • GILMA DA SILVA PEREIRA ROCHA
  • Aprendendo a falar e a escrever com as mãos: o professor alfabetizador diante do desafio de alfabetizar a criança surda
  • Orientador : LUIZ PERCIVAL LEME BRITTO
  • Data: 16/06/2016
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa, articulada aos estudos de educação e linguagem que se desenvolvem no Lelit – Grupo de estudo e intervenção em leitura, escrita e literatura na escola, aborda a temá-tica alfabetização de crianças surdas. A problemática da pesquisa se situa no debate relativo à aquisição da escrita por pessoas surdas, especialmente criança em processo de escolarização, e quais as estratégias pedagógicas que se propõem e se desenvolvem no intuito de alfabetizá-las. O objetivo da pesquisa, com base no tema enunciado, é o de verificar as percepções que professores do ciclo de alfabetização têm acerca da alfabetização de surdos e de como essa percepção interage com o que se vem produzindo acadêmica e politicamente na área em ques-tão. Para dar conta dessa problemática, postulamos, a partir da leitura da literatura de referên-cia, um conjunto de perguntas-nucleares que devem permitir tanto a identificação das propo-sições e formulações que se fazem na área como a compreensão que professores alfabetizado-res que recebem crianças surdas em suas salas tem deste mesmo processo. De forma, torna-se possível examinar as aproximações e tensões entre estes dois polos – teórico e prático – no processo atual de alfabetização de crianças surdas no âmbito da educação regular. Para me-lhor desenvolvimento, a dissertação foi dividida em duas partes: a conceitual e a empírica. Na parte conceitual, recupera-se, por meio as referidas perguntas a concepções e proposições da área; Na coleta de dados empíricos, o instrumento utilizado foi a entrevista dirigida, de que constavam as mesma perguntas que se fizeram à bibliografia de referência. As análises parti-ram da construção de narrativas do conteúdo das falas das alfabetizadoras, inspiradas nos tra-balhos de Bernad Lahire (2004), visando uma apresentação consistente e sistemática, capaz de evidenciar o que informavam os professores. Da análise comparativa, emergiram três questões em torno das quais se agrupam os principais elementos envolvidos na temática: 1. os concei-tos e as estratégias de ensino e aprendizagem de crianças surdas; 2. a relevância da LIBRAS para a alfabetização de crianças surdas; e 3. A participação da escola na alfabetização de cri-anças surdas. Os resultados apontam que algumas percepções das professoras alfabetizadoras se aproximam dos aspectos teóricos dos estudos na área em questão, como a abordagem bilín-gue, a valorização do visual nas práticas pedagógicas e a mediação da LIBRAS para aquisição da segunda língua; outros indicam o afastamento do que percebem as professoras em relação ao que se propõe como referência na área, como as ideias do que é alfabetizar e como se dão os processos de inclusão.
19
  • ANDRÉA LEITE DE ALENCAR SALGADO
  • CRENÇAS E PRÁTICAS DOCENTES QUANTO À PROMOÇÃO E PREVENÇÃO EM SAÚDE NA EDUCAÇÃO INFANTIL, EM SANTARÉM-PARÁ.
  • Orientador : IANI DIAS LAUER LEITE
  • Data: 27/06/2016
  • Mostrar Resumo
  • A prevenção e promoção da saúde no âmbito escolar parte de uma visão integral e multidisciplinar do ser humano, considerando as pessoas em seu contexto familiar, comunitário, social e ambiental, sendo ainda uma temática recentemente inserida nas Referências Curriculares Nacionais e que necessita de implementação na prática diária das instituições. Em se tratando da Educação Infantil, a promoção e prevenção em saúde podem ou não estar presentes nas ações de cuidar e educar no quotidiano das creches, sendo realizadas ou não pelos professores das mesmas. Nesse sentido, partindo-se do pressuposto teórico de que as crenças docentes possuem uma ligação com as práticas realizadas quotidianamente no contexto escolar, este estudo objetivou Investigar as crenças e as práticas docentes sobre promoção e prevenção em saúde na Educação Infantil, a partir do relato de professores pertencentes à rede municipal de Educação Infantil em Santarém, Pará. Para alcance destes objetivos foi realizada uma pesquisa qualitativa do tipo exploratória através de entrevistas individuais com professores de 10 Unidades Municipais de Educação Infantil de Santarém. Participaram do estudo 53 professores, com no mínimo dois anos de experiência, na faixa etária de 22 a 56 anos, em sua maioria com formação em magistério e pedagogia. Os dados das entrevistas foram divididos em dois corpus temáticos e analisados com auxílio do software livre IRAMUTEQ. A análise dos dois corpus, um de crenças e outro de práticas, originou 5 classes cada. As classes referentes às Crenças, trouxeram crenças relativas aos determinantes do processo saúde-doença, os papeis da escola, da família e de profissionais de saúde na prevenção e promoção da saúde e crenças relacionadas à prevenção e promoção mediante práticas de higiene. As classes de Práticas evidenciaram práticas pedagógicas de promoção e prevenção em saúde, práticas de higiene como forma de promoção da saúde na escola, ações da escola e da família para promover saúde e a descrição da rotina diária na creche. Observou-se mediante os resultados empíricos, a relação de 3 classes de crenças com 3 classes de práticas. Mediante esses resultados inferiu-se que as crenças estão relacionadas às práticas e essas crenças interferem nas práticas quotidianas desses professores. Espera-se que os resultados apresentados contribuam tanto no âmbito acadêmico quanto no âmbito social. Sob o foco acadêmico, o estudo propicia um levantamento inicial de dados relativos às práticas quotidianas nas creches municipais, assim como mostra a relação existente entre crenças e práticas. Sob a égide social, o estudo traz resultados que poderão ser insumos para criação de estratégias mais eficazes de promoção e prevenção em saúde na Educação Infantil. Conclui-se ser de grande importância a continuidade de estudos sobre a promoção da saúde das crianças como uma responsabilidade das instituições educativas em parceria com familiares e serviços de saúde, devendo-se considerar o fato de que é impossível cuidar e educar crianças sem influenciar as práticas sociais relativas à manutenção e recuperação da saúde e do bem-estar infantil, ou sem ser influenciado por essas práticas.
20
  • ANDRÉA LEITE DE ALENCAR SALGADO
  • CRENÇAS E PRÁTICAS DOCENTES QUANTO À PROMOÇÃO E PREVENÇÃO EM SAÚDE NA EDUCAÇÃO INFANTIL, EM SANTARÉM-PARÁ.
  • Orientador : IANI DIAS LAUER LEITE
  • Data: 27/06/2016
  • Mostrar Resumo
  • A prevenção e promoção da saúde no âmbito escolar parte de uma visão integral e multidisciplinar do ser humano, considerando as pessoas em seu contexto familiar, comunitário, social e ambiental, sendo ainda uma temática recentemente inserida nas Referências Curriculares Nacionais e que necessita de implementação na prática diária das instituições. Em se tratando da Educação Infantil, a promoção e prevenção em saúde podem ou não estar presentes nas ações de cuidar e educar no quotidiano das creches, sendo realizadas ou não pelos professores das mesmas. Nesse sentido, partindo-se do pressuposto teórico de que as crenças docentes possuem uma ligação com as práticas realizadas quotidianamente no contexto escolar, este estudo objetivou Investigar as crenças e as práticas docentes sobre promoção e prevenção em saúde na Educação Infantil, a partir do relato de professores pertencentes à rede municipal de Educação Infantil em Santarém, Pará. Para alcance destes objetivos foi realizada uma pesquisa qualitativa do tipo exploratória através de entrevistas individuais com professores de 10 Unidades Municipais de Educação Infantil de Santarém. Participaram do estudo 53 professores, com no mínimo dois anos de experiência, na faixa etária de 22 a 56 anos, em sua maioria com formação em magistério e pedagogia. Os dados das entrevistas foram divididos em dois corpus temáticos e analisados com auxílio do software livre IRAMUTEQ. A análise dos dois corpus, um de crenças e outro de práticas, originou 5 classes cada. As classes referentes às Crenças, trouxeram crenças relativas aos determinantes do processo saúde-doença, os papeis da escola, da família e de profissionais de saúde na prevenção e promoção da saúde e crenças relacionadas à prevenção e promoção mediante práticas de higiene. As classes de Práticas evidenciaram práticas pedagógicas de promoção e prevenção em saúde, práticas de higiene como forma de promoção da saúde na escola, ações da escola e da família para promover saúde e a descrição da rotina diária na creche. Observou-se mediante os resultados empíricos, a relação de 3 classes de crenças com 3 classes de práticas. Mediante esses resultados inferiu-se que as crenças estão relacionadas às práticas e essas crenças interferem nas práticas quotidianas desses professores. Espera-se que os resultados apresentados contribuam tanto no âmbito acadêmico quanto no âmbito social. Sob o foco acadêmico, o estudo propicia um levantamento inicial de dados relativos às práticas quotidianas nas creches municipais, assim como mostra a relação existente entre crenças e práticas. Sob a égide social, o estudo traz resultados que poderão ser insumos para criação de estratégias mais eficazes de promoção e prevenção em saúde na Educação Infantil. Conclui-se ser de grande importância a continuidade de estudos sobre a promoção da saúde das crianças como uma responsabilidade das instituições educativas em parceria com familiares e serviços de saúde, devendo-se considerar o fato de que é impossível cuidar e educar crianças sem influenciar as práticas sociais relativas à manutenção e recuperação da saúde e do bem-estar infantil, ou sem ser influenciado por essas práticas.
21
  • WASHINGTON LUIS DOS SANTOS ABREU
  • VIVÊNCIAS E ORIENTAÇÕES INSTITUCIONAIS: CONFLITOS NA FORMAÇÃO DO ALFABETIZADOR
  • Orientador : LUIZ PERCIVAL LEME BRITTO
  • Data: 20/09/2016
  • Mostrar Resumo
  • Falar em formação docente é mister considerar a existência de duas forças formativas inevitá- veis nesse processo: a institucional, que perpassa pela escolarização, e a consuetudinária, que advém quer da tradição escolar, quer da prática e costumes do professor. O que resulta numa realidade de ensino conflituosa e, por vezes, contraditória. Foi com esse entendimento que me propus investigar os conflitos presentes no pensamento e na prática pedagógicos dos alfabetizadores, decorrentes dos processos formativos institucional e consuetudinário. Assim, esta pesquisa objetivou perceber como a dimensão formativa consuetudinária se manifesta tanto nas concepções de alfabetização como nas práticas pedagógicas do alfabetizador e que conflitos ela traz à sua prática. Para isso, busquei responder a seguinte questão investigativa: Que conflitos podem ser percebidos no pensamento e na prática pedagógicos de alfabetizadores de lugares afastados de centros urbanos em relação às perspectivas atuais de alfabetização, sintetizadas pelo programa de formação continuada oficialmente vigente no país? Para responder essa pergunta, adotei a pesquisa qualitativa de tipo etnográfico. Como instrumentos de gera- ção de dados, elegi a entrevista semiestruturada e a observação participante. Busquei embasamento teórico-metodológico em autores como Chizzotti (2010), Flick (2009, 2013), Mattos e Fontoura (2009), Marli André (2003), Soares (2003, 2013), Mortatti (1996, 2000, 2006), Britto (2003, 2010), Cagliari (2007, 2009). A pesquisa demonstrou que a formação consuetudinária do professor alfabetizador se manifesta por meio de permanências tanto pedagógicas como conceptivas de alfabetização a despeito de orientações institucionais que tenha recebido, resultando em uma prática eclética, aliando aspectos de propostas e concepções de educação hipoteticamente mais formuladas e conforme os tempos de hoje com práticas e concepções superadas do ponto de vista científico, acadêmico e pedagógico, tais como: soletração, silaba- ção e coordenação motora. A pesquisa também suscitou questões relacionadas à rotina escolar, ao cantinho da leitura e ao ensino da leitura, da produção de texto e do sistema de escrita alfabética (SEA), que revelaram tanto má compreensão teórica da organização do trabalho pedagógico referente a essas atividades assim como sua deliberada adaptação pelo professor à necessidade pedagógica imediata, atendendo a sua compreensão particular de como realizá-las.
22
  • WASHINGTON LUIS DOS SANTOS ABREU
  • VIVÊNCIAS E ORIENTAÇÕES INSTITUCIONAIS: CONFLITOS NA FORMAÇÃO DO ALFABETIZADOR
  • Orientador : LUIZ PERCIVAL LEME BRITTO
  • Data: 20/09/2016
  • Mostrar Resumo
  • Falar em formação docente é mister considerar a existência de duas forças formativas inevitá- veis nesse processo: a institucional, que perpassa pela escolarização, e a consuetudinária, que advém quer da tradição escolar, quer da prática e costumes do professor. O que resulta numa realidade de ensino conflituosa e, por vezes, contraditória. Foi com esse entendimento que me propus investigar os conflitos presentes no pensamento e na prática pedagógicos dos alfabetizadores, decorrentes dos processos formativos institucional e consuetudinário. Assim, esta pesquisa objetivou perceber como a dimensão formativa consuetudinária se manifesta tanto nas concepções de alfabetização como nas práticas pedagógicas do alfabetizador e que conflitos ela traz à sua prática. Para isso, busquei responder a seguinte questão investigativa: Que conflitos podem ser percebidos no pensamento e na prática pedagógicos de alfabetizadores de lugares afastados de centros urbanos em relação às perspectivas atuais de alfabetização, sintetizadas pelo programa de formação continuada oficialmente vigente no país? Para responder essa pergunta, adotei a pesquisa qualitativa de tipo etnográfico. Como instrumentos de gera- ção de dados, elegi a entrevista semiestruturada e a observação participante. Busquei embasamento teórico-metodológico em autores como Chizzotti (2010), Flick (2009, 2013), Mattos e Fontoura (2009), Marli André (2003), Soares (2003, 2013), Mortatti (1996, 2000, 2006), Britto (2003, 2010), Cagliari (2007, 2009). A pesquisa demonstrou que a formação consuetudinária do professor alfabetizador se manifesta por meio de permanências tanto pedagógicas como conceptivas de alfabetização a despeito de orientações institucionais que tenha recebido, resultando em uma prática eclética, aliando aspectos de propostas e concepções de educação hipoteticamente mais formuladas e conforme os tempos de hoje com práticas e concepções superadas do ponto de vista científico, acadêmico e pedagógico, tais como: soletração, silaba- ção e coordenação motora. A pesquisa também suscitou questões relacionadas à rotina escolar, ao cantinho da leitura e ao ensino da leitura, da produção de texto e do sistema de escrita alfabética (SEA), que revelaram tanto má compreensão teórica da organização do trabalho pedagógico referente a essas atividades assim como sua deliberada adaptação pelo professor à necessidade pedagógica imediata, atendendo a sua compreensão particular de como realizá-las.
23
  • CLAUDILÉIA PEREIRA GALVÃO BUCHI
  • A Gestão do Ensino na Residência Multiprofissional em saúde no HRBA/Santarém: contribuições para a consolidação da cultura de hospital ensino na Amazônia.
  • Orientador : TANIA SUELY AZEVEDO BRASILEIRO
  • Data: 02/12/2016
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo aborda a Educação na Saúde no Sistema Único de Saúde (SUS) e objetiva analisar como foi desenvolvida a gestão do ensino no Programa de Residência Multiprofissional em Saúde na Atenção Integral em Ortopedia e Traumatologia pelo Hospital Regional do Baixo Amazonas (HRBA) e pela Universidade do Estado do Pará (UEPA) em Santarém, para consolidação de uma cultura de Hospital Ensino (HE) na região amazônica. A pesquisa é de abordagem qualitativa (OLIVEIRA, 2014), descritiva, do tipo estudo de caso (MINAYO, 2014), com recorte microetnográfico (ARNAL; RINCÓN; LATORRE, 1992), e desenvolvido mediante um estudo bibliográfico, documental e de campo. O público-alvo está composto pelos profissionais da saúde envolvidos diretamente com o processo formativo desta Residência Multiprofissional, englobando os gestores de ensino (HRBA/UEPA), os preceptores, os docentes, os tutores, os residentes enquanto sujeitos coparticipes do processo de ensino e aprendizagem, bem como seus egressos (2013/2014), totalizando uma amostra de 95 participantes. Como instrumentos de coleta de dados foram utilizados observação participante, entrevistas e questionários (OLIVEIRA, 2014). A análise dos dados foi organizada através da análise de conteúdo (BARDIN, 2011), assumindo um viés interpretativo a partir da triangulação de métodos (MINAYO et al, 2005). A discussão foi constituída à luz teórica de Vázquez (1977), Freire (1996), Gadotti (2004), Paro (2010), Moreno (2015), dentre outros, em diálogo com os documentos oficiais e marco normativo legal da área. Os resultados finais demonstram que a Gestão do Ensino por meio da Residência Multiprofissional em saúde tem contribuído para a melhoria do ensino em serviço, bem como para a consolidação da cultura de HE na região Amazônica. No que se refere aos subsídios desta Residência para a cultura de HE, 62% dos residentes dizem em parte, contudo 68% dos egressos consideram que sim. No entanto, 100% dos tutores, 100% dos docentes e 95% dos Preceptores corroboram que esta formação continuada tem cooperado para a solidificação desta cultura na região. Da mesma forma, os gestores do ensino ratificam que esta residência tem sido fundamental para a construção do ensino em serviço, visto que converge para para a formação de profissionais comprometidos com o bem-estar do usuário, melhorando a qualidade da assistência dispendida na região oeste do Pará. Assim, enquanto conclusão do estudo, pode-se afirmar que a gestão do ensino tem fomentado reflexões em torno da constituição desta formação, em vias de consolidar a cultura de HE na Amazônia, oportunizando aos profissionais da saúde uma experiência diferenciada, na qual tem-se a união da assistência e formação acadêmica, com propostas para a melhoria do ensino em serviço continuado com vistas à qualificação de profissionais da saúde capacitados para atuarem na rede SUS. Tendo como pressuposto a parceria interinstitucional entre a Instituição Proponente e a Executora, e uma base educativa a partir da gestão democrática do processo ensino - aprendizagem, legitimadas pela participação de todos os envolvidos no processo formativo, afirma-se que Educação na Saúde é essencial para a edificação de um SUS para todos e com um atendimento humanizado e de qualidade.
24
  • CLAUDILÉIA PEREIRA GALVÃO BUCHI
  • A Gestão do Ensino na Residência Multiprofissional em saúde no HRBA/Santarém: contribuições para a consolidação da cultura de hospital ensino na Amazônia.
  • Orientador : TANIA SUELY AZEVEDO BRASILEIRO
  • Data: 02/12/2016
  • Mostrar Resumo
  • O presente estudo aborda a Educação na Saúde no Sistema Único de Saúde (SUS) e objetiva analisar como foi desenvolvida a gestão do ensino no Programa de Residência Multiprofissional em Saúde na Atenção Integral em Ortopedia e Traumatologia pelo Hospital Regional do Baixo Amazonas (HRBA) e pela Universidade do Estado do Pará (UEPA) em Santarém, para consolidação de uma cultura de Hospital Ensino (HE) na região amazônica. A pesquisa é de abordagem qualitativa (OLIVEIRA, 2014), descritiva, do tipo estudo de caso (MINAYO, 2014), com recorte microetnográfico (ARNAL; RINCÓN; LATORRE, 1992), e desenvolvido mediante um estudo bibliográfico, documental e de campo. O público-alvo está composto pelos profissionais da saúde envolvidos diretamente com o processo formativo desta Residência Multiprofissional, englobando os gestores de ensino (HRBA/UEPA), os preceptores, os docentes, os tutores, os residentes enquanto sujeitos coparticipes do processo de ensino e aprendizagem, bem como seus egressos (2013/2014), totalizando uma amostra de 95 participantes. Como instrumentos de coleta de dados foram utilizados observação participante, entrevistas e questionários (OLIVEIRA, 2014). A análise dos dados foi organizada através da análise de conteúdo (BARDIN, 2011), assumindo um viés interpretativo a partir da triangulação de métodos (MINAYO et al, 2005). A discussão foi constituída à luz teórica de Vázquez (1977), Freire (1996), Gadotti (2004), Paro (2010), Moreno (2015), dentre outros, em diálogo com os documentos oficiais e marco normativo legal da área. Os resultados finais demonstram que a Gestão do Ensino por meio da Residência Multiprofissional em saúde tem contribuído para a melhoria do ensino em serviço, bem como para a consolidação da cultura de HE na região Amazônica. No que se refere aos subsídios desta Residência para a cultura de HE, 62% dos residentes dizem em parte, contudo 68% dos egressos consideram que sim. No entanto, 100% dos tutores, 100% dos docentes e 95% dos Preceptores corroboram que esta formação continuada tem cooperado para a solidificação desta cultura na região. Da mesma forma, os gestores do ensino ratificam que esta residência tem sido fundamental para a construção do ensino em serviço, visto que converge para para a formação de profissionais comprometidos com o bem-estar do usuário, melhorando a qualidade da assistência dispendida na região oeste do Pará. Assim, enquanto conclusão do estudo, pode-se afirmar que a gestão do ensino tem fomentado reflexões em torno da constituição desta formação, em vias de consolidar a cultura de HE na Amazônia, oportunizando aos profissionais da saúde uma experiência diferenciada, na qual tem-se a união da assistência e formação acadêmica, com propostas para a melhoria do ensino em serviço continuado com vistas à qualificação de profissionais da saúde capacitados para atuarem na rede SUS. Tendo como pressuposto a parceria interinstitucional entre a Instituição Proponente e a Executora, e uma base educativa a partir da gestão democrática do processo ensino - aprendizagem, legitimadas pela participação de todos os envolvidos no processo formativo, afirma-se que Educação na Saúde é essencial para a edificação de um SUS para todos e com um atendimento humanizado e de qualidade.
25
  • LUCIANO FREITAS SALES
  • APRENDIZAGEM BASEADA EM PROBLEMAS (PBL) EM UM CURSO DE MEDICINA NO INTERIOR DA AMAZONIA: UMA ANÁLISE DO PROCESSO TUTORIAL
  • Orientador : TANIA SUELY AZEVEDO BRASILEIRO
  • Data: 02/12/2016
  • Mostrar Resumo
  • Muitas são as tentativas de melhorar o processo de formação médica no Brasil. Este estudo busca pesquisar sobre como ocorre o processo tutorial por meio da Aprendizagem Baseada em Problemas (PBL) no curso de Medicina da UEPA – Campus Santarém. Para Costa (2011), a PBL é uma metodologia centrada no discente, onde se procura que este aprenda por méritos próprios. Assim, o objetivo geral desta dissertação, visa analisar o processo tutorial por meio da PBL no curso de Medicina da UEPA e, especificamente, verificar a percepção de coordenadores, tutores e discentes sobre a metodologia da PBL; averiguar como os tutores conduzem as Tutorias para a PBL; identificar possíveis variáveis que influenciam a prática da PBL nos tutoriais; relacionar as tensões entre a prática da PBL e a formação do tutor e; descrever as contribuições da tutoria como estratégia de ensino da PBL para a formação médica, conforme preconizam as DCN´s. A abordagem metodológica é qualitativa, descritiva, do tipo estudo de caso, com pesquisa bibliográfica, documental e empírica. Priorizou-se recorte temporal de 2013 e 2016, com aplicação de entrevista semiestruturada com coordenadores e tutores, e questionário padrão PRAXIS aos discentes. Os dados foram tratados com análise de conteúdo de Bardin (2011). Verificou-se que participantes da pesquisa percebem a PBL como uma metodologia que permite a construção autônoma dos conhecimentos a partir de objetivos definido em discussões tutoriais. Compartilham do mesmo pensamento de que a metodologia contribui para a prática do aprender solucionar problemas, como se faz necessário no exercício profissional da medicina. Quanto à condução dos tutoriais pelos os docentes, constatou-se divergência entre o dito pelos mesmos e as respostas dos discentes em relação ao seguimento dos passos da PBL, a avaliação da aprendizagem, o planejamento institucional e o planejamento docente para a operacionalização dos tutorais. Verificou-se que variáveis de ordens pedagógica, administrativa, infraestrutural e acadêmica, influenciam parcialmente a prática dos tutoriais. No entanto, verificou-se na fala dos docentes que se pequenas intervenções fossem tomadas, como a oferta periódica de capacitações voltadas para as metodologias ativas, a manutenção preventiva de recursos tecnológicos usados na agregação de valores aos tutoriais e um melhor apoio psicopedagógico aos discentes, melhoraria o processo ensino-aprendizagem no curso. Quanto às tensões entre a prática da PBL e a formação inicial do tutor, notou-se que apenas dois docentes foram graduados com uso da metodologia e que os demais enfrentaram tensões no início de suas carreiras docentes na instituição. Contudo, relataram superá-las buscando conhecimentos em literaturas específicas e compartilhando entre eles experiências profissionais, bem como participando também de cursos voltados para as metodologias ativas. Verificou-se também que os participantes afirmam que os tutoriais contribuem para a formação de profissionais éticos, críticos, reflexivos e humanísticos que atendam as demandas do Sistema Único de Saúde. Contudo, na prática estes princípios ainda estão por serem consolidados, pois uma metodologia que busca integrar a realidade imediata à própria formação inicial é um grande desafio, principalmente no interior da Amazônia.
26
  • LUCIANO FREITAS SALES
  • APRENDIZAGEM BASEADA EM PROBLEMAS (PBL) EM UM CURSO DE MEDICINA NO INTERIOR DA AMAZONIA: UMA ANÁLISE DO PROCESSO TUTORIAL
  • Orientador : TANIA SUELY AZEVEDO BRASILEIRO
  • Data: 02/12/2016
  • Mostrar Resumo
  • Muitas são as tentativas de melhorar o processo de formação médica no Brasil. Este estudo busca pesquisar sobre como ocorre o processo tutorial por meio da Aprendizagem Baseada em Problemas (PBL) no curso de Medicina da UEPA – Campus Santarém. Para Costa (2011), a PBL é uma metodologia centrada no discente, onde se procura que este aprenda por méritos próprios. Assim, o objetivo geral desta dissertação, visa analisar o processo tutorial por meio da PBL no curso de Medicina da UEPA e, especificamente, verificar a percepção de coordenadores, tutores e discentes sobre a metodologia da PBL; averiguar como os tutores conduzem as Tutorias para a PBL; identificar possíveis variáveis que influenciam a prática da PBL nos tutoriais; relacionar as tensões entre a prática da PBL e a formação do tutor e; descrever as contribuições da tutoria como estratégia de ensino da PBL para a formação médica, conforme preconizam as DCN´s. A abordagem metodológica é qualitativa, descritiva, do tipo estudo de caso, com pesquisa bibliográfica, documental e empírica. Priorizou-se recorte temporal de 2013 e 2016, com aplicação de entrevista semiestruturada com coordenadores e tutores, e questionário padrão PRAXIS aos discentes. Os dados foram tratados com análise de conteúdo de Bardin (2011). Verificou-se que participantes da pesquisa percebem a PBL como uma metodologia que permite a construção autônoma dos conhecimentos a partir de objetivos definido em discussões tutoriais. Compartilham do mesmo pensamento de que a metodologia contribui para a prática do aprender solucionar problemas, como se faz necessário no exercício profissional da medicina. Quanto à condução dos tutoriais pelos os docentes, constatou-se divergência entre o dito pelos mesmos e as respostas dos discentes em relação ao seguimento dos passos da PBL, a avaliação da aprendizagem, o planejamento institucional e o planejamento docente para a operacionalização dos tutorais. Verificou-se que variáveis de ordens pedagógica, administrativa, infraestrutural e acadêmica, influenciam parcialmente a prática dos tutoriais. No entanto, verificou-se na fala dos docentes que se pequenas intervenções fossem tomadas, como a oferta periódica de capacitações voltadas para as metodologias ativas, a manutenção preventiva de recursos tecnológicos usados na agregação de valores aos tutoriais e um melhor apoio psicopedagógico aos discentes, melhoraria o processo ensino-aprendizagem no curso. Quanto às tensões entre a prática da PBL e a formação inicial do tutor, notou-se que apenas dois docentes foram graduados com uso da metodologia e que os demais enfrentaram tensões no início de suas carreiras docentes na instituição. Contudo, relataram superá-las buscando conhecimentos em literaturas específicas e compartilhando entre eles experiências profissionais, bem como participando também de cursos voltados para as metodologias ativas. Verificou-se também que os participantes afirmam que os tutoriais contribuem para a formação de profissionais éticos, críticos, reflexivos e humanísticos que atendam as demandas do Sistema Único de Saúde. Contudo, na prática estes princípios ainda estão por serem consolidados, pois uma metodologia que busca integrar a realidade imediata à própria formação inicial é um grande desafio, principalmente no interior da Amazônia.
27
  • ADRIANA OLIVEIRA DOS SANTOS SIQUEIRA
  • O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO: CONCEPÇÕES E DESAFIOS PARA A GESTÃO ESCOLAR
  • Orientador : MARIA LILIA IMBIRIBA SOUSA COLARES
  • Data: 06/12/2016
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo propõe uma análise sobre as concepções de educação integral e sua implicação nas ações dos gestores de escolas que desenvolveram o Programa Mais Educação, da Rede Municipal de Ensino de Santarém/PA, tendo como recorte temporal o período compreendido entre os anos de 2009 a 2015. A pesquisa foi desenvolvida em três escolas, envolvendo seis gestores. Para o levantamento das informações se utilizou como ferramenta a entrevista semiestruturada. O tratamento das informações foi realizado por meio da técnica de análise de conteúdo de Bardin (2011), tendo como categorias analíticas: Concepções de Educação Integral e Práticas de Gestão. O referencial teórico utilizado parte dos estudos de Saviani (2008, 2014); Cavaliere (2002, 2010); Coelho (2003, 2009); Lück (2012), Bravo (2014), Paro (2009, 2015), Colares (2012). Os resultados encontrados no presente estudo destacam duas concepções antagônicas no contexto atual da educação integral. A Concepção Liberal-Pragmatista, inspirada no pragmatismo de John Dewey e Anísio Teixeira que fundamenta a proposta do Programa Mais Educação e a Concepção Socialista Marxista que defende a formação omnilateral e politécnica e propõe à Pedagogia histórico-crítica uma formulação teórica que visa articular teoria e prática, mediadas pela educação. A análise dos discursos demonstra que os gestores escolares têm pouca ou nenhuma clareza sobre as concepções de educação integral que norteiam suas práticas, além de revelar pouco conhecimento sobre os fundamentos teóricos que orientam o Programa Mais Educação. As práticas de gestão participativas apresentam avanços como a construção do Projeto Político-pedagógico e a participação do conselho escolar. Contudo, os processos participativos não incluem toda a comunidade escolar. Percebe-se a ampliação da participação de pais e da comunidade, mas os discentes são excluídos do planejamento e das decisões da gestão escolar. A pesquisa demonstra a necessidade latente de se estabelecer o debate nos espaços escolares sobre a educação integral e as práticas de gestão democráticas, na perspectiva de uma educação emancipatória para as escolas na Amazônia.
28
  • ADRIANA OLIVEIRA DOS SANTOS SIQUEIRA
  • O PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO: CONCEPÇÕES E DESAFIOS PARA A GESTÃO ESCOLAR
  • Orientador : MARIA LILIA IMBIRIBA SOUSA COLARES
  • Data: 06/12/2016
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo propõe uma análise sobre as concepções de educação integral e sua implicação nas ações dos gestores de escolas que desenvolveram o Programa Mais Educação, da Rede Municipal de Ensino de Santarém/PA, tendo como recorte temporal o período compreendido entre os anos de 2009 a 2015. A pesquisa foi desenvolvida em três escolas, envolvendo seis gestores. Para o levantamento das informações se utilizou como ferramenta a entrevista semiestruturada. O tratamento das informações foi realizado por meio da técnica de análise de conteúdo de Bardin (2011), tendo como categorias analíticas: Concepções de Educação Integral e Práticas de Gestão. O referencial teórico utilizado parte dos estudos de Saviani (2008, 2014); Cavaliere (2002, 2010); Coelho (2003, 2009); Lück (2012), Bravo (2014), Paro (2009, 2015), Colares (2012). Os resultados encontrados no presente estudo destacam duas concepções antagônicas no contexto atual da educação integral. A Concepção Liberal-Pragmatista, inspirada no pragmatismo de John Dewey e Anísio Teixeira que fundamenta a proposta do Programa Mais Educação e a Concepção Socialista Marxista que defende a formação omnilateral e politécnica e propõe à Pedagogia histórico-crítica uma formulação teórica que visa articular teoria e prática, mediadas pela educação. A análise dos discursos demonstra que os gestores escolares têm pouca ou nenhuma clareza sobre as concepções de educação integral que norteiam suas práticas, além de revelar pouco conhecimento sobre os fundamentos teóricos que orientam o Programa Mais Educação. As práticas de gestão participativas apresentam avanços como a construção do Projeto Político-pedagógico e a participação do conselho escolar. Contudo, os processos participativos não incluem toda a comunidade escolar. Percebe-se a ampliação da participação de pais e da comunidade, mas os discentes são excluídos do planejamento e das decisões da gestão escolar. A pesquisa demonstra a necessidade latente de se estabelecer o debate nos espaços escolares sobre a educação integral e as práticas de gestão democráticas, na perspectiva de uma educação emancipatória para as escolas na Amazônia.
29
  • CLENYA RUTH ALVES VASCONCELOS
  • As experiências pedagógicas da implementação da política de educação em tempo integral nas escolas do campo da Amazônia Paraense
  • Orientador : SOLANGE HELENA XIMENES ROCHA
  • Data: 06/12/2016
  • Mostrar Resumo
  • A implementação do Programa Mais Educação nas escolas do campo, tem se constituído um desafio para a política de educação em tempo integral, desafio que perpassa o contexto da prática pedagógica, refletindo na organização pedagógica, na relação espaço-tempo, na conexão das atividades entre turnos, dentre outros aspectos. Nesse sentido, esta pesquisa elegeu como objetivo geral, a compreensão sobre as experiências pedagógicas advindas da implementação do programa nas escolas do campo, e contou com os seguintes objetivos específicos: analisar a conexão entre as atividades pedagógicas do turno escolar e as propostas no turno ampliado; entender a relação espaço-tempo na organização das atividades pedagógicas no cotidiano da escola; analisar a relação entre a ampliação da jornada escolar e o desempenho acadêmico dos estudantes. Em relação ao lócus da pesquisa selecionamos cinco escolas do campo do município de Santarém. Assumimos a abordagem qualitativa amparada na pesquisa documental, e de campo ancorada na técnica de análise de conteúdo de Bardin. Tendo em vista as questões que nos propomos analisar a pesquisa revelou a fragilidade na articulação das atividades do tempo escolar e tempo ampliado, por fatores ligados à resistência dos professores em relação ao trabalho dos monitores, falta de esclarecimento e entendimento sobre a proposta do mais educação, falta de qualificação e preparação adequada das escolas para receberem o programa. Em observância a relação espaço - tempo nas escolas pesquisadas evidenciamos a improvisação como fator que caracteriza a organização dos espaços e tempos, improvisação esta, no âmbito de conciliação das atividades do mais educação aos espaços e tempos no interior das escolas. Em termos de avanços apontamos que após o implemento do programa nas escolas os sujeitos pesquisados indicaram que os alunos participantes melhoraram seu desempenho escolar, o interesse e relacionamentos interpessoais. Identificamos o sentido do reforço escolar às atividades realizadas pelos monitores, reforçando nesse sentido o caráter assistencialista da proposta.
30
  • CLENYA RUTH ALVES VASCONCELOS
  • As experiências pedagógicas da implementação da política de educação em tempo integral nas escolas do campo da Amazônia Paraense
  • Orientador : SOLANGE HELENA XIMENES ROCHA
  • Data: 06/12/2016
  • Mostrar Resumo
  • A implementação do Programa Mais Educação nas escolas do campo, tem se constituído um desafio para a política de educação em tempo integral, desafio que perpassa o contexto da prática pedagógica, refletindo na organização pedagógica, na relação espaço-tempo, na conexão das atividades entre turnos, dentre outros aspectos. Nesse sentido, esta pesquisa elegeu como objetivo geral, a compreensão sobre as experiências pedagógicas advindas da implementação do programa nas escolas do campo, e contou com os seguintes objetivos específicos: analisar a conexão entre as atividades pedagógicas do turno escolar e as propostas no turno ampliado; entender a relação espaço-tempo na organização das atividades pedagógicas no cotidiano da escola; analisar a relação entre a ampliação da jornada escolar e o desempenho acadêmico dos estudantes. Em relação ao lócus da pesquisa selecionamos cinco escolas do campo do município de Santarém. Assumimos a abordagem qualitativa amparada na pesquisa documental, e de campo ancorada na técnica de análise de conteúdo de Bardin. Tendo em vista as questões que nos propomos analisar a pesquisa revelou a fragilidade na articulação das atividades do tempo escolar e tempo ampliado, por fatores ligados à resistência dos professores em relação ao trabalho dos monitores, falta de esclarecimento e entendimento sobre a proposta do mais educação, falta de qualificação e preparação adequada das escolas para receberem o programa. Em observância a relação espaço - tempo nas escolas pesquisadas evidenciamos a improvisação como fator que caracteriza a organização dos espaços e tempos, improvisação esta, no âmbito de conciliação das atividades do mais educação aos espaços e tempos no interior das escolas. Em termos de avanços apontamos que após o implemento do programa nas escolas os sujeitos pesquisados indicaram que os alunos participantes melhoraram seu desempenho escolar, o interesse e relacionamentos interpessoais. Identificamos o sentido do reforço escolar às atividades realizadas pelos monitores, reforçando nesse sentido o caráter assistencialista da proposta.
31
  • MICHELINE DA SILVA BASTOS
  • O Estágio Curricular Supervisionado como integrador das Tecnologias digitais na Formação Inicial do Professor: o caso do Curso de Letras da UFOPA
  • Orientador : TANIA SUELY AZEVEDO BRASILEIRO
  • Data: 06/12/2016
  • Mostrar Resumo
  • Estudar a formação inicial dos professores de Língua Portuguesa para a realidade emergente, regida pelas Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação, pressupõe um olhar aguçado para as proposições legais que regem a educação nacional brasileira, e ao que vem sendo proposto no âmbito das instituições superiores no que concerne a inserção das TDIC na formação profissional docente. Dessa forma, elegeu-se um recorte Estágio Curricular Supervisionado em Língua Portuguesa, por considerar que este pode configurar num espaço de investigação, questionamento e articulação teórico-prática para construção de novos saberes, incluído os relacionados à integração das tecnologias digitais no ensino-aprendizagem da língua materna. Delimitou-se como objetivo geral “Investigar como o Estágio Curricular Supervisionado contribui para a reflexão teórica e prática do saber profissional docente, considerando a inserção das Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação no âmbito da formação de professores de Língua Portuguesa do Curso de Licenciatura Integrada Letras Português/Inglês da Universidade Federal do Oeste do Pará”. Com relação à metodologia, de abordagem qualitativa e pressuposto crítico-dialético, propôs-se uma pesquisa-ação colaborativa, de cunho exploratório, além do estudo bibliográfico e documental. Os participantes do estudo, realizado em 2016, foram: dois professores/supervisores de estágio, dez Estagiários e o Coordenador do curso, que assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE). A coleta de dados teve início com a análise documental do PPC do referido curso a partir das orientações das Diretrizes Curriculares Nacionais para a área - CNE/CES n.º 18/2002, das Resoluções CNE/CP 1/2002, CNE/CP 2/2002 e a CNE/CP nº 2/2015, que possibilitaram investigar a formação dos professores de Língua Portuguesa considerando os saberes tecnológicos. Em seguida, procedeu-se com a entrevista semiestruturada com professores/supervisores do estágio curricular supervisionado e coordenadora do curso de Letras e, na sequência realizou-se a aplicação de questionário semiestruturado online, construído no Google Forms com alunos/estagiários de Língua Portuguesa do 6º semestre do referido curso. Os resultados da pesquisa, produto da análise do PPC do curso estudado, das entrevistas realizadas com professor/supervisor de estágio, com coordenadora e alunos/estagiários demonstram que uma proposta formativa para a integração das TDIC é limitada a um módulo do Centro de Formação Interdisciplinar (Lógica, Linguagens e Comunicação (90h/a), sendo que TIC possui apenas 30h/a), ofertado normalmente no início do curso e sem a finalidade de inclusão das tecnologias na educação. Esta constatação conduziu a proposição da intervenção colaborativa no estágio curricular supervisionado, possibilitando aos alunos/estagiários um olhar crítico e reflexivo acerca do ethos de escola, professor e aluno mediante uma nova relação potencializada pelas tecnologias digitais, subsidiando a construção dos saberes docentes com a inserção destas nas aulas de língua materna na educação básica. Esta experiência no estágio curricular supervisionado com a inserção das tecnologias digitais no ensino de língua materna pode ser considerada inovadora, pois os registros nos mostram que contribuiu para desencadear ações educativas e posturas críticas dos futuros docentes diante dos desafios pedagógicos na atualidade, favorecendo a adoção de novas práticas de linguagens essenciais para a formação de professores de Letras no que tange a inserção das TDIC, no sentido de potencializar uma educação inclusiva digital e socialmente, e de qualidade.
32
  • MICHELINE DA SILVA BASTOS
  • O Estágio Curricular Supervisionado como integrador das Tecnologias digitais na Formação Inicial do Professor: o caso do Curso de Letras da UFOPA
  • Orientador : TANIA SUELY AZEVEDO BRASILEIRO
  • Data: 06/12/2016
  • Mostrar Resumo
  • Estudar a formação inicial dos professores de Língua Portuguesa para a realidade emergente, regida pelas Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação, pressupõe um olhar aguçado para as proposições legais que regem a educação nacional brasileira, e ao que vem sendo proposto no âmbito das instituições superiores no que concerne a inserção das TDIC na formação profissional docente. Dessa forma, elegeu-se um recorte Estágio Curricular Supervisionado em Língua Portuguesa, por considerar que este pode configurar num espaço de investigação, questionamento e articulação teórico-prática para construção de novos saberes, incluído os relacionados à integração das tecnologias digitais no ensino-aprendizagem da língua materna. Delimitou-se como objetivo geral “Investigar como o Estágio Curricular Supervisionado contribui para a reflexão teórica e prática do saber profissional docente, considerando a inserção das Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação no âmbito da formação de professores de Língua Portuguesa do Curso de Licenciatura Integrada Letras Português/Inglês da Universidade Federal do Oeste do Pará”. Com relação à metodologia, de abordagem qualitativa e pressuposto crítico-dialético, propôs-se uma pesquisa-ação colaborativa, de cunho exploratório, além do estudo bibliográfico e documental. Os participantes do estudo, realizado em 2016, foram: dois professores/supervisores de estágio, dez Estagiários e o Coordenador do curso, que assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE). A coleta de dados teve início com a análise documental do PPC do referido curso a partir das orientações das Diretrizes Curriculares Nacionais para a área - CNE/CES n.º 18/2002, das Resoluções CNE/CP 1/2002, CNE/CP 2/2002 e a CNE/CP nº 2/2015, que possibilitaram investigar a formação dos professores de Língua Portuguesa considerando os saberes tecnológicos. Em seguida, procedeu-se com a entrevista semiestruturada com professores/supervisores do estágio curricular supervisionado e coordenadora do curso de Letras e, na sequência realizou-se a aplicação de questionário semiestruturado online, construído no Google Forms com alunos/estagiários de Língua Portuguesa do 6º semestre do referido curso. Os resultados da pesquisa, produto da análise do PPC do curso estudado, das entrevistas realizadas com professor/supervisor de estágio, com coordenadora e alunos/estagiários demonstram que uma proposta formativa para a integração das TDIC é limitada a um módulo do Centro de Formação Interdisciplinar (Lógica, Linguagens e Comunicação (90h/a), sendo que TIC possui apenas 30h/a), ofertado normalmente no início do curso e sem a finalidade de inclusão das tecnologias na educação. Esta constatação conduziu a proposição da intervenção colaborativa no estágio curricular supervisionado, possibilitando aos alunos/estagiários um olhar crítico e reflexivo acerca do ethos de escola, professor e aluno mediante uma nova relação potencializada pelas tecnologias digitais, subsidiando a construção dos saberes docentes com a inserção destas nas aulas de língua materna na educação básica. Esta experiência no estágio curricular supervisionado com a inserção das tecnologias digitais no ensino de língua materna pode ser considerada inovadora, pois os registros nos mostram que contribuiu para desencadear ações educativas e posturas críticas dos futuros docentes diante dos desafios pedagógicos na atualidade, favorecendo a adoção de novas práticas de linguagens essenciais para a formação de professores de Letras no que tange a inserção das TDIC, no sentido de potencializar uma educação inclusiva digital e socialmente, e de qualidade.
33
  • FRANCINARA SILVA FERREIRA
  • Gestão Escolar na perspectiva democrática: estudo a partir dos projetos de intervenção desenvolvidos em escolas públicas da Região Oeste do Pará
  • Orientador : MARIA LILIA IMBIRIBA SOUSA COLARES
  • Data: 07/12/2016
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação aborda a gestão escolar a partir de estudo desenvolvido com os egressos do curso de especialização em gestão escolar/Turma 2013/UFOPA, que é alicerçado na perspectiva democrática da gestão, e integra o Programa Nacional Escola de Gestores da Educação Básica Pública, que constitui uma política nacional direcionada à formação continuada dos gestores escolares. Objetivou-se investigar quais as temáticas desenvolvidas nos Projetos de Intervenção (PI), analisando as contribuições para a implementação da Gestão Democrática em escolas públicas, na Região Oeste do Pará. Para tanto, utilizamo-nos de pressupostos metodológicos da abordagem qualitativa, fundamentada em análise bibliográfica e documental. A pesquisa teve como fonte os projetos produzidos na Sala Ambiente Projeto Vivencial (PV) no curso em 2013, além dos documentos reguladores do programa e do projeto pedagógico do curso. Esta referencia-se em Paro (1997), Vieira (2009), Ferreira (2004), Libâneo (2004), Ghanem (2004), Lück (2000, 2013), Cury (2011), Romanelli (2012), entre outros. A pesquisa demonstra que os discursos, expressos nos PI, evidenciam que se tem uma concepção de Gestão Democrática, Conselho Escolar e PPP (tema gerador do PI), sendo este um instrumento que guia as ações na escola, e um recurso de enfrentamento das problemáticas que surgem em seu cotidiano, no entanto, evidenciam-se limites e desafios para a efetivação da gestão democrática, como a falta de participação e a falta de conhecimento da comunidade escolar acerca dessa forma de gestão. Por outro lado, as análises realizadas nesta dissertação evidenciam a contribuição dos projetos de intervenção para a reflexão em torno da gestão democrática, ainda que os egressos do curso compreendam os desafios de se estabelecer essa forma de gestão na escola pública.
34
  • FRANCINARA SILVA FERREIRA
  • Gestão Escolar na perspectiva democrática: estudo a partir dos projetos de intervenção desenvolvidos em escolas públicas da Região Oeste do Pará
  • Orientador : MARIA LILIA IMBIRIBA SOUSA COLARES
  • Data: 07/12/2016
  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação aborda a gestão escolar a partir de estudo desenvolvido com os egressos do curso de especialização em gestão escolar/Turma 2013/UFOPA, que é alicerçado na perspectiva democrática da gestão, e integra o Programa Nacional Escola de Gestores da Educação Básica Pública, que constitui uma política nacional direcionada à formação continuada dos gestores escolares. Objetivou-se investigar quais as temáticas desenvolvidas nos Projetos de Intervenção (PI), analisando as contribuições para a implementação da Gestão Democrática em escolas públicas, na Região Oeste do Pará. Para tanto, utilizamo-nos de pressupostos metodológicos da abordagem qualitativa, fundamentada em análise bibliográfica e documental. A pesquisa teve como fonte os projetos produzidos na Sala Ambiente Projeto Vivencial (PV) no curso em 2013, além dos documentos reguladores do programa e do projeto pedagógico do curso. Esta referencia-se em Paro (1997), Vieira (2009), Ferreira (2004), Libâneo (2004), Ghanem (2004), Lück (2000, 2013), Cury (2011), Romanelli (2012), entre outros. A pesquisa demonstra que os discursos, expressos nos PI, evidenciam que se tem uma concepção de Gestão Democrática, Conselho Escolar e PPP (tema gerador do PI), sendo este um instrumento que guia as ações na escola, e um recurso de enfrentamento das problemáticas que surgem em seu cotidiano, no entanto, evidenciam-se limites e desafios para a efetivação da gestão democrática, como a falta de participação e a falta de conhecimento da comunidade escolar acerca dessa forma de gestão. Por outro lado, as análises realizadas nesta dissertação evidenciam a contribuição dos projetos de intervenção para a reflexão em torno da gestão democrática, ainda que os egressos do curso compreendam os desafios de se estabelecer essa forma de gestão na escola pública.
35
  • MARIA SOUSA AGUIAR
  • EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL: ESTUDO DA TRAJETÓRIA DO PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO (PME) NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE SANTARÉM-PA NO PERÍODO DE 2009 A 2015
  • Orientador : MARIA LILIA IMBIRIBA SOUSA COLARES
  • Data: 07/12/2016
  • Mostrar Resumo
  • A pesquisa aborda a temática da educação em tempo integral, focalizando o Programa Mais Educação (PME) como uma política indutora de educação integral. Objetivou analisar a trajetória do PME em duas escolas estaduais de Santarém no período de 2009 a 2015. Frente ao cenário educacional que se apresenta por meio de políticas que defendem a ampliação da jornada escolar e a educação integral como um caminho para a qualidade da educação, ampliando as funções da escola, esta pesquisa partiu da seguinte problemática: Como o PME foi implementado nas escolas estaduais de Santarém? Teve uma abordagem metodológica qualitativa, com as categorias de análise: Concepção de educação integral, Formação e Organização do PME. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental e de campo. Dentre as referências foram utilizados os estudos de Antunes e Padilha (2010); Cavaliere (2007, 2009); Coelho (2009); Gadotti (2009); Gonçalves (2006); Libâneo (2015); Libâneo, Oliveira e Toschi (2012); Limonta et al (2013); Moll (2009, 2012); Paro (2009, 2016); Silva J. e Silva K. (2012, 2013), os Cadernos da Série Mais Educação do Ministério da Educação (2009) e os documentos legais que tratam sobre o PME. Para obtenção dos dados utilizou-se como técnicas e instrumentos a análise documental e entrevistas semiestruturadas com 03 (três) diretoras, 04 (quatro) coordenadores do PME que atuaram nas escolas pesquisadas, e uma Técnica de referência do programa da 5ª Unidade Regional de Educação (URE), totalizando 08 (oito) educadores. A pesquisa revelou que otimizar o tempo do aluno na escola, atendendo as suas diversas habilidades, competências e conhecimentos exigidos na contemporaneidade continua sendo uma tarefa desafiadora para as escolas da rede estadual de ensino de Santarém. A educação integral na perspectiva de formação emancipadora do homem, independente da forma como ela se desenvolve, seja em tempo parcial ou integral, é um compromisso que deve ser assumido pelo Estado como política destinada a todos, e pelas escolas, agentes e parceiros educativos sustentado por um Projeto Político-Pedagógico consistente, elaborado de forma coletiva, o qual requer investimentos na estrutura das escolas, formação e valorização dos educadores.
36
  • MARIA SOUSA AGUIAR
  • EDUCAÇÃO EM TEMPO INTEGRAL: ESTUDO DA TRAJETÓRIA DO PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO (PME) NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE SANTARÉM-PA NO PERÍODO DE 2009 A 2015
  • Orientador : MARIA LILIA IMBIRIBA SOUSA COLARES
  • Data: 07/12/2016
  • Mostrar Resumo
  • A pesquisa aborda a temática da educação em tempo integral, focalizando o Programa Mais Educação (PME) como uma política indutora de educação integral. Objetivou analisar a trajetória do PME em duas escolas estaduais de Santarém no período de 2009 a 2015. Frente ao cenário educacional que se apresenta por meio de políticas que defendem a ampliação da jornada escolar e a educação integral como um caminho para a qualidade da educação, ampliando as funções da escola, esta pesquisa partiu da seguinte problemática: Como o PME foi implementado nas escolas estaduais de Santarém? Teve uma abordagem metodológica qualitativa, com as categorias de análise: Concepção de educação integral, Formação e Organização do PME. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental e de campo. Dentre as referências foram utilizados os estudos de Antunes e Padilha (2010); Cavaliere (2007, 2009); Coelho (2009); Gadotti (2009); Gonçalves (2006); Libâneo (2015); Libâneo, Oliveira e Toschi (2012); Limonta et al (2013); Moll (2009, 2012); Paro (2009, 2016); Silva J. e Silva K. (2012, 2013), os Cadernos da Série Mais Educação do Ministério da Educação (2009) e os documentos legais que tratam sobre o PME. Para obtenção dos dados utilizou-se como técnicas e instrumentos a análise documental e entrevistas semiestruturadas com 03 (três) diretoras, 04 (quatro) coordenadores do PME que atuaram nas escolas pesquisadas, e uma Técnica de referência do programa da 5ª Unidade Regional de Educação (URE), totalizando 08 (oito) educadores. A pesquisa revelou que otimizar o tempo do aluno na escola, atendendo as suas diversas habilidades, competências e conhecimentos exigidos na contemporaneidade continua sendo uma tarefa desafiadora para as escolas da rede estadual de ensino de Santarém. A educação integral na perspectiva de formação emancipadora do homem, independente da forma como ela se desenvolve, seja em tempo parcial ou integral, é um compromisso que deve ser assumido pelo Estado como política destinada a todos, e pelas escolas, agentes e parceiros educativos sustentado por um Projeto Político-Pedagógico consistente, elaborado de forma coletiva, o qual requer investimentos na estrutura das escolas, formação e valorização dos educadores.
37
  • LUCIENE MARIA DA SILVA
  • EDUCAÇÃO INTEGRAL DE TEMPO INTEGRAL: a Concepção dos sujeitos participantes do Programa Mais Educação no Município de Oriximiná – Pará
  • Orientador : MARIA DE FATIMA MATOS DE SOUZA
  • Data: 12/12/2016
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa tem por tema central a Educação Integral. Para enraizamento da política pública de Educação Integral no Brasil, o Programa Mais Educação, instituído pela Portaria interministerial nº17/2007, estabelece-se como uma estratégia do Governo Federal que propõe uma Concepção de Educação Integral de Tempo Integral de caráter intersetorial, promotora da ampliação das dimensões: tempos, espaços e oportunidades educativas. Nos contextos da prática, onde o Programa se efetiva, a Concepção de Educação Integral tem sido definida a partir de vários aspectos e interpretações. Assim, através de uma abordagem qualitativa do tipo exploratória, objetivou-se compreender a Concepção de Educação Integral de Tempo Integral dos gestores e professores comunitários, participantes do Programa Mais Educação nas Escolas Municipais de Ensino Fundamental da Rede Pública, Zona Urbana em Oriximiná-Pa, no período de 2010 a 2015, a partir do Estudo do Programa Mais Educação. Para tanto, trilhou-se o caminho da investigação através da Pesquisa Bibliográfica, Pesquisa Documental, Pesquisa de Campo. A coleta de dados deu-se em duas Escolas da Rede Municipal de Ensino em Oriximiná-Pa com dois Gestores e dois professores comunitários através da conjugação das técnicas de entrevista semiestruturada e questionário. Para análise do material coletado utilizou-se como método a Análise de Conteúdo com fundamento em Bardin (1977, 2011). O estudo referenciou-se em Cavaliere (2002,2007), Coelho (2009), Guará (2009), Moll (2012), Giraldelli Junior (2000), Menezes (2009, 2012) e Documentos e textos oficiais do PME, entre outros. Indicou-se nos resultados que os gestores e professores comunitários, expressam uma Concepção de educação que atribui à educação o papel de preparação para a vida em sociedade numa mesclagem de traços, ora tradicionais ora escolanovistas refletindo uma incerteza conceitual e teórica. Apresentam a Escola de Tempo Integral como condição fundamental à implementação da Educação Integral a qual vinculam à assistência aos menos favorecidos e apontam para o espaço intraescolar, como espaço educativo preferencial para realização das atividades e ações socioeducativas com vista a formação integral. Concluiu-se que essa visão, trás em si preceitos similar à Pedagogia Tradicional, estabelecendo uma relação de distanciamento entre escola, família, sociedade e poder público apontando para uma educação cujas ações isoladas desfavorecem a formação integral e o avanço da qualidade da educação desresponsabilizando os atores sociais do processo educacional.
38
  • LUCIENE MARIA DA SILVA
  • EDUCAÇÃO INTEGRAL DE TEMPO INTEGRAL: a Concepção dos sujeitos participantes do Programa Mais Educação no Município de Oriximiná – Pará
  • Orientador : MARIA DE FATIMA MATOS DE SOUZA
  • Data: 12/12/2016
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa tem por tema central a Educação Integral. Para enraizamento da política pública de Educação Integral no Brasil, o Programa Mais Educação, instituído pela Portaria interministerial nº17/2007, estabelece-se como uma estratégia do Governo Federal que propõe uma Concepção de Educação Integral de Tempo Integral de caráter intersetorial, promotora da ampliação das dimensões: tempos, espaços e oportunidades educativas. Nos contextos da prática, onde o Programa se efetiva, a Concepção de Educação Integral tem sido definida a partir de vários aspectos e interpretações. Assim, através de uma abordagem qualitativa do tipo exploratória, objetivou-se compreender a Concepção de Educação Integral de Tempo Integral dos gestores e professores comunitários, participantes do Programa Mais Educação nas Escolas Municipais de Ensino Fundamental da Rede Pública, Zona Urbana em Oriximiná-Pa, no período de 2010 a 2015, a partir do Estudo do Programa Mais Educação. Para tanto, trilhou-se o caminho da investigação através da Pesquisa Bibliográfica, Pesquisa Documental, Pesquisa de Campo. A coleta de dados deu-se em duas Escolas da Rede Municipal de Ensino em Oriximiná-Pa com dois Gestores e dois professores comunitários através da conjugação das técnicas de entrevista semiestruturada e questionário. Para análise do material coletado utilizou-se como método a Análise de Conteúdo com fundamento em Bardin (1977, 2011). O estudo referenciou-se em Cavaliere (2002,2007), Coelho (2009), Guará (2009), Moll (2012), Giraldelli Junior (2000), Menezes (2009, 2012) e Documentos e textos oficiais do PME, entre outros. Indicou-se nos resultados que os gestores e professores comunitários, expressam uma Concepção de educação que atribui à educação o papel de preparação para a vida em sociedade numa mesclagem de traços, ora tradicionais ora escolanovistas refletindo uma incerteza conceitual e teórica. Apresentam a Escola de Tempo Integral como condição fundamental à implementação da Educação Integral a qual vinculam à assistência aos menos favorecidos e apontam para o espaço intraescolar, como espaço educativo preferencial para realização das atividades e ações socioeducativas com vista a formação integral. Concluiu-se que essa visão, trás em si preceitos similar à Pedagogia Tradicional, estabelecendo uma relação de distanciamento entre escola, família, sociedade e poder público apontando para uma educação cujas ações isoladas desfavorecem a formação integral e o avanço da qualidade da educação desresponsabilizando os atores sociais do processo educacional.
39
  • MARCELA DE LIMA GOMES
  • AS NOÇÕES DO TERMO ERRO PARA OS ESTUDOS LINGUÍSTICOS E SUAS IMPLICAÇÕES AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA
  • Orientador : EDIENE PENA FERREIRA
  • Data: 15/12/2016
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa tem como objetivo investigar a compreensão de erro para a ciência da linguagem.Embora busquemos a compreensão de nosso objeto na linguística contemporânea, ressaltamos a necessidade que tivemos em analisar a questão do erro em duas gramáticas tradicionais e em três manuais brasileiros. Diante da análise das gramáticas de Cunha e Cintra (1985), de Rocha Lima (1985) e dos manuais de Sacconi (1988), de Cegalla (1998) e de Almeida (2005), constatamos uma defesa de correção idiomática, tendo na maioria das obras, o modelo literário como a língua exemplar, aquela a ser seguida e respeitada. A ideia de que a gramática tradicional se preocupa quase que exclusivamente com a linguagem literária é comprovada nos argumentos de linguistas como Faraco (2008), Neves (2008), Britto (1997a) – quando esses autores concebem a gramática tradicional como um conjunto de normas de correção estabelecidas a partir da escrita dos maiores escritores literários. Em decorrência da relação semântica e conceitual que os termos “adequado e inadequado, gramatical e agramatical e desvio” mantêm com a noção de erro, fazemos também uma abordagem acerca do que temos chamado de “teoria da adequação”. Com o advento da sociolinguística, por volta da década de 1960, Dell Hymes, um sociolinguista norte-americano, propôs o conceito de competência comunicativa, em 1966. A teoria da adequação nos diz que os diferentes usos linguísticos são vistos como relativos às circunstâncias de uso, daí termos a ideia de relativização dos fenômenos linguísticos, contrastando, portanto, com a noção absoluta de língua ou dos termos “certo e errado” postulada(os) pela gramática tradicional e pelos manuais. Para a compreensão do objeto em si, nossa pesquisa se fundamentou nas produções dos linguistas brasileiros que tratam da temática, configurando, portanto, um trabalho bibliográfico. A discussão a respeito do erro ocorre quase que exclusivamente nas produções científicas dos sociolinguistas; em geral, os estudiosos compreendem o erro como um fato social, em função de se aportarem nos fundamentos da adequação da linguagem conforme o contexto comunicativo; diante da noção de adequação, a sociolinguística rejeita a noção tradicional de erro e substitui, segundo Bortoni- Ricardo (2006), a palavra erro por adequação/inadequação; Bortoni-Ricardo (2006) faz a distinção, considerando as modalidades da língua: na língua falada, podemos falar em adequação da variedade linguística e na língua escrita, falamos em erro gramatical, devido ao não seguimento das regras da norma padrão. Esta dissertação corrobora com uma proposta de ensino que considera a linguagem a partir de seus usos sociais.
40
  • MARCELA DE LIMA GOMES
  • AS NOÇÕES DO TERMO ERRO PARA OS ESTUDOS LINGUÍSTICOS E SUAS IMPLICAÇÕES AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA
  • Orientador : EDIENE PENA FERREIRA
  • Data: 15/12/2016
  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa tem como objetivo investigar a compreensão de erro para a ciência da linguagem.Embora busquemos a compreensão de nosso objeto na linguística contemporânea, ressaltamos a necessidade que tivemos em analisar a questão do erro em duas gramáticas tradicionais e em três manuais brasileiros. Diante da análise das gramáticas de Cunha e Cintra (1985), de Rocha Lima (1985) e dos manuais de Sacconi (1988), de Cegalla (1998) e de Almeida (2005), constatamos uma defesa de correção idiomática, tendo na maioria das obras, o modelo literário como a língua exemplar, aquela a ser seguida e respeitada. A ideia de que a gramática tradicional se preocupa quase que exclusivamente com a linguagem literária é comprovada nos argumentos de linguistas como Faraco (2008), Neves (2008), Britto (1997a) – quando esses autores concebem a gramática tradicional como um conjunto de normas de correção estabelecidas a partir da escrita dos maiores escritores literários. Em decorrência da relação semântica e conceitual que os termos “adequado e inadequado, gramatical e agramatical e desvio” mantêm com a noção de erro, fazemos também uma abordagem acerca do que temos chamado de “teoria da adequação”. Com o advento da sociolinguística, por volta da década de 1960, Dell Hymes, um sociolinguista norte-americano, propôs o conceito de competência comunicativa, em 1966. A teoria da adequação nos diz que os diferentes usos linguísticos são vistos como relativos às circunstâncias de uso, daí termos a ideia de relativização dos fenômenos linguísticos, contrastando, portanto, com a noção absoluta de língua ou dos termos “certo e errado” postulada(os) pela gramática tradicional e pelos manuais. Para a compreensão do objeto em si, nossa pesquisa se fundamentou nas produções dos linguistas brasileiros que tratam da temática, configurando, portanto, um trabalho bibliográfico. A discussão a respeito do erro ocorre quase que exclusivamente nas produções científicas dos sociolinguistas; em geral, os estudiosos compreendem o erro como um fato social, em função de se aportarem nos fundamentos da adequação da linguagem conforme o contexto comunicativo; diante da noção de adequação, a sociolinguística rejeita a noção tradicional de erro e substitui, segundo Bortoni- Ricardo (2006), a palavra erro por adequação/inadequação; Bortoni-Ricardo (2006) faz a distinção, considerando as modalidades da língua: na língua falada, podemos falar em adequação da variedade linguística e na língua escrita, falamos em erro gramatical, devido ao não seguimento das regras da norma padrão. Esta dissertação corrobora com uma proposta de ensino que considera a linguagem a partir de seus usos sociais.
41
  • MARIA EDUARDA DOS SANTOS CHAIBE
  • A VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO CONTEMPORÂNEA: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS
  • Orientador : EDIENE PENA FERREIRA
  • Data: 15/12/2016
  • Mostrar Resumo
  • O objetivo desta pesquisa em educação e linguagem consiste em compreender o que a Linguística brasileira diz ser tratar a variação linguística no ensino de Língua Portuguesa. A partir da segunda metade do século XX novas abordagens linguísticas emergiram em torno da concepção de língua, que, ao evidenciar a língua como um fenômeno heterogêneo, se tornou urgente a revisão das práticas reflexivas e pedagógicas em torno dos principais eixos do ensino de língua portuguesa, o que implicou inserção e revisão de conceitos e desenvolvimento de propostas de ensino que atendessem às exigências dessa mudança, dentre os quais está o conceito de variação linguística. Pesquisas passaram a ser desenvolvidas com o objetivo de discutir e descrever fenômenos da variação e, mais recentemente, discutir orientações sobre a relação variação e ensino de Língua Portuguesa. Discussões e orientações que se tornam ainda mais evidentes a partir do final de 1990, quando diretrizes oficiais de ensino, os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN), incorporaram e divulgaram a abordagem variacionista para o ensino de língua. Diante disso, estudiosos têm divulgado reflexões e propostas para um ensino que considere os pressupostos teóricos em torno da variação linguística. Entretanto, ainda é frequente a crítica de linguistas quanto à dificuldade de articulação entre o desenvolvimento da teoria e a atividade de ensino no ambiente escolar. Percebemos nisso a necessidade de uma investigação que evidencie o que os estudos linguísticos dizem ser variação e qual a orientação da Linguística para a articulação da variação com o ensino. Para essa investigação, selecionamos pesquisas de doutores e especialistas da área, autores de textos publicados em livros, teses, dissertações e artigos publicados em meios acadêmicos/ educacionais oficiais, principalmente nos últimos 20 anos, período de divulgação deste tema nas diretrizes oficiais de ensino, o que deu maior impulso ao desenvolvimento de tais pesquisas e se evidenciou com mais afinco a necessidade de reformulação da educação em língua materna. Nas pesquisas analisadas, apesar de ainda observarmos contradições, dificuldades de compreensão quanto à concepção de língua e falta de consenso terminológico entre os linguistas, os pesquisadores orientam que o ensino deve partir da reflexão e do acesso dos alunos às variedades da língua como legítimas, de forma a combater o preconceito linguístico, e lhes oferecer possibilidades de escolhas, por meio do reconhecimento das normas efetivamente praticadas pelos falantes da língua portuguesa, principalmente da norma eleita socialmente, para que possa pensar criticamente os meios sociais em que vive, emancipar-se.
42
  • MARIA EDUARDA DOS SANTOS CHAIBE
  • A VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO CONTEMPORÂNEA: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS PEDAGÓGICAS
  • Orientador : EDIENE PENA FERREIRA
  • Data: 15/12/2016
  • Mostrar Resumo
  • O objetivo desta pesquisa em educação e linguagem consiste em compreender o que a Linguística brasileira diz ser tratar a variação linguística no ensino de Língua Portuguesa. A partir da segunda metade do século XX novas abordagens linguísticas emergiram em torno da concepção de língua, que, ao evidenciar a língua como um fenômeno heterogêneo, se tornou urgente a revisão das práticas reflexivas e pedagógicas em torno dos principais eixos do ensino de língua portuguesa, o que implicou inserção e revisão de conceitos e desenvolvimento de propostas de ensino que atendessem às exigências dessa mudança, dentre os quais está o conceito de variação linguística. Pesquisas passaram a ser desenvolvidas com o objetivo de discutir e descrever fenômenos da variação e, mais recentemente, discutir orientações sobre a relação variação e ensino de Língua Portuguesa. Discussões e orientações que se tornam ainda mais evidentes a partir do final de 1990, quando diretrizes oficiais de ensino, os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN), incorporaram e divulgaram a abordagem variacionista para o ensino de língua. Diante disso, estudiosos têm divulgado reflexões e propostas para um ensino que considere os pressupostos teóricos em torno da variação linguística. Entretanto, ainda é frequente a crítica de linguistas quanto à dificuldade de articulação entre o desenvolvimento da teoria e a atividade de ensino no ambiente escolar. Percebemos nisso a necessidade de uma investigação que evidencie o que os estudos linguísticos dizem ser variação e qual a orientação da Linguística para a articulação da variação com o ensino. Para essa investigação, selecionamos pesquisas de doutores e especialistas da área, autores de textos publicados em livros, teses, dissertações e artigos publicados em meios acadêmicos/ educacionais oficiais, principalmente nos últimos 20 anos, período de divulgação deste tema nas diretrizes oficiais de ensino, o que deu maior impulso ao desenvolvimento de tais pesquisas e se evidenciou com mais afinco a necessidade de reformulação da educação em língua materna. Nas pesquisas analisadas, apesar de ainda observarmos contradições, dificuldades de compreensão quanto à concepção de língua e falta de consenso terminológico entre os linguistas, os pesquisadores orientam que o ensino deve partir da reflexão e do acesso dos alunos às variedades da língua como legítimas, de forma a combater o preconceito linguístico, e lhes oferecer possibilidades de escolhas, por meio do reconhecimento das normas efetivamente praticadas pelos falantes da língua portuguesa, principalmente da norma eleita socialmente, para que possa pensar criticamente os meios sociais em que vive, emancipar-se.
2015
Dissertações
1
  • PAULO MARCELO PEDROSO PEREIRA
  • Análise de pintura de cuias tapajônicas: uma leitura etnomatemática
  • Orientador : JOSE RICARDO E SOUZA MAFRA
  • Data: 07/08/2015
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa está sob a referência do Programa Etnomatemática, o qual procura entender como as culturas mais diversas expõem suas razões e explicações provenientes da realidade que os cerca, de modo a lidar com os desafios do cotidiano. O objetivo geral do estudo foi compreender de que forma ideias etnomatemáticas são concebidas, processadas e materializadas durante a pintura de cuias tapajônicas por uma artesã do município de Santarém, PA. As cuias, objetos que podem ser utilizados como utensílio de cozinha, recipiente para comida, ou ainda, como peça ornamental de roupas ou da decoração de casas, são produzidas por meio da extração do fruto da cuieira (Crescentia cujete), uma herança dos povos indígenas Tupaiu, Tapajós e Munduruku, desde o século XVIII. A pesquisa de campo foi pautada em pressupostos de estudos etnográficos e foi desenvolvida no local de trabalho da artesã. Foram realizadas observações, entrevistas, filmagens e fotografias do processo de pintura das cuias. Como principais resultados, podemos citar que os traçados presentes nas pinturas são círculos, circunferências, triângulos, retângulos, quadrados, segmentos de reta, arcos de circunferência e pontos; em relação à concepção das paisagens pintadas, verificamos o componente afetivo-religioso presente; constatamos que ela utiliza a música como forma de manter uma tranquilidade no ambiente; verificamos que a escolha das cores utilizadas nas paisagens se dá pelo horário que está sendo representado; nas imagens, vimos que ela utiliza dimensões proporcionais ao tamanho da cuia e aos elementos que estão presentes nas paisagens; verificamos que a artesã faz comparações entre representações de casas, barcos, vegetação, areia, rio, e tenta estabelecer uma proporcionalidade próxima à natureza real; além do estabelecimento de padrões durante o processo.
2
  • PAULO MARCELO PEDROSO PEREIRA
  • Análise de pintura de cuias tapajônicas: uma leitura etnomatemática
  • Orientador : JOSE RICARDO E SOUZA MAFRA
  • Data: 07/08/2015
  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa está sob a referência do Programa Etnomatemática, o qual procura entender como as culturas mais diversas expõem suas razões e explicações provenientes da realidade que os cerca, de modo a lidar com os desafios do cotidiano. O objetivo geral do estudo foi compreender de que forma ideias etnomatemáticas são concebidas, processadas e materializadas durante a pintura de cuias tapajônicas por uma artesã do município de Santarém, PA. As cuias, objetos que podem ser utilizados como utensílio de cozinha, recipiente para comida, ou ainda, como peça ornamental de roupas ou da decoração de casas, são produzidas por meio da extração do fruto da cuieira (Crescentia cujete), uma herança dos povos indígenas Tupaiu, Tapajós e Munduruku, desde o século XVIII. A pesquisa de campo foi pautada em pressupostos de estudos etnográficos e foi desenvolvida no local de trabalho da artesã. Foram realizadas observações, entrevistas, filmagens e fotografias do processo de pintura das cuias. Como principais resultados, podemos citar que os traçados presentes nas pinturas são círculos, circunferências, triângulos, retângulos, quadrados, segmentos de reta, arcos de circunferência e pontos; em relação à concepção das paisagens pintadas, verificamos o componente afetivo-religioso presente; constatamos que ela utiliza a música como forma de manter uma tranquilidade no ambiente; verificamos que a escolha das cores utilizadas nas paisagens se dá pelo horário que está sendo representado; nas imagens, vimos que ela utiliza dimensões proporcionais ao tamanho da cuia e aos elementos que estão presentes nas paisagens; verificamos que a artesã faz comparações entre representações de casas, barcos, vegetação, areia, rio, e tenta estabelecer uma proporcionalidade próxima à natureza real; além do estabelecimento de padrões durante o processo.
3
  • CARLOS ALBERTO PEDROSO ARAÚJO
  • AS POTENCIALIDADES DA ROBÓTICA EDUCACIONAL NA MATEMÁTICA BÁSICA SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA DA ATIVIDADE
  • Orientador : JOSE RICARDO E SOUZA MAFRA
  • Data: 16/09/2015
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho está centrado na investigação, produção e dimensionamento de atividades didático-pedagógicas articuladas com o ensino e aprendizagem de conceitos matemáticos, a partir de um estudo exploratório em Robótica Educacional. O estudo busca responder à seguinte questão central: quais as possibilidades pedagógicas de um ambiente para Aprendizagem Colaborativa mediado por sistemas robóticos sob a perspectiva da Teoria da Atividade, utilizado nos processos de ensino e aprendizagem de conceitos matemáticos de alunos do 9º ano da educação básica de uma escola da rede pública em Santarém – PA? Para tanto, fundamentamo-nos nos estudos de Vygotsky, Leontyev e Engeström, entre outros, que darão suporte teórico ao trabalho. Mais especialmente, buscamos articular atividades a serem desenvolvidas em Robótica Educacional com suporte teórico na Teoria da Atividade (TA). Na revisão da literatura elaborada verificou-se que raros trabalhos existentes contemplam o emprego da TA. E desses, nenhum emprega a TA desde os primeiros passos da pesquisa, tal como faz este estudo. A pesquisa foi constituída de duas etapas, onde a primeira seguiu os princípios da pesquisa exploratória realizada no Laboratório de Robótica Educacional aplicada à Educação Matemática (LRE-EDUMAT) na Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA) e a segunda orientou-se pelo experimento de ensino, cujos episódios aconteceram na Escola Estadual Professora Maria Uchôa Martins em Santarém/PA com a participação de 17 alunos do 9º ano da educação básica. Os resultados demonstram a aplicabilidade do ambiente proposto no processo de ensino e aprendizagem de conceitos matemáticos. Entretanto, consideramos que o que importa em atividades dessa natureza são o interesse e a motivação. As demais categorias, tais como colaboração, autonomia e interação são consequências dessas duas anteriores. No que diz respeito à fundamentação teórica, julgamos que a Teoria da Atividade tem potencial não apenas para a efetivação de pesquisas educacionais, como também para utilização na prática docente, destacando-se ai a aprendizagem expansiva.
4
  • CARLOS ALBERTO PEDROSO ARAÚJO
  • AS POTENCIALIDADES DA ROBÓTICA EDUCACIONAL NA MATEMÁTICA BÁSICA SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA DA ATIVIDADE
  • Orientador : JOSE RICARDO E SOUZA MAFRA
  • Data: 16/09/2015
  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho está centrado na investigação, produção e dimensionamento de atividades didático-pedagógicas articuladas com o ensino e aprendizagem de conceitos matemáticos, a partir de um estudo exploratório em Robótica Educacional. O estudo busca responder à seguinte questão central: quais as possibilidades pedagógicas de um ambiente para Aprendizagem Colaborativa mediado por sistemas robóticos sob a perspectiva da Teoria da Atividade, utilizado nos processos de ensino e aprendizagem de conceitos matemáticos de alunos do 9º ano da educação básica de uma escola da rede pública em Santarém – PA? Para tanto, fundamentamo-nos nos estudos de Vygotsky, Leontyev e Engeström, entre outros, que darão suporte teórico ao trabalho. Mais especialmente, buscamos articular atividades a serem desenvolvidas em Robótica Educacional com suporte teórico na Teoria da Atividade (TA). Na revisão da literatura elaborada verificou-se que raros trabalhos existentes contemplam o emprego da TA. E desses, nenhum emprega a TA desde os primeiros passos da pesquisa, tal como faz este estudo. A pesquisa foi constituída de duas etapas, onde a primeira seguiu os princípios da pesquisa exploratória realizada no Laboratório de Robótica Educacional aplicada à Educação Matemática (LRE-EDUMAT) na Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA) e a segunda orientou-se pelo experimento de ensino, cujos episódios aconteceram na Escola Estadual Professora Maria Uchôa Martins em Santarém/PA com a participação de 17 alunos do 9º ano da educação básica. Os resultados demonstram a aplicabilidade do ambiente proposto no processo de ensino e aprendizagem de conceitos matemáticos. Entretanto, consideramos que o que importa em atividades dessa natureza são o interesse e a motivação. As demais categorias, tais como colaboração, autonomia e interação são consequências dessas duas anteriores. No que diz respeito à fundamentação teórica, julgamos que a Teoria da Atividade tem potencial não apenas para a efetivação de pesquisas educacionais, como também para utilização na prática docente, destacando-se ai a aprendizagem expansiva.
5
  • JULIANA TEIXEIRA DO AMARAL OLIVEIRA
  • CRENÇAS E PRÁTICAS DE PROFESSORES ACERCA DO USO DAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE ESCOLAS DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SANTARÉM-PARÁ.
  • Orientador : DORIEDSON ALVES DE ALMEIDA
  • Data: 01/10/2015
  • Mostrar Resumo
  • A escola é um ambiente de interação e aprendizado que está em constante transformação. Atualmente, fenômenos sociais, como o uso das novas tecnologias da educação e a inclusão do aluno com deficiência na sala de aula comum do ensino regular, estão cada vez mais presentes na escola. O docente deve estar atento às transformações para acompanhar as mudanças no ambiente escolar. Em virtude da importância do estudo das crenças para compreensão das práticas dos professores, a presente pesquisa objetivou investigar as crenças e as práticas de professores, a partir do relato dos docentes sobre o uso de tecnologias em sala de aula comum do ensino regular nas escolas inclusivas da rede municipal de Santarém-PA. Especificamente, propõe-se: I) conhecer o que os professores pensam sobre a educação inclusiva e o uso da tecnologia. II) analisar o relato dos professores sobre suas práticas na sala de aula comum com o uso de tecnologias na educação inclusiva; III) identificar as crenças dos professores potencialmente facilitadoras do uso das tecnologias na educação inclusiva e IV) verificar a existência de relação entre as crenças e os relatos de práticas docentes sobre o uso de tecnologia na educação inclusão com as variáveis idade e tempo de profissão. A amostra foi composta por 45 professores de onze escolas da rede municipal de ensino fundamental de Santarém, PA. Os dados foram coletados por meio de questionário e entrevista individual e analisados utilizando-se o software IRAMUTEQ. O software gerou quatro eixos temáticos, subdivididos em seis classes. Cada classe foi analisada separadamente. O estudo revelou que para os professores ainda são muitos os desafios para a atuação com a educação inclusiva e com o uso das tecnologias. Verificou-se que os professores possuem crenças de que a educação inclusiva é importante, e que o uso das tecnologias poderia favorecer o processo educativo dos alunos com deficiência, contudo, ao relatarem suas práticas, notou-se que poucos professores utilizam as tecnologias da informação e comunicação na sala de aula comum do ensino regular e, quando existe a utilização, está aliada a métodos pouco inovadores. Os relatos apontaram que os professores sentem necessidade de apoio, formação, e a maioria não considera possuir conhecimento suficiente para uma prática profissional com o uso das tecnologias na educação inclusiva. Foram identificadas como crenças potencialmente facilitadoras em relação ao uso das tecnologias na educação inclusiva aspectos como: necessidade de melhora na estrutura da escola, mais recursos, formação básica e continuada e apoio do governo, tanto no que se refere à possibilidade do professor ter acesso pessoal as tecnologias, quanto a sua formação para lidar com a educação inclusiva e com as tecnologias da informação e comunicação.
6
  • JULIANA TEIXEIRA DO AMARAL OLIVEIRA
  • CRENÇAS E PRÁTICAS DE PROFESSORES ACERCA DO USO DAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE ESCOLAS DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SANTARÉM-PARÁ.
  • Orientador : DORIEDSON ALVES DE ALMEIDA
  • Data: 01/10/2015
  • Mostrar Resumo
  • A escola é um ambiente de interação e aprendizado que está em constante transformação. Atualmente, fenômenos sociais, como o uso das novas tecnologias da educação e a inclusão do aluno com deficiência na sala de aula comum do ensino regular, estão cada vez mais presentes na escola. O docente deve estar atento às transformações para acompanhar as mudanças no ambiente escolar. Em virtude da importância do estudo das crenças para compreensão das práticas dos professores, a presente pesquisa objetivou investigar as crenças e as práticas de professores, a partir do relato dos docentes sobre o uso de tecnologias em sala de aula comum do ensino regular nas escolas inclusivas da rede municipal de Santarém-PA. Especificamente, propõe-se: I) conhecer o que os professores pensam sobre a educação inclusiva e o uso da tecnologia. II) analisar o relato dos professores sobre suas práticas na sala de aula comum com o uso de tecnologias na educação inclusiva; III) identificar as crenças dos professores potencialmente facilitadoras do uso das tecnologias na educação inclusiva e IV) verificar a existência de relação entre as crenças e os relatos de práticas docentes sobre o uso de tecnologia na educação inclusão com as variáveis idade e tempo de profissão. A amostra foi composta por 45 professores de onze escolas da rede municipal de ensino fundamental de Santarém, PA. Os dados foram coletados por meio de questionário e entrevista individual e analisados utilizando-se o software IRAMUTEQ. O software gerou quatro eixos temáticos, subdivididos em seis classes. Cada classe foi analisada separadamente. O estudo revelou que para os professores ainda são muitos os desafios para a atuação com a educação inclusiva e com o uso das tecnologias. Verificou-se que os professores possuem crenças de que a educação inclusiva é importante, e que o uso das tecnologias poderia favorecer o processo educativo dos alunos com deficiência, contudo, ao relatarem suas práticas, notou-se que poucos professores utilizam as tecnologias da informação e comunicação na sala de aula comum do ensino regular e, quando existe a utilização, está aliada a métodos pouco inovadores. Os relatos apontaram que os professores sentem necessidade de apoio, formação, e a maioria não considera possuir conhecimento suficiente para uma prática profissional com o uso das tecnologias na educação inclusiva. Foram identificadas como crenças potencialmente facilitadoras em relação ao uso das tecnologias na educação inclusiva aspectos como: necessidade de melhora na estrutura da escola, mais recursos, formação básica e continuada e apoio do governo, tanto no que se refere à possibilidade do professor ter acesso pessoal as tecnologias, quanto a sua formação para lidar com a educação inclusiva e com as tecnologias da informação e comunicação.
7
  • ROSANA RAMOS DE SOUZA
  • EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: INTERFACES E DESAFIOS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A ESCOLA DE TEMPO INTEGRAL
  • Orientador : ANSELMO ALENCAR COLARES
  • Data: 12/11/2015
  • Mostrar Resumo
  • A educação em tempo integral está prevista desde a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (1996), no Plano Nacional de Educação (PNE 2001-2011), e sua concretização enquanto Política Nacional deu-se a partir do Programa Mais Educação. O atual PNE (2014-2024) propõe metas que intensificam as ações destinadas a ampliação do número de escolas em tempo integral. No estado do Amazonas a escola de tempo integral agrega um universo cultural complexo de raça, etnia, gênero, religião e orientação sexual. O público alvo são as populações consideradas vulneráveis. Face a essas questões, a pesquisa objetivou verificar as interfaces e os desafios presentes em uma escola de tempo integral no município de Parintins/AM, considerando a formação que os docentes recebem para atuar com a diversidade. Para alcançar o objetivo proposto, realizou-se levantamento e estudo da literatura sobre a educação em tempo integral, formação docente, e diversidade; análise de documentos elaborados e divulgados pelo MEC, Seduc/AM e Ceti/Parintins referentes à estrutura, organização e execução da proposta de educação em tempo integral no âmbito nacional e local; entrevistas semiestruturadas com a gestora e o coordenador pedagógico da Secretaria de Estado de Educação e Qualidade de Ensino em Parintins, a fim de compreender como ocorre a elaboração e o planejamento da formação docente, e entrevistas com professores do Ensino Médio para verificar se estes participaram de processos formativos referentes à diversidade. Constatou-se que os professores não receberam formação para trabalhar com os diversos coletivos sociais presentes na escola, localizada em área urbana, mas que recebe também alunos oriundos da zona rural. A formação direcionada à diversidade recebida por estes professores é pontual: as ações de formação concretizadas no âmbito da rede estadual centram-se na melhoria da prática pedagógica, a fim de melhorar o desempenho dos alunos nas avaliações em larga escala. Com isso se questiona a concepção de integralidade assumida, que deveria pautar-se no reconhecimento, dignidade e transformação social dos estudantes, e não apenas prolongar o tempo de permanência do estudante na escola – mesmo que isto oportunize treinamento para provas e concursos – uma vez que a política de educação de tempo integral como vem sendo concretizada, não visa romper com as desigualdades.
8
  • ROSANA RAMOS DE SOUZA
  • EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: INTERFACES E DESAFIOS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA A ESCOLA DE TEMPO INTEGRAL
  • Orientador : ANSELMO ALENCAR COLARES
  • Data: 12/11/2015
  • Mostrar Resumo
  • A educação em tempo integral está prevista desde a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (1996), no Plano Nacional de Educação (PNE 2001-2011), e sua concretização enquanto Política Nacional deu-se a partir do Programa Mais Educação. O atual PNE (2014-2024) propõe metas que intensificam as ações destinadas a ampliação do número de escolas em tempo integral. No estado do Amazonas a escola de tempo integral agrega um universo cultural complexo de raça, etnia, gênero, religião e orientação sexual. O público alvo são as populações consideradas vulneráveis. Face a essas questões, a pesquisa objetivou verificar as interfaces e os desafios presentes em uma escola de tempo integral no município de Parintins/AM, considerando a formação que os docentes recebem para atuar com a diversidade. Para alcançar o objetivo proposto, realizou-se levantamento e estudo da literatura sobre a educação em tempo integral, formação docente, e diversidade; análise de documentos elaborados e divulgados pelo MEC, Seduc/AM e Ceti/Parintins referentes à estrutura, organização e execução da proposta de educação em tempo integral no âmbito nacional e local; entrevistas semiestruturadas com a gestora e o coordenador pedagógico da Secretaria de Estado de Educação e Qualidade de Ensino em Parintins, a fim de compreender como ocorre a elaboração e o planejamento da formação docente, e entrevistas com professores do Ensino Médio para verificar se estes participaram de processos formativos referentes à diversidade. Constatou-se que os professores não receberam formação para trabalhar com os diversos coletivos sociais presentes na escola, localizada em área urbana, mas que recebe também alunos oriundos da zona rural. A formação direcionada à diversidade recebida por estes professores é pontual: as ações de formação concretizadas no âmbito da rede estadual centram-se na melhoria da prática pedagógica, a fim de melhorar o desempenho dos alunos nas avaliações em larga escala. Com isso se questiona a concepção de integralidade assumida, que deveria pautar-se no reconhecimento, dignidade e transformação social dos estudantes, e não apenas prolongar o tempo de permanência do estudante na escola – mesmo que isto oportunize treinamento para provas e concursos – uma vez que a política de educação de tempo integral como vem sendo concretizada, não visa romper com as desigualdades.
9
  • LUIS ALIPIO GOMES
  • Sistema Municipal de Ensino de Santarém - PA: organização e implementação (2004 - 2014)
  • Orientador : TANIA SUELY AZEVEDO BRASILEIRO
  • Data: 13/11/2015
  • Mostrar Resumo
  • A pesquisa aborda a temática da implantação e implementação do Sistema Municipal de Ensino no município de Santarém-Pará no período compreendido entre os anos de 2004 a 2014. Tem como objetivo geral compreender o processo de implantação e implementação do Sistema Municipal de Ensino no processo de organização da Educação de Santarém, como objetivos específicos: identificar as políticas educacionais vigentes no cenário brasileiro a partir da década de 1990; fazer o mapeamento dos documentos normativos que orientaram a implantação do sistema de ensino de Santarém e analisar a percepção dos dirigentes municipais e educacionais sobre este tema. A pesquisa foi desenvolvida dentro de uma abordagem qualitativa, por meio do estudo de caso de corte etnográfico (LÜDKE; ANDRÉ, 1986; BOGDAN; BIKLEN, 1994; ARNAL; RINCÓN; LATORRE, 1992;YIN, 2010). O estudo revelou a importância de enfatizar a etapa da implementação dentro do ciclo de políticas como estratégica para o êxito das políticas públicas (AGUILLAR VILLANUEVA, 1993, 1993b; ELMORE, 1993; STOKER, 1993; PEREZ, 2010). Ao estudar Sistema Municipal de Ensino há um projeto de formação de sociedade e de ser humano que se pretende implementar (BORDIGNON, 2009; ROMÃO, 2010; SANDER, 1993; SAVIANI, 1999, 2012, 2014; WERLE; THUM; ANDRADE, 2008a, 2008b). Como técnica de coleta de dados utilizou-se a pesquisa bibliográfica, documental e a entrevista semi-estruturada. As entrevistas foram aplicadas as pessoas que ocuparam a função de dirigentes municipais e educacionais de Santarém no período de 2004 a 2014, perfazendo um total de 12 (doze) participantes. Enquanto resultado de estudo, pode-se afirmar que a implantação do SME de Santarém inseriu-se em um contexto das políticas educacionais marcadas pela descentralização, municipalização, parceria público-privada e autonomia dos entes federados. A implementação do SME ocorreu pela reorganização do Conselho Municipal de Educação, a partir do ano de 2005, que repercutiu de forma decisiva para o cenário local como a regularização das instituições de ensino mantidas pelo poder público municipal, participação dos segmentos educacionais nos órgãos normativos do sistema, construção dos Planos Municipais de Educação (PME), expedição de normas complementares para o sistema de ensino. Os entrevistados manifestaram o entendimento que o município de Santarém alcançou maior autonomia em termos de educação local com o SME, mas existem muitos desafios, como por exemplo, a promoção de ajustes no pacto federativo com a regulamentação do estatuto do regime de colaboração, revisão e atualização da Lei nº 17.865/2004, a educação escolar em tempo integral dentre outros. Entende-se que a participação na construção da educação local ocorre em uma arena de tensões e disputas, e que o SME de Santarém, como realidade estruturante e instituída, tem um papel de envolver os órgãos e instituições de ensino no profícuo debate sobre a educação de qualidade a partir da realidade e do contexto amazônico.
10
  • LUIS ALIPIO GOMES
  • Sistema Municipal de Ensino de Santarém - PA: organização e implementação (2004 - 2014)
  • Orientador : TANIA SUELY AZEVEDO BRASILEIRO
  • Data: 13/11/2015
  • Mostrar Resumo
  • A pesquisa aborda a temática da implantação e implementação do Sistema Municipal de Ensino no município de Santarém-Pará no período compreendido entre os anos de 2004 a 2014. Tem como objetivo geral compreender o processo de implantação e implementação do Sistema Municipal de Ensino no processo de organização da Educação de Santarém, como objetivos específicos: identificar as políticas educacionais vigentes no cenário brasileiro a partir da década de 1990; fazer o mapeamento dos documentos normativos que orientaram a implantação do sistema de ensino de Santarém e analisar a percepção dos dirigentes municipais e educacionais sobre este tema. A pesquisa foi desenvolvida dentro de uma abordagem qualitativa, por meio do estudo de caso de corte etnográfico (LÜDKE; ANDRÉ, 1986; BOGDAN; BIKLEN, 1994; ARNAL; RINCÓN; LATORRE, 1992;YIN, 2010). O estudo revelou a importância de enfatizar a etapa da implementação dentro do ciclo de políticas como estratégica para o êxito das políticas públicas (AGUILLAR VILLANUEVA, 1993, 1993b; ELMORE, 1993; STOKER, 1993; PEREZ, 2010). Ao estudar Sistema Municipal de Ensino há um projeto de formação de sociedade e de ser humano que se pretende implementar (BORDIGNON, 2009; ROMÃO, 2010; SANDER, 1993; SAVIANI, 1999, 2012, 2014; WERLE; THUM; ANDRADE, 2008a, 2008b). Como técnica de coleta de dados utilizou-se a pesquisa bibliográfica, documental e a entrevista semi-estruturada. As entrevistas foram aplicadas as pessoas que ocuparam a função de dirigentes municipais e educacionais de Santarém no período de 2004 a 2014, perfazendo um total de 12 (doze) participantes. Enquanto resultado de estudo, pode-se afirmar que a implantação do SME de Santarém inseriu-se em um contexto das políticas educacionais marcadas pela descentralização, municipalização, parceria público-privada e autonomia dos entes federados. A implementação do SME ocorreu pela reorganização do Conselho Municipal de Educação, a partir do ano de 2005, que repercutiu de forma decisiva para o cenário local como a regularização das instituições de ensino mantidas pelo poder público municipal, participação dos segmentos educacionais nos órgãos normativos do sistema, construção dos Planos Municipais de Educação (PME), expedição de normas complementares para o sistema de ensino. Os entrevistados manifestaram o entendimento que o município de Santarém alcançou maior autonomia em termos de educação local com o SME, mas existem muitos desafios, como por exemplo, a promoção de ajustes no pacto federativo com a regulamentação do estatuto do regime de colaboração, revisão e atualização da Lei nº 17.865/2004, a educação escolar em tempo integral dentre outros. Entende-se que a participação na construção da educação local ocorre em uma arena de tensões e disputas, e que o SME de Santarém, como realidade estruturante e instituída, tem um papel de envolver os órgãos e instituições de ensino no profícuo debate sobre a educação de qualidade a partir da realidade e do contexto amazônico.
11
  • RAIMUNDA ADRIANA MAIA COSTA
  • PROINFO INTEGRADO NA AMAZÔNIA: A INCLUSÃO DIGITAL COMO JANELA DE CIDADANIA PARA ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO EM SANTARÉM/PA.
  • Orientador : TANIA SUELY AZEVEDO BRASILEIRO
  • Data: 18/11/2015
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo objetiva verificar como o Programa Nacional de Formação Continuada em Tecnologia Educacional (PROINFO-Integrado) tem contribuído para o processo de Inclusão Digital dos estudantes do Ensino Médio das Escolas Públicas da Rede Estadual de Educação no Município de Santarém - Região Oeste do Pará. Para isto, pretendemos identificar o sentido de Inclusão Digital (ID) predominante nas políticas educacionais e nos documentos referenciais do Ensino Médio brasileiro; mapear as ações do NTE/Santarém que coadunam para a ID de estudantes das escolas da rede pública estadual do Município de Santarém; verificar as condições de infraestrutura, de recursos materiais e humanos dos Laboratórios e Salas de Informática (LABINS/SI) das escolas da rede pública estadual do Município de Santarém beneficiadas pelo PROINFO; refletir sobre como a ID articulada à formação cidadã e a educação integral se inserem no contexto educacional do Ensino Médio brasileiro enquanto exigência formativa para o “Mundo do Trabalho”. A metodologia utilizada é de abordagem qualitativa, descritiva, a partir do estudo de caso do PROINFO Integrado, dos ambientes e atores estratégicos da Política Pública pesquisada dentro de três dimensões: I. Escopo Documental do PROINFO Integrado, II. NTE/Santarém e seus Professores Multiplicadores e III. Escolas da SEDUC/PA em Santarém e seus Gestores. Os instrumentos utilizados foram pesquisas bibliográfica e documental, entrevista, questionário e observação com registros fotográficos, que foram organizados e estudados à luz da análise de conteúdos de Bardin (2006 e 2009). Os resultados foram analisados a partir das seguintes categorias: Categoria 1 – Perfil pessoal e profissional dos informantes diretos; Categoria 2 – LABINS/SI-Infraestrutura, Funcionamento, Recursos Humanos e Materiais; e Categoria 3 - Inclusão Digital no EM. Durante a análise dos resultados realizamos a triangulação interativa de dados Denzin (1979) adaptada por Brasileiro (2002), buscando confrontar as evidências e as informações coletadas durante a pesquisa de campo. A base teórica utilizada para fundamentar a ID apoiou-se nos seguintes autores Kenski (2002), Neri (2003) Warshauer (2006), Lemos (2007), Silva (2005), Bonilla e Pretto (2011). Para contextualizar a ID e sua relação como as alterações sociais, articulada à Educação Integral e ao mundo do trabalho retomamos as ideias de Saviani (1986; 1989; 2011), Heloani (2003; 2012), Lopes (2002), Rosa (2010) e Maciel (2013). O que se pode perceber inicialmente é que tanto as TIC quanto a Inclusão Digital tem se firmado como condicionantes poderosos para a reestruturação dos processos produtivos, que potencializados pela internet, demandam, cada vez mais, políticas públicas que viabilizem o acesso e o gozo dos direitos sociais, como pré-requisitos à qualidade de vida, a inclusão social e a cidadania plena. Estas primeiras impressões confirmam a importância das TIC e apontam a existência de aspectos, na cultura escolar, que acentuam a necessidade de uma “educação para todos”. Evidenciamos que as mudanças qualitativas desejadas, principalmente em terras amazônidas, onde as condições socioeconômicas, de acesso e permanência nas escolas públicas, extrapolam as dimensões pedagógicas e convertem-se em barreiras físicas e geográficas (NUNES, 2013), pois somente as tecnologias não bastam, precisamos articular diálogos para a inserção TIC na base de uma Educação Integral, de perspectiva autoral, democrática e inclusiva, colaborando para a cidadania digital, uma vez que acessar a informação é direito básico de todo cidadão.
12
  • RAIMUNDA ADRIANA MAIA COSTA
  • PROINFO INTEGRADO NA AMAZÔNIA: A INCLUSÃO DIGITAL COMO JANELA DE CIDADANIA PARA ESTUDANTES DO ENSINO MÉDIO EM SANTARÉM/PA.
  • Orientador : TANIA SUELY AZEVEDO BRASILEIRO
  • Data: 18/11/2015
  • Mostrar Resumo
  • Este estudo objetiva verificar como o Programa Nacional de Formação Continuada em Tecnologia Educacional (PROINFO-Integrado) tem contribuído para o processo de Inclusão Digital dos estudantes do Ensino Médio das Escolas Públicas da Rede Estadual de Educação no Município de Santarém - Região Oeste do Pará. Para isto, pretendemos identificar o sentido de Inclusão Digital (ID) predominante nas políticas educacionais e nos documentos referenciais do Ensino Médio brasileiro; mapear as ações do NTE/Santarém que coadunam para a ID de estudantes das escolas da rede pública estadual do Município de Santarém; verificar as condições de infraestrutura, de recursos materiais e humanos dos Laboratórios e Salas de Informática (LABINS/SI) das escolas da rede pública estadual do Município de Santarém beneficiadas pelo PROINFO; refletir sobre como a ID articulada à formação cidadã e a educação integral se inserem no contexto educacional do Ensino Médio brasileiro enquanto exigência formativa para o “Mundo do Trabalho”. A metodologia utilizada é de abordagem qualitativa, descritiva, a partir do estudo de caso do PROINFO Integrado, dos ambientes e atores estratégicos da Política Pública pesquisada dentro de três dimensões: I. Escopo Documental do PROINFO Integrado, II. NTE/Santarém e seus Professores Multiplicadores e III. Escolas da SEDUC/PA em Santarém e seus Gestores. Os instrumentos utilizados foram pesquisas bibliográfica e documental, entrevista, questionário e observação com registros fotográficos, que foram organizados e estudados à luz da análise de conteúdos de Bardin (2006 e 2009). Os resultados foram analisados a partir das seguintes categorias: Categoria 1 – Perfil pessoal e profissional dos informantes diretos; Categoria 2 – LABINS/SI-Infraestrutura, Funcionamento, Recursos Humanos e Materiais; e Categoria 3 - Inclusão Digital no EM. Durante a análise dos resultados realizamos a triangulação interativa de dados Denzin (1979) adaptada por Brasileiro (2002), buscando confrontar as evidências e as informações coletadas durante a pesquisa de campo. A base teórica utilizada para fundamentar a ID apoiou-se nos seguintes autores Kenski (2002), Neri (2003) Warshauer (2006), Lemos (2007), Silva (2005), Bonilla e Pretto (2011). Para contextualizar a ID e sua relação como as alterações sociais, articulada à Educação Integral e ao mundo do trabalho retomamos as ideias de Saviani (1986; 1989; 2011), Heloani (2003; 2012), Lopes (2002), Rosa (2010) e Maciel (2013). O que se pode perceber inicialmente é que tanto as TIC quanto a Inclusão Digital tem se firmado como condicionantes poderosos para a reestruturação dos processos produtivos, que potencializados pela internet, demandam, cada vez mais, políticas públicas que viabilizem o acesso e o gozo dos direitos sociais, como pré-requisitos à qualidade de vida, a inclusão social e a cidadania plena. Estas primeiras impressões confirmam a importância das TIC e apontam a existência de aspectos, na cultura escolar, que acentuam a necessidade de uma “educação para todos”. Evidenciamos que as mudanças qualitativas desejadas, principalmente em terras amazônidas, onde as condições socioeconômicas, de acesso e permanência nas escolas públicas, extrapolam as dimensões pedagógicas e convertem-se em barreiras físicas e geográficas (NUNES, 2013), pois somente as tecnologias não bastam, precisamos articular diálogos para a inserção TIC na base de uma Educação Integral, de perspectiva autoral, democrática e inclusiva, colaborando para a cidadania digital, uma vez que acessar a informação é direito básico de todo cidadão.
13
  • ELENISE PINTO DE ARRUDA
  • COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA: CONTRADIÇÕES E POSSIBILIDADES PARA A CONSTRUÇÃO DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NA ESCOLA
  • Orientador : MARIA LILIA IMBIRIBA SOUSA COLARES
  • Data: 01/12/2015
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho teve como objetivo analisar as concepções que orientam as práticas dos coordenadores pedagógicos da rede pública de Santarém frente à efetivação da gestão democrática, de modo a entender como as concepções se materializam no cotidiano, considerando a realidade escolar e as ações orientadas pelo Instituto Ayrton Senna para a política municipal de educação. Adotou-se, como opção teórico-metodológica, a abordagem qualitativa e, como procedimentos metodológicos, a revisão de literatura e a realização de grupo focal, tendo como sujeitos os coordenadores pedagógicos egressos do Curso de Especialização em Coordenação Pedagógica – Polo Santarém, oferecido pela Universidade Federal do Oeste do Pará no período de 2012 a 2013 e que atuam na rede pública do município. A pesquisa identificou que o cotidiano das coordenadoras pedagógicas é sobrecarregado de múltiplas tarefas, com uma infraestrutura de trabalho precária; as ações são direcionadas por uma agenda de atividades proposta pelo Instituto Ayrton Senna; a gestão escolar vivida pelas coordenadoras pedagógicas, apresenta elementos democráticos como a existência de eleição de diretores, conselhos escolares, projetos políticos-pedagógicos e direções escolares com perfil participativo, todavia ainda há indicativos de centralização nas tomadas de decisões. Concluiu-se que a sobrecarga de tarefas e desvio para outras atividades ainda constitui o cotidiano do coordenador pedagógico. Compreende-se que gestão democrática não é simplesmente a presença de elementos aparentemente democráticos no ambiente escolar. É um processo político e por conseguinte, educativo. Implica na redefinição do papel da escola na sociedade, na reflexão sobre como contribuir para o objetivo da educação que é a formação humana.
14
  • ELENISE PINTO DE ARRUDA
  • COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA: CONTRADIÇÕES E POSSIBILIDADES PARA A CONSTRUÇÃO DA GESTÃO DEMOCRÁTICA NA ESCOLA
  • Orientador : MARIA LILIA IMBIRIBA SOUSA COLARES
  • Data: 01/12/2015
  • Mostrar Resumo
  • O presente trabalho teve como objetivo analisar as concepções que orientam as práticas dos coordenadores pedagógicos da rede pública de Santarém frente à efetivação da gestão democrática, de modo a entender como as concepções se materializam no cotidiano, considerando a realidade escolar e as ações orientadas pelo Instituto Ayrton Senna para a política municipal de educação. Adotou-se, como opção teórico-metodológica, a abordagem qualitativa e, como procedimentos metodológicos, a revisão de literatura e a realização de grupo focal, tendo como sujeitos os coordenadores pedagógicos egressos do Curso de Especialização em Coordenação Pedagógica – Polo Santarém, oferecido pela Universidade Federal do Oeste do Pará no período de 2012 a 2013 e que atuam na rede pública do município. A pesquisa identificou que o cotidiano das coordenadoras pedagógicas é sobrecarregado de múltiplas tarefas, com uma infraestrutura de trabalho precária; as ações são direcionadas por uma agenda de atividades proposta pelo Instituto Ayrton Senna; a gestão escolar vivida pelas coordenadoras pedagógicas, apresenta elementos democráticos como a existência de eleição de diretores, conselhos escolares, projetos políticos-pedagógicos e direções escolares com perfil participativo, todavia ainda há indicativos de centralização nas tomadas de decisões. Concluiu-se que a sobrecarga de tarefas e desvio para outras atividades ainda constitui o cotidiano do coordenador pedagógico. Compreende-se que gestão democrática não é simplesmente a presença de elementos aparentemente democráticos no ambiente escolar. É um processo político e por conseguinte, educativo. Implica na redefinição do papel da escola na sociedade, na reflexão sobre como contribuir para o objetivo da educação que é a formação humana.
15
  • PRISCILA TAVARES PRIANTE
  • AS VOZES DAS CRIANÇAS ÀS MARGENS DO RIO TAPARÁ: SER CRIANÇA NA COMUNIDADE TAPARÁ GRANDE – SANTARÉM/PA.
  • Orientador : IANI DIAS LAUER LEITE
  • Data: 11/12/2015
  • Mostrar Resumo
  • No Brasil, estudos que concebem a infância como fenômeno social são relativamente novos. Tais pesquisas têm se ocupado em investigar grupos infantis que vivem em situações de risco ou crianças indígenas. Outros trabalhos buscaram ampliar o conhecimento sobre o conceito de infância, contado a partir das próprias crianças e em diferentes contextos. Nesse sentido, buscou-se identificar qual o conceito que crianças de cinco a seis anos de idade, na comunidade de várzea conhecida como Tapará Grande, em Santarém-PA, têm sobre o que é ser criança. Participaram 16 crianças, sendo 8 meninas e 6 meninos. Para coleta dos dados foi utilizado o instrumento História pra completar (MARTINS, 2000). Para coletar dados relativos ao contexto bioecológico que compõem a realidade das crianças pesquisadas, foram utilizados os instrumentos: Roteiro de Grupo Focal, aplicado mediante grupo focal com as crianças, o Inventário de Recursos do Ambiente Familiar – RAF e Folha de Dados Sóciodemográficos, preenchidos pelos pais das crianças e a visita guiada pelas crianças na comunidade. Para a análise dos dados utilizou-se a técnica do Discurso do Sujeito Coletivo – DSC (LEFÈVRE & LEFÈVRE, 2012) e Análise Narrativa (HUBERMAN e MILES, 1991). Como dados de contexto, observou-se que a rotina das crianças, em relação aos meios de locomoção, os espaços utilizados e tipos de brincadeiras ocorrem de acordo com as possibilidades dos períodos de cheia e seca do rio. Os resultados encontrados para o tema ―o que é ser criança‖ foram analisados por grupo etário. As ideias centrais encontradas no grupo de 5 anos foram: A: A criança é pequena; B: A criança é legal e obedece os mais velhos; C: O que a criança faz; D: Utiliza-se como referência; E: O que pertence à criança; F: Não saber; G: Dúvidas. Observou-se que o conceito das crianças de 5 anos constrói-se a partir de referencias físicas, comportamentais e concretas como a própria criança e os brinquedos. As ideias centrais encontradas para o grupo de 6 anos foram: A:Um bebê; B: O que o bebê não faz; C: Utiliza-se como referência; D: Dúvida; E: Afirmativa de saber o que é uma criança, denotando a figura da criança como aquele que é bebê, bem como as atividades que a criança realiza e a si próprio. Ambos os grupos utilizaram-se como referências, e trouxeram atividades para explicar o que é uma criança, contudo as crianças de 5 anos narraram de modo mais pessoal, enquanto que as crianças de 6 anos trouxeram o bebê e outras atividades sem se colocar nas afirmações. Outra semelhança foram as dúvidas que surgiram sobre o que é a criança e curiosidades. Assim, percebeu-se que os conceitos das crianças traduzem elementos do contexto de desenvolvimento, as relações com a família, com os espaços e pessoas da comunidade. Tais resultados contribuem para a ampliação do campo teórico acerca da infância, em especial, na Região Norte do Brasil, ainda, para o campo metodológico que tem a criança com sujeito e foco da pesquisa.
16
  • PRISCILA TAVARES PRIANTE
  • AS VOZES DAS CRIANÇAS ÀS MARGENS DO RIO TAPARÁ: SER CRIANÇA NA COMUNIDADE TAPARÁ GRANDE – SANTARÉM/PA.
  • Orientador : IANI DIAS LAUER LEITE
  • Data: 11/12/2015
  • Mostrar Resumo
  • No Brasil, estudos que concebem a infância como fenômeno social são relativamente novos. Tais pesquisas têm se ocupado em investigar grupos infantis que vivem em situações de risco ou crianças indígenas. Outros trabalhos buscaram ampliar o conhecimento sobre o conceito de infância, contado a partir das próprias crianças e em diferentes contextos. Nesse sentido, buscou-se identificar qual o conceito que crianças de cinco a seis anos de idade, na comunidade de várzea conhecida como Tapará Grande, em Santarém-PA, têm sobre o que é ser criança. Participaram 16 crianças, sendo 8 meninas e 6 meninos. Para coleta dos dados foi utilizado o instrumento História pra completar (MARTINS, 2000). Para coletar dados relativos ao contexto bioecológico que compõem a realidade das crianças pesquisadas, foram utilizados os instrumentos: Roteiro de Grupo Focal, aplicado mediante grupo focal com as crianças, o Inventário de Recursos do Ambiente Familiar – RAF e Folha de Dados Sóciodemográficos, preenchidos pelos pais das crianças e a visita guiada pelas crianças na comunidade. Para a análise dos dados utilizou-se a técnica do Discurso do Sujeito Coletivo – DSC (LEFÈVRE & LEFÈVRE, 2012) e Análise Narrativa (HUBERMAN e MILES, 1991). Como dados de contexto, observou-se que a rotina das crianças, em relação aos meios de locomoção, os espaços utilizados e tipos de brincadeiras ocorrem de acordo com as possibilidades dos períodos de cheia e seca do rio. Os resultados encontrados para o tema ―o que é ser criança‖ foram analisados por grupo etário. As ideias centrais encontradas no grupo de 5 anos foram: A: A criança é pequena; B: A criança é legal e obedece os mais velhos; C: O que a criança faz; D: Utiliza-se como referência; E: O que pertence à criança; F: Não saber; G: Dúvidas. Observou-se que o conceito das crianças de 5 anos constrói-se a partir de referencias físicas, comportamentais e concretas como a própria criança e os brinquedos. As ideias centrais encontradas para o grupo de 6 anos foram: A:Um bebê; B: O que o bebê não faz; C: Utiliz